Revista Brasileira de Informática na Educação

Journal Information
ISSN / EISSN : 1414-5685 / 1414-5685
Total articles ≅ 420
Archived in
EBSCO
Filter:

Latest articles in this journal

Marcos A. P. Lima, Leandro S. G. Carvalho, , David B. F. de Oliveira,
Revista Brasileira de Informática na Educação, Volume 29, pp 1137-1157; https://doi.org/10.5753/rbie.2021.29.0.1137

Abstract:
Em turmas introdutórias de programação é comum o uso de juízes online como ferramenta para elaboração de avaliações por meio de um sorteio aleatório de questões de programação. Para que o sorteio aleatório de questões seja equilibrado, é necessário que as questões tenham sido classificadas segundo sua dificuldade ou facilidade. Desse modo, este trabalho apresenta duas abordagens para classificar questões de programação pelo uso de atributos extraídos automaticamente de códigos de solução para as questões, uma segundo a facilidade e outra segundo a dificuldade das questões. Foram classificadas 404 questões com implementação em Python, que foram utilizadas em avaliações de turmas de introdução à programação ministradas entre 2017 e 2019. Ambas as abordagens utilizadas apresentaram bons resultados para classificação dicotômica das questões de programação.
Karina da Silva Castelo Branco, Valéria Maria Da Silva Pinheiro, Adriana Lopes Damian, Anna Beatriz Dos Santos Marques
Revista Brasileira de Informática na Educação, Volume 29, pp 1107-1136; https://doi.org/10.5753/rbie.2021.29.0.1107

Abstract:
O Transtorno do Espectro Autista (TEA) pode ser classificado como um tipo de transtorno global do desenvolvimento, caracterizado por prejuízos em diferentes áreas do desenvolvimento do indivíduo, como interação, socialização, concentração e principalmente na comunicação. Pesquisas relacionadas ao uso de tecnologias educacionais para o público autista no Brasil ganhou destaque após a publicação da Lei N° 12.674, que institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com TEA. A vasta gama de tecnologias disponíveis e a pouca quantidade de estudos empíricos, dificulta a identificação de aplicações úteis e alinhadas aos interesses de mães, pais e profissionais que lidam com crianças autistas. Por esta razão, decidiu-se investigar sobre o uso de aplicativos educacionais móveis na aprendizagem e nas atividades diárias de crianças autistas. Para explorar a experiência de uso dos aplicativos pelas crianças em seu cotidiano, foi conduzido um estudo com o uso de diários. Os participantes do estudo foram crianças autistas cujas mães participam de uma associação de mães do município de Jaguaruana no estado do Ceará. Os aplicativos utilizados promoveram boa experiência de uso, incluindo benefícios no aprendizado e desenvolvimento da comunicação. Esta pesquisa visa contribuir no contexto acadêmico e social, pois os resultados são relevantes tanto para pessoas que convivem com crianças autistas, como para profissionais da área.
Adriana Justina Rizzo, Elaine Cristina Catapani Poletti
Revista Brasileira de Informática na Educação, Volume 29, pp 1091-1106; https://doi.org/10.5753/rbie.2021.29.0.1091

Abstract:
As tecnologias da informação e comunicação são ferramentas utilizadas em inúmeras áreas e, no âmbito educacional, deram margem ao desenvolvimento de ambientes virtuais com novas possibilidades pedagógicas. Considerando a incorporação destas ferramentas no processo de ensino e aprendizagem, esta pesquisa voltou-se para análises do ambiente Khan Academy, como suporte virtual na condução de atividades complementares de estudo de matemática para alunos com dificuldades na matéria e/ou em estado de defasagem, pautados na teoria do Alinhamento Construtivo, de John Biggs. Com vistas nas análises acerca do ambiente virtual à luz do referencial teórico, estabeleceu-se uma relação entre as formas de organização do ambiente virtual, com seus níveis de domínio, e as formas de organização do processo educativo sustentadas pela fundamentação teórica. Seguindo os moldes qualitativos de investigação teórica conceitual, as discussões neste artigo argumentam sobre as conexões entre estruturação do ambiente virtual abordado e as etapas de desenvolvimento da taxonomia SOLO e, além disso, favorecem análises com reflexões e constatações acerca das formas de organização, acompanhamento e avaliações de processos educativos pautados nas TICs.
Matheus Barbosa de Oliveira, Ayla Débora Dantas De Souza Rebouças
Revista Brasileira de Informática na Educação, Volume 29, pp 798-826; https://doi.org/10.5753/rbie.2021.29.0.798

Abstract:
Esse artigo tem como objetivo apresentar uma avaliação do "Computação Plugada", um aplicativo Android desenvolvido com o intuito de tornar mais fácil a disseminação de atividades de computação desplugada, proporcionando assim aos seus usuários o desenvolvimento de habilidades relacionadas ao pensamento computacional. A ideia do aplicativo é que possa simplificar a aplicação dessas atividades em sala de aula, mas que também permita que usuários consigam individualmente realizar essas atividades recebendo feedback automático. Foram disponibilizados questionários online para estudantes e para professores de computação que já possuíam experiência com computação desplugada. Também foi realizada uma observação espontânea buscando identificar alguns aspectos como interesse e colaboração dos alunos de três turmas do primeiro ano do ensino médio submetidos à utilização do aplicativo em sala de aula e foi feita uma entrevista semiestruturada com a professora das turmas. Os resultados apresentados dão indícios de que o aplicativo pode ser adequado para utilização individual ou em sala de aula. Observou-se que a aplicação em sala de aula com o compartilhamento de dispositivos pode favorecer a interação entre os estudantes e a aprendizagem colaborativa, além de poder facilitar a aplicação de atividades que estimulam o desenvolvimento do pensamento computacional.
Martín-Santiago Domínguez-González, Daniel Mocencahua-Mora, Juan-Manuel González-Calleros
Revista Brasileira de Informática na Educação, Volume 29, pp 775-797; https://doi.org/10.5753/rbie.2021.29.0.775

Abstract:
Muitos têm sido os esforços feitos em todo o mundo no empoderamento tecnológico de professores em todos os níveis. No entanto, em nosso contexto esses esforços não deram frutos e não podemos observar um uso, muito menos um uso adequado, da mediação tecnológica na educação. Este artigo apresenta uma análise qualitativa do fenômeno da adoção efetiva pelo professor de mediação tecnológica educacional. Isso se baseia na cultura Maker, amplamente difundida e adotada em diversos países. O desenho metodológico foi a pesquisa-ação com professores de ciências naturais e tecnologia do ensino médio, desenvolvida por meio da formação de professores e da ação do professor em sala de aula. Destacam-se achados, como a apropriação da cultura Maker pelos professores, expectativa elevada sobre sua atuação em sala de aula, tutoria entre pares, atitude colaborativa, aprendizado de coisas novas, entre outros.
Adelina Escobar-Acevedo,
Revista Brasileira de Informática na Educação, Volume 29, pp 980-992; https://doi.org/10.5753/rbie.2021.29.0.980

Abstract:
La lectura es una actividad importante tanto en la vida diaria como en la académica. A pesar de que los planes curriculares marcan objetivos bien definidos para cada grado de estudios, la lectura no se aplica extensivamente en el aula por ser altamente demandante en carga cognitiva y tiempo. Fuera del aula, los estudiantes carecen de la guía del docente, si bien pueden hacer uso de otros recursos y estrategias como hacer anotaciones, elaborar diagramas, redactar resúmenes, entre otras, para comprender los textos. El apoyo a la comprensión lectora es un desafío en el ámbito tecnológico, la tarea se encuentra dentro de los dominios llamados mal definidos, donde no existe una única respuesta correcta. En este trabajo se presenta una revisión parcial con el objetivo de identificar tecnología educativa propuesta en los últimos años que contribuye directa o indirectamente a la comprensión lectora autónoma. Se hace una breve comparación indicando objetivos y características. Finalmente, se señalan los retos futuros.
Beatriz B. Do Rêgo, Filipe A. Garrido, Jean C. S. Rosa, Ecivaldo De Souza Matos
Revista Brasileira de Informática na Educação, Volume 29, pp 846-862; https://doi.org/10.5753/rbie.2021.29.0.846

Abstract:
Os Massive Open Online Courses (MOOC) surgiram como uma abordagem educacional inovadora, por meio da prestação de cursos online sem número predefinido de estudantes. Porém, cursos MOOC têm sofrido com alta taxa de abandono dos seus estudantes. Entre as diversas causas de abandono indicadas na literatura estão o idioma da plataforma e a insuficiência de habilidade do usuário para o uso de plataformas MOOC. Este artigo apresenta a correlação dos resultados da avaliação da qualidade da interação de uma plataforma MOOC com as causas gerais desse abandono identificadas na literatura. A avaliação foi realizada a partir dos resultados dos métodos de Percurso Cognitivo (PC) e do Método de Inspeção Semiótica (MIS). Os resultados apontam que a qualidade da interação pode influenciar (direta ou indiretamente) a ocorrência de algumas causas gerais de abandono dos estudantes. É recomendada a execução de outros métodos de avaliação para análise mais profunda sob a perspectiva do estudante.
Thamiris Stephane Zangeski Novais Paiva, Juliana Saragiotto Silva
Revista Brasileira de Informática na Educação, Volume 29, pp 993-1006; https://doi.org/10.5753/rbie.2021.29.0.993

Abstract:
Historicamente, as mulheres foram relegadas ao papel de cuidadoras, reprodutoras e mantenedoras da vida na esfera doméstica. Inclusive, por muito tempo, a educação da mulher foi pautada na incorporação das Ciências relacionadas ao cuidado, em detrimento das Ciências Exatas. Atualmente, estudos demonstram o aumento da escolaridade das mulheres frente aos homens; entretanto, as mulheres continuam sendo minoria em algumas áreas do conhecimento, que, no senso comum, são destinadas aos homens. Deste modo, o objetivo desta pesquisa foi investigar a representação feminina em alguns cursos técnicos integrados ao Ensino Médio, da Educação Profissional e Tecnológica (EPT), ofertados pelo Instituto Federal de Mato Grosso – Campus Cuiabá, Cel. Octayde Jorge da Silva, no período de 2010 a 2019. Após definido o lócus do estudo, procedeu-se à coleta de dados, em duas fases. Na primeira, foram angariadas as listagens de matrículas de estudantes dos cursos, no sistema “Q-Acadêmico” do Campus. Na segunda, foram coletados, na Plataforma Nilo Peçanha, os dados referentes à concentração feminina no lócus da pesquisa e nos demais Institutos Federais do Brasil, entre os anos de 2017 e 2019. A partir da análise e discussão dos dados, percebeu-se que a representatividade feminina, nos cursos pesquisados, foi inferior à masculina. Este fato contrapõe outras pesquisas que demonstram que, no Brasil, as matrículas na EPT vêm sendo ocupadas, majoritariamente, por mulheres. Além disso, verificou-se que as taxas de evasão feminina são menores que a masculina e que as taxas de conclusão de curso são maiores. Conclui-se assim, que apesar de as meninas terem maior representatividade na EPT em nível nacional, no recorte desta pesquisa, este fato não se repetiu.
Welber Duarte dos Santos, Camila Dias de Oliveira Sestito, Ellen Francine Barbosa
Revista Brasileira de Informática na Educação, Volume 29, pp 957-979; https://doi.org/10.5753/rbie.2021.29.0.957

Abstract:
Recursos Educacionais Abertos (REAs), embora bastante populares, ainda não são acessíveis a todos os públicos. Apesar da grande quantidade de atividades e recursos gratuitos, as pessoas com deficiência visual ainda têm dificuldades em utilizar esses materiais no dia a dia. Assim, o objetivo dessa pesquisa é apresentar uma série de recomendações que auxiliem no desenvolvimento ou adaptação de REAs para a realidade desse público, facilitando o uso e conscientizando os profissionais da educação acerca da existência desse tipo de material. Foram analisados, portanto, a literatura, ferramentas, forma de utilização e dificuldades no cotidiano com os REAs, para elaborar um conjunto de recomendações de acessibilidade para pessoas com deficiência visual, com atenção ao tato, olfato, audição e alternativas digitais. As recomendações foram avaliadas de diferentes formas por: (i) um conjunto de especialistas das áreas de computação e educação; (ii) uma pessoa com deficiência visual, especialista em produção de materiais acessíveis; (iii) um indivíduo cego, estudante dos anos finais do ensino fundamental. As análises possibilitaram a construção de recomendações atualizadas e detalhadas, que consideram diferentes contextos, domínios e artefatos. Os resultados mostraram que as recomendações podem auxiliar no processo de desenvolvimento de REAs mais acessíveis, sejam esses recursos físicos ou computacionais. Além disso, as recomendações sugerem materiais acessíveis à realidade das escolas brasileiras podendo, portanto, serem aplicados em diversos contextos, com intercâmbio de materiais e formas de aplicação, com escrita clara e objetiva.
Ana Teresa Morales Rodríguez, Juan Fidel Ortiz Fernández
Revista Brasileira de Informática na Educação, Volume 29, pp 903-927; https://doi.org/10.5753/rbie.2021.29.0.903

Abstract:
Este este trabajo se presenta el desarrollo de una plataforma web para la prevención y atención de casos de ciberacoso contra Niñas, Niños y Adolescentes (NNA), quienes en la actualidad debido al confinamiento por la pandemia del COVID19, se encuentran en mayor contacto con medios digitales, ya que de acuerdo con estadísticas a nivel internacional y nacional (en México), éstos están hiperconectados, con poca supervisión en el uso de medios y con escasa o nula orientación en el uso seguro y responsable de la tecnología. Se está aprendiendo desde casa y las aulas escolares ahora han trascendido a medios digitales, por lo que los estudiantes de primaria, secundaria y nivel medio superior, no están exentos de ser víctimas de ataques como ciberbullyng, sextorciones, phishing y grooming, entre otros, que desafortunadamente afectan su integridad física y psicológica. En coordinación con una instancia encargada de la procuración de los derechos de las y los NNA (el Sistema de Protección Integral de Niñas Niños y Adolescentes SIPINNA, de un gobierno local), se trabajó en el análisis, diseño, desarrollo y pruebas de una plataforma que permita, principalmente tres cosas: 1) informar y prevenir a través de contenido digital acerca riesgos digitales; 2) diagnosticar la vulnerabilidad de las y los NNA para tomar decisiones e implementar acciones focalizadas en escuelas donde haya mayor vulnerabilidad; y finalmente, proveer un mecanismo de reporte, a través del cual, las y los NNA podrán reportar a SIPINNA si son víctimas de algún tipo de ciberacoso y la organización pueda atender y/o canalizar con las autoridades correspondientes.
Back to Top Top