Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba

Journal Information
ISSN / EISSN : 1517-8242 / 1984-4840
Former Publisher:
Total articles ≅ 228
Current Coverage
DOAJ
Archived in
EBSCO
SHERPA/ROMEO
Filter:

Latest articles in this journal

Antonio Marcos Assuncim, Isabela Peres Da Silva, Thalia Cordeiro de Camargo Eleutério, Izabel Cristina Ribeiro Saccomann
Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, Volume 22, pp 17-22; doi:10.23925/1984-4840.2020v22i1a4

Abstract:
Objetivos: Realizar uma ação educativa para o autocuidado do paciente com pé diabético e avaliar o conhecimento apreendido. Método: A ação educativa ocorreu no Ambulatório de Feridas e Pé Diabético, no interior do estado de São Paulo, em pacientes com pé diabético. Durante a consulta de enfermagem, foi realizada uma ação educativa para as práticas de autocuidado com os pés. No fim, aplicou-se um questionário para avaliar o conhecimento apreendido. Foi utilizada a estatística descritiva. Resultados: A amostra foi composta de 42 pacientes, sendo 54,8% do sexo masculino, com média de idade de 63,0 (±13) anos. Do total, 80,3% tinha diagnóstico de diabetes mellitus (DM) havia mais de 10 anos, e o pé diabético (100%), a retinopatia (47,4%) e a cardiopatia (34,2%) foram as complicações mais frequentes. A maioria compreendeu que a alimentação saudável (85,7%) e o exercício físico (100%) são necessários para manter o nível glicêmico controlado. Em relação ao autocuidado com os pés, 80,9% dos pesquisados inspecionam os pés diariamente, 95,2% os lavam com água fria para morna, 7,2% relataram dúvidas quanto à hidratação, 4,8% faziam o corte arredondado das unhas, 14,3% retiravam a cutícula na manicure, 16,7% utilizavam sandálias, e 9,5% calçavam tipos de meia inadequados. Conclusão: Acredita-se que as contribuições deste estudo estejam no desafio de sensibilizar a população para a adoção de hábitos saudáveis e para a implementação de práticas educativas direcionadas ao encorajamento do autocuidado.
, Giovanna Vietta Lunardi
Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, Volume 22; doi:10.23925/1984-4840.2020v22i1a9

Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, Volume 22, pp 41-42; doi:10.23925/1984-4840.2020v22i1a10

Matheus Eugenio De Sousa Lima, Mariana Rocha Maia, , , Luís Ricardo de Sales Meneses Filho, Maria Araci Pontes Aires
Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, Volume 22, pp 36-39; doi:10.23925/1984-4840.2020v22i1a8

Abstract:
Objetivo: Avaliar a situação epidemiológica do lúpus eritematoso sistêmico no estado do Ceará no ano de 2015. Método: Trata-se de um estudo retrospectivo quantitativo no qual foram analisados todos os registros das consultas médicas realizadas no Centro de Referência em Dermatologia Dona Libânia (CDERM), Fortaleza, Ceará, em 2015, por meio das variáveis: nome, sexo, idade, data da consulta, número do prontuário, diagnóstico presuntivo ou confirmado, outras afecções associadas e frequência do paciente no CDERM (se primeira vez ou retorno ao atendimento médico da instituição). Resultados: Dos 19.576 pacientes analisados, 320 foram diagnosticados com lúpus, representando prevalência de 1,63% no serviço, e desse número 185 foram diagnosticados com lúpus discoide. Conclusão: O lúpus cutâneo é uma doença de extrema importância e prevalência significativa em nosso meio, porém ainda carece de consistência de dados epidemiológicos, sendo necessários estudos multicêntricos e epidemiológicos maiores tanto no Ceará quanto no Brasil, para a adequada avaliação da prevalência dessa enfermidade.
Claudio Henrique Damasceno Cabral,
Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, Volume 22, pp 2-8; doi:10.23925/1984-4840.2020v22i1a2

Abstract:
Introdução: Requerimentos regulatórios ligados à área farmacêutica têm sido crescentes nas últimas décadas, em função das novas alternativas terapêuticas que, em sua maioria, apresentam maior especificidade e menores efeitos colaterais, principalmente de medicamentos oriundos de base biológica. O sistema regulatório representa um problema para muitos países quando não há regras harmonizadas e, num contexto de mundo globalizado, nem sempre o ambiente produtivo está inserido no ambiente do usuário final. O presente trabalho avalia o painel regulatório brasileiro para produtos de origem biológica e sua consequência no desenvolvimento/lançamento desses produtos. Método: Foi realizado um levantamento com indústrias farmacêuticas, por meio de questionário, abrangendo empresas públicas e privadas, de capital nacional e estrangeiro. Resultados e considerações finais: Com base nesse levantamento, observou-se que os principais marcos regulatórios trouxeram mudanças para o lançamento de produtos biológicos no Brasil, sobretudo com maior participação das empresas privadas nacionais e incremento no setor industrial público brasileiro.
José Eduardo Martinez, Caíque Moreira Campos, Caíque Souza Jorge
Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, Volume 22, pp 27-30; doi:10.23925/1984-4840.2020v22i1a6

Abstract:
Objetivo: O objetivo deste estudo foi determinar se o encaminhamento de pacientes com dor musculoesquelética crônica para o reumatologista é realizado corretamente. Método: Foram revistas as fichas de encaminhamento para reumatologia do Centro de Saúde Escola de Sorocaba (CSE). Apuraram-se os dados demográficos, clínicos e terapêuticos, os motivos de encaminhamento e a qualidade dos dados. Foram analisados se houve registro das variáveis mencionadas, o tempo de espera para consulta e a qualidade do preenchimento da ficha de encaminhamento. Resultados: Foram analisados 63 guias de referência e respectivos prontuários. A maioria deles é de pacientes do sexo feminino e da faixa etária entre 50 e 70 anos. Em relação às hipóteses diagnósticas, a maior prevalência nas mulheres foi de osteoartrite seguida de fibromialgia, e fibromialgia e artrite reumatoide entre os homens. Dezesseis pacientes não tinham hipótese registrada. A maior parte queixava-se de dor generalizada. Observou-se que um número importante de fichas de referência e prontuários não registrava os medicamentos nem as medidas não medicamentosas. Chamou a atenção o fato de que não houve nenhuma ficha ou prontuário considerado completo. Conclusão: O encaminhamento de pacientes com dor musculoesquelética crônica do setor primário para a especialidade reumatologia tem falhas importantes.
, Juliana Alves Carmo, , Flávia Lanna Moraes
Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, Volume 22, pp 31-35; doi:10.23925/1984-4840.2020v22i1a7

Abstract:
Objetivo: O objetivo deste estudo foi identificar quais os idosos em risco de vulnerabilidade clínico-funcional que devem ser encaminhados para a atenção geriátrica-gerontológica especializada, tendo por base o Índice de Vulnerabilidade Clínico- Funcional-20 (IVCF-20) comparado com os escores da utilização da avaliação geriátrica ampla, utilizado como padrão ouro. Método: O estudo foi transversal, no qual foram comparados os resultados obtidos no IVCF-20 com os resultados verificados na Avaliação Geriátrica Ampla (AGA). Tendo em vista que idosos com escores acima de 6 estão em risco de vulnerabilidade clínico-funcional, objetivou-se definir, entre estes, a partir de qual escore os idosos seriam considerados em alto risco de vulnerabilidade, com base em alta especificidade (igual ou superior a 95%) e sensibilidade não inferior a 50%. Resultados: Identificou-se um ponto de corte de 15 pontos, com sensibilidade de 52% e especificidade de 98%. Conclusão: A elevada especificidade obtida indica que, provavelmente, poucos idosos em risco com pontuação igual ou superior a 15 seriam encaminhados desnecessariamente para a atenção gerontológica especializada, otimizando assim o uso dos recursos em saúde.
Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, Volume 22; doi:10.23925/1984-4840.2020v22i1a1

Abstract:
Editorial sobre o artigo: Assuncim AM, Silva IP, Eleutério TCC, Saccomann ICR. Consulta de enfermagem como espaço educativo para o autocuidado do paciente com pé diabético. Rev Fac Ciênc Méd Sorocaba. 2020;22(1):17-22. https://doi.org/10.23925/1984-4840.2020v22i1a4
, Amanda Feliciano Silva, Vera Lucia Nascimento Blaia D’Avila, Godofredo Campos Borges,
Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, Volume 22, pp 23-26; doi:10.23925/1984-4840.2020v22i1a5

Abstract:
Objetivos: Os objetivos deste estudo foram avaliar a prevalência de perda auditiva em pacientes diagnosticados com doença falciforme (DF) acompanhados no Ambulatório de Hematologia do Conjunto Hospitalar de Sorocaba e correlacionar os achados com o tipo de hemoglobinopatia. Métodos: Neste estudo, foram incluídos 19 pacientes com diagnóstico de DF, sendo 68% da forma homozigota da hemoglobina S (SS); 16% do tipo hemoglobinopatia SC; e 16%, S-β-talassemia. Em cada paciente, foram realizados anamnese direcionada, exame físico otorrinolaringológico e avaliação audiológica com audiometria tonal, vocal e imitanciometria. Do total da amostra, 37% apresentou alguma alteração na audiometria tonal e a média dos limiares mostrou tendência a ser maior nas altas frequências. Resultados: Na amostra, foram encontrados um paciente (5%) com perda auditiva de grau leve a moderado bilateralmente e seis pacientes (32%) com limiares >25 dB em frequências de 250, 6.000 ou 8.000 Hz em um ou ambos os ouvidos. Não foi observada alteração do Índice de Reconhecimento de Fala (IRF) em nenhum paciente e a imitanciometria mostrou-se com curva Tipo A em 100% dos ouvidos avaliados. A relação do tipo de hemoglobinopatia e a presença ou não de perda auditiva não foram significantes. Conclusão: Assim como descrito na literatura, observou-se, neste estudo, a presença de perda auditiva neurossensorial, principalmente em altas frequências, nos pacientes com DF avaliados. Portanto, conclui-se que é de extrema importância o monitoramento audiológico desses pacientes.
, Rosangela Filipini, , Patricia Granja Coelho,
Revista da Faculdade de Ciências Médicas de Sorocaba, Volume 22, pp 9-16; doi:10.23925/1984-4840.2020v22i1a3

Abstract:
Objetivo: Avaliar a qualidade de vida da criança e do adolescente e o impacto físico/psicossocial nesses sujeitos com câncer em tratamento. Métodos: Estudo quantitativo e descritivo com 35 crianças e adolescentes entre 1,7 e 18 anos de idade, na Clínica Pediátrica do Hospital Estadual Mário Covas e no Ambulatório de Oncologia da Faculdade de Medicina do ABC, em Santo André, São Paulo. A coleta consistiu em aplicação de questionário para pais e filhos, com o instrumento Pediatric Quality of Life Inventory (PedsQL™) — Módulo Câncer Versão 3.0 e questionário pediátrico sobre qualidade de vida 4.0 Brasil. Os dados foram analisados e processados pelo software Epi Info, versão 5.3.1. Resultados: Entre 35 crianças, 60% eram do sexo masculino, com idade média de 8,1 anos, tendo em média os diagnósticos recentes 12,3 meses; e, conforme o diagnóstico, 54,3% eram portadores de leucemias. A dor foi frequente em mais de 50% dos casos, e os aspectos de qualidade de vida afetados ultrapassaram 40% de acordo com os pacientes e seus pais/cuidadores. Conclusões: A qualidade de vida está alterada pelas implicações que a doença desencadeou ao desenvolvimento físico e psicossocial dos indivíduos. A percepção dessas alterações, por parte da maioria dos pais/cuidadores, é similar à de seus filhos.
Back to Top Top