Itinerarius Reflectionis

Journal Information
ISSN / EISSN : 1679-2009 / 1807-9342
Published by: Universidade Federal de Goias (10.5216)
Total articles ≅ 477
Current Coverage
DOAJ
Archived in
SHERPA/ROMEO
Filter:

Latest articles in this journal

Itinerarius Reflectionis, Volume 17, pp 01-21; https://doi.org/10.5216/rir.v17i2.62867

Abstract:
A presente investigação é parte de uma pesquisa de doutoramento que buscou investigar a Resolução de Problemas como campo de pesquisa e sua aplicação ao ensino de Matemática. Esse estudo foi norteado pela busca de resposta ao seguinte questionamento: como é concebida a Resolução de Problemas nos documentos orientadores para o ensino de Matemática do MEC[1] e nos livros didáticos de Matemática utilizados pelas escolas públicas nos anos iniciais do Ensino Fundamental? A hipótese é a de que as orientações para o ensino de Matemática nos anos iniciais, através dos PCN[2], não sejam efetivamente observadas, na elaboração de livros didáticos. Diante dessa questão, buscou-se analisar se há uma discordância quanto ao tratamento dado à Resolução de Problemas nas orientações oficiais do MEC (através dos PCN) e a concepção efetivamente presente nos materiais didáticos distribuídos pelo FNDE[3]. De forma específica, buscou-se ainda: (1) Examinar as orientações metodológicas do MEC/PCN para o ensino de Matemática; (2) conhecer as diferentes perspectivas sobre Resolução de Problemas; (3) pesquisar as diferenças entre exercícios e problemas; (4) identificar os principais tipos de problemas; (5) identificar como a Resolução de Problemas é abordada nos livros didáticos de Matemática fornecidos pelo FNDE; (5) confrontar os dados resultantes da pesquisa. O estudo foi teórico-bibliográfico, de natureza qualitativa, com foco na Resolução de Problemas como metodologia de ensino de Matemática. A pesquisa demonstrou que a Resolução de Problemas como metodologia de ensino para o ensino de Matemática, oficialmente adotada pelo MEC/PCN, não é efetivamente compreendida e observada na elaboração dos livros didáticos.
Itinerarius Reflectionis, Volume 17, pp 01-18; https://doi.org/10.5216/rir.v17i2.58997

Abstract:
Ao observar o desenvolvimento da humanidade, é possível notar as diferentes configurações atribuídas ao corpo humano que ocorreram de maneira contraditória, isso é, outrora o corpo gordo foi considerado sinônimo de riqueza e fartura, atualmente é tido como deformidade, feio e repugnante. Destarte, a partir dessa afirmativa, o objetivo desse escrito consiste em analisar criticamente o fenômeno gordofobia segundo a perspectiva da Teoria Histórico-Cutural, bem como destacar sua ação coerciva na vida dos indivíduos, principalmente entre os pré-adolescentes em âmbito escolar. Assim, a pesquisa se pauta numa perspectiva bibliográfica, norteada por autores que discutem o assunto. Os resultados evidenciam que a gordofobia é internalizada socialmente como signos e ocorre em vários campos sociais, como escolar, profissional e econômico, sendo divulgados constantemente pela mídia. Evidencia-se ainda que o preconceito seja maior em relação às mulheres, o que torna essencial as discussões de gênero relacionado à gordofobia.
Itinerarius Reflectionis, Volume 17, pp 01-19; https://doi.org/10.5216/rir.v17i2.68156

Abstract:
Apesar de passar-se grande parte da vida estudando, pouquíssima ou quase nenhuma parte dos anos de estudo é dedicada ao ensino do como estudar de forma eficaz. Espera-­se, por meio do ensino e avaliação dos vários outros conceitos e competências, que a prática constante de estudo, por si própria, seja capaz de habilitar o indivíduo a aprender de forma eficaz. Seria ‘saber aprender’ uma competência inata dos indivíduos? E a prática do estudo um processo capaz de desenvolvê-­la em seu completo potencial? Teriam os ingressantes da graduação maturado esta competência a ponto de não ser necessário avaliar o seu domínio? A avaliação do aprendizado das demais competências – línguas, matemática, ciência e suas tecnologias – seria suficiente para atestar a habilidade de aprender do estudante? Afinal, a graduação e, posteriormente, a pós­graduação, constituirão os anos de estudo mais intensos da vida e quando mais se necessitará de um domínio completo de técnicas eficazes de aprendizagem. Na direção das respostas para estas perguntas, apresenta­se aqui uma pesquisa de finalidade básica, com estudo exploratório, de natureza quasi­qualitativa e delineamento de pesquisa documental, com resultados científicos sobre as peculiaridades do aprendizado e memória humanos. Destaca-­se o quão iludidos estão os estudantes, em geral, em relação a sua habilidade de aprender e à eficácia das técnicas que usam durante o estudo. Esclarecendo alguns mitos e ilusões à luz de resultados científicos e apresentando técnicas mais efetivas – como o conceito de dificuldades desejadas, intercalação, testes distribuídos, aptidão e desenvolvimento da criatividade – tem-­se o objetivo de conscientizar os estudantes dos resultados da ciência a este respeito e fomentar a potencialização do aprendizado de longo prazo. Palavra-chave: Autoaprendizagem. Ilusões e Mitos de Aprendizado. Técnicas de Aprendizado Eficazes.
Silvio Ribeiro Da Silva,
Itinerarius Reflectionis, Volume 17, pp 01-20; https://doi.org/10.5216/rir.v17i2.65559

Abstract:
Neste artigo, analisa-se, com base nos procedimentos da pesquisa em Linguística Aplicada, se uma coleção de livro didático de Português (LDP) trabalha em prol da valorização do sujeito negro, ou se favorece o embranquecimento social. A análise foi feita na coleção Para Viver Juntos – Português, a qual teve um índice de adoção muito alto nas escolas públicas de Jataí-GO. Segundo os Parâmetros Curriculares Nacionais, é parte integrante da História o registro da dificuldade em se tratar da temática do preconceito e da discriminação étnica. O referencial coloca que, na escola, ocorrem manifestações de racismo, discriminação social e étnica por parte de professores, alunos e equipe escolar, por mais que isso ocorra de maneira involuntária ou inconsciente. Sendo o livro didático um importante instrumento pedagógico usado na escola sistematicamente, ele pode criar referências para o aluno. Ele é o material mais usado pelo professor, além de ser, segundo alguns autores, a principal fonte de informação impressa utilizada por grande parte de alunos. Os dados indicaram que a ideologia veiculada pela coleção analisada leva em consideração uma sociedade branca, já que inexistem discussões temáticas que valorizem os aspectos étnicos, sociais e culturais do indivíduo negro, o mesmo ocorrendo em relação a fotografias, imagens e ilustrações, prevalecendo o indivíduo branco na maioria absoluta das vezes.
Osni Oliveira Noberto da Silva, ,
Itinerarius Reflectionis, Volume 17, pp 01-20; https://doi.org/10.5216/rir.v17i2.62842

Abstract:
O objetivo do artigo foi tem como objetivo conhecer a percepção dos professores de Educação Especial, que atuam nas escolas municipais de Jacobina/BA, acerca das condições físicas e materiais existentes nas salas de recursos multifuncionais, através de questionário aplicado a 14 docentes do município de Jacobina, estado da Bahia. Assim, de acordo com os sujeitos entrevistados, os elementos integrantes da estrutura física e material avaliados demonstram que ainda existe um longo caminho a ser trilhado para que os docentes tenham um local de trabalho com estrutura que possa ser considerado ideal. Os dados apresentados e corroborados por diversas outras pesquisas deixaram claro que a má qualidade no que diz respeito a estrutura física e material, tanto da salas de recursos multifuncional quanto da escolas onde elas estão localizadas, não só prejudica de forma direta o trabalho docente e consequentemente o aprendizado dos alunos, como também a própria saúde física e mental e o bem estar dos professores.
Itinerarius Reflectionis, Volume 17, pp 01-15; https://doi.org/10.5216/rir.v17i2.56575

Abstract:
Objetivamos compreender os elementos produzidos nas relações entre as culturas escolares e o desenvolvimento docente dos professores de Educação Física iniciantes na carreira na Rede Municipal de Ensino de Porto Alegre- RS. Realizamos uma etnografia educacional crítica em duas escolas, onde emergiram duas grandes categorias analíticas: “Imprinting” cultural: choque cultural sobre realidades opostas no mundo da docência; Rotinização da vida cotidiana na escola: Debates sobre Perspectivas e compreensões sobre a escola e a educação. Concluímos que as marcas culturais, em diferentes situações de ensino, contribuem para os professores demarcarem condutas e rotinas no início da docência.
, , Edna Regina Silva Pereira
Itinerarius Reflectionis, Volume 17, pp 01-22; https://doi.org/10.5216/rir.v17i1.63420

Abstract:
O Ministério da Saúde define como porta de entrada a Atenção Básica e como prioridade a realização de ações de educação em saúde para otimizar a saúde da pessoa idosa. Trata-se de uma pesquisa qualitativa exploratória realizada com idosos na Atenção Básica que objetivou verificar o conhecimento dos idosos sobre educação em saúde com ênfase nas facilidades e dificuldades na realização de ações educativas. A técnica de coleta de dados foi o grupo focal. Utilizou-se a Análise de Conteúdo Temática, como proposta por Bardin, para análise de dados. Participaram dos grupos focais 15 idosos. Dos grupos focais emergiram 4 categorias: Educação como comportamento versus educação como ferramenta; O aprendizado e as trocas de experiências dos idosos nas atividades educativas; Características pessoais que interferem na participação de ações de educação em saúde; descobrindo a educação em saúde como mecanismo para alcançar a qualidade de vida. A maioria dos idosos remetem conceito de educação em saúde ao ato do profissional de saúde ser cortês e educado e pouco como ferramenta para aquisição de conhecimento. Atribuem grande importância ao sentimento de acolhimento e pertencimento aos grupos de educação. Apontam como facilitadores no processo de educação em saúde a proximidade das unidades de saúde com suas residências a disponibilidade e tempo. As dificuldades na realização e adesão às atividades educativas relatadas pelos idosos estão vinculadas às barreiras para locomoção, a falta de incentivo por parte de familiares e cuidadores e a não adaptação às atividades propostas
Itinerarius Reflectionis, Volume 17, pp 01-24; https://doi.org/10.5216/rir.v17i1.62775

Abstract:
Resumo: A parceria ensino-serviço é fundamental na formação de futuros profissionais, assim como na educação permanente dos profissionais que já atuam nos serviços de saúde. O objetivo deste estudo foi sistematizar e compreender problemas diagnosticados nas unidades básicas de saúde da família (ESF), por estudantes da graduação em Odontologia da Universidade Federal de Goiás (FO/UFG). Foi utilizada a pesquisa documental para levantamento dos dados em projetos acadêmicos elaborados no período de 2006 a 2013, por alunos de graduação do sétimo período no Estágio em Odontologia Coletiva I. Os problemas relatados nos projetos acadêmicos aconteceram em 16 unidades de ESF do Município de Goiânia-Go e foram diagnosticados pelo método da estimativa rápida. Os 80 projetos elaborados pelos acadêmicos foram examinados e apresentou um total de 950 problemas diagnosticados. Os problemas elencados variaram de acordo com o território onde o estágio aconteceu. Após a coleta realizada pelos acadêmicos os problemas foram hierarquizados em função da viabilidade de intervenção. Os problemas priorizados foram aqueles que tiveram soluções a nível local. Após a coleta dos dados, foi realizada a categorização e emergiram sete categorias e 15 subcategorias. Dentre as categorias, as mais citadas foram ‘gestão’ e ‘problema social’ e, das subcategorias foram ‘gestão pública’, ‘gestão dos serviços de saúde’ e ‘organização dos processos de trabalho’. As categorias menos citadas foram ‘trabalho em equipe’ e ‘controle social’. Concluiu-se que as categorias se interligam umas às outras, demonstrando que os problemas de saúde muitas vezes têm diversas causas e necessitam de soluções compartilhadas. Vários destes problemas não têm solução a nível local, relacionam-se aos determinantes sociais de saúde e merecem atenção especial da gestão dos serviços. A categorização dos problemas demonstrou a amplitude das dificuldades vivenciadas pelas equipes de saúde da família, e a necessidade de inserção dos acadêmicos de odontologia precocemente nos serviços de saúde, para vivenciarem a realidade prática, na busca de uma formação que aproxime o futuro profissional de odontologia das reais necessidades da população. Palavras chaves: Ensino na saúde. Ensino-serviço. Odontologia.
Itinerarius Reflectionis, Volume 17, pp 01-16; https://doi.org/10.5216/rir.v17i1.62290

Abstract:
Adolescentes com Doença Renal Crônica em hemodiálise são submetidos a uma complexa terapêutica que propicia alterações significativas em seu âmbito biopsicossocial, sendo a adesão ao tratamento um dos principais eixos da atenção à saúde para garantir qualidade de vida nessa população. Este estudo objetivou descrever os aspectos percebidos na vivência imposta pela doença, bem como a sua correlação com a adesão ao tratamento. Tratou-se de um estudo descritivo e exploratório com abordagem qualitativa. Os dados foram coletados em duas unidades de diálise entre fevereiro e junho de 2017 por meio de análise documental e entrevistas. Empregou-se o método de Análise do Conteúdo, com auxílio do Software ATLAS. ti (Analysis of Qualitative Data) 7.5.1 para a construção de redes semânticas. A amostra contou com 7 adolescentes, 7 familiares e 15 profissionais. Verificou-se que o contexto é permeado por desfavoráveis condicionantes socioeconômicos, frágil rede de apoio, exclusão escolar, isolamento social, dor e sofrimento, percebidos como vulnerabilidades para a adesão ao tratamento. Em contrapartida, a troca de experiências e a identificação de necessidades individuais sinalizou contribuir para potencializar a adesão à terapêutica pelos adolescentes.
Juliana Paula Soares, Edna Regina Silva Pereira, Jacqueline Rodrigues Lima
Itinerarius Reflectionis, Volume 17, pp 01-22; https://doi.org/10.5216/rir.v17i1.62845

Abstract:
Historicamente, a saúde mental foi marcada pelo clássico modelo psiquiátrico, permeado de violência e preconceitos. Com a Reforma Psiquiátrica (RP), construiu-se um novo modelo de cuidado psicossocial que contrastava o modelo existente. Nesse sentido, o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) veio como dispositivo estratégico para o fortalecimento da RP, com um aspecto mais humano, com novas formas de cuidado que permitiram a construção de novos conhecimentos e práticas. Objetivo: Identificar as competências dos profissionais de saúde mental no CAPS. Métodos: Pesquisa exploratória com abordagem qualitativa. A coleta de dados utilizou a técnica do grupo focal. Para analisar os dados utilizou-se a análise de dados interpretativa. O campo para o estudo foram os nove CAPS do município de Goiânia-GO que fazem o atendimento à população com transtorno mental e/ou o uso de álcool e outras drogas. Participaram da pesquisa dezesseis (16) profissionais de saúde, que atuam pelo menos há um ano CAPS, dentre eles: médico psiquiatra, psicólogo, assistente social, professor de educação física, musicoterapeuta, arteterapeuta, farmacêutico, terapeuta ocupacional, fonoaudiólogo. Resultados: A maioria dos profissionais que participaram do estudo são mulheres e a faixa etária foi de 35-69, sendo que todos os profissionais são efetivos do município. Desse estudo obteve-se quatro categorias temáticas: Formação e Educação Permanente; Trabalhador (características pessoais e satisfação do trabalhador do CAPS); Institucionalização do CAPS e Processo de trabalho, revelando que a institucionalização das práticas preconizadas no âmbito da atenção psicossocial sugere que a qualidade do atendimento em saúde mental pode estar relacionada com o modelo de atendimento existente no serviço, que reforça a atuação coletiva e não necessariamente em um conjunto de competências inerentes ao indivíduo, ou seja, que independente das competências pessoais, ou da formação desse profissional, ou da capacitação/educação continuada que o mesmo venha a receber, ele deverá desenvolver essas práticas de acordo com o que o serviço preconiza.
Back to Top Top