Diálogos Pertinentes

Journal Information
EISSN : 2177-9856
Published by: Cruzeiro do Sul Educacional (10.26843)
Total articles ≅ 106
Filter:

Latest articles in this journal

Marcos Flávio Ribeiro Mendes, Assunção Aparecida Laia Cristóvão
Published: 28 December 2021
Diálogos Pertinentes, Volume 17, pp 211-227; https://doi.org/10.26843/dp.v17i2.3770

Abstract:
Este artigo alia alguns dispositivos teóricos da Análise do Discurso de linha francesa (AD) com alguns elementos da Linguística Textual, com a finalidade de demonstrar estratégia discursiva e publicitária veiculada na mídia para despertar o humor e, provavelmente, estimular o consumo de cerveja. Nos textos parodísticos, o humor se revela axiomático – um oportuno e vantajoso instrumento persuasivo.
Isadora De Castro Penholato Ricci, Luana Ferraz,
Published: 28 December 2021
Diálogos Pertinentes, Volume 17, pp 197-210; https://doi.org/10.26843/dp.v17i2.3769

Abstract:
O presente artigo tem como objetivo principal entender quem é o auditório visado pelo texto da Base Nacional Comum Curricular, especificamente no componente curricular língua inglesa. O que se pode perceber é que, com o advento da BNCC, em 2018, o ensino da disciplina língua inglesa, componente curricular obrigatório a partir do Ensino Fundamental – Anos Finais –, é repensado, levando-se em consideração não apenas mudanças na própria sociedade, que tem, na língua inglesa, um idioma vastamente usado ao redor do mundo, mas também pensando no auditório que receberá essa Base e que dela fará uso, bem como dos beneficiários finais das propostas apresentadas no documento, prioritariamente os jovens estudantes brasileiros que se conectam ao mundo por meio da Internet e de todos os aplicativos e redes sociais cujo acesso se dá ao toque de um dedo. É pensando nesse auditório – professores e alunos – que se pode perceber a construção do discurso, cuja finalidade é persuadi-lo acerca da importância do ensino-aprendizagem da língua inglesa, por meio do desenvolvimento de conhecimentos, competências e habilidades para formar cidadãos capazes de compreender, refletir sobre, avaliar e, então, modificar a realidade em que se vivem.
Eduardo de Almeida Santos (Eduardo Teffé),
Published: 28 December 2021
Diálogos Pertinentes, Volume 17, pp 125-138; https://doi.org/10.26843/dp.v17i2.3730

Abstract:
Neste ensaio pretendemos analisar as questões de atravessamento entre arte, território e a disputa dos discursos e modelos de representação tendo como premissa os corpos e narrativas dos sujeitos periféricos - muitas das vezes enquadrados como vidas precárias . Tendo como objeto de estudo específico os trabalhos e pensamentos de Taísa Machado e Sandro D’ França. Se em Agamben ao discorrer sobre a vida politicamente qualificável em Aristóteles como é possível perceber e ponderar sobre as linhas de força da sociedade que atuam tanto sobre escrita como a presença dos corpos em determinados processos artísticos de alguns atuantes da cidade do Rio de Janeiro.
Dulce Helena Melão
Published: 28 December 2021
Diálogos Pertinentes, Volume 17, pp 9-25; https://doi.org/10.26843/dp.v17i2.3767

Abstract:
Numa época redefinida prolificamente pela pluralidade conceptual, indagar os limiares da língua no livro-álbum contemporâneo implica-nos num exercício de reinícios que as narrativas lusófonas podem reconfigurar. Este texto procura demandar tais reinícios, de modo prolífico, centrando-se em dois livros-álbum: O convidador de pirilampos (ONDJAKI, 2017) e A água e a águia (COUTO, 2018). O enquadramento teórico deste artigo contempla: i) o conjunto de valores da literatura propostos por Italo Calvino (CALVINO, 2006); ii) a relação entre o texto e a ilustração no livro-álbum e os modos como nela se entretecem múltiplos desafios ambientais. O artigo é norteado pelos seguintes objetivos: i) lançar luz sobre o caráter plural do redesenho da “multiplicidade” abrigada nas ilustrações das obras supracitadas, estimulando a participação dos leitores; ii) indagar percursos de valorização da sustentabilidade ambiental, no quadro dos objetivos globais para o desenvolvimento sustentável (PEDROSO, 2018; UNITED NATIONS, 2015), enquanto eixo conglomerador de partilhas de vozes alicerçadas no respeito pelos Outros. Conclui-se que as duas narrativas selecionadas reconstroem caminhos que reencontram nos limiares da língua amplos espaços que repetidamente apelam ao respeito pela sustentabilidade ambiental, profundamente impresso nas “estórias” narradas.
André Pinheiro, Jeymeson de Paula Veloso
Published: 28 December 2021
Diálogos Pertinentes, Volume 17, pp 54-70; https://doi.org/10.26843/dp.v17i2.3768

Abstract:
O principal objetivo deste artigo é analisar as relações estabelecidas entre espaço e poder no romance Ensaio sobre a lucidez, do escritor português José Saramago, tendo como foco de observação o regime democrático delineado na obra. Lançado no ano de 2004, o romance acaba por promover uma análise da cidade como locus de poder, além de tecer severas críticas ao estado democrático contemporâneo. De modo geral, no romance é corrente a ideia de que a democracia praticada atualmente pelos governantes funciona mais como um discurso dissimulador do que como uma forma política capaz de atender aos anseios da população. Dessa forma, Saramago busca revelar as bases ideológicas e os interesses políticos existentes por trás de grupos governamentais para os quais a democracia não passa de um subterfúgio. É importante destacar que todas essas questões políticas estão materializadas na tessitura do espaço ficcional, no modo como a cidade é estruturada na narrativa. Para promover a leitura do regime democrático na contemporaneidade, utilizamos como aporte teórico os trabalhos de Denis Rosenfield (2008) e Simone Goyard-Fabre (2003); já para executar a análise da estrutura espacial da obra, recorremos às sistematizações produzidas por Ozíris Borges Filho (2007) e Luis Alberto Brandão (2013). Concluímos que, no interior de um enredo agonal, determinados espaços funcionam como materialização do poder coercitivo e outros como um ato de resistência contra à barbárie.
Marisa Martins Gama-Khalil
Published: 28 December 2021
Diálogos Pertinentes, Volume 17, pp 71-96; https://doi.org/10.26843/dp.v17i2.3766

Abstract:
O presente estudo tem como corpus literário narrativas nas quais as protagonistas são seres míticos das águas, como o canto XII de Odisseia; “Sereias”, de Jorge Luis Borges; “O silêncio das sereias”, de Franz Kafka; Ondina: uma história de fadas da mitologia nórdica, de Friedrich De La Motte-Fouqué; “A pequena sereia”, de Hans Christian Andersen; e algumas narrativas presentes na antologia Ocaso de sirenas, esplendor de manatíes, de Jose Durand, dentre outras. O estudo traz fundamentos teóricos que procuram compreender o descompasso muito comum feito pela cultura ocidental, ao distanciar radicalmente real e imaginário/irreal; nesse sentido é que articula a noção de vontade de verdade, de Michel Foucault (1999), e a de insólito, de Lenira Marques Covizzi (1978).
Marlí Tereza Furtado Tereza Furtado, Regina Barbosa da Costa
Published: 28 December 2021
Diálogos Pertinentes, Volume 17, pp 40-53; https://doi.org/10.26843/dp.v17i2.3764

Abstract:
Ao iniciar a produção e publicação do ciclo romanesco denominado Extremo Norte, com o romance Chove nos campos de Cachoeira, em 1941, o marajoara Dalcídio Jurandir (1909/1979) quebrou a protagonização da selva na literatura que figurava a Amazônia, o que poucos autores haviam realizado até então. Além de se utilizar de técnica inovadora, como a análise mental, o monólogo interior, Jurandir localiza a saga do menino Alfredo, afrodescendente, personagem central do ciclo, entre os anos vinte e trinta do século passado, com retrospectivas a dados e fatos anteriores a essa década. Chama a atenção, nessa primeira obra do ciclo, como nas demais, o número de textos citados, ou referidos, ou amalgamados ao enredo das obras. Esse entrecruzar de textos que perpassam o ciclo (composto de dez obras) demonstra o leitor Dalcídio Jurandir, que, antes de escritor, se iniciara jornalista e crítico literário para periódicos. Nosso propósito, neste texto é analisar o entrelaçamento da voz do crítico literário, com a voz do narrador e com a voz de personagens leitores, nos três primeiros romances do ciclo, a saber: Chove nos campos de Cachoeira (1941), Marajó (1947), Três casas e um rio (1958), para demonstrar que a obra de Dalcídio Jurandir, de forte conotação social, apesar de focalizar, nesses primeiros romances o espaço marajoara, amplia a percepção desse espaço ao leitor ao se abrir para a recepção de obras de diferentes gêneros e nacionalidades. Jurandir cita textos literários e textos da tradição oral para realçar o caráter romanesco de sua saga.
Adriana Pucci Penteado De Faria E Silva
Published: 28 December 2021
Diálogos Pertinentes, Volume 17, pp 176-196; https://doi.org/10.26843/dp.v17i2.3735

Abstract:
Neste artigo, o objetivo é mostrar o diálogo com um corpus de análise construído a partir de uma experiência de interação em redes sociais. A base teórica e epistemológica emerge dos escritos de Bakhtin e dos demais pesquisadores do Círculo, em diálogo com pesquisas feitas por Amorim (2000, 2007, 2015) sobre formas de saber e de conhecimento e sua relação com interações discursivas de diferentes naturezas. Apresenta-se uma reprodução de frames da postagem no Instagram que gerou as interações em análise e mostra-se uma seleção de repostas a um comentário crítico. Pela análise de alguns aspectos linguísticos e discursivos dessas interações, flagra-se um discurso que contrapõe o Instagram ao Facebook, posicionando essas redes de acordo com os usuários que nelas deveriam circular. Conclui-se que há hábitos monologizantes exercendo certas coerções nas redes, mas aponta-se que, nas interações, existe a possibilidade de refração desses hábitos.
Raquel Rinco Dutra Pereira,
Published: 28 December 2021
Diálogos Pertinentes, Volume 17, pp 139-154; https://doi.org/10.26843/dp.v17i2.3732

Abstract:
Enquanto professoras-pesquisadoras de uma universidade pública, sabemos que Viktor Frankl não é um autor tão presente nos currículos dos cursos de graduação, como o tem lugar Freud e Adler. Tal saber nos impulsiona a apresentar esse autor em uma linguagem que seja acessível aos estudantes, sem perder o rigor científico. Estabeleceu-se como objetivo apresentar esse autor a quem está começando a estuda-lo de forma que possam conhecer o caminho por ele construído e princípios defendidos a partir da compreensão de alguns conceitos basilares em sua teoria. Como metodologia elegeu-se a pesquisa bibliográfica com ênfase biográfica, uma vez que a vida e obra de Viktor Emil Frankl será nosso principal objeto de estudo no diálogo com ele mesmo e outros autores que possam contribuir nessa construção. É possível apontar que concepção de vida veiculada na Logoterapia e Análise Existencial se constitui referencial ao se pensar a construção de estratégias de resiliência na vida acadêmica, ressaltando especialmente a “força de resistência do espírito” e a “arte de viver a vida”.
Lucie de Josephe Lannoy, Sidney Barbosa
Published: 28 December 2021
Diálogos Pertinentes, Volume 17, pp 26-39; https://doi.org/10.26843/dp.v17i2.3765

Abstract:
O poema “Las ventanas se han estremecido” (“As janelas estremeceram”) faz parte da obra do poeta peruano César Vallejo (1892-1938) Poemas Póstumos I, também chamados Poemas Humanos ou Los poemas de París. A análise, realizada segundo A poética do espaço, de Gaston Bachelard (1884-1962), e as próprias reflexões do poeta, registradas em artigos e crônicas, contemplam uma relação ambígua do autor com a cidade do seu exílio, Paris. É a partir desse espaço, no entanto, que o artista toma consciência de aspectos culturais e sociais da América Latina e os apresenta traduzidos sensorialmente em sua poesia.
Back to Top Top