Cadernos de Saúde Pública

Journal Information
ISSN / EISSN : 0102-311X / 0102-311X
Total articles ≅ 8,235
Current Coverage
SCOPUS
SCIE
SSCI
MEDICUS
MEDLINE
PUBMED
DOAJ
Archived in
SHERPA/ROMEO

Latest articles in this journal

Sandra Costa Fonseca, Pauline Lorena Kale, Graça Helena Maia Do Canto Teixeira, Vania Gloria Silami Lopes
Cadernos de Saúde Pública, Volume 37; https://doi.org/10.1590/0102-311x00265920

Abstract:
Although the Brazilian List of Avoidable Causes of Deaths (LBE in Portuguese), in its version for children under 5 years of age (LBE < 5), does not include stillbirths, some studies have used the list with or without adaptations. We present a proposal for adaptation of the LBE for stillbirths (LBE-OF in Portuguese) and the results of its application to stillbirths in the State of Rio de Janeiro, Brazil, in 2018, compared to the results with LBE < 5. We reviewed the categories from the 10th revision of the International Classification of Diseases (ICD-10) in the LBE < 5 and reassigned them in the avoidability groups, according to time of death in relation to delivery and the causes consistent with stillbirths. Conditions that did not elucidate the determinants of death were allocated as ill-defined causes. Stillbirths in the State of Rio de Janeiro, selected from the databases of the Mortality Information System (SIM in Portuguese), were classified according to LBE-OF and LBE < 5. When classifying the 2,585 stillbirths that occurred in the State of Rio de Janeiro in 2018, we found that according to LBE < 5, there were predominantly causes "reducible by adequate care in labor and delivery" (42.9%), while according to LBE-OF, the most frequent causes were "reducible by adequate care for during pregnancy" (43.6%). Ill-defined causes ranked second according to the LBE-OF (35.4%) and third according to LBE < 5. Some 30% of stillbirths changed groups and subgroups of avoidability, showing greater consistency with the profile of obstetric care. Although identifying a higher percentage of ill-defined causes, the LBE-OF is more consistent with the pathophysiology of fetal deaths. The inclusion of stillbirths in the SIM would be a positive step in monitoring and upgrading the investigation of causes of fetal death.
Giliate Cardoso Coelho Neto, Arthur Chioro
Cadernos de Saúde Pública, Volume 37; https://doi.org/10.1590/0102-311x00182119

Abstract:
The study aimed to identify and analyze the nationwide Health Information Systems (SIS) operating in Brazil from 2010 to 2018 and to understand the management and support structure for Information Technology (IT) in these systems in the Ministry of Health. This was a descriptive study based on document analysis, seeking to consolidate the data on nationwide SIS based on selection criteria referenced on the concept of SIS. The documents yielded incomplete and mutually disparate data, evidencing different interpretations of the concepts of systems and health information systems in the Ministry of Health. The survey found 54 nationwide Health Information Systems functioning from 2010 to 2018 and collected information on seven decentralized IT centers in Ministry of Health departments, which work autonomously from the Brazilian Health Informatics Department (DATASUS). The analysis of the logics of their functioning identified four groups of SIS pertaining to the following: monitoring relevant events for public health, greater control and monitoring of health programs in the Ministry of Health, registration of physical and legal persons, and a "new generation" of SIS that are developed and maintained by the Federal Government but differ from its verticalized programmatic logic, focused on administrative rationalization and improving the quality of services provided by the SUS at the local and regional levels.
Graciela Fabiana Scruzzi, Natalia Tumas, Sonia Alejandra Pou
Cadernos de Saúde Pública, Volume 37; https://doi.org/10.1590/0102-311x00345920

Abstract:
The study aimed to identify epidemiological-nutritional profiles in Argentina and to compare the burden of morbimortality from COVID-19. A multigroup ecological study was conducted with 24 geographic units in Argentina. We estimated the percent change from 2005 to 2018 in indicators of the epidemiological-nutritional transition and sociodemographic indicators according to geographic unit. We performed principal components analysis and hierarchical cluster analysis to identify geographic groupings to define profiles in the epidemiological-nutritional transition. By group, we calculated summary measures of COVID-19 cumulative incidence (CI), mortality, and case fatality (epidemiological week 50), establishing comparisons via Student's t test. Three profiles were identified: (1) reemergence of infectious diseases, (2) persistence of cardiovascular diseases despite social, health, and lifestyle improvements, and (3) consolidation of the triad obesity-sedentarism-cardiometabolic diseases. Mean COVID-19 cumulative incidence and mortality were higher in provinces with profile 1 compared to profile 2 (CI: p = 0.0159; mortality: p = 0.0187) and profile 3 (CI: p = 0.0205). Case-fatality was higher in profile 3, which includes provinces with more unfavorable socioeconomic conditions, showing significant differences from profile 2 (p=0.0307). In conclusion, there are distinct epidemiological-nutritional profiles in Argentina which tend to differ in terms of their COVID-19 epidemiological situation. Strategies to fight COVID-19 should consider the underlying epidemiological, nutritional, and sociodemographic characteristics.
Jesem Douglas Yamall Orellana, Lihsieh Marrero, Bernardo Lessa Horta
Published: 17 May 2021
Cadernos de Saúde Pública, Volume 37

The publisher has not yet granted permission to display this abstract.
, Gabriela Hames Gehrke, Camila Mello dos Santos,
Published: 1 January 2021
by SciELO
Cadernos de Saúde Pública, Volume 37; https://doi.org/10.1590/0102-311x00197820

Abstract:
This study aimed to assess the percentage of articles with authors affiliated to Brazilian institutions in high-impact journals and SciELO journals and to evaluate trends in 5-year citations according to the author's affiliation and journal category. Bibliometric data were obtained using Scopus database from 1995 to 2019. Publications were selected from four journal categories: High-impact General Health (HGH), High-impact Public Health (HPH), SciELO General Health (SGH) and SciELO Public Health (SPH). The number of citations that were received five years after publication and the percentage of publications with any author affiliated to Brazil were calculated by each year. The same 146 journals were followed. There was a significant increase in percentage of articles with authors affiliated to Brazilian institutions in all sets of journals. Among HGH, there was an increasing from 0.3% to 1.5% between 1995-2019, for HPH from 1% to 3%, for SGH from 49.7% to 55.4%, and for SPH from 47.4% to 71.9%. There was a significant (p < 0.01) increase in the mean of 5-year citations in all groups and Brazilian affiliated articles increased more than average. For each 10 years, average HGH articles increased 11.9 citations and Brazilian affiliated articles 32.0 citations. The results suggest that the presence of Brazilian science is increasing, and the scientific impact has increased more than average.
Elis Roberta Monteiro, ,
Published: 1 January 2021
by SciELO
Cadernos de Saúde Pública, Volume 37; https://doi.org/10.1590/0102-311x00112920

Abstract:
Resumo: Este artigo teve o objetivo de avaliar a gestão municipal na promoção do uso racional de medicamentos nos municípios com população igual ou superior a 100 mil habitantes, em Santa Catarina, Brasil. A pesquisa iniciou com a adaptação de um modelo avaliativo composto por 28 indicadores, que analisa o desenvolvimento das ações de promoção do uso racional de medicamentos por meio das dimensões educacional, estrutural, gerencial e operacionalização da assistência farmacêutica. A coleta de dados foi realizada por intermédio de questionário online, testado e validado, por meio de uma plataforma virtual com o envio de link para o endereço de e-mail do respondente. A atribuição de juízo de valor considerou as categorias pré-definidas na matriz de julgamento, orientadas por parâmetros normativos, revisão de literatura e acordos firmados entre especialistas. Dos 11 municípios avaliados, quatro foram classificados como “regulares” e os demais como “ruins”, apresentando deficiências nas quatro dimensões de análise. O melhor resultado foi observado na dimensão gerencial e o pior na dimensão estrutural. Um cenário crítico com relação à promoção do uso racional de medicamentos foi evidenciado, com destaque para deficiências na capacitação dos profissionais de saúde, estruturas físicas inadequadas, carência de recursos humanos, falhas na gestão da segurança dos pacientes e dificuldades para a execução da assistência farmacêutica. Conclui-se que importantes desafios precisam ser superados para a garantia de uma prescrição medicamentosa apropriada, do acesso oportuno, da dispensação adequada dos fármacos e o uso correto dos medicamentos pela população.
, Letícia Isabel Ferreira Silva
Published: 1 January 2021
by SciELO
Cadernos de Saúde Pública, Volume 37; https://doi.org/10.1590/0102-311x00267720

Abstract:
Resumo: Objetivou-se avaliar a qualidade das práticas de atenção às pessoas com sofrimento relacionado à saúde mental nos serviços de atenção primária à saúde do Brasil e sua associação com variáveis de estrutura organizacional por meio de pesquisa avaliativa com dados do Programa Nacional de Melhoria do Acesso e da Qualidade da Atenção Básica (PMAQ-AB), coletados em 2018. Foram excluídas as equipes que informaram não realizar esse tipo de cuidado. A soma dos 13 indicadores de saúde mental selecionados gerou um escore que foi distribuído em três grupos de qualidade: G1 (0 a 5 pontos - menor qualidade), G2 (6 a 9 pontos - qualidade mediana) e G3 (10 a 13 pontos - maior qualidade), e seus resultados foram associados a nove variáveis de contexto organizacional favorecedoras à permanência das equipes nos respectivos grupos de qualidade. Foram avaliadas 36.384 equipes, localizadas em 5.026 municípios. O escore variou entre 1 e 13 pontos (G1 = 9,7%; G2 = 25,1% e G3 = 65,2%). Ter ambiente que propicie dispensação de medicamento e privacidade na consulta, existência de médico especialista, psicólogo e farmacêutico, apoio matricial pelo Núcleo Ampliado de Saúde da Família (NASF) e Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), além de reuniões de equipe semanal e/ou quinzenal, estiveram presentes em maior número entre as equipes que compuseram o grupo de maior qualidade (p < 0,001). Concluiu-se que condições estruturais relacionadas à infraestrutura e à disponibilidade de profissionais, assim como apoio matricial e espaços de reflexão para discutir a (re)organização dos processos de trabalho na atenção aos usuários com sofrimento relacionado à saúde mental são fatores que influenciam a qualidade da atenção, precisando ser considerados, especialmente, diante dos retrocessos políticos vivenciados.
Elenice Machado da Cunha, José Muniz Da Costa Vargens, Marcio Candeias Marques, Gabriela Rieveres Borges de Andrade,
Published: 1 January 2021
by SciELO
Cadernos de Saúde Pública, Volume 37; https://doi.org/10.1590/0102-311x00190220

Abstract:
Resumo: Consonante com o processo de institucionalização da avaliação da atenção primária no Brasil, foi desenvolvida a Matriz Avaliativa do Vínculo Longitudinal (MAVIL), instrumental avaliativo simples e conciso. A MAVIL estrutura-se a partir das três dimensões do conceito de vínculo longitudinal: Dimensão 1 - reconhecimento da unidade básica de saúde (UBS) como fonte regular de cuidados, Dimensão 2 - relação interpessoal profissional/paciente e Dimensão 3 - continuidade da Informação. Consiste em um conjunto estruturado de 12 critérios, 20 indicadores e respectivas questões e itens de verificação, submetido a várias etapas de validação. O presente artigo apresenta a validação estatística da aplicação MAVIL em duas UBS de um território de saúde a fim de respaldar as futuras aplicações e averiguar também a capacidade do instrumento para captar diferenças no perfil do vínculo longitudinal entre UBS. O método consistiu nas seguintes definições: desenho da amostra, escolha da métrica, análise descritiva dos dados e teste comparativo de médias, por meio da aplicação do teste de normalidade e de estatística não paramétrica. Como resultados: a amostra por estrato, junto à opção da soma dos pontos dos itens da MAVIL como métrica, possibilitou descrever o perfil do vínculo longitudinal para os três recortes: território e UBS A e B. Para verificar a capacidade da MAVIL em captar diferença no perfil de vínculo longitudinal, testou-se a hipótese da normalidade dos dados a partir do teste de Kolmogorov-Smirnov. Rejeitada a hipótese da normalidade, optou-se pelo teste não paramétrico de Wilcoxon para comparar as UBS. Para Dimensão 1 e Dimensão 2, constatou-se a semelhança de perfil, contudo, para Dimensão 3, houve diferença significativa, atestando a sensibilidade da MAVIL.
, , , Mariana Rabelo Gomes, Kátia Santana Freitas
Published: 1 January 2021
by SciELO
Cadernos de Saúde Pública, Volume 37; https://doi.org/10.1590/0102-311x00246320

Abstract:
Resumo: O objetivo foi avaliar a relação da insatisfação no trabalho e ocorrência de transtornos mentais comuns (TMC), considerando os aspectos psicossociais do trabalho e a satisfação pessoal (SAP). Estudo transversal, em amostra de 3.084 trabalhadores/as de saúde de cinco municípios baianos. Empregou-se análise de modelagem de equações estruturais, estratificada por gênero. A insatisfação com o trabalho foi a variável de exposição principal. Os TMC, variável desfecho, foram avaliados pelo Self-Reporting Questionaire (SRQ-20). Satisfação pessoal, avaliada por questões do World Health Organization Quality of Life (WHOQOL), e os aspectos psicossociais estressores (AE) e protetores (AP), mensurados pelo Job Content Questionnaire (JCQ) e pela escala Effort-Reward Imbalance (ERI), foram tratadas como variáveis latentes. A insatisfação com o trabalho associou-se positivamente aos TMC, entre homens (0,160; IC95%: 0,024; 0,295) e mulheres (0,198; IC95%: 0,135; 0,260). Os AE associaram-se positivamente à insatisfação com o trabalho e aos TMC, enquanto os AP associaram-se negativamente a esses dois eventos, entre homens e mulheres. A insatisfação com o trabalho mediou o efeito dos aspectos psicossociais e da SAP na ocorrência de TMC. O modelo final apresentou bom ajuste nos grupos analisados. Elevada insatisfação, presença de aspectos psicossociais estressores, carência de aspectos protetores e insatisfação pessoal associaram-se aos TMC direta ou indiretamente. Os resultados reforçam a necessidade de ações voltadas à proteção da saúde mental no trabalho em saúde com o redesenho dos aspectos nocivos identificados e fortalecimento dos aspectos associados à menor ocorrência de TMC.
Back to Top Top