Locus: Revista de História

Journal Information
ISSN / EISSN : 1413-3024 / 1413-3024
Current Publisher: Universidade Federal de Juiz de Fora (10.34019)
Total articles ≅ 105
Current Coverage
DOAJ
Archived in
SHERPA/ROMEO
Filter:

Latest articles in this journal

Rodrigo Christofoletti, Maria Leonor Botelho
Locus: Revista de História, Volume 26, pp 3-12; doi:10.34019/2594-8296.2020.v26.32546

Abstract:
Apresentação do Dossiê Patrimônio e Relações Internacionais
Leandro Pereira Gonçalves
Locus: Revista de História, Volume 26, pp 1-2; doi:10.34019/2594-8296.2020.v26.32545

Abstract:
Editorial do volume 26, número 2 (2020) da revista Locus.
Pedro Ivo Tanagino
Locus: Revista de História, Volume 26, pp 490-494; doi:10.34019/2594-8296.2020.v26.32180

Abstract:
Resenha do livro Galimi, Valeria; Annarita Gori, edit. Intellectuals In The Latin Space During The Era Of Fascism: Crossing Borders. London; New York: Routledge; Taylor and Francis Group, 2020. (Routledge Studies in Modern History).
Gabriel Guimarães
Locus: Revista de História, Volume 26, pp 500-505; doi:10.34019/2594-8296.2020.v26.31953

Abstract:
Resenha do livro Marchi, Riccardo. A nova direita anti-sistema: o caso do Chega. Lisboa: Edições 70, 2020.
Bruno Garcia
Locus: Revista de História, Volume 26, pp 495-499; doi:10.34019/2594-8296.2020.v26.31894

Abstract:
Resenha do livro: Zúquete, José Pedro. The Identitarians: The Movement Against Globalism and Islamin Europe. Notre Dame: University of Notre Dame Press, 2018.
Marcos Olender
Locus: Revista de História, Volume 26, pp 291-313; doi:10.34019/2594-8296.2020.v26.31204

Abstract:
O artigo discute alguns aspectos da produção da Carta de Atenas de 1931, primeiro documento internacional referente à proteção do patrimônio histórico e artístico produzido no âmbito de uma articulação política e institucional internacional. Aborda o processo histórico que constrói a conjuntura da elaboração do citado documento, iniciando pelo contexto da Primeira Grande Guerra, passando pela implantação de instituições que começaram a estruturação de uma política internacional de proteção ao patrimônio, em que é destacada a preocupação pela viabilização da constituição de um patrimônio da humanidade.
Jorge Elices Ocón
Locus: Revista de História, Volume 26, pp 169-192; doi:10.34019/2594-8296.2020.v26.30949

Abstract:
Las destrucciones de estatuas, yacimientos y museos llevadas a cabo por DAESH en Siria e Iraq no deben ser considerados simples actos vandálicos o acciones iconoclastas en base a su interpretación radical y tergiversada del islam, sino que en realidad esconden un discurso complejo que debe entenderse dentro del debate actual sobre la redefinición del patrimonio, particularmente de las estatuas, cuestionadas por representar un pasado colonialista o autocrático que ya no se considera digno de ser conservado y recordado.
Bruno Zétola
Locus: Revista de História, Volume 26, pp 123-149; doi:10.34019/2594-8296.2020.v26.30980

Abstract:
Troféus de guerra são uma categoria muito especifica de patrimônio, visto tratar-se de artefatos militares obtidos no campo de batalha e cujo valor cultural é aferido após sua apreensão. Prática recorrente desde a Antiguidade clássica, a obtenção e exibição de troféus de guerra nunca foi considerada ilícito internacional. Suas implicações para as relações internacionais, entretanto, podem ser significativas, consoante a valorização do artefato tornado troféu pelas narrativas historiográficas das sociedades que o perdem ou que o conquistam. Este artigo examina as singularidades do troféu de guerra como patrimônio cultural e sua relevância para as relações diplomáticas. A partir de três estudos de caso, aponta-se para possíveis paradigmas do uso desse tipo de patrimônio como recurso de política externa.
Yobani Maikel Gonzales Jauregui
Locus: Revista de História, Volume 26, pp 314-341; doi:10.34019/2594-8296.2020.v26.30426

Abstract:
En el presente trabajo analizaremos la legislación canónica que nació en la América española durante el período colonial. En el primer espacio su nacimiento fue a las pocas décadas de instalado el dominio español, teniendo una clara influencia del Concilio de Trento y de las diversas realidades de los espacios americanos donde la Iglesia convocó y promulgó constituciones provinciales o sinodales. De esta forma, las nuevas relaciones humanas fueron legisladas, otorgándose derechos espirituales a la población esclavizada, utilizando la excomunión como elemento de castigo contra los amos infractores. Es decir, desde el primer siglo de dominio colonial la Iglesia amparo jurídicamente a los esclavizados. Este derecho fue usado de forma recurrente por los esclavizados desde el período colonial temprano, así lo demuestran los diversos procesos judiciales de Lima y Nueva España. Sin lugar a duda, la ciudad jugó un rol fundamental en elaprendizaje del derecho canónico esclavista, porque permitió a los esclavizados no solo interactuar con las fuentes del derecho, sino utilizar la escritura para buscar mejoras en su condición.
Gilberto Marcos Antonio Rodrigues
Locus: Revista de História, Volume 26, pp 78-94; doi:10.34019/2594-8296.2020.v26.31203

Abstract:
No âmbito da dimensão cultural das relações internacionais de cidades, o patrimônio cultural é um vetor pouco explorado em sua potencialidade e capacidade de promover a inserção internacional local do Brasil. O problema principal que se coloca nesse artigo é: no caso de patrimônios culturais, sejam eles materiais ou imateriais, que não dispõem de valorização ou proteção nacional, como pode a cidade aproveitá-lo como vetor de uma ação internacional? O objetivo do artigo é analisar como o patrimônio cultural pode ser transformado em recurso ativo para uma Estratégia Internacional Modelada (EIM) visando alavancar e apoiar a política externa de uma cidade média ou pequena no Brasil. A hipótese principal a ser explorada é que o patrimônio cultural, embora pouco valorizado no país como recurso ativo de inserção e projeção internacional, pode ser um interessante e efetivo vetor para a uma EIM visando a elaboração de políticas externas de cidades pequenas e médias. Num cenário adverso para a cultura no Brasil, as cidades ganham novo papel como atores internacionais em prol da proteção do patrimônio cultural local.
Back to Top Top