Revista Contexto & Saúde

Journal Information
ISSN / EISSN : 1676188X / 21767114
Current Publisher: Editora Unijuí (10.21527)
Total articles ≅ 147
Filter:

Latest articles in this journal

Thiago Silva Piola, Eliane Denise Araújo Bacil, Michael Pereira Da Silva, Jhonatan Gritten Campos, Nicolau Augusto Malta Neto, Wagner De Campos
Published: 17 December 2019
Revista Contexto & Saúde, Volume 19, pp 128-136; doi:10.21527/2176-7114.2019.37.128-136

Abstract:
Objetivo: verificar fatores associados aos diversos contextos de comportamentos sedentários em adolescentes. Métodos: estudo correlacional de corte transversal, com amostra representativa de adolescentes de São José dos Pinhais-PR (n = 785). Os comportamentos sedentários autorreportados, foram o tempo em atividades de tela, educacionais, culturais, sociais e transporte. Os fatores associados ao comportamento sedentário foram: sexo, nível de atividade física, nível socioeconômico, maturação sexual e estado nutricional. As associações foram testadas com a regressão de Poisson. Resultados: O sexo feminino foi associado ao elevado tempo de tela (RP: 0,83; IC95%: 0,72- 0,96), em atividades educacionais (RP: 1,62; IC95%: 1,38 – 1,90), em atividades culturais (RP: 0,41; IC9%: 0,30 – 0,56) e sociais (RP: 0,58; IC95%: 0,53 – 0,64). O nível insuficiente de atividades físicas se associou as atividades culturais (RP: 0,68; IC95%: 0,49 – 0,94) e ao tempo em transporte (RP: 0,51; IC95%: 0,45 – 0,58). A maturação sexual foi associada as atividades sociais (RP: 0,80; IC95%: 0,68 – 0,95). O estado nutricional se associou as atividades culturais (RP: 1,62; IC95%: 1,04 – 2,52). Conclusões: os achados sugerem que diferentes tipos de comportamento sedentário podem estar associados ao sexo feminino, nível de atividade física, maturação sexual e estado nutricional, e esses fatores devem ser considerados em futuras intervenções para a promoção da saúde.
Luiz Anildo Anacleto Da Silva, Sandra Márcia Soares Schimdt, Rafael Marcelo Soder, Helena Carolina Noal, Éder Luís Arboit, Bruna Stamm, Luana Parcianello
Published: 17 December 2019
Revista Contexto & Saúde, Volume 19, pp 79-86; doi:10.21527/2176-7114.2019.37.79-86

Abstract:
O objetivo do estudo foi evidenciar as atitudes discentes que contribuem para a formação em enfermagem na perspectiva dos professores, assim como evidenciar as atitudes docentes que contribuem para a formação em enfermagem sob a expectativa dos estudantes. Método: Trata-se de uma pesquisa qualitativa, descritiva e exploratória. Os resultados evidenciam que os docentes consideraram mais importantes na formação em enfermagem: O comprometimento com a formação; A formação crítica e reflexiva; A construção do conhecimento e comprometimento com a ética e a responsabilidade social. Os estudantes consideraram importante nos professores: O conhecimento dos docentes; A postura docente; A respeitabilidade; A ética nas relações entre docentes e discentes. Diante disso, conclui-se que a relação de proximidade, interatividade e comprometimento entre docentes e discentes é primordial na formação em enfermagem.
Gabriele Kauss Barbosa, Simone Zeni Strassburger, Joseila Sonego Gomes, Maria Cristina Roppa Garcia, Pâmela Fantinel Ferreira, Camila Lehnhart Vargas
Published: 17 December 2019
Revista Contexto & Saúde, Volume 19, pp 5-10; doi:10.21527/2176-7114.2019.37.5-10

Abstract:
OBJETIVO: Este trabalho busca apresentar quais fatores podem influenciar na prática da amamentação em RNPT, e observando de que forma a transição alimentar de sonda para via oral pode intervir no sucesso do aleitamento materno. METODOLOGIA: Estudo do tipo descritivo de caráter observacional e documental transversal. A população é composta RNPT, de ambos os sexos, que estiveram internados em UTIN, aceitando participar da pesquisa, através do TCLE. Foram incluídos os RN menores de 37 semanas, e excluídos aqueles prematuros cujos pais ou responsáveis não aceitaram participar da pesquisa e óbitos. A amostra foi constituída por 28 RNPT. RESULTADOS: A idade gestacional média foi de 32,59±2,95 semanas. Na admissão da UTIN 27 (96,42%) estavam com prescrição de nada por via oral (NPO). As vias utilizadas para a nutrição dos RNPT foram a nutrição parenteral (NPT), e nutrição enteral (NE), com mediana de 10 dias de tempo de uso. Durante a utilização da sonda enteral a estimulação sensório-motora oral foi realizada em 25 (92,60%) dos RNPT, na alta a mãe foi questionada se havia recebido orientações sobre aleitamento materno e 23 (82,14%) confirmaram. CONCLUSÕES: O tempo e a prevalência do uso de SOG sugerem interferência na manutenção da amamentação exclusiva, pois a maioria teve alta com o uso de fórmulas. O BLH do hospital tem influencia muito positiva no fato de grande parte dos RNPT terem iniciado a VO no seio materno. Os resultados quanto à influência do tempo de uso de sonda na amamentação não foram expressivos nesta pequena.
Fernanda Mathioni, Jacinta Spies
Published: 17 December 2019
Revista Contexto & Saúde, Volume 19, pp 119-127; doi:10.21527/2176-7114.2019.37.119-127

Abstract:
A pesquisa objetivou compreender o método de gestão adotado pelos Enfermeiros, sob a luz das funções básicas da administração: o planejamento, a organização, coordenação e controle. Seguiu-se uma abordagem quantitativa, exploratório descritiva. O estudo de campo foi realizado nas Estratégias de Saúde da Família, de três munícipios de Gestão Plena da Atenção Básica Ampliada, pertencentes a 14ª Coordenadoria Regional de Saúde do estado do Rio Grande do Sul. A coleta de dados ocorreu no período de fevereiro e março de 2017, por meio de um formulário aplicado aos entrevistados. O tratamento dos dados ocorreu através da análise estatística descritiva, utilizando-se o método de distribuição de frequências. Como principais resultados obteve-se que: 52,94% dos sujeitos pesquisados não possuem capacitação na área de gerenciamento; 76,47% relataram que as esferas do governo não têm demonstrado intenção de capacita-los para gerir suas equipes; 64,71% se sentem capacitados para exercer sua função gerencial na ESF, porém 52,94% não segue nenhuma metodologia específica para orientar sua gestão; 70,59% não estão a par do planejamento estratégico de sua Secretaria Municipal de Saúde; 88,24% possui controle das atividades realizadas em sua ESF através de relatórios, porém 82,35% não fazem a análise, com a equipe, dos dados presentes nos relatórios periodicamente. Em resumo, os dados colhidos indicam que nos municípios estudados o processo administrativo não está consolidado integralmente, há deficiências, principalmente, no planejamento e controle de desempenho.
Rafaela Santi Dell'osbel, Cleber Cremonese, Maria Luisa De Oliveira Gregoletto
Published: 17 December 2019
Revista Contexto & Saúde, Volume 19, pp 20-29; doi:10.21527/2176-7114.2019.37.20-29

Abstract:
Objetivo: O presente estudo teve como objetivo medir o ganho de peso gestacional (GPG) e identificar os fatores associados em gestantes e recém-nascidos. Métodos: Trata-se de um estudo epidemiológico observacional transversal, em uma coorte, constituído por gestantes e recém-nascidos usuários da Atenção Básica de Caxias do Sul/RS. Os dados foram coletados em três momentos distintos, sendo no primeiro e terceiro trimestre gestacional e no primeiro mês após o nascimento do bebê. Resultados: A amostra constituiu-se de 47 gestantes e recém-nascidos, destas 28,3% apresentaram GPG insuficiente, 34,8% GPG adequado e 37% GPG excessivo. As gestantes com escolaridade até 10 anos de estudo apresentaram maior prevalência de GPG insuficiente (48,0%), já as que dispunham de 11 anos ou mais de estudo apresentaram maior prevalência de GPG adequado (52,4%) (p=0,024). Ainda, observa-se associação significativa com comprimento ao nascer (p-valor 0,035) e com a alimentação na primeira semana de vida (p-valor 0,037). Conclusões: Conclui-se que as gestantes apresentam elevada prevalência de GPG excessivo. Ainda, identificou-se associação significativa entre o GPG insuficiente com a baixa escolaridade e ao menor comprimento ao nascer. Houve associação entre o GPG excessivo e elevada prevalência para AME na primeira semana de vida. Desta forma, percebe-se a necessidade de estratégias para adequar e orientar o GPG, assim como instruir hábitos de vida saudáveis e reforçar a necessidade do cuidado pré-natal para a saúde da gestante e do recém-nascido.
Tiara Cunha Silva, Davyd Christyan De Menezes Ferreira Leal, Juliana Ramos Bruno
Published: 17 December 2019
Revista Contexto & Saúde, Volume 19, pp 69-78; doi:10.21527/2176-7114.2019.37.69-78

Abstract:
Objetivo: Conhecer a percepção dos diabéticos sobre a patologia, o tratamento e o autocuidado antes e após a implementação de um grupo operativo. Métodos: Trata-se de um estudo do tipo descritivo, longitudinal de abordagem qualitativa, realizado com portadores de diabetes mellitus tipo 2 cadastrados na área de abrangência da equipe 07 da Unidade Saúde da Família 712 Sul no município de Palmas-Tocantins, que tiveram adesão a três ou mais encontros do grupo operativo. Foi realizado cinco encontros do grupo no período de maio a agosto de 2015. A coleta de dados ocorreu através da entrevista semi-estruturada antes e após a implementação do grupo operativo. Este estudo foi aprovado pelo Comitê de Ética e Pesquisa do CEULP-ULBRA sob parecer nº 1063446. Resultados e Discussão: Aceitaram participar da pesquisa dezessete diabéticos, sendo que destes, nove participantes tiveram adesão a três ou mais encontros do grupo operativo. As falas foram analisadas com base na Análise de Conteúdo e originou as seguintes categorias: Conhecimento acerca da doença, Mudança no estilo de vida, Dificuldades encontradas para seguir o tratamento e Sentimentos frente à doença. Conclusão: Os resultados do estudo demonstraram que a implementação do grupo operativo realizado a partir de abordagens lúdicas, dialógica, participativa, com o favorecimento da escuta reflexão e problematização da realidade do usuário, proporcionaram aos diabéticos uma melhor compreensão acerca do seu processo saúde-doença, incorporando mudanças de comportamento significativas para melhoria da qualidade de vida.
Letícia Alessandra Santiago, Sérgio Augusto Yukio Hissayassu, Paula Moura Del Comuni
Published: 17 December 2019
Revista Contexto & Saúde, Volume 19, pp 11-19; doi:10.21527/2176-7114.2019.37.11-19

Abstract:
Identificar, por meio de revisão bibliográfica nacional e internacional, os principais fatores responsáveis pelo Desmame Materno Precoce (DMP) no Brasil e nos Estados Unidos da América (EUA) e estabelecer uma análise comparativa entre ambos. Estudo descritivo, baseado em revisão de literatura, a partir de artigos citáveis nos idiomas português e inglês, disponíveis nas bases de dados Scientific Electronic Library Online (Scielo) e Public Medline (PubMed), publicados entre os anos de 2003 e 2017, na área temática Ciências da Saúde. Na PubMed, utilizou-se o descritor Exclusive breastfeeding, sendo encontrados 60 manuscritos. Já na Scielo, com a conjugação dos descritores Aleitamento Materno e Desmame, observou-se 49 trabalhos. Observou-se que o retorno da mãe ao mercado de trabalho foi um dos principais fatores de risco para o DMP em ambos os países. Contudo, no Brasil o amparo legal oferecido pela licença maternidade refletiu em 41% de Aleitamento Materno Exclusivo (AME) até os seis meses, enquanto nos EUA, a ausência desse direito conferiu média nacional de apenas 8% para o AME. O estudo demonstrou que o amparo legislativo tem impacto positivo na adesão das mães ao AME ao colaborar na interação entre o binômio mãe-filho, estimulando a prática da amamentação.
Leonardo Magela Lopes Matoso, Joatan Jonas Dos Santos Silva, Barbara Medeiros Do Nascimento, Mônica Betania Lopes Matoso
Published: 17 December 2019
Revista Contexto & Saúde, Volume 19, pp 183-188; doi:10.21527/2176-7114.2019.37.183-188

Abstract:
Atuar com pessoas em situação de rua é tentar trabalhar com fragmentos de um grupo estigmatizado, excluído e marcado por intenso preconceito e sofrimento social. É buscar incessantemente que estas pessoas sejam visibilizadas e incluídas a partir do reconhecimento de suas vulnerabilidades e potencialidades na sociedade por meio das políticas públicas. Nesse cenário, foi desenvolvido ações com pessoas em situação de rua que fazem uso de álcool e outras drogas em uma cidade de médio porte no interior nordestino. Assim, essas ações, expressada aqui como relato de experiência, foi realizada diretamente com 22 pessoas ao longo de três meses, cujo objetivo foi promover medidas de redução de riscos e danos. Para isso, foi utilizado pesquisa aplicada, de caráter descritivo, nos pressupostos da pesquisa-ação, com abordagem qualitativa. Os resultados apontaram que 82% são do sexo masculino, 64% pardos, 68% com idade entre 30 a 59 anos. Onde 54% possuem ensino fundamental incompleto e 50% possuem familiares, no entanto saíram de casa devido conflitos. A droga de uso foi o crack (23%) e álcool (23%) e suas associações, como crack e maconha (18%). As ações realizadas possibilitaram conhecer melhor as pessoas em situação de rua, suas concepções e necessidades, contribuindo assim, para uma assistência mais acolhedora, equânime e pautada na subjetividade, dignidade e na saúde e bem-estar de cada indivíduo. Uma vez que ações em saúde foram realizadas e estas suscitarão reflexões acerca do uso de álcool e outras drogas, instaurando reflexões acerca de medidas redutivas de riscos e danos.
Samantha Maranhão, Lilian Lisboa, Celina Reis, Reginaldo Freitas Júnior
Published: 17 December 2019
Revista Contexto & Saúde, Volume 19, pp 59-68; doi:10.21527/2176-7114.2019.37.59-68

Abstract:
Objetivo: Trata-se de um relato de experiência na área da saúde e educação, cujo objetivo é documentar e refletir a relação entre educação e trabalho interprofissional na atenção ao Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Método: Localizado no município de Macaíba, no Rio Grande do Norte, o Serviço de Atenção ao TEA (SATEA) está inserido no Sistema Único de Saúde (SUS) como referência ambulatorial para a atenção à saúde materno-infantil e para reabilitação auditiva, motora e intelectual. A implementação do SATEA veio com a prerrogativa de atuar na formação, desenvolvimento e educação permanente de profissionais de saúde, desenvolvendo ações integradas de ensino, pesquisa e extensão centradas nas concepções de responsabilidade social, equidade, qualidade e eficiência, para gerar evidências científicas, desenvolver estratégias e promover parcerias capazes de fortalecer e auxiliar o SUS. Resultado: O SATEA vem se constituindo como serviço de referência local ao atendimento de crianças com TEA. Muito deste reconhecimento advém de um trabalho pautado pela interprofissionalidade e pela construção de práticas colaborativas com as equipes locais de Estratégia de Saúde da Família. Esta experiência tem favorecido o acesso dos profissionais locais à educação permanente, reconhecendo-os enquanto agentes fundamentais para o aprendizado em serviço e para a legitimação do papel formador do SUS. Conclusão: Compreende-se que as experiências apresentadas neste trabalho podem servir de base para outros serviços especializados na saúde materno-infantil e na reabilitação; além de oferecer aos usuários do SUS a documentação do processo de implantação e implementação de um serviço especializado no atendimento do TEA.
Sabrina Pereira Messa, Cássia Regina Nespolo, Carla Pohl Sehn, Franciane Cabral Pinheiro, Morgana Balbueno Ferreira, Giovana Magalhães Soares
Published: 17 December 2019
Revista Contexto & Saúde, Volume 19, pp 52-58; doi:10.21527/2176-7114.2019.37.52-58

Abstract:
A alimentação saudável é foco de muitos consumidores, principalmente os com restrições alimentares, com uso crescente de probióticos e interesse por alimentos isentos de lactose. Como os probióticos são normalmente ingeridos em alimentos lácteos, o objetivo deste estudo foi desenvolver um alimento preparado com leite de coco, adição de probióticos e sem açúcar agregado. As amostras foram armazenadas sob refrigeração e foram avaliados o pH, atividade de água, acidez titulável, bactérias lácticas, coliformes totais e termotolerantes, psicrotróficos e bolores e leveduras. Os resultados de pH e atividade de água demostraram condições para proliferação de microrganismos indesejáveis e dificuldades para manutenção das bactérias probióticas. A acidez variou entre 0,11 e 0,14% de ácido láctico e as contagens para coliformes totais e termotolerantes foram adequadas. As contagens médias de bactérias lácticas variaram de 3,40 a 4,09 log UFC/g e de bolores e leveduras foram de 3,38 a 9,48 log UFC/g, respectivamente, abaixo e acima dos padrões legais para produtos lácteos similares. Para o alimento à base de leite de coco ser uma alternativa de alimento vegetal contendo probióticos, seria necessária a adição de maior quantidade de probióticos e de facilitadores de multiplicação destas bactérias e evitar a contaminação microbiológica durante o processamento e o armazenamento.
Back to Top Top