Acta Scientiarum. Language and Culture

Journal Information
ISSN / EISSN : 1983-4675 / 1983-4683
Published by: Universidade Estadual de Maringa (10.4025)
Total articles ≅ 550
Current Coverage
SCOPUS
DOAJ
Archived in
EBSCO
SHERPA/ROMEO
Filter:

Latest articles in this journal

Cleber Da Silva Luz, Vanessa Luiza de Wallau,
Acta Scientiarum. Language and Culture, Volume 43; https://doi.org/10.4025/actascilangcult.v43i1.57725

Abstract:
Na entrevista que segue, a professora discorre sobre as relações entre traduzir e adaptar, assim como apresenta sua compreensão sobre a relação entre literatura e outras artes. Comenta e avalia o trabalho com as mídias em sala de aula e os desafios da área de estudos da intermidialidade no processo de formação de leitores diante da circulação e do contato com diferentes mídias e arquiteturas textuais que representam as transformações da arte contemporânea. Discute, também, a expansão dos estudos intermidiáticos na academia brasileira ao recuperar os percalços do passado, ao problematizar as adversidades do presente e ao instigar a reflexão em torno dos desdobramentos futuros.
Catalina Fuentes-Rodríguez,
Acta Scientiarum. Language and Culture, Volume 43; https://doi.org/10.4025/actascilangcult.v43i1.59438

Abstract:
Editorial: Argumentación y sus interfaces
, Júlia Moutinho Diefenthäler
Acta Scientiarum. Language and Culture, Volume 43; https://doi.org/10.4025/actascilangcult.v43i1.55979

Abstract:
Em nossa concepção, língua e usuário/a de língua(gem) mantêm estreita relação entre si, na medida em que este/a mobiliza, em dado gênero discursivo, mecanismos sociocognitivos e linguístico-discursivos na produção de determinado texto, motivado/a por suas práticas socioculturais. Assim, o texto, sob as óticas sociointeracional, sociocognitiva e pragmática, congrega sujeitos, ao mesmo tempo, estratégicos/intencionais e sociais/(inter)acionais. Assumimos, neste artigo, que a escrita demanda a construção de uma tessitura referencial permeada pela progressão de objetos-de-discurso, o que implica, tanto no plano material quanto no plano discursivo do texto, a presença de um fio condutor responsável pela construção conjunta de sentidos e, por conseguinte, de argumentação (ainda que lato sensu). Diante desse conjunto de pressuposições, almejamos, à luz da linguística textual, de abordagem sociointeracional, sociocognitiva e pragmática, avaliar os efeitos decorrentes de processos de desfocalização de objetos-de-discurso, que compõem a tessitura referencial, na manutenção temática e na orientação argumentativa de uma reportagem produzida por uma estudante do 9º ano. Sob o guarda-chuva do paradigma qualitativo, nossa pesquisa, ao orientar-se por princípios etnográficos e discursivos, constituiu-se das seguintes etapas: (i) escolha do campo para a geração de dados; (ii) negociação com todos/as os/as atores/atrizes sociais para a realização da pesquisa; (iii) entrevista semiestruturada com a professora para discutir suas percepções relativas ao desempenho de suas turmas e ao ensino de língua portuguesa; e (iv) análise conjunta (colaboradora, pesquisadora e pesquisador) do texto da estudante. No curso da pesquisa, constatamos que a construção das tessituras referenciais da aluna atendeu plenamente a demandas da textualidade e do gênero discursivo. Esperamos que este trabalho inspire novos caminhos investigativos pelas tessituras referenciais e instigue, sobretudo, uma práxis de ensino que oportunize um/a usuário/a da língua(gem) sempre reflexivo/a acerca de suas escolhas linguístico-discursivas.
Acta Scientiarum. Language and Culture, Volume 43; https://doi.org/10.4025/actascilangcult.v43i1.56054

Abstract:
Este artigo busca refletir sobre uma das premissas gerais que são indispensáveis para quem pretende valer-se da persuasão no discurso, conhecida como lugares da pessoa. Esses lugares dão preferência à pessoa, que é ressaltada sobre as coisas. Para isso, tomam-se aqui para análise alguns discursos sobre a pandemia instaurada no mundo pelo coronavírus, a Covid-19. Como corpus de estudo deste artigo, em termos metodológicos, levam-se em conta duas capas do jornal O Globo, do Rio de Janeiro, especificamente as edições que registram quando o Brasil ultrapassou as 10 mil mortes (publicada em 10 de maio de 2020) e as 100 mil mortes (edição de 9 de agosto de 2020) pelo vírus. O objetivo é mostrar de que modo a valorização ao ser humano funciona, nos discursos sobre a Covid-19, como um argumento eficiente com forte apelo persuasivo, capaz de mover o auditório, suscitando ou realçando dignidade, mérito e respeito. A reflexão é fundamentada nos pressupostos da Retórica clássica (Aristóteles, 1983, 2011), campo no qual os lugares tiveram origem, e da Nova Retórica (Perelman & Olbrechts-Tyteca, 1996), especificamente no que diz respeito aos lugares da pessoa.
Daiane Zamoner, Elaine Ribeiro,
Acta Scientiarum. Language and Culture, Volume 43; https://doi.org/10.4025/actascilangcult.v43i1.55865

Abstract:
Com base nos aportes teóricos da Teoria da Argumentação na Língua (TAL) em sua fase mais recente a Teoria dos Blocos Semânticos (TBS), este estudo tem por objetivo analisar os sentidos construídos discursivamente em textos de capas da revista Veja, por meio de blocos semânticos expressos por encadeamentos argumentativos do tipo donc (DC) e pourtant (PT). A fim de realizar a análise do corpus, tomamos como base a Teoria da Argumentação na Língua (TAL) desenvolvida por Oswald Ducrot e colaboradores (Anscombre & Ducrot, 1994, Carel & Ducrot, 1999, 2005, Ducrot, 1988, 2002) especialmente no que diz respeito à fase atual desenvolvida por Marion Carel (Carel & Ducrot, 1999, 2005, Carel & Gomes, 2019), a Teoria dos Blocos Semânticos (TBS). Essa teoria tem como premissa que o sentido de uma entidade linguística está constituído por certos discursos que essa entidade evoca, denominados encadeamentos argumentativos unidos por um conector em DC (donc) ou em PT (pourtant). Este estudo caracteriza-se como exploratório e bibliográfico com abordagem qualitativa. O corpus selecionado é composto por textos de duas capas da revista Veja veiculadas durante a pandemia do COVID-19. Os resultados da análise permitiram observar que a TAL, em sua versão atual TBS, mostra-se eficaz ao auxiliar na interpretação de enunciados com múltiplos sentidos possíveis e nem sempre explícitos, posto que o sentido argumentativo de enunciados é construído discursivamente por blocos semânticos.
Mirian Hisae Yaegashi Zappone, Camila Mossi de Quadros
Acta Scientiarum. Language and Culture, Volume 43; https://doi.org/10.4025/actascilangcult.v43i1.53280

Abstract:
No ano de 2018, foi implementada a Base Nacional Curricular Comum no Brasil – BNCC com o objetivo de centralizar e uniformizar os conteúdos curriculares a serem abordados por todas as escolas da educação básica. Neste documento, o ensino de língua portuguesa aparece inserido no campo de linguagem e suas tecnologias e o ensino de literatura é apresentado, como historicamente tem sido, dentro do conteúdo geral desta disciplina. Quanto ao trabalho com os textos literários, a BNCC propõe que ele deve ser nuclear no ensino médio, como também no ensino fundamental. Em razão de a literatura configurar-se como um conteúdo dentro do componente de Língua Portuguesa, ou seja, por não se constituir como um componente curricular específico, torna-se importante uma leitura atenta da BNCC no sentido de verificar: i) como os conteúdos relacionados ao ensino de literatura são apresentados no documento, ii) os tipos de textos literários propostos para leitura e iii) os encaminhamentos metodológicos propostos pelo documento em relação à leitura da literatura, ou seja, como o documento propõe que sejam lidos os textos literários na escola. O corpus utilizado para a análise desses elementos é constituído pelas habilidades de Língua Portuguesa apresentadas na BNCC que se referem ao ensino de literatura dos anos iniciais – fundamental I. Tendo em vista tais objetivos, o artigo discute sumariamente momentos-chave do ensino de língua e literatura, bem como apresenta considerações teóricas sobre leitura literária, baseada em postulados dos novos estudos de letramento e em autores como Chartier (1999), Candido (1975-1981), Hansen (2005) e Aguiar (2000).
Laísa Veroneze Bisol, Xosé Antonio Neira Cruz,
Acta Scientiarum. Language and Culture, Volume 43; https://doi.org/10.4025/actascilangcult.v43i1.54903

Abstract:
Este artigo investiga a representação da violência no jornalismo literário brasileiro na contemporaneidade. Os objetos de estudo são os romances-reportagens que foram destaque, em sua categoria, no Prêmio Jabuti, uma condecoração da literatura brasileira, considerada uma das maiores da América. O objetivo é compreender, de maneira contextualizada, de que modo a violência é representada por meio dessas narrativas e, a partir disso, observar como o jornalismo literário brasileiro contribui para o debate e a promoção da reflexão social acerca do tema. Para tanto, realiza-se, inicialmente, um mapeamento das obras, com o intuito de verificar quais os temas predominantes, os tipos de violência e os tipos de dominação que aparecem nas narrativas, a fim de iniciar um entendimento a respeito das relações de poder e do modo como a violência é representada no jornalismo literário brasileiro. Após essa fase de compreensão, é desenvolvida a análise da obra Meu casaco de general, do autor Luiz Eduardo Soares, uma das primeiras premiadas no período estudado. O romance-reportagem retrata a violência, especialmente no âmbito das relações entre traficantes e policiais, no espaço do Rio de Janeiro, mas direcionando a uma compreensão de todo o contexto brasileiro. Os resultados indicam que os romances-reportagens condecorados, no período analisado, apresentam diversas faces da violência, já que representam como os sujeitos são acometidos pela crueldade, além de promoverem senso de empatia com relação às vítimas. Também se observa a forte vinculação entre a violência e as relações de poder que permeiam o país. A obra estudada revela problemáticas sociais como a vulnerabilidade diante das relações de poder, a falta de ética e a corrupção, temas que conduzem o leitor a entender e questionar o sistema de combate à violência no Brasil.
Sandro Adriano da Silva
Acta Scientiarum. Language and Culture, Volume 43; https://doi.org/10.4025/actascilangcult.v43i1.57710

Abstract:
Na comemoração do centenário de nascimento da escritora e vinte e cinco anos da publicação de Clarice Lispector, uma vida que se conta, Nádia B. Gotlib (2013) gentilmente cede a breve entrevista que aqui se segue, cuja arguição busca sobretudo a permanência da interrogação sobre essa dimensão enigmática que os sentidos da obra clariceana infundem no leitor e na leitora, como nota de tributo a uma ‘verdade’ de “[...] silêncio e leve espanto” (Lispector, 1993, p. 92) de uma vida que continua a contar-se a si mesma, mantendo a desilusão de ser tomada em sua totalidade, e sem necessariamente inventariar os porquês, conquanto “[...] pode-se perguntar sempre por que e sempre continuar sem resposta...” (Lispector, 1993, p. 15).
Gregory Magalhães Costa
Acta Scientiarum. Language and Culture, Volume 43; https://doi.org/10.4025/actascilangcult.v43i1.54990

Abstract:
Blaut-Fernandes, E. (2018). As dezenove regras do romance policial. São Paulo, SP: V. de Moura Mendonça – Livros. (Selo Demônio Negro). 86p. ISBN 978-85-66423-49-5.
Rejane Cristina Rocha, Nair Renata Amâncio
Acta Scientiarum. Language and Culture, Volume 43; https://doi.org/10.4025/actascilangcult.v43i1.57401

Abstract:
Neste artigo propomos uma análise das especificidades do romance hipertextual Terminal (Komatsu, 2018), sobretudo no que diz respeito a sua formalização material como um objeto literário dos novos meios (Manovich, 2005), que faz convergir referências às culturas impressa e digital. Buscamos discutir os aspectos que evidenciam que a obra se coloca em um entrelugar por i) rasurar a lógica computacional da plataforma Blogger e ii) rasurar os paradigmas romanescos consolidados pela cultura impressa. A obra, assim, apresenta características que nos fazem refletir acerca de duas realidades culturais distintas, a impressa e a digital e, ao fazer isso, ressignifica as práticas culturais e materiais dos novos meios ao mesmo tempo em que provoca fissuras nos ritos institucionalizados pela cultura impressa. Tal análise nos leva a refletir a respeito da leitura literária hipertextual como esforço extranoemático (Aarseth, 1997) e de como ela se dá na obra em questão, a partir da análise de um dos percursos possíveis oferecido ao leitor, que pilota, metaforicamente, a interface de uma espaçonave enquanto lê a obra. O navegar tematizado se expande e estabelece um diálogo com as características materiais do meio, ao mesmo tempo em que se consolida enquanto um recurso poético para a narrativa.
Back to Top Top