New Search

Advanced search
Export article
Open Access

Animalidade e subjetividade em Coetzee: repensando as fronteiras da justiça

Andre Karam Trindade, Antonio Trevisan Fregapane, Daniel Braga Lourenço
Published: 20 December 2018
Revista Brasileira de Direito , Volume 14, pp 119-140; doi:10.18256/2238-0604.2018.v14i3.2965

Abstract: Trata-se de ensaio que discute a animalidade e a subjetividade presentes no romance A vida dos animais, do escritor sul-africano J. M. Coetzee, lançado em 1999, aliando os estudos em Direitos dos Animais àqueles em Direito e Literatura, tanto na perspectiva metodológica do Direito na Literatura quanto do Direito como Literatura. Para isso, adota a premissa de que algumas narrativas literárias são mais importantes para a compreensão dos fenômenos jurídicos e sociais do que grande parte dos manuais jurídicos. O ensaio introduz, por meio da narrativa de Coetzee, o problema da Ética Animal sob a perspectiva dos filósofos e dos poetas. Quais os fundamentos teóricos que permeiam o discurso apaixonado e as desconcertantes provocações de Coetzee/Costello? Por que razão Coetzee preferiu a ficção, em detrimento do método expositivo próprio da filosofia, para discorrer sobre o tema por ele abordado na Universidade de Princeton? Essas as questões centrais que o ensaio procura enfrentar à luz do Direito dos Animais. Ao final, sugere que a arte antecipa a vida, apontando que a literatura é uma ferramenta poderosa para a reflexão crítica dos juristas e, consequentemente, para a transformação do sistema de justiça.
Keywords: literatura / Vida / Ensaio / Direitos Dos Animais

Share this article

Click here to see the statistics on "Revista Brasileira de Direito" .