Revista de História

Journal Information
ISSN / EISSN : 0034-8309 / 2316-9141
Total articles ≅ 3,529
Current Coverage
SCOPUS
ESCI
DOAJ
Archived in
SHERPA/ROMEO
Filter:

Latest articles in this journal

Rafael Faraco Benthien
Revista de História pp 1-26; doi:10.11606/issn.2316-9141.rh.2020.159951

Abstract:
O presente artigo tem por finalidade apresentar, em um plano epistemológico e a partir de exemplos práticos, a defesa de uma história cruzada dos saberes, entendendo-a como o estudo focado na caracterização e na explicação de circuitos de ideias e de pessoas entre diferentes disciplinas. Para tanto, parte-se da problematização dos pressupostos das histórias disciplinares, discutindo, na sequência, os prodígios e as vertigens de modelos que almejam reconstituir a unidade e a totalidade disciplinar ao longo do tempo. Mesmo considerando o interesse desses modelos, o restante do artigo insiste no lugar da interdisciplinaridade no seio das disciplinas. Tal recorte permite propor agendas experimentais que ampliem a compreensão acerca das possibilidades disciplinares, ontem, hoje e amanhã.
Luciana Murari
Revista de História pp 1-29; doi:10.11606/issn.2316-9141.rh.2020.159762

Abstract:
Esse artigo busca descrever e analisar a trajetória da Bandeira Anhanguera, expedição realizada em 1937 sob a liderança de Hermano Ribeiro da Silva. O grupo, que partiu de São Paulo, ambicionava explorar a região localizada à margem esquerda do rio das Mortes, no Brasil central, tida como uma das extensões mais desconhecidas do território nacional. Visando produzir conhecimento científico e realizar contato com os indígenas xavantes, até então refratários ao contato com os brancos, o empreendimento buscou mobilizar a sociedade paulista, e para tal fez intenso uso dos meios de comunicação de massa, sobretudo o rádio e a imprensa escrita. A trajetória do grupo é, assim, reconstituída sumariamente, a partir da cobertura jornalística e dos relatos memorialísticos de três de seus participantes.
Aléssio Alonso Alves
Revista de História pp 1-29; doi:10.11606/issn.2316-9141.rh.2020.163855

Abstract:
The purpose of this article is to analyse how nature and love were presented and employed as foundations of human society by the Dominican friar Giordano de Pisa (c. 1260- 1311) in his preaching in the early fourteenth-century Florence, Italy. It will be analysed the reportationes of three of his sermons preached on the same liturgical date (Eighteenth Sunday after Trinity Sunday), between 1303 and 1305, which adopts as thema the verse Diliges proximum tuum sicut te ipsum (Love your neighbour as yourself); a model-sermon of the same liturgical date (c. 1267-1286) by the also Dominican Iacopo de Varazze (1228-1298); and a homily of Augustine of Hippo (354-430) from the early fifth century. Thus, it is stressed that Giordano approached the subject both by the use of an Aristotelian-naturalist theory as well as by an Augustinian-voluntarist conception, and it is concluded that the greater emphasis given to the first line of thought is due to its more positive character as regards the city, which allowed a treatment more consistent with the preaching thema and with its internal composition mechanisms.
Fábio Frizzo
Revista de História pp 1-22; doi:10.11606/issn.2316-9141.rh.2020.154934

Abstract:
As leituras tradicionais das relações entre egípcios e núbios durante o período do Reino Novo ressaltaram a superioridade das estruturas sociais egípcias e a imposição desta cultura sobre os povos núbios. Tais leituras incorporam uma perspectiva excessivamente herdeira do quadro mental do século XIX, que atribuía uma inferioridade cultural a sociedades da África Subsaariana. Uma análise mais detida do domínio imperial egípcio sobre a Núbia deve considerar, todavia, os conflitos internos inerentes a cada uma destas sociedades. Assim, o artigo busca demonstrar como o imperialismo faraônico tratou de estimular uma forte hierarquização social na Baixa Núbia para garantir a exploração de recursos e o fluxo de bens de prestígio necessários à manutenção do império. Este processo implicou a subsunção das formas produtivas locais aos padrões egípcios e à, consequente, expansão das relações sociais estatais características do Egito.
Bernardo Borges Buarque De Hollanda, Aníbal Martinot Chaim
Revista de História pp 1-27; doi:10.11606/issn.2316-9141.rh.2020.159924

Abstract:
O objetivo do artigo é articular as relações entre a primeira fase do futebol profissional no Brasil, instituído legalmente em 1933 e consolidado a partir de 1937, e o advento do Estado Novo (1937-1945), período político concomitante, conhecido por seus traços autoritários. Busca-se mostrar de que maneira, nesse contexto histórico específico, se forma na cidade de São Paulo o primeiro modelo de torcidas uniformizadas no país, que terá predominância entre as décadas de 1940 e 1960. Por meio de livros de dirigentes esportivos e de fontes jornalísticas, hauridas do periódico paulistano A Gazeta Esportiva, acompanham-se os escritos autorais de João Lyra Filho e as narrativas de imprensa de Thomaz Mazzoni, de modo a salientar a importância do “enquadramento moral” das plateias futebolísticas de então, com base nos valores vigentes, exaltados pelas autoridades do regime estadonovista e assimilados pelos agrupamentos torcedores.
Pedro Varela, José Augusto Pereira
Revista de História pp 1-36; doi:10.11606/issn.2316-9141.rh.2020.159242

Abstract:
Entre 1911 e 1933 surgiu um movimento negro em Portugal que estava integrado no pan-africanismo internacional da época, lutou contra o racismo e iniciou um processo embrionário e ambivalente de questionamento do colonialismo. Durante a Primeira República Portuguesa (1910) e a ditadura do Estado Novo (1933), esta geração fundou vários jornais e diversas organizações em Lisboa. No entanto, até hoje existe um enorme silêncio historiográfico acerca deste movimento. Neste artigo, buscar-se-á, de forma inédita, demonstrar a emergência de um movimento negro politicamente organizado em Portugal no início do século XX, fundamentalmente por meio da análise da sua imprensa.
Fernando Victor Aguiar Ribeiro
Revista de História pp 1-31; doi:10.11606/issn.2316-9141.rh.2020.159555

Abstract:
O artigo tem por objetivo compreender os rumores difundidos no porto de Buenos Aires a partir de 1647 envolvendo notícias relacionadas à existência de minas de ouro na região do Uruguai e Paraguai. Os rumores representaram anseios da sociedade, propiciando sua efetivação e, principalmente, sua rápida difusão. O porto de Buenos Aires, como ponto de encontro de pessoas provenientes de diferentes regiões foi locus privilegiado para a criação e circulação desse tipo de notícia. Apesar de sua origem difusa, os rumores acerca das minas foram apropriados por agentes locais. Pouco depois, Bernardino de Cárdenas, bispo do Paraguai, utilizaria dos rumores como forma de atacar seus rivais, no caso, os padres jesuítas. Essa apropriação garantiu não somente a efetividades das notícias, mas principalmente sua permanência no imaginário social por uma temporalidade mais ampla.
Danilo José Zioni Ferretti
Revista de História pp 1-24; doi:10.11606/issn.2316-9141.rh.2020.159279

Abstract:
Neste artigo aborda-se as primeiras leituras brasileiras e os usos públicos do romance abolicionista A Cabana do Pai Tomás [1852], da estadunidense Harriet Beecher Stowe. Considerando-se o anseio do romance realista oitocentista de desvelar o social, apresenta-se os procedimentos formais adotados assim como sua recepção por leitores do Brasil escravista. Para tanto, utiliza-se como fontes principais a imprensa e baseia-se nas reflexões de Michel de Certeau sobre a leitura. Houve três modalidades diferentes de leituras: refratárias, ambíguas e entusiásticas, cada qual correspondeu a um modo próprio dos leitores se posicionarem diante de a intensão realista do romance, nem sempre sendo aceito como uma representação verossímil da escravidão. Indica-se a importância do romance em incentivar um debate público acerca da legitimidade da escravidão, ainda que não tenha incentivado defesas de abolicionismo imediatista.
Thiago Juarez Ribeiro Da Silva
Revista de História pp 1-34; doi:10.11606/issn.2316-9141.rh.2020.161170

Abstract:
Entre os séculos VIII e X, diferentes autoridades governantes no Ocidente e no Oriente expediram normas em favor dos “pobres”. Neste artigo, pretende-se entender os motivos que as levaram a se ocuparem do tema, em especial da “opressão dos pobres”. Sob a perspectiva da “História Global”, realizou-se uma abordagem comparativa favorecendo a identificação de fenômenos transformadores e particulares, ao mesmo tempo em que se repensou as interpretações tradicionais da historiografia a respeito dos “pobres” em ambos espaços. Observou-se que os usos dos termos referentes a eles nos textos normativos bizantinos e carolíngios não foram apenas um testemunho estatístico do empobrecimento de suas respectivas sociedades, mas também resultado dos interesses dos agentes envolvidos na elaboração destes documentos, as cortes bizantina e carolíngia, tratando-se também de uma questão política.
Igor Salomão Teixeira
Revista de História pp 1-24; doi:10.11606/issn.2316-9141.rh.2020.161154

Abstract:
O objetivo deste artigo é analisar a Cronicon siculum, que narra a história da Ilha da Sicília desde tempos imemoriais ao presente do autor, com especial foco na relação conflituosa estabelecida entre palermitanos, angevinos e aragoneses no território a partir das Vésperas Sicilianas (1282). O problema de pesquisa é: A história global/conectada serve para analisar a disputa de territórios? A análise está baseada nas discussões sobre as possibilidades de abordar objetos de estudo a partir da conexão entre processos aparentemente distintos e/ou analisar como regiões distintas se relacionaram com os mesmos processos. Os conceitos utilizados foram: middle seas, mediação e comunicação política. As conclusões remetem à proficuidade do aparato conceitual e da perspectiva da história conectada e apontam para o “triplo uso” do conflito na Ilha.
Back to Top Top