O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira

Journal Information
ISSN / EISSN : 0102-4809 / 2358-9787
Current Publisher: Faculdade de Letras da UFMG (10.17851)
Total articles ≅ 627
Current Coverage
ESCI
DOAJ
Archived in
SHERPA/ROMEO
Filter:

Latest articles in this journal

Victor André Pinheiro Cantuário
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 214-228; doi:10.17851/2358-9787.29.4.214-228

Abstract:
Resumo: O objetivo deste artigo é demonstrar a presença de elementos filosóficos nos poemas de Hilda Hilst, principalmente naqueles publicados nos livros da década de 1950. Nos poemas contidos nessas obras, a escritora paulista tratou de questões estritamente filosóficas e que identificariam sua produção literária, como o amor, o sagrado, a busca pelo princípio gerador dos primeiros filósofos gregos, o ideal platônico, a morte, o drama da existência, os limites e usos da linguagem, entre outros. Como representativo do que se pretende comprovar, selecionou-se o poema XVI de Balada de Alzira (1951) para análise e discussão, de modo a se tornar evidente a relação entre ambos os campos, literário e filosófico, e se comprovar que nas obras de juventude, Hilda Hilst, caminhando para a maturidade de sua escrita e estilo poéticos, propôs exercícios de pensamento e reflexões profundamente filosóficos.Palavras-chave: Hilda Hilst; Balada de Alzira; Poesia brasileira contemporânea; Filosofia ocidental. The objective of this paper is to show the presence of philosophical issues in Hilda Hilst’s poems, mainly in those published in the books of the 1950s. In those poems, the Paulista writer discussed strictly philosophical questions that would identify her literary production as love, the sacred, the searching for the first principle of the Ancient Greek philosophers, the platonic ideal, death and the drama of existence, the limits and uses of language, and so on. As representative of what has been intended to do, it was selected the poem XVI, from Balada de Alzira (1951) to analyze and comment, to be evident the relation between both the fields of literature and philosophy, and to demonstrate that in those early works, Hilda Hilst, wanting to achieve the maturity of her writing and poetical styles, has written poems in which are evident exercises of thinking and deeply philosophical reflections.Keywords: Hilda Hilst; Balada de Alzira; Contemporary Brazilian Poetry; Western Philosophy.
Myriam Correa de Araújo Ávila
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 142-150; doi:10.17851/2358-9787.29.4.142-150

Abstract:
Resumo: Em O insistente inacabado (2019), Luiz Costa Lima recorrentemente explora as relações entre a biografia e a teoria, ao tratar do estabelecimento de uma Ciência da História, a partir do fim do século XVIII. No capítulo dedicado à autobiografia, não é apenas a escrita da vida que se aborda, mas também as contingências biográficas que interferem em e informam esse gênero e suas estratégias de construção. Propõe-se, portanto, neste artigo, distinguir dois elementos de sustentação das escritas do biógrafo e do autobiógrafo, ambas atravessadas pela res fictae e pela res factae: a “bio”, correspondendo ao vivido, e a “vida”, correspondente ao vivível.Palavras-chave: Luiz Costa Lima; biografia; autobiografia; História. In his book O insistente inacabado (2019), Luiz Costa Lima recurrently elaborates on the relations between biography and theory when dealing with the establishment of a Science of History in the 18th and 19th centuries. In this book’s chapter on autobiography, besides the writing of a life, Costa Lima approaches the biographical contingencies that interfere and give contour to that genre and its construction strategies. This article intends to distinguisch two sustaining elements in the writings of the biographer and of the autobiographer, both pervade by res fictae and by res factae: “bio”, corresponding to what has been lived, and “life”, corresponding to what can be experienced.Keywords: Luiz Costa Lima; biography; autobiography; History.
Rangel Gomes Andrade, Adalberto Luis Vicente
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 249-267; doi:10.17851/2358-9787.29.4.249-267

Abstract:
Resumo: Antonio Candido é um dos mais importantes ensaístas brasileiros. Ao lançar mão da forma ensaística, Candido se integra a uma importante tradição que marcou o pensamento nacional. Entretanto, o crítico dá um passo adiante em relação a tal tradição ao agregar o sólido conhecimento teórico advindo da formação universitária, promovendo um nível de especialização que carecia aos seus precursores. Com base em teóricos do ensaio, em intérpretes da obra candidiana e tomando a figura do crítico Sérgio Milliet como ponto de transição entre a geração precedente e a de Candido, almejamos promover uma reflexão sobre o ensaísmo candidiano com base em um movimento que busca situá-lo no limiar entre tradição e ruptura.Palavras-chave: Antonio Candido; ensaio; crítica literária. Antonio Candido is one of the most important Brazilian essayists. While exploiting the essayistic form, Candido joins an important tradition, which has marked national thinking. However, the critic gives a step forward in terms of tradition as he combines it with a solid theoretical knowledge from his academic education, promoting a level of specialization his predecessors had lacked. Basing on essay theorists, interpreters of Candido’s work, and having the critic Sérgio Milliet as the transition point between Candido’s previous and current generation, we intend to promote reflection on Candido’s essayistic style departing from a movement that aims to situate him on the limits of tradition and rupture.Keywords: Antonio Candido; essay; literary criticism.
Emílio Carlos Roscoe Maciel
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 12-32; doi:10.17851/2358-9787.29.4.12-32

Abstract:
Resumo: Leitura de “Para mascar com chiclets”, de João Cabral de Melo Neto (1998), este ensaio explora as complexidades sintáticas e figurativas do poema, tomando como ponto de partida as tensões entre a aposta anti-ilusionista da poesia moderna e as intimações antropomórficas e alucinatórias da tradição lírica ocidental. Ato contínuo, ao destacar a sutil trama de interrupções que atravessa os versos, tenta-se mostrar como, neste poema, o senso de uma clivagem insuperável separando homem e tempo se dá ver menos como enunciado explícito do que como uma estranha solução de compromisso entre resistência e abstração, prosaico e sublime, na qual o mergulho obsessivo e mecânico na pura repetição torna-se o atalho inesperado para um bizarro ritual autodestitutivo.Palavras-chave: João Cabral de Melo Neto; lírica; antropomorfismo; tropo. A reading of João Cabral de Melo Neto’s (1998) “Para mascar com chiclets”, this essay explores the syntactic and figurative complexities of the poem, taking as a point of departure the tensions between the anti-illusionistic commitment of modern poetry and the anthropomorphic and hallucinatory intimations of western lyric tradition. Furthermore, by enhancing the subtle net of disruptions which pervades the verses, one tries to show how, in this poem, the sense of an unsurpassable cleavage separating Man and Time is enacted less as an explicit statement than as frail compromise solution between resistance and abstraction, prosaic and sublime, in which a mechanical and obsessive plunge into pure repetition becomes an unexpected gateway to a weird ritual of self-destitution.Keywords: João Cabral de Melo Neto; lyric; antropomorphism; trope.
Roniere Silva Menezes
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 98-117; doi:10.17851/2358-9787.29.4.98-117

Abstract:
Resumo: Este trabalho visa refletir sobre ensaios críticos de Luiz Costa Lima em que o autor analisa o estranho lugar do intelectual brasileiro e latino-americano. Exercendo suas atividades em território pouco afeito ao cuidado detido com a escrita, com o esforço analítico e muito influenciado por expressões ligadas à oralidade e ao exagero retórico, o intelectual e o escritor que habitam os trópicos, muito comumente, situam-se como estrangeiros diante de seu objeto de trabalho e de seu próprio país. Muitas vezes assumem uma escrita relacionada à fala cotidiana visando à comunicação mais direta com o público. Iremos estabelecer análises relativas ao posicionamento de Costa Lima frente a essa questão, enfatizando os conceitos – tratados pelo autor – de improviso e auditividade. Trataremos dos livros Dispersa demanda: ensaios sobre literatura e teoria (1981), Pensando nos trópicos (1991) e Frestas: a teorização em país periférico (2013). Ao final, demonstraremos como as ideias de Costa Lima transitam entre textos sobre o pensamento brasileiro e críticas literárias. Tomaremos como exemplo análises do autor relativas à obra do poeta João Cabral de Melo Neto presentes nos ensaios “A traição consequente ou a poesia de Cabral”, do livro Lira e antilira: Mário, Drummond e Cabral (1968) e Dispersa demanda: ensaios sobre literatura e teoria (1981). Buscaremos mostrar que os estudos sobre improviso e auditividade configuram-se como importantes modelos analíticos. Os textos apresentam ricas ferramentas que nos ajudam a entender melhor a cultura e a produção literária do país.Palavras-chave: Luiz Costa Lima; crítica; oralidade; João Cabral. This paper aims to reflect upon the critical essays by Luiz Costa Lima in which the author analyzes the strange place of a Brazilian or Latin-American intellectual. Working from a place that is not auspicious to the demands of writing or to the analytical efforts and being highly influenced by spoken language and overstated rhetorics, the intellectual or writer from the tropics usually feel as foreigners facing their work in their own land. They often choose to write similarly to spoken language in order to establish a more effective communication with their audience. We are going to analyze Costa Lima’s positioning towards this topic, emphasizing the author’s concepts of improvisation and auditivity. We are going to work with the books Dispersa demanda: ensaios sobre literatura e teoria (1981), Pensando nos trópicos (1991) and Frestas: a teorização em país periférico (2013). As a conclusion, we are going to demonstrate how Costa Lima’s ideas shift from the texts when considering the Brazilian thinking and literary criticism. We are going to take as an example his analyses of poems by João Cabral de Melo Neto presented in the essay “A traição consequente ou a poesia de Cabral”, from the book Lira e antilira: Mário, Drummond e Cabral (1968) and Dispersa Demanda: ensaios sobre literatuar e teoria (1981). We aim to show that studies on improvisation and auditivity are important analytical models. The texts present useful tools that help us better understand the culture and the literary production of the country.Keywords: Luís Costa Lima; criticism; spoken language; João Cabral.
Adilson Dos Santos, Rita das Graças Felix Fortes
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 188-213; doi:10.17851/2358-9787.29.4.188-213

Abstract:
Resumo: Publicado em 2011, pela Editora Nova Fronteira, o volume de contos Antes das primeiras estórias reúne quatro contos da juventude de João Guimarães Rosa (1908-1967) publicados na revista O Cruzeiro e no diário O Jornal. Apesar de ainda não terem conquistado a devida atenção por parte da crítica especializada, os contos dessa coletânea flertam com as vertentes do insólito ficcional e evidenciam uma faceta de sua obra que será posteriormente aprimorada nas narrativas de matriz regionalista. O objetivo do presente estudo é apresentar uma leitura do conto “Chronos kai Anagke” pelo viés de uma dessas vertentes. Com base no arcabouço teórico de Tzvetan Todorov e Filipe Furtado, pretende-se demonstrar que a narrativa rosiana se enquadra no que Todorov denomina “fantástico puro”.Palavras-chave: João Guimarães Rosa; conto; insólito; fantástico. Published in 2011, by Nova Fronteira, the volume of short stories Antes das primeiras estórias brings together four short stories from the youth of João Guimarães Rosa (1908-1967) published in the magazine O Cruzeiro and in the daily O Jornal. Although they have not yet received due attention by the specialized critics, the short stories of this collection flirt with the strands of the literature of the unusual and show a facet of his work that will be further refined in the narratives of regionalist matrix. The aim of this study is to present an analysis of the short story “Chronos kai Anagke” through the perspective of one of these strands. Based on the theoretical framework of Tzvetan Todorov and Filipe Furtado, we will demonstrate that this short story fits into what Todorov calls “pure fantastic”.Keywords: João Guimarães Rosa; short story; unusual; fantastic.
Alessandra Da Silva Carneiro
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 229-248; doi:10.17851/2358-9787.29.4.229-248

Abstract:
Resumo: Este artigo discute os poemas Novo Éden: Poemeto da adolescência (1888-1889), Harpa de Ouro (1888-1889) e O Guesa, O Zac (1902) com destaque ao teor político republicano que os constitui. Nessa tríade, Sousândrade constrói uma narrativa legitimadora da República brasileira apresentando-nos ao panorama da luta pela emancipação da nação livre e democrática como resultado dos esforços de dois heróis nacionais: Tiradentes e, surpreendentemente, a princesa Isabel, ambos representados como mártires cristãos defensores de um novo éden político. Vale ressaltar que esses poemas se inscrevem no momento de transição do Brasil monárquico para o republicano, marcado por disputas ideológicas de grupos políticos que tencionavam ser protagonistas da modernização da nação rumo ao século XX.Palavras-chave: literatura brasileira; século XIX; poesia; república; Sousândrade. This article discusses the poems Novo Éden: Poemeto da adolescência (1888-1889), Harpa de Ouro (1888-1889) and O Guesa, O Zac (1902) with emphasis on the republican political content that constitutes them. In this triad, Sousândrade builds a legitimizing narrative of the Brazilian Republic by presenting us with the panorama of the struggle for the emancipation of the free and democratic nation as a result of the efforts of two national heroes: Tiradentes and, surprisingly, Princess Isabel, both represented as Christian martyrs defenders of a new political Eden. It is worth mentioning that these poems are inscribed in the moment of transition from a monarchic to a republican Brazil, marked by ideological disputes by political groups that intended to be protagonists of the nation’s modernization towards the 20th century.Keywords: Brazilian literature; 19th century; poetry; republic; Sousândrade.
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 151-169; doi:10.17851/2358-9787.29.4.151-169

Abstract:
Resumo: Partindo da tradução de Teoria da não conceitualidade, de Hans Blumenberg, Luiz Costa Lima dedica seu livro Os eixos da linguagem a uma análise do pensamento do filósofo alemão, destacando seu papel como fundador da chamada “metaforologia”. Opondo a metáfora ao conceito, Blumenberg não apenas estabelece uma distinção fundamental entre esses “dois eixos”, mas oferece a Costa Lima elementos fundamentais para a sua distinção entre a mimesis da representação e a mimesis da produção.Palavras-chave: Hans Blumenberg; Luiz Costa Lima; metáfora. Starting from Hans Blumenberg’s translation of Theory of Non-conceptuality, Luiz Costa Lima dedicates his book Os eixos da linguagem [The Axes of Language] to an analysis of the german philosopher’s thought, highlighting his role as the founder of the so-called “metaphorology”. Opposing the metaphor to the concept, Blumenberg not only establishes a fundamental distinction between these “two axes”, but offers to Costa Lima fundamental elements for his distinction between the mimesis of representation and the mimesis of production.Keywords: Hans Blumenberg; Luiz Costa Lima; metaphor.
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 171-187; doi:10.17851/2358-9787.29.4.171-187

Abstract:
Resumo: Autor de uma gama de obras, sobretudo romances e demais narrativas, Erico Verissimo não se abstém da criatividade na hora da escrita. O que também pode surpreender alguns de seus leitores é o hábito que possuía de fazer registros não verbais, tais como caricaturas de suas personagens e demais representações imagéticas relacionadas às suas obras. A edição de Fantoches (1972), que comemora o quadragésimo aniversário da publicação de estreia desse livro, o primeiro do autor, é um propício exemplo disso. Sendo assim, esta obra, formada por uma série de pequenas narrativas, muitas delas peças teatrais, fornece o corpus para os estudos aqui propostos, já que se pretende analisar os registros manuscritos, tanto verbais quanto não verbais, feitos pelo próprio autor e que confirmam a crítica dele mesmo com relação às suas próprias produções. Para tanto, as análises fundamentam-se nos estudos de crítica literária de Bordini (1995), bem como sobre teorias a respeito dos recursos verbais e não verbais, de Ackerman (2014) e Aurouet (2014), utilizando-se também o primeiro volume de Solo de Clarineta: Memórias (2005), também de Verissimo. Autocrítico como é, Erico Verissimo permite fazer inferências sobre o fato de que uma obra publicada não significa que não existe a possibilidade de acrescências posteriores, o que na edição analisada de Fantoches permite muitas percepções a respeito das diferentes vozes encontradas também nas marginálias do livro, acrescidas pelo autor por meio de desenhos e observações verbais.Palavras-chave: fantoches; marginálias; vozes; Erico Verissimo. Author of a range of works, especially novels and other narratives, Erico Verissimo does not abstain from creativity at the time of writing. What may also surprise some of his readers is his habit of making non-verbal records, such as caricatures of his characters and other imagistic representations related to his works. The edition of Fantoches (1972), which commemorates the 40th anniversary of the publication of this book, which was his first, is a fitting example of this. Thus, this work, formed by a series of small narratives, many of them plays, provides the corpus for the studies proposed here, since it is intended to analyze the verbal and non-verbal manuscript records made by the author himself and confirm his own criticism of his own productions. To that end, the analyses are based on Bordini’s (1995) studies of literary criticism, as well as on verbal and nonverbal theories by Ackerman (2014) and Aurouet (2014), and the first volume of the book Solo de Clarineta: Memórias (2005), also by Verissimo. Self-critical as he is, Erico Verissimo allows us to make inferences about the fact that the publication of a work does not mean that there is no possibility of later additions, which in the analyzed edition of Fantoches (1972) leaves room for many perceptions regarding the different voices also found in the marginalia of the book, added by the author through drawings and verbal observations.Keywords: Fantoches; marginalias; voices; Erico Verissimo.
Aline Magalhães Pinto
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 33-51; doi:10.17851/2358-9787.29.4.33-51

Abstract:
Resumo: Esse texto busca expor e analisar o papel que a articulação teórica entre a disposição antropológica constitutiva a que tentamos alcançar com as denominações de carência, lacuna, fragilidade, vulnerabilidade – e a mímesis como decisivo para a compreensão da teorização recente de Luiz Costa Lima e do caminho que ela oferece para os Estudos Literários. Como é usual na obra do autor, o exercício de teorização aparece como uma interlocução. Nesse caso, os autores convocados são A. Gehlen e H. Blumenberg. Palavras-chave: Luiz Costa Lima; mímesis; vulnerabilidade; antropologia filosófica; teoria da literatura. This text seeks to expose and analyze the role that the theoretical articulation between the constitutive anthropological disposition called of vulnerability and Mimesis as decisive for understanding the recent theorization of Luiz Costa Lima and the way that it provides for Literary Studies. As is usual in the author’s work, the theorizing exercise appears as an interlocution. In this case, the authors summoned are A. Gehlen and H. Blumenberg.Keywords: Luiz Costa Lima; mímesis; vulnerability; philosophical anthropology; theory of literature.
Back to Top Top