Revista Brasileira de Educação e Saúde

Journal Information
EISSN : 2358-2391
Published by: Grupo Verde de Agroecologia e Abelhas (10.18378)
Total articles ≅ 137
Current Coverage
DOAJ
Archived in
SHERPA/ROMEO
Filter:

Latest articles in this journal

Francisco Ivo Gomes Lavor, Amanda Victor Ferreira, Jackeline Sousa Silva, Helmo Robério Ferreira de Meneses, Sandra Maijane Soares de Belchior, Elania Cavalcante Cunha de Medeiros, Agilio Tomaz Marques
Revista Brasileira de Educação e Saúde, Volume 11, pp 256-262; https://doi.org/10.18378/rebes.v11i2.9163

Abstract:
As Tecnologias Digitais da Informação - TDIC são consideradas uma ferramenta ímpar em todo o processo de aprendizado, tendo seus efeitos comprovados desde a Educação Básico e, até mesmo, no Ensino Superior incluindo cursos de Pós-graduação. Dessa forma, faz-se necessário debruçar-se sobre o contexto pedagógico já existente na universidade, além de apontar soluções estratégicas para a implementação de novos sistemas tecnológicos. Nesse sentido, justifica-se a relevância do presente trabalho, que tem como objetivo geral realizar uma análise sobre a aplicação das TDIC dentro do Curso de Licenciatura em Pedagogia da UniFIC, campus Iguatu. Como objetivos específicos, busca-se descrever o contexto pedagógico do Curso de Licenciatura em Pedagogia quanto ao uso das tecnologias digitais de informação e comunicação na organização, sistematização e desenvolvimento das aulas e fomentar o diálogo entre as tecnologias digitais e a prática pedagógica docente. A metodologia usada para abordar o assunto foi um estudo qualiquantitativo, de caráter descritivo e exploratório, tendo como referência Gil (2010) e sua definição de pesquisa documental. Conclui-se, portanto, que a inclusão das tecnologias digitais de informação e comunicação veio para auxiliar os docentes em suas práticas pedagógicas, mas as mesmas só se apresentam favoráveis se os docentes estiverem dispostos a serem cada vez mais dinâmicos, pois não adianta estarmos conectados se não houver relação, engajamento entre docentes e discentes.
Mônica Barbosa de Sousa Freitas, José Cândido Da Silva Nóbrega, Wyara Ferreira Melo, Karla Da Nóbrega Gomes, Manoel Marques de Souto Nóbrega Filho
Revista Brasileira de Educação e Saúde, Volume 11, pp 130-134; https://doi.org/10.18378/rebes.v11i1.8546

Abstract:
O estudo tem como objetivo relatar a evolução do tratamento de feridas utilizando o extrato de própolis verde. Uma paciente do sexo feminino, 52 anos, procurou assistência médica para uma avaliação no Membro Inferior Esquerdo (MMII), uma lesão cutânea, sofrida após duas semanas do ocorrido. Orientou-se medicamentos para o processo de reparação da ferida como, um antibiótico Levofloxacino de 500mg com posologia de 12/12 e um analgésico Dievari de 900mg +100mg. Após uma segunda avaliação externa, observou-se que as feridas apresentavam formato assimétrico, profundas, edemaciado, com um formato numular, apresentando mialgia no membro ao deambular e ao deitar-se. A dor relatada pela paciente antes de iniciar o tratamento de 0 a 10 de acordo com a Escala Visual Analógica – EVA, foi 9, significando dor intensa. A própolis foi utilizada na lesão. Na assepsia foram utilizados luvas, gazes, soro fisiológico, sabonete antisséptico Riohex de 2% de Digliconato de Clorexidina, água oxigenada de 10 volumes de 100 ml e o extrato de própolis verde. O procedimento foi realizado durante oito dias, até obter o resultado de reparação da lesão. No relato de caso, a própolis verde durante a aplicação do protocolo, contribuiu para o processo de reparação do tecido, ocasionando a diminuição do processo inflamatório e a redução do nível de dor para 0, de acordo com a Escala Visual Analógica – EVA. É importante verificar a ação da própolis verde na ação curativa de feridas, sendo necessário estudos mais aprofundados, analisar as concentrações do extrato de própolis e outros fatores que possam garantir a ação desse produto.
Ianaly Raiane Abrantes Sarmento, Maria Alciene Saraiva de Souza, Dandara Dias Cavalcante Abreu, Maria Raphaella Ferreira Gomes
Revista Brasileira de Educação e Saúde, Volume 11, pp 01-06; https://doi.org/10.18378/rebes.v11i1.7977

Abstract:
OBJETIVO: relacionar as Doenças Falciformes com a terapia gênica, tendo em vista a possibilidade da correção genética dessas hemoglobinopatias hereditárias. MÉTODOS: o delineamento consistiu em uma revisão integrativa a partir de artigos publicados nas bases de dados PubMed, Lilacs, e da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), combinando os seguintes descritores: Genetic therapy AND Anemia, Sickle Cell e Beta-thalassemia AND Anemia, Sickle Cell. Após busca e aplicações dos critérios de inclusão e exclusão restaram assim oito artigos, os quais compõem esta revisão. RESULTADOS E DISCUSSÕES: a maioria dos artigos utilizados faziam uma abordagem geral sobre a terapia genética em pacientes beta-talassêmicos, comparando as características destes com as dos indivíduos falciformes, ressaltando as grandes chances de controle e até mesmo da cura destas através da inserção ou edição de genes como também transplante das células hematopoiéticas. Estudos atuais apostam em avanços científicos no ramo da biologia da manipulação para que haja uma modificação genética com transfusão de células em crianças pré-diagnosticadas com alguma hemoglobinopatia, impedindo assim que ocorram as manifestações clínicas da doença. CONSIDERAÇÕES FINAIS: sabendo-se do grande número de nascidos portando algum tipo de Doença Falciforme, a modificação genética do sangue do cordão umbilical e o desenvolvimento de células estaminais hematopoiéticas seria, portanto uma terapia ideal para a diminuição dos casos de recém-nascidos portadores de Anemia Falciforme ou de Beta-talassemia. Já nos casos já existentes, a abordagem terapêutica que mostra maior eficiência e facilidade de acesso seria àquela que combina o aumento do volume celular com a diminuição da hemoglobina intracelular.
Elizandra da Silva Medeiros Leite, Everson Vagner De Lucena Santos, Anuska Erika Pereira Bezerra Macedo
Revista Brasileira de Educação e Saúde, Volume 11, pp 135-142; https://doi.org/10.18378/rebes.v11i1.8667

Abstract:
Objetivou-se identificar as condições de relação trabalho saúde dos bombeiros militares do 4º Batalhão de Bombeiro Militar da Paraíba, Sendo do tipo quantitativo, descritivo, transversal e de campo. A população foi constituída por 58 Bombeiros Militares Pertencentes ao 4º Batalhão de Bombeiro Militar da Paraíba. Foi utilizado dois questionários: o primeiro questionário de Avaliação de Qualidade de Vida e da Saúde (QVS-80) modificado e o segundo questionário utilizado foi o Goldberg adaptado. Os resultados mostram que os soldados do 4º Batalhão de Bombeiro Militar da Paraíba que participaram da pesquisa apresentaram jornadas longas de trabalho resultando em um efeito direto na diminuição do tempo disponível para outras atividades físicas, levantando demandas prejudiciais à saúde e favorecendo problemas no trabalhos. A sobrecarga de peso e os problemas com a ergonomia tem sido as variáveis mais apontadas no estudo como preditivo para o aparecimento de agravos a saúde dos bombeiros militares. Jornadas amplas de serviços produzem dificuldades nas relações pessoais, sociais e familiares, além disso influenciam no tempo disponível para o cuidado com a saúde, podendo assim acarretar doenças ocupacionais. Com isso, os trabalhadores acabam que reduzindo os horários para exercícios físicos que poderiam ajudar no seu desempenho e na diminuição de problemas de saúde. Este estudo recomenda ações pontuais, sobretudo na adequação do ambiente de trabalho na questão de ergonomia e exercícios voltados ao condicionamento físico, visando preservar o bem-estar desses soldados para que se conservem ativos e colaborem ainda mais com a sociedade regional, assegurando o cumprimento da missão de resguardar vidas e bens da população.
Maria Eduarda Liutti, Taynara Aparecida Vieira, Viviane Aparecida de Oliveira Ciriaco, , , Tânia Maria Diniz Ianni
Revista Brasileira de Educação e Saúde, Volume 11, pp 63-68; https://doi.org/10.18378/rebes.v11i1.8450

Abstract:
A sífilis é uma infecção sexualmente transmissível (IST), causada pela bactéria Treponema pallidum, que acomete homens e mulheres. Apesar da relação sexual sem o uso de preservativos ser a principal forma de infecção, a transmissão congênita durante a gestação ou parto têm crescido nos últimos anos. O diagnóstico da sífilis pode ser realizado pelos testes treponêmicos e não-treponêmicos. O objetivo do presente estudo foi determinar a soroprevalência de testes não-treponêmicos, em duas Comunidades Terapêuticas de Avaré/SP, e aplicar um questionário social para avaliar o nível de conhecimento dos voluntários quanto as ISTs. O sangue foi coletado por venopunção, para realização da técnica de Venereal Disease Research Laboratory (VDRL) qualitativo e semi-quantitativo, além de teste rápido treponêmico específico para confirmação dos exames reagentes. Os resultados obtidos foram de 41 voluntários que estavam na faixa etária de 22 a 58 anos, onde 36,6% eram mulheres e 63,4% eram homens. As mulheres tinham mais conhecimento a respeito da sífilis do que os homens. Sobre os métodos de prevenção, 23,1% dos homens e 73,3% das mulheres disseram ter conhecimento sobre a forma correta de prevenção. Porém, aproximadamente metade deles afirmaram que não utilizavam preservativos durante o ato sexual. Dos testes realizados, 4,9% (2 voluntários) foram reagentes para sífilis. A maioria dos indivíduos não possuíam um conhecimento razoável sobre as ISTs, e, além disso, não utilizavam preservativos durante as relações sexuais, favorecendo, assim, a exposição e transmissão da sífilis.
Anne Karoline de Araújo Rocha, Juliana Costa Ciarlini,
Revista Brasileira de Educação e Saúde, Volume 11, pp 07-14; https://doi.org/10.18378/rebes.v11i1.8485

Abstract:
A Toxicologia é a ciência que se ocupa da natureza, dos mecanismos das ações tóxicas e da avaliação das alterações biológicas produzidos pela exposição do organismo às substâncias químicas. Embora as intoxicações sejam uma causa mundial frequente de procura pelos serviços de saúde, somente em 2002 surgiu, nos Estados Unidos, a Residência Médica em Toxicologia, como ultraespecialização dentro da Medicina Intensiva. Diante do perfil epidemiológico dos envenenamentos, algumas universidades nacionais têm instituído a Toxicologia Médica como disciplina, optativa ou obrigatória, nos cursos de Medicina. Todavia, o ensino dessa disciplina, assim como de muitas outras, mostra-se ainda muito pragmático e tradicionalista, havendo a necessidade de implementação de metodologias mais dinâmicas de ensino, a fim de permitir, aos discentes, melhor compreensão do conteúdo de modo a auxiliá-lo na sua prática profissional. O objetivo do presente trabalho é descrever as experiências de discentes na monitoria acadêmica na disciplina de Toxicologia Médica em um curso de Medicina de uma Universidade Estadual brasileira, ressaltando a importância da utilização de materiais lúdicos para efetivação da aprendizagem desta disciplina Foram apresentados os materiais lúdicos utilizados nas aulas de Toxicologia Médica: cordel, palavras-cruzadas, quiz, paródia e estudos dirigidos. A aplicação da ludicidade em aulas de toxicologia viabiliza um melhor processo de significação e de aprendizagem tanto para discentes-monitores quanto para discentes-monitorados, desenvolvendo as habilidades de ambas as partes, tanto do monitor - que se aproxima da docência -, quanto do monitorado - que consegue assimilar o assunto de forma menos pragmática, mais didática e, consequentemente, mais efetiva.
Marlus Henrique Queiroz Pereira, Maria Luiza Amorim Sena Pereira, ,
Revista Brasileira de Educação e Saúde, Volume 11, pp 30-35; https://doi.org/10.18378/rebes.v11i1.8397

Abstract:
A pandemia causada pelo coronavírus impacta diretamente na saúde devido à crescente hospitalização e mortalidade, porém também tem repercussões em outras áreas, com elevação do desemprego, redução da renda e, consequentemente, no aumento da pobreza, da Insegurança Alimentar (IA) e da fome. Este trabalho objetiva propor a criação de um Banco Solidário de Alimentos (BSA), como uma estratégia de enfrentamento da IA para atenuar os efeitos socioeconômicos da pandemia e subsidiar a sua inclusão, como alternativa, na agenda pública. A estratégia foi elaborada pelos autores e apresentada ao coletivo Agir pela Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional na Bahia, que prevê uma articulação entre diversos setores da sociedade. Após ser considerada compatível com os objetivos do coletivo e factível, a proposta tem sido divulgada e defendida junto às instâncias de interesse. O BSA pode ser reconhecido como uma ferramenta para promoção da Segurança Alimentar e Nutricional, especialmente para populações vulneráveis durante a pandemia e tem a capacidade de minimizar perdas e desperdício de alimentos, por meio de uma rede colaborativa. Ressalta-se que o comprometimento da gestão pública e a participação popular são decisivos para o alcance dos objetivos da estratégia.
Renalty Ibsen Alves Pereira, João Victor França Sousa, Glaucia Posso Lima
Revista Brasileira de Educação e Saúde, Volume 11, pp 15-20; https://doi.org/10.18378/rebes.v11i1.8300

Abstract:
O presente estudo tem como objetivo analisar os indicadores sociodemográficos e de qualidade de vida dos estudantes dos cursos de saúde da Universidade Estadual do Ceará correlacionando os resultados obtidos entre os cursos. Trata-se de um estudo transversal quantitativo onde 432 estudantes de graduação dos cursos da área da saúde foram voluntariamente convidados a participar. O instrumento utilizado nesta pesquisa para avaliar a qualidade de vida dos estudantes é o genérico “Medical Outcomes Study 36-item Short-Form Health Survey (SF-36) que divide em oito domínios o estudo da qualidade de vida. As características sociodemográficas: sexo feminino (63,6%), sexo masculino 36,3%. solteiros correspondendo a 94,2% e casados 5,09%. Dentre os domínio analisados, vitalidade foi o que menos pontuou nos cursos de medicina (48,17), ciências biológicas (46,56), enfermagem (48,11) e nutrição (59,7). O aspecto menos prejudicado em todos os cursos é o de capacidade funcional, sendo inclusive o único a apresentar valores acima de 80 pontos em todos os cursos, com o menor sendo da ciências biológicas (82,31) e o maior sendo do curso de nutrição (89,40). O estudo identificou que a percepção da qualidade de vida para os estudantes das áreas da saúde apresentou valores semelhantes quando comparados entre si.Os achados deste estudos evidenciam a necessidade das instituições de ensino em preocupar-se com o bem-estar físico e emocional dos seus alunos que pode estar diretamente ligado ao sucesso acadêmico e profissional destes.
Paulo Fernando Da Silva, Francisco Eduardo Machado Barbosa, Maria Valdiana Da Costa Alves, Renata Braga Rolim Vieira, Sara Vitoriano de Sousa Roberto
Revista Brasileira de Educação e Saúde, Volume 11, pp 97-101; https://doi.org/10.18378/rebes.v11i1.8328

Abstract:
A infecção hospitalar é um importante problema de saúde pública que é responsável por elevados números de complicações dos pacientes hospitalizados. Diante disso, surge a Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH), que está voltada à prevenção e ao controle da infecção no ambiente hospitalar, sendo que ela possui o objetivo de prevenir e combater a infecção hospitalar. Assim, a presente pesquisa teve como objetivo verificar a importância do farmacêutico na Comissão de Controle de Infecção Hospitalar. Revisão integrativa da literatura, descritiva, com abordagem qualitativa. Foi possível verificar que o farmacêutico possui papel importante na CCIH, pois desenvolve ações estratégicas como criação de rotinas para a dispensação de medicamentos, a seleção e padronização de antibióticos e ainda a promoção racional do uso de medicamentos. Desse modo, o farmacêutico destaca-se como um profissional importante e deveras atuante no funcionamento da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar.
Marcio Garcia Barroso, Yasmin Vieira, Vinícius Honório Alcântara Bom
Revista Brasileira de Educação e Saúde, Volume 11, pp 106-112; https://doi.org/10.18378/rebes.v11i1.8419

Abstract:
Os estudantes do curso de medicina, quase sempre são orientados a viver em busca do máximo de sua capacidade intelectual para obterem excelência em sua formação, e muitas vezes esquecem que a boa qualidade de vida também é importante. Esse trabalho trata-se de um estudo descritivo, do tipo relato de experiência, sobre o projeto de extensão desenvolvido junto a Universidade do Estado de Mato Grosso – UNEMAT, com o intuito de promover o incentivo a prática esportiva e melhoria nas inter-relações nas diversas esferas sociais que permeiam o aluno de graduação do curso de medicina, buscando uma melhoria na qualidade de vida, maior socialização e consequente engrandecimento nas condições de ensino-aprendizagem a que são submetidos, contribuindo para sua formação profissional. Nesse projeto observou-se entre a equipe participante, uma vivência profissional e social diferenciada, que contribuiu com discussões, trocas de experiências, reflexões sobre a relevância de se conhecer os mais diversos contextos sociais que compõe a sociedade e proposições de ideias para a melhoria do cuidado na saúde e que para isso torna-se importante uma boa qualidade de vida entre os futuros profissionais médicos, sendo o esporte uma boa opção, uma vez proporciona, além de um momento de descontração, um possível desligamento psicoemocional das atividades de estudos intensos, promovendo uma maior integração e socialização entre os graduandos de medicina. A conclusão alcançada ao final desse trabalho apoia que novos instrumentos extracurriculares podem ser incluídos durante o processo de formação médica no sentido de melhorar a qualidade de vida dos estudantes.
Back to Top Top