Faces de Clio

Journal Information
EISSN : 2359-4489
Current Publisher: Universidade Federal de Juiz de Fora (10.34019)
Total articles ≅ 126
Filter:

Latest articles in this journal

Lorraine Mendes
Faces de Clio, Volume 7; doi:10.34019/2359-4489.2021.v7.32331

Abstract:
O artigo visa a uma análise afrocentrada do quadro A Redenção de Cam de ModestoBrocos que priorize as relações raciais tensionadas a partir da figura da avó. Para tanto é necessário teorizar sobre as relações raciais na construção da identidade nacional. Utilizarei um arsenal teórico diverso para, em uma crítica às narrativas hegemônicas da história da arte brasileira, enunciar a presença de uma Sankofa na tela. É essa Sankofa, como agência epistêmica e narrativa, o conceito a ser desenvolvido no corpo do texto.
Leandro Ribeiro Brito
Faces de Clio, Volume 7; doi:10.34019/2359-4489.2021.v7.32127

Abstract:
O presente artigo tem por objetivo analisar o uso da palavra violência nas documentações dos séculos XI e XII. Além disso, compreender a relação com a construção de uma verdade que tem como propósito determinar o que é ou não violência e, a partir daí, refletir sobre o que hoje consideramos um ato violento. A metodologia empregada para tal é a análise de discurso foucaultiana. Esta escolha se justifica por compartilharmos da visão que o discurso é propositivo e tem uma vontade de verdade que busca deixar de fora aquilo que rejeita. Além disso, apontaremos uma possibilidade de análise do conceito de violência a partir da contemporaneidade.
Raphael Garcia Pinto Barros, Isadora De Mélo Costa
Faces de Clio, Volume 7; doi:10.34019/2359-4489.2021.v7.32320

Abstract:
O objetivo deste artigo é analisar a perpetuação da representação cultural da personagem histórica Marielle Franco, mais especificamente, no período de junho de 2018, tendo como recorte geográfico a Cinelândia, localidade circunscrita no centro da cidade do Rio de Janeiro. Tal lugar mostra-se um terreno historicamente privilegiado por possibilitar a compreensão das disputas e resistências políticas que marcaram a histórica da cidade. Por tal motivo, as intervenções artísticas propagadas na Cinelândia possibilitam analisar certo discurso e disputa acerca da memória que é perpetuado na história recente desta localidade. Assim, no presente estudo, utiliza-se da História Política e Cultural como instrumentos teóricos e metodológicos de compreensão da construção de certa memória em torno da vereadora Marielle Franco, assassinada no Rio de Janeiro em 14 de março de 2018.
Dayana De Oliveira da Silva
Faces de Clio, Volume 7; doi:10.34019/2359-4489.2021.v7.32312

Abstract:
O objetivo desse artigo é examinar a presença de cativos de origem africana através do comércio interno de escravos na cidade de Juiz de Fora (MG) durante a década de 1870. Busca-se compreender, com base em análises qualitativas e quantitativas, a constituição do processo operacional e da logística relacionados à comercialização dos escravizados. Neste sentido, atenta-se para o lugar de origem desses indivíduos, quem eram seus transmitentes e adquirentes, qual o perfil dos cativos comercializados, entre outras questões. Para tal desígnio, são analisados quatro Livros de Notas e Escrituras Públicas de compra e venda de escravos, referentes a Juiz de Fora, entre os anos de 1870-1880.
Glauber Eduardo Ribeiro Cruz
Faces de Clio, Volume 7; doi:10.34019/2359-4489.2021.v7.30642

Abstract:
A cidade de Santa Luzia/MG e a sociedade luziense mantém uma relação ambígua com o patrimônio histórico edificado. O foco do patrimônio tem sido o centro histórico da cidade com monumentos do período colonial e a sociedade, especificamente porque o que se percebe é que os estudantes se mantêm desinteressados e distantes do usufruto e da compreensão desse conjunto arquitetônico. Por isso, o texto tem o objetivo de, por meio da educação patrimonial, construir vínculos entre os/as estudantes da cidade de Santa Luzia e o patrimônio histórico edificado.
Bárbara Denise Xavier da Costa
Faces de Clio, Volume 7; doi:10.34019/2359-4489.2021.v7.32311

Abstract:
O objetivo desta investigação é analisar comparativamente algumas capturas de tela do videogame Apocalipsis: Harry at the end of the world com imagens oriundas dos séculos XV – XVI (ou seja, a construção dos desenvolvedores com as fontes originais), tais como xilogravuras de Michael Wolgemut, Albrecht Durer e pinturas de Hieronymus Bosch e Pieter Bruegel, o Velho que podem ter servido de inspiração para a estética do jogo, procurando perceber onde os desenvolvedores fizeram adaptações na busca da criação de algo novo, o que eles recepcionaram, relacionando história e videogame via imagem. Para isso, nosso embasamento teórico partirá de leituras de Umberto Eco sobre a presença da Idade Média hoje, no conceito de intermidialidade exposto por Claus Clüver e no conceito de retrolugares proposto por Alberto Venegas Ramos.
María Soledad González
Faces de Clio, Volume 7; doi:10.34019/2359-4489.2021.v7.32052

Abstract:
El presente artículo se propone abordar a Victoria Ocampo como gestora artística y cultural antes de Sur. Para esto, recurriremos al abordaje de algunos pasajes de sus Testimonios y al cuarto volumen de su Autobiografía titulado “Viraje”, para comprender su labor antes de su consagración a partir de los treinta. Como hipótesis expresamos que Ocampo inicia su recorrido como gestora artística y cultural en los veinte en el marco del gobierno de Marcelo T. de Alvear y que dicho posicionamiento escasamente abordado por la crítica permite leerla en el trayecto inicial a partir de los nexos entre cultura, arte y política, y a partir de la legitimación que la misma buscaba lograr a partir de ese entrelazamiento. Buscaremos por medio del recurso a lo comparativo interpretarla en dos escenarios que permiten explicar su agencia, el de la hospitalidad y de lo institucional.
Saulo Castilho Pereira
Faces de Clio, Volume 7; doi:10.34019/2359-4489.2021.v7.32176

Abstract:
Trazida a público pela primeira vez em 1787, pelo fundador e maior entusiasta do movimento abolicionista britânico Thomas Clarkson, o diagrama do navio negreiro Brookes se tornou emblemático para as lutas abolicionistas no século seguinte por revelar as condições desumanas em que os escravizados eram submetidos nos navios negreiros. Ao mostrar como eram organizados, de maneira a levar o máximo deles ocupando o menor espaço possível, Clarkson expôs a violência racional e radical do comércio de almas. A imagem do navio foi reproduzida diversas vezes em contextos diferentes, em especial nas artes plásticas. Neste artigo analisaremos as obras de Romuald Hazoumé e Rosana Paulino, questionando como as apropriações artísticas são capazes de propor uma revisão crítica da imagem do navio Brookes e das contradições do discurso abolicionista, radicalizando e reatualizando as lutas contra o racismo e outras formas de dominação, exploração e violência racial no tempo presente.
Renato Brancaglione Cristofi
Faces de Clio, Volume 7; doi:10.34019/2359-4489.2021.v7.32327

Abstract:
O artigo presente discorre sobre a historicidade, fenomenologia e sentidos do Orientalismo nas arquiteturas europeias do século XIX. Procura-se oferecer uma abordagem conceitual sobre tais manifestações e linguagens na cultura material edificada, enquanto produções sociais marcadas por tensões próprias de linguagem arquitetônica fundamentalmente parlante e de representação do ‘outro’. Intentamos, por assim, contribuir com um debate que observa o orientalismo na arquitetura, antes de tudo, como uma autoridade do conhecimento e de práxis simbólica, de distinção e afirmação da Europa – e do Ocidente. Materializada enquanto conhecimento, que a partir dos olhares categorizadores e edificadores dos seus arquitetos, eram - por arte - capazes de conceber um Oriente cativo, a ser exibido pelas ruas das cidades europeias, no panteão de seus triunfos, como arquiteturas aos gostos de “um Oriente” reconhecível.
Jéssica Wisniewski Dias, Tatiana De Carvalho Castro
Faces de Clio, Volume 7; doi:10.34019/2359-4489.2021.v7.32147

Abstract:
O presente trabalho procura trazer uma análise de dois momentos do texto da ópera Carmen (G. Bizet) para evidenciar como a personagem principal, que leva o nome da obra, foi um instrumento de recepção de violências simbólica e física, fundamentando-se nos Estudos de Gênero. Carmen é um produto do imaginário e do cotidiano do século XIX qual, dentro de sua totalidade, diz muito sobre a sociedade que a produziu. Contudo, como mecanismo de representação cultural, é possível hoje ressignificar a obra, de forma que esta possa dialogar e contribuir com os Estudos de Gênero, servindo como meio de mapear as formas de violência sofridas por mulheres, assim como compreender de que maneira essas representações perpassaram o século XX, até chegar nos dias atuais.
Back to Top Top