Sacrilegens

Journal Information
ISSN / EISSN : 1807-1295 / 2237-6151
Current Publisher: Universidade Federal de Juiz de Fora (10.34019)
Total articles ≅ 56
Filter:

Latest articles in this journal

Jaqueline Souza Simões, Jaciany Soares Serafim, Gabrielle Freitas Mourão
Sacrilegens, Volume 17, pp 262-275; doi:10.34019/2237-6151.2020.v17.30489

Abstract:
O Brasil é conhecido pela pluralidade cultural e possui diversidade religiosa, mas apresenta intolerância no âmbito religioso inaugurada pelos portugueses na época da colonização. Essa intolerância é geradora de preconceito e discriminação direcionadas aos adeptos das religiões de matrizes africanas, o Candomblé e a Umbanda. Este estudo analisou a percepção sobre o estigma de religiões de matrizes africanas por seguidores do Candomblé e da Umbanda em terreiros da cidade de Montes Claros. Durante o processo histórico da colonização do Brasil, varias culturas e crenças foram trazidas, perpetuando até os dias atuais. Notou-se que é necessário conscientizar a população através de estudos e políticas públicas eficazes para redução de conflitos relacionados ao pertencimento às religiões de matrizes africanas.
Felipe Cazelli
Sacrilegens, Volume 17, pp 68-90; doi:10.34019/2237-6151.2020.v17.30806

Abstract:
O presente artigo visa analisar, desde a perspectiva dos Estudos de Gênero e de Religião, a personagem Lord Fanny, da história em quadrinhos “Os Invisíveis”, do escritor escocês Grant Morrison, publicada pela DC Comics. Lord Fanny é uma mulher transexual brasileira, de ascendência mexicana, bruxa de uma tradição matrilinear asteca, membra de um grupo anarquista de combatentes em favor da liberdade. Ela constitui, assim, enquanto elemento midiático, um símbolo da subversão, tanto das normas de gênero, que são heteronormativas, quanto dos discursos religiosos hegemônicos em nossa sociedade, estruturados sobre a visão do patriarcado.
Joyce Pires
Sacrilegens, Volume 17, pp 91-108; doi:10.34019/2237-6151.2020.v17.30812

Abstract:
Este artigo discutirá o tema sobre a construção da hierarquia eclesiástica na Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB). Nos últimos cinquenta anos, mulheres construíram acessos à justiça de gênero na igreja e na sociedade brasileira e tem na gênese do luteranismo no Brasil aspectos que mobilizaram possibilidades de ação para o aparecimento da mulher na hierarquia eclesiástica. Por meio de reivindicações, queixas e reelaborações teológicas, importantes para uma consolidação da chamada justiça de gênero desde a hierarquia eclesiástica, uma reconfiguração do reconhecimento e representatividade da mulher nesta denominação está em curso. As análises dos processos de mudanças históricas relativos ao aparecimento da mulher em lugares de poder e status serão desenvolvidas, a partir de depoimentos, conversas informais com pastoras luteranas e revisão bibliográfica acerca do tema.
Flávia Tortul Cesarino
Sacrilegens, Volume 17, pp 127-150; doi:10.34019/2237-6151.2020.v17.30794

Abstract:
Atualmente, existem muitos estudos sobre gênero, feminismo, sobre as desigualdades imputadas às mulheres, como por exemplo, em relação ao fato de ganharem menos que os homens exercendo a mesma função, assim como estudos sobre os negros, raça, o racismo e o combate ao racismo. Contudo, quando a mulher negra se torna objeto de análise, existem menos pesquisas e menos ainda quando se trata da mulher negra no cristianismo. Pretende-se neste texto explanar algumas variáveis relacionadas à mulher negra: raça, classe, gênero e religião, a partir da perspectiva de autores da antropologia, sociologia e teologia, tendo como objetivo realizar uma revisão bibliográfica sobre raça, gênero, feminismo negro e cristianismo, para que se possa analisar como se constrói a identidade da mulher negra e a ressignificação de suas práticas religiosas no meio evangélico.
Adriana Gomes
Sacrilegens, Volume 17, pp 238-261; doi:10.34019/2237-6151.2020.v17.30474

Abstract:
O artigo pretende trazer para a discussão a receptividade do Código Penal de 1890 legislado por João Baptista Pereira no meio jurídico brasileiro, sobremaneira os entendimentos relacionados ao Artigo 157, que cerceou a liberdade religiosa dos espíritas. Por meio da análise de fontes históricas, analisaremos os antecedentes à promulgação da norma penal republicana que substituiu o Código Criminal de 1830 e os desdobramentos depreciativos entre os magistrados do país ante a rejeição à nova legislação, que adveio com falta de diálogo em diversos pontos polêmicos. Em suas tentativas de evitar a substituição da norma criminal, Baptista Pereira reafirmou a necessidade de manter o código legislado por ele e ratificou a imprescindibilidade do espiritismo ser uma transgressão penal com punição carcerária por se tratar de um “crime indígena” por, em sua consideração, se a incivilidade e a indisciplina social, que tanto eram refutados pelo regime republicano, mas que faziam parte do cenário brasileiro.
Caio Jade Puosso Cardoso Gouveia Costa
Sacrilegens, Volume 17, pp 32-45; doi:10.34019/2237-6151.2020.v17.30735

Abstract:
Este artigo apresentará as diferentes perspectivas religiosas e espirituais encontradas nos textos autobiográficos de Claudia Wonder, Roberta Close, Lorys Ádreon, Ruddy Pinho, Jorge Laffond e Jordhan Lessa. Veremos como suas expressões de sexo/gênero são acolhidas ou rejeitadas pelos sistemas religiosos da sociedade brasileira a partir de seus relatos. Analisaremos como espiritualidades singulares são criadas como respostas às exclusões e formatações impostas pelas religiões. Refletiremos sobre a dessacralização de expressões de sexo/gênero diversas como estratégia de exclusão social. Por fim, anunciaremos as religiosidades e espiritualidades trans como estratégias de reintegração e de ressacralização dos seres em relação à vida.
Letícia Reis
Sacrilegens, Volume 17, pp 109-126; doi:10.34019/2237-6151.2020.v17.30810

Abstract:
RESUMO Este artigo visa apresentar a figura da Pombagira, entidade da Umbanda, como símbolo de empoderamento feminino, abordando aspectos que constituem a entidade, e o próprio conceito de empoderamento feminino. A metodologia partiu da revisão de literatura, utilizando como marco teórico, os estudos de sociologia e antropologia da religião, em especial os de Reginaldo Prandi. A Pombagira, muitas vezes minimizada ao estereótipo de mulher vulgar, prostituta e amoral, contrasta com a visão submissa e “sexo frágil” da sociedade patriarcal. Mulher livre e destemida, a Pombagira assume seu papel transgressor e simbólico atuante no espaço religioso, influenciando a todos com quem tem contato, em especial, as mulheres, provocando inquietações com relação às expectativas limitantes impostas à elas.
Amaro Xavier Braga Junior
Sacrilegens, Volume 17, pp 195-212; doi:10.34019/2237-6151.2020.v17.29426

Abstract:
O trabalho identifica e analisa as práticas litúrgicas que se desenvolvem entre as manifestações da Umbanda e suas apropriações pelos grupos wiccanos ou neopagãos, surgidos no Brasil nas últimas décadas, como a wicca, um movimento religioso que se institucionalizou a partir da chamada "antiga religião", um conjunto de práticas religiosas pré-cristãs ligadas à feminilidade e a natureza. A pesquisa partiu de observações participantes e entrevistas semi-estruturadas com membros de destaque em ambos os grupos. Enfatizam-se na análise as problemáticas sobre a identidade religiosa construída a partir do trânsito religioso entre os grupos e sua hibridização. Um dos resultados mais evidentes mostrou que tais apropriações se originaram a partir da migração dos atuais sacerdotes wiccanos que primeiramente atuaram como mães-de-santo e que se converteram a este novo movimento religioso.
Sergio Blain
Sacrilegens, Volume 17, pp 173-194; doi:10.34019/2237-6151.2020.v17.29107

Abstract:
Este estudo buscou elementos informativos sobre a moda e a elegância feminina brasileira. Atingindo seu apogeu na década de 1950, esses padrões de elegância foram influenciados por colégios de freiras francesas, que se instalaram no Brasil, em quantidade crescente, no fim do século XIX e início do século XX. Estas instituições confessionais encontraram na Terra de Santa Cruz a seara propícia para desenvolver seu método de ensino baseado na figura da "Mãe de Deus", principalmente após a grande feminização religiosa observada na Igreja durante o século XIX.
Andre Klojda
Sacrilegens, Volume 17, pp 151-172; doi:10.34019/2237-6151.2020.v17.29051

Abstract:
Poeta mais célebre do Barroco brasileiro, Gregório de Matos é, ainda hoje, estudado principalmente em suas facetas erótica e satírica. Apesar de alguns dos seus poemas sacros serem amplamente difundidos, o aspecto religioso é, não raramente, preterido na análise do cânone. A leitura atenta desta poesia, contudo, revela-nos traços que identificamos como autêntica expressão emocionada. Propomos um afastamento da abordagem do Boca do Inferno como um satirista com momentos de insincera emoção religiosa, para enxergá-lo sob o prisma da harmonia dos opostos. A poesia torna-se, assim, uma forma de conhecimento do ser humano e das suas emoções e reflexões. Este artigo vem à luz a partir dos resultados parciais de dissertação de mestrado ainda a ser defendida
Back to Top Top