Revista do Centro de Estudos Portugueses

Journal Information
ISSN / EISSN : 1676-515X / 2359-0076
Current Publisher: Faculdade de Letras da UFMG (10.17851)
Total articles ≅ 864
Filter:

Latest articles in this journal

Mariana Pereira Guida
Revista do Centro de Estudos Portugueses, Volume 40, pp 173-177; doi:10.17851/2359-0076.40.64.173-177

Abstract:
Preservar o excesso: LOPES, Silvina Rodrigues. A anomalia poética. Belo Horizonte: Chão da Feira, 2019.
Nuno Ribeiro
Revista do Centro de Estudos Portugueses, Volume 40, pp 187-190; doi:10.17851/2359-0076.40.64.187-190

Abstract:
PESSOA, Fernando. O caso mental português. Edição de Fernando Cabral Martins e Richard Zenith. Lisboa: Assírio & Alvim, 2020.
Revista do Centro de Estudos Portugueses, Volume 40, pp 191-198; doi:10.17851/2359-0076.40.64.191-198

Abstract:
O presente texto propõe uma breve apresentação e um ponto de partida inicial de leitura do último livro do poeta, ensaísta e tradutor português Albano Martins.
, Raquel Dos Santos Madanêlo Souza, Rodrigo Alexandre De Carvalho Xavier
Revista do Centro de Estudos Portugueses, Volume 40, pp 9-12; doi:10.17851/2359-0076.40.64.9-12

Claudia Barbieri
Revista do Centro de Estudos Portugueses, Volume 40, pp 37-55; doi:10.17851/2359-0076.40.64.37-55

Abstract:
Resumo: Gervásio Lobato (1845-1895) foi um proeminente dramaturgo português, além de romancista, contista, tradutor e jornalista. Há, contudo, dissonâncias entre a expressiva recepção crítica que sua obra teatral recebeu enquanto o escritor ainda era vivo e o subsequente apagamento de seu nome e de sua dramaturgia nos volumes de história do teatro português publicados a partir de 1960. O artigo tem por objetivos formular algumas hipóteses para explicar este descompasso entre recepção e crítica, além de discorrer sobre a organização do espólio do escritor, pertencente ao Museu Nacional do Teatro e da Dança, em Lisboa. A dificuldade de acesso aos arquivos, a ausência de reedições das peças, a variedade de suportes são alguns entraves que podem ser elencados e que precisam ser resolvidos ao longo do processo de resgate do teatro gervasiano.Palavras-chave: Gervásio Lobato; teatro português; organização de espólio. Gervásio Lobato (1845-1895) was a prominent Portuguese playwright, as well as a novelist, short story writer, translator and journalist. There are, however, dissonances between the expressive critical reception that his theatrical work received while the writer was still alive and the subsequent erasure of his name and dramaturgy in the volumes of Portuguese theater history published since 1960. The article aims to formulate some hypotheses to explain this mismatch between reception and criticism, in addition to discussing the organization of the writer’s estate, belonging to the Museum of Theater and Dance, in Lisbon. The difficulty of accessing the archives, the absence of reissues of the plays, the variety of supports are some obstacles that can be listed and that need to be resolved throughout the process of rescuing the Gervasian theater.Keywords: Gervásio Lobato; Portuguese theater; theatrical collection organization.
Revista do Centro de Estudos Portugueses, Volume 40, pp 15-35; doi:10.17851/2359-0076.40.64.15-35

Abstract:
Here we discuss editorial agency and its impact in the work of Fernando Pessoa, focusing on perception, mobility and interpretation. A posthumous publication is a privileged object to investigate the complexity of the process of editorial agency and its effects because, in the posthumous extension of a corpus, what is at stake is precisely its construction. We also examine the role of the editor and his intervention, rather than the one of publishers, bearing into account the impact the decisions and reorganizations can have when speaking of posthumous works. We conclude that a “work” is the product, or the result, of the joint work left by an author and that of its editors, and that a work or a set of works is not something determined and established forever, but a reassembled product, or the result of a construction or reconstruction.Keywords: Fernando Pessoa; editorial agency; mobility; interpretation; work; posthumous work.Resumo: Discutimos aqui a mediação editorial e o seu impacto na obra de Fernando Pessoa, com enfoque na perceção, na mobilidade e na interpretação. Uma publicação póstuma é um objeto privilegiado para investigar a complexidade do processo de mediação editorial e os seus efeitos porque, na extensão póstuma de um corpus, o que está em jogo é precisamente a sua construção. Analisamos também o papel do editor (editor) e da sua intervenção, em vez do papel da editora (publisher), tendo em consideração o impacto que as decisões e as reorganizações podem ter quando falamos de obras póstumas. Concluímos que uma “obra” é o produto, ou o resultado, do trabalho, em conjunto, do autor e da obra que deixou, e dos editores; e que uma obra ou um conjunto de obras não é algo determinado ou estabelecido para sempre, mas um produto reorganizado, ou o resultado de uma construção ou reconstrução.Palavras-chave: Fernando Pessoa; mediação editorial; mobilidade; interpretação; obra; obra póstuma.
Deivis Jhones Garlet
Revista do Centro de Estudos Portugueses, Volume 40, pp 113-128; doi:10.17851/2359-0076.40.64.113-128

Abstract:
Resumo: A obra romanesca de José Saramago é reconhecida pelo seu conteúdo de crítica social, sobretudo, ao império do capital e seus efeitos nefastos na vida dos homens e à hipocrisia das elites políticas e econômicas. Dialeticamente, afirma uma posição de valorização do humanismo e da democracia, geralmente evidenciados nos setores sociais mais desfavorecidos. Este conteúdo axiológico, seguramente, é realizado por uma composição formal singular, na qual as partes contribuem para a efetivação de um todo estruturado. Entre as partes dessa composição, salientamos a relevância do narrador e sua função decisiva para a consecução do conteúdo humanista e democrático nos romances. De fato, o narrador saramaguiano apresenta peculiaridades, como a oralidade, o recurso à ironia, os frequentes comentários, a concessão de voz a uma pluralidade de vozes, que informam de sua função alicerçada no dialogismo e na dialética, de forma que a denominamos função dialógico-dialética. Assim, com base em estudos de Bakhtin e Genette, objetivamos explicitar tal função e sua contribuição para a axiologia do universo romanesco do autor lusitano.Palavras-chave: José Saramago; narrador; função dialógico-dialética. José Saramago’s romanesque work is recognized for its content of social criticism, especially the empire of capital and its harmful effects on the lives of men and the hypocrisy of political and economic elites. Dialectically, it affirms a position of appreciation of humanism and democracy, generally evidenced in the most disadvantaged social sectors. This axiological content, surely, is realized by a singular formal composition, in which the parts contribute to the realization of a structured whole. Among the parts of this composition, we emphasize the relevance of the narrator and his decisive role in achieving the humanist and democratic content in the novels. In fact, the Saramaguian narrator has peculiarities, such as orality, the use of irony, frequent comments, the granting of a voice to a plurality of voices, which inform of its function based on dialogism and dialectic, in a way that we call it function dialectic-dialectic. Thus, based on the studies of Bakhtin and Genette, we aim to make explicit this function and its contribution to the axiology of the Romance universe of the Lusitanian author.Keywords: José Saramago; narrator; dialogical-dialectic function.
Revista do Centro de Estudos Portugueses, Volume 40, pp 145-170; doi:10.17851/2359-0076.40.64.145-170

Abstract:
Resumo: O presente artigo estuda, inicialmente, o Santo Ofício português – iniciado em 1536 e oficialmente extinto apenas no século XIX, em 1821 –, procurando abordar alguns aspectos históricos, sociais, políticos e culturais decorrentes do funcionamento do tribunal inquisitorial em solo luso. Para tanto, dialoga-se com historiadores e intelecuais como António Baião, Anita Novinsky, António Sérgio, Lana Lage da Gama Lima, Giuseppe Marcocci, José Pedro Paiva, Toby Green, António José Saraiva, Eduardo Lourenço, dentre outros. Em um segundo momento do estudo, analisa-se a obra História da origem e estabelecimento da Inquisição em Portugal (1854), de Alexandre Herculano (1810-1877), buscando-se evidenciar a forma pela qual a narrativa historiográfica herculaniana constituiu um discurso crítico em relação à institucionalização da Inquisição no reino português – durante a monarquia de D. João III – e aos laços estreitos entre os poderes real e religioso.Palavras-chave: Inquisição; Portugal; Alexandre Herculano. This article initially studies the Portuguese Holy Office - which began in 1536 and was officially extinguished only in the 19th century, in 1821 - and seeks to address some historical, social, political and cultural aspects arising from the operation of the Inquisitorial Court on Portuguese soil. To do so, it dialogues with historians and intellectuals such as António Baião, Anita Novinsky, António Sérgio, Lana Lage da Gama Lima, Giuseppe Marcocci, José Pedro Paiva, Toby Green, António José Saraiva, Eduardo Lourenço, among others. In a second moment of study, the work History of the origin and establishment of the Inquisition in Portugal (1854), by Alexandre Herculano (1810-1877), is analyzed, seeking to highlight the way in which the herculanian historiographic narrative constituted a discursive criticism in relation to the institutionalization of the Inquisition in the Portuguese kingdom – during the monarchy of D. João III – and to the close ties between the real and religious powers.Keywords:Inquisition; Portugal; Alexandre Herculano.Resumo: O presente artigo[1] estuda, inicialmente, o Santo Ofício português – iniciado em 1536 e oficialmente extinto apenas no século XIX, em 1821 –, procurando abordar alguns aspectos históricos, sociais, políticos e culturais decorrentes do funcionamento do tribunal inquisitorial em solo luso. Para tanto, dialoga-se com historiadores e intelecuais como António Baião, Anita Novinsky, António Sérgio, Lana Lage da Gama Lima, Giuseppe Marcocci, José Pedro Paiva, Toby Green, António José Saraiva, Eduardo Lourenço, dentre outros. Em um segundo momento do estudo, analisa-se a obra História da origem e estabelecimento da Inquisição em Portugal (1854), de Alexandre Herculano (1810-1877), buscando-se evidenciar a forma pela qual a narrativa historiográfica herculaniana constituiu um discurso crítico em relação à institucionalização da Inquisição no reino português – durante a monarquia de D. João III – e aos laços estreitos entre os poderes real e religioso.Palavras-chave: Inquisição; Portugal; Alexandre Herculano. This article initially studies the Portuguese Holy Office - which began in 1536 and was officially extinguished only in the 19th century, in 1821 - and seeks to address some historical, social, political and cultural aspects arising from the operation of the Inquisitorial Court on Portuguese soil. To do so, it dialogues with historians and intellectuals such as António Baião, Anita Novinsky, António Sérgio, Lana Lage da Gama Lima, Giuseppe Marcocci, José Pedro Paiva, Toby Green, António José Saraiva, Eduardo Lourenço, among others. In a second moment of study, the work History of the origin and establishment of the Inquisition in Portugal (1854), by Alexandre Herculano (1810-1877), is analyzed, seeking to highlight the way in which the herculanian historiographic narrative constituted a discursive criticism in relation to the institutionalization of the Inquisition in the Portuguese kingdom – during the monarchy of D. João III – and to the close ties between the real and religious powers.Keywords: Inquisition; Portugal; Alexandre Herculano.[1] Este estudo é parte da tese As representações da Inquisição nos discursos historiográfico de Alexandre Herculano e literário de José Saramago, defendida em 2014, na UFJF.
Fernanda Barini Camargo
Revista do Centro de Estudos Portugueses, Volume 40, pp 95-110; doi:10.17851/2359-0076.40.64.95-110

Abstract:
Resumo: Entendendo a representação do espaço doméstico como o abrigo da identidade do sujeito na obra de Manoel de Oliveira, este artigo pretende analisar o filme Visita ou memórias e confissões (1982) sob duas perspectivas: abordar brevemente a escolha programática de sua exibição post mortem e refletir sobre o espaço da casa enquanto domínio íntimo, o qual revela o homem e o artista. Ambos os aspectos são cruciais para que consideremos esse longa-metragem um filme-testamento. Apontamos ainda semelhanças entre esse filme e outros dois, os quais também mostram casas de vivência do cineasta português: O velho do Restelo (2014) e Porto da minha infância (2001).Palavras-chave: cultura portuguesa; cinema português; posteridade; Manoel de Oliveira. Understanding the domestic space representation as the shelter of the self’s identity in Manoel de Oliveira’s oeuvre, this article aims to analyse the film Visit or memories and confessions (1982) under two perspectives: shortly approaching the programmatic choice of its post mortem exhibition, and reflecting on the housing space as an intimate domain that reveals the man and the artist. Both aspects are crucial to consider this feature film a film-testament. We still point out similarities among this film and other two ones, which also show the Portuguese film director’s living houses: The old man of Belem (2014) and Porto of my childhood (2001).Keywords: Portuguese culture; Portuguese cinema; posterity; Manoel de Oliveira.
Back to Top Top