LaborHistórico

Journal Information
EISSN : 2359-6910
Current Publisher: LaborHistorico (10.24206)
Former Publisher: Faculdade de Letras, UFRJ (10.17074)
Total articles ≅ 201
Current Coverage
ESCI
Filter:

Latest articles in this journal

Published: 24 March 2020
LaborHistórico, Volume 6, pp 16-40; doi:10.24206/lh.v6i1.31282

Abstract:
The 2nd stage of Old Portuguese, also called Middle Portuguese, is a high period of major changes in the history of the Portuguese language.The changes in deverbal noun formation with the suffixes -mento, -ção and -nça have decisively contributed to the codification of inovative concepts and to the new configuration of the derivational patterns of Modern Portuguese. The motivations of the declin of some suffixes forming deadjectival and deverbal nouns are analised in order to evaluate their conformity with the prototipycal solutions of linguistic change. The solutions adopted by some deverbal nouns sharing the same base but containing different suffixes reveal different pathes, in function of the suffixal resources involved and their ‘internal’ and ‘external’ circumstances.We claim that the unavailability – after the 15th and 16th centuries – of -nça, an archaic and non-learned form, in contrast with the prestigious configuration of the neoclassical -ncia, must be taken as a defining feature of the changes characterizing Middle Portuguese.
Ana Marta Silva Pinto
Published: 24 March 2020
LaborHistórico, Volume 6, pp 288-314; doi:10.24206/lh.v6i1.31765

Abstract:
O presente artigo tem por base a minha dissertação de mestrado e a procura de uma incursão pelo mundo da medicina medieval em Portugal, através da análise de uma parte do Códice Eborense CXXI/2-19, um manuscrito do século XV composto por uma série de tratados médicos traduzidos para vernáculo. Através dele, procurámos familiarizar-nos com uma amostra das doenças que acometiam o homem medieval, da mesma forma que o Livro de Naturas, fonte do nosso estudo, atribuído a Frei Gil de Santarém, físico português e frade dominicano, nos proporciona um conhecimento abrangente sobre a composição de diversas mezinhas medievais. Pretendemos, desta forma, dar a conhecer uma fonte medieval, pouco conhecida e não editada, encontrada no Catálogo da Biblioteca Pública de Évora.
Published: 24 March 2020
LaborHistórico, Volume 6, pp 181-203; doi:10.24206/lh.v6i1.31300

Abstract:
Constitui o objetivo deste trabalho descrever a reduplicação no Vocabulario Portuguez, e Latino... de Rafael Bluteau (1712-1728), importante fonte para o estudo do léxico português, analisando-se a representatividade desse fenômeno a partir dos itens lematizados. A reduplicação é descrita no âmbito da morfologia não concatenativa e é definida como "um processo morfológico que envolve a cópia de material fonológico de uma base" (GONÇALVES; VIALLI, 2016, p. 57), podendo, a unidade lexical, resultar da cópia de toda a palavra (reduplicação total: cai ➝ cai-cai) ou de parte dela (reduplicação parcial: pai ➝ papai). O fenômeno resulta, portanto, da relação da morfologia com a fonologia. No entanto, a concepção de reduplicação utilizada neste artigo é ampla, pois inclui casos de onomatopeia, em geral não considerados nos estudos sobre o tema. Neste trabalho, apresenta-se ainda, de forma breve, uma análise das marcas de uso que Bluteau atribui a algumas formas reduplicadas. Os resultados desse estudo certamente servirão como contributo para as pesquisas empreendidas no presente com base em dados da sincronia atual.
Published: 24 March 2020
LaborHistórico, Volume 6, pp 348-352; doi:10.24206/lh.v6i1.31936

Abstract:
Texto de popularização do conhecimento científico elaborado pelo professor Marcos Bagno.
Published: 24 March 2020
LaborHistórico, Volume 6, pp 148-180; doi:10.24206/lh.v6i1.31990

Abstract:
Almejamos descrever panoramicamente a combinação de prefixos no galego-português dos séculos XIII a XVI, mediante uma análise de vocábulos prefixados depreendidos de um corpus textual representativo desse macrossistema linguístico em seu arco temporal arcaico. O que aqui denominamos de combinação ou combinatória de prefixos, como os próprios termos sugerem, consiste na adjunção de um prefixoa um vocábulo já prefixado, como, por exemplo, em arrenegado (a(d)- + re-), desencaixotar (des- + en-) e reconfirmação (re- + com-). Embora presente no vernáculo desde os seus primórdios (na verdade, algo que já se verifica na língua latina), a combinação de prefixos tem sido pouco explorada nas línguas românicas e na sua matriz genolexical. Apresentaremos alguns comentários descritivo-analíticos sobre a configuração do fenômeno no período recortado, fincados na observação dos moldes combinatórios entre os formativos envolvidos, com a identificação daquelas unidades prefixais que se prestam a essa operação, quais têm maior capacidade geradora e em qual posição normalmente figuram. A proposta vem pautada no lastro teórico-epistemológico das premissas fundamentais da morfologia histórica, numa visão epistemológica compromissada com o fato linguístico, com a valorização do dado empírico e com a consideração do evidente fator diacrônico da língua, apoiando-se em uma intersecção entre informações de natureza histórica e um olhar sistêmico dos processos morfolexicais.
Published: 24 March 2020
LaborHistórico, Volume 6, pp 84-103; doi:10.24206/lh.v6i1.28585

Abstract:
Este trabalho propõe uma análise das palavras derivadas com o sufixo adjetival português -udo (cabeludo, peludo, barrigudo, cabeçudo, chifrudo, carrancudo, abelhudo, rechonchudo), em perspectiva histórica e construcional. Na Morfologia Construcional (BOOIJ, 2010; COELHO, 2013; GONÇALVES, 2016), a noção de construção morfológica envolve um pareamento de forma, função e significado. Por isso, o trabalho descreve aspectos variados, como a categoria lexical da base, a categoria lexical do derivado e o comportamento polissêmico do esquema de sufixação. No que toca aos aspectos históricos, a análise parte da forma latina –ūtus, com dados de um dicionário bilíngue latim-português, passa pelo português arcaico (séculos XIII a XVI), a partir dos dados de Coelho (2005), e chega ao português mais atual, a partir de um conjunto de dados extraídos de um dicionário da língua portuguesa contemporânea. Essa análise histórica permite tanto a compreensão da prototipicidade histórica do significado de posse nesses derivados quanto da produtividade que as construções com esse sufixo adquirem na língua portuguesa, desvencilhando-se consideravelmente do comportamento da matriz latina.
Published: 24 March 2020
LaborHistórico, Volume 6, pp 328-338; doi:10.24206/lh.v6i1.31716

Abstract:
O Termo de Alinhamento e Vistoria de julho de 1849, apresentado nessa transcrição, faz parte da coleção de onze volumes encadernados pertencentes ao acervo permanente do Arquivo Histórico Municipal de Salvador (AHMS). Esse manuscrito registra o processo de arrendamento anual de trinta e seis pequenas áreas de comércio exclusivo de gêneros alimentícios no local da antiga Praça São João, situada na Cidade Baixa do município. O documento revela o aluguel concedido a comerciantes livres e cativos(as), especialmente mulheres, citando-os(as) nominalmente, revelando um aspecto interessante da dinâmica social urbana da cidade em meados do século XIX.
Published: 24 March 2020
LaborHistórico, Volume 6, pp 272-287; doi:10.24206/lh.v6i1.31143

Abstract:
Locais de interesse há cerca de um século, os acervos literários vêm se consolidando na contemporaneidade como espaços que congregam memória, história e cultura. Os materiais antes guardados ou destruídos pelos escritores passam a ter uma sobrevida e a serem relidos, repensados e analisados por pesquisadores. Partindo desses pressupostos, o objetivo do presente artigo é o de discutir o acervo literário em três perspectivas independentes: o viés da memória, o da história e o da cultura com base em um relato de experiência ocorrido no Acervo Literário Josué Guimarães (aljog/upf). Por meio de um levantamento bibliográfico, com base, especialmente, em Bordini (1995, 2003), Hay (2007) e Biasi (2010), pudemos perceber que essas três perspectivas sintetizam as múltiplas facetas desse local de investigação multidisciplinar.
Published: 24 March 2020
LaborHistórico, Volume 6, pp 315-327; doi:10.24206/lh.v6i1.32274

Abstract:
O mapa “Ideia Geographica dos territórios portuguezes que comprehende o Governo e Capitania General do Matto Grosso e Cuiabá. Confinantes as Provincias Castelhanas de Chiquitos e de Mojos” faz parte do acervo cartográfico da Biblioteca Nacional, e é uma peça representativa dos mapas regionais manuscritos da segunda metade do século XVIII. Normalmente utilizados apenas como ilustrações, os mapas são intrigantes documentos históricos que podem revelar muito mais informações do que apenas a geografia representada, e uma das ferramentas para trabalhá-los é História da Cartografia. Centrada em uma abordagem transdisciplinar, a História da Cartografia conjuga métodos de análise internos e externos, pois não analisa os mapas como fins em si mesmos, ou seja, peças puramente técnicas, mas como objetos históricos, carregados de significados. Neste estudo iremos analisar o mapa “Ideia Geographica” a partir dessa metodologia com o intuito de apresentar e convidar os pesquisadores a trabalhar com os mapas para além das ilustrações.
Carlos Alexandre Gonçalves, João Carlos Tavares Da Silva
Published: 24 March 2020
LaborHistórico, Volume 6, pp 57-83; doi:10.24206/lh.v6i1.30736

Abstract:
Neste artigo, procuramos checar o estatuto morfológico de -nte, observando, através de critérios empíricos que tradicionalmente diferenciam a flexão da derivação, se houve mudança em seu percurso, do latim ao português. Pretendemos, com isso, validar a proposta de continuum flexão-derivação, mostrando que a mudança morfológica constitui importante evidência empírica de que a diferença entre essas duas áreas da morfologia não é discreta. Nesse intuito, fazemos um trajeto dessa unidade morfológica do latim ao português, sem deixar de contemplar o latim vulgar e o português arcaico. Nossos dados são todos de fontes secundárias, pois partimos de análises já feitas sobre a partícula em perspectivas diferentes da nossa.
Back to Top Top