Revista Inter Ação

Journal Information
ISSN / EISSN : 0101-7136 / 1981-8416
Published by: Universidade Federal de Goias (10.5216)
Total articles ≅ 637
Current Coverage
DOAJ
Archived in
EBSCO
SHERPA/ROMEO
Filter:

Latest articles in this journal

Revista Inter Ação, Volume 46, pp 962-976; https://doi.org/10.5216/ia.v46ied.especial.68380

Abstract:
Este texto objetiva analisar a concepção de radicalidade humanizadora em Paulo Freire e as determinações que esse conceito engendra às práticas educativas com vistas à emancipação humana. Ele resulta de pesquisa bibliográfica nas obras “Pedagogia do Oprimido” (2013) e “Educação como prática de liberdade” (2015), e nas reflexões de apropriadores. A radicalidade humanizadora em Freire é produto da sua práxis, resultado da sua busca para compreender melhor os elementos da realidade e atuar de forma consciente rumo à transformação da realidade social. Com efeito, a radicalidade de Freire é humanizadora porque defende a emancipação humana. É humanizador salvaguardar a possibilidade de emancipação e da constituição do ser mais dos indivíduos a partir da construção coletiva e ativa, envolvendo diretamente os oprimidos. PALAVRAS-CHAVE: Pedagogia Freireana. Radicalidade. Transformação Social. Práticas Educativas.
Revista Inter Ação, Volume 46, pp 1178-1189; https://doi.org/10.5216/ia.v46ied.especial.68422

Abstract:
Neste ensaio buscou-se problematizar o ensino remoto emergencial no contexto da educação superior durante a pandemia de COVID-19. Para tal, partiu-se das concepções de educação bancária e de educação libertadora proposta por Paulo Freire, em sua principal obra Pedagogia do Oprimido. Apresentam-se também questionamentos acerca do ensino remoto emergencial como uma prática tradicional que segue se perpetuando, apesar do uso das tecnologias digitais da informação e comunicação (TDICs). Ao final, abordam-se as possíveis dificuldades enfrentadas por educadores e educandos nessa transição do ensino presencial para o ensino remoto emergencial. PALAVRAS-CHAVE: Ensino Remoto Emergencial. Pandemia. Educação Bancária. Educação Problematizadora.
, Daniela Ghisleni Figueiredo,
Revista Inter Ação, Volume 46, pp 930-945; https://doi.org/10.5216/ia.v46ied.especial.68180

Abstract:
O presente trabalho tem como objetivo apresentar reflexões a respeito do racismo em um contexto da presença das diversas formas de colonialismos e colonialidades no mundo, de modo geral, e no Brasil, de maneira particular. Para tanto, vamos nos apoiar nas obras de Fanon e Freire, devido ao fato de que esses autores propõem uma pedagogia aportada numa ética do reconhecimento as todas as alteridades mediante a assunção do acolhimento a todas as pessoas que buscam a superação do racismo de distintas matizes. Ao mesmo tempo, anunciar outro mundo sustentado no diálogo crítico em meio ao reconhecimento das diferenças culturais é nosso intento. A metodologia escolhida neste trabalho é de natureza qualitativa e bibliográfica. A pesquisa propiciou concluir que o diálogo dos ideários de Freire e Fanon é relevante para consecução de uma educação antirracista. PALAVRAS-CHAVE: Educação. Racismo. Fanon. Freire.
Revista Inter Ação, Volume 46, pp 1114-1131; https://doi.org/10.5216/ia.v46ied.especial.68395

Abstract:
O estudo analisa as contribuições do método de Paulo Freire à alfabetização de adultos cegos, considerando-se os seus princípios de emancipação e superação da leitura e da escrita para uma educação inclusiva e libertadora. De abordagem qualitativa, utiliza o estudo de caso como estratégia conduzida em uma instituição especializada na área da deficiência visual. Os participantes da pesquisa foram dois estudantes cegos. Para a coleta de dados, usaram-se registros em diário de campo, assim como o registro fotográfico. As atividades foram planejadas a partir do método de Paulo Freire, adaptado para o ensino do código braille. Os resultados revelam que a utilização desse método contribuiu com o processo de alfabetização dos participantes cegos, na escrita e na leitura do código braille, bem como no processo de suas conscientizações, a lhes possibilitar a compreensão nos contextos social, histórico e político para novas descobertas e leituras de mundo. PALAVRAS-CHAVE: Método de Paulo Freire. Alfabetização em Braille. Deficiência Visual. Inclusão.
Revista Inter Ação, Volume 46, pp 1086-1101; https://doi.org/10.5216/ia.v46ied.especial.68512

Abstract:
Este artigo apresenta alguns dos resultados de uma pesquisa realizada com professoras de turmas multi-idades de uma Unidade de Educação Infantil, que teve o objetivo de investigar os possíveis processos auto(trans)formativos, provocados a partir da escuta sensível e do olhar aguçado às crianças nessas turmas, e os desafios colocados à formação inicial das professoras. O percurso metodológico, orientado pela Pesquisa-auto(trans)formação, foi realizado a partir de Cartas Pedagógicas e de Círculos Dialógicos Investigativo-auto(trans)formativos realizados com onze professoras que atuaram/atuam nessas turmas. Os resultados evidenciam a importância da reflexão crítica na e sobre a prática, e a necessidade de (com)vivências na escuta sensível e no olhar aguçado às crianças já desde a formação inicial como princípio basilar de uma práxis humanizadora. PALAVRAS-CHAVE: Auto(trans)formação com Professoras. Educação Infantil. Escuta Sensível e Olhar Aguçado. Reflexão Crítica na e sobre a Prática.
, , Graciele Massoli Rodrigues
Revista Inter Ação, Volume 46, pp 1102-1113; https://doi.org/10.5216/ia.v46ied.especial.68416

Abstract:
Esse ensaio foi produzido na perspectiva de defender a ideia de que as aulas de Educação Física "com" a Educação Infantil podem possibilitar que as crianças leiam criticamente o mundo a partir da problematização de uma ecologia de saberes, construídos historicamente, sobre as práticas corporais e o corpo. Além disso, problematizamos a relação entre movimento e gesto, defendendo que a gestualidade humana é dotada de significados, sendo compreendida e ressignificada de acordo com a cultura dos praticantes das danças, ginásticas, esportes, lutas, jogos e brincadeiras. Por fim, mostramos que esse avanço epistemológico da área se deu, dentre muitas particularidades, pela fundamentação teórica freireana de leitura do mundo, principalmente, devido a esse componente curricular estar inserido na área de Linguagens na Educação Básica. PALAVRAS-CHAVE: Educação Física. Educação Infantil. Linguagens. Leitura de Mundo.
Ana Paula Waltrick, ,
Revista Inter Ação, Volume 46, pp 993-1008; https://doi.org/10.5216/ia.v46ied.especial.68487

Abstract:
O presente artigo se caracteriza como uma pesquisa bibliográfica de caráter qualitativo, apresentada no Mestrado em Educação, propondo-se a descrever as aproximações e distanciamentos observados entre a paideia, desenvolvida na Antiguidade, e a educação libertadora, proposta pelo educador brasileiro Paulo Freire. O fortalecimento da filosofia na Grécia Clássica permitiu constituir novas relações que priorizavam, principalmente, a participação social dos cidadãos gregos. Paulo Freire embasa seus princípios educativos na dialogicidade, na autonomia e na defesa dos direitos essenciais a todos. Nesse sentindo, a educação cidadã, descrita em ambos, enaltece o ser humano como capaz de transformar suas realidades frente à sua humanização e ao seu entendimento de inacabamento que o conduz a um contínuo processo educativo. PALAVRAS-CHAVE: Fundamentos da Educação. Paideia. Paulo Freire. Educação libertadora.
Revista Inter Ação, Volume 46, pp 1147-1163; https://doi.org/10.5216/ia.v46ied.especial.67735

Abstract:
O presente artigo tem como objetivo refletir acerca do ensino jurídico tendo como parâmetro a Pedagogia Libertadora de Paulo Freire, a fim de problematizar as implicações da educação bancária na formação dos alunos do curso de Direito. Como metodologia, trata-se de uma abordagem qualitativa, em que se adotou a pesquisa bibliográfica. Nas considerações finais, tem-se que é possível superar o bancarismo na consolidação da emancipação tornando a formação do educando do curso jurídico mais humana na medida em que o ensino não é a transferência de saber e sim um encontro de sujeitos interlocutores. PALAVRAS-CHAVE: Pedagogia Libertadora. Paulo Freire. Ensino Jurídico. Formação Humana.
Maria Margarida Machado, Cláudia Borges Costa
Revista Inter Ação, Volume 46, pp 1242-1257; https://doi.org/10.5216/ia.v46ied.especial.68469

Abstract:
O artigo apresenta a trajetória histórica dos Círculos de Cultura desenvolvidos na década de 1990 pela Secretaria Municipal de Educação (SME) de Goiânia-GO a partir das contribuições de Paulo Freire. Os estudos resultaram de pesquisa bibliográfica, partindo das obras de Paulo Freire e de outros que versam sobre sua vida e obra, para compreensão da trajetória dos Círculos de Cultura. Foram ainda analisadas dissertações e artigos sobre a experiência de educação de adultos na secretaria. Por fim, por meio da pesquisa documental, foi possível acessar e analisar fôlder e relatórios em cadernos de campo desse projeto de alfabetização. As reflexões indicam que os Círculos de Cultura se constituíram como importante recurso político-pedagógico para alfabetização, revelando-se como espaço alternativo de diálogo sobre a vida e inserção dos alfabetizandos na comunidade. PALAVRAS-CHAVE: Círculos de Cultura. Paulo Freire. Alfabetização de Adultos em Goiânia. Memória e História.
Revista Inter Ação, Volume 46, pp 914-929; https://doi.org/10.5216/ia.v46ied.especial.68056

Abstract:
O presente artigo caracteriza-se como um estudo teórico-conceitual que procura discutir as contribuições da obra Extensão ou Comunicação?, de Paulo Freire, dentro da genealogia da pedagogia decolonial latino-americana. Inserida na corrente teórica Modernidade/Colonialidade, a pedagogia decolonial constitui-se como um projeto político, social, epistêmico e ético, expresso pela interculturalidade crítica, que aposta na evocação de conhecimentos outrora marginalizados e de uma postura insurgente diante das estruturas rígidas resultantes do binômio Modernidade/Colonialidade. Na obra Extensão ou Comunicação?, Paulo Freire apresenta elementos que compõem parte das bases desse pensamento, como a crítica à suposta neutralidade científica; a invasão cultural como ação de silenciamento e reificação do ser humano oprimido; a hierarquização do saber e o preconceito epistêmico; a conscientização social como estratégia de transformação. Conclui-se que a obra pode ser considerada, dentro dos marcos do desenvolvimento do pensamento freiriano, precursora da pedagogia decolonial. PALAVRAS-CHAVE: Paulo Freire. Pedagogia Decolonial. Decolonialidade.
Back to Top Top