Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social

Journal Information
EISSN : 2183-4938
Published by: Instituto Superior Miguel Torga (10.31211)
Total articles ≅ 113
Current Coverage
DOAJ
ESCI
Archived in
SHERPA/ROMEO
Filter:

Latest articles in this journal

Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, Volume 8, pp 1–17-1–17; https://doi.org/10.31211/rpics.2022.8.2.249

Abstract:
Contexto: A reatividade emocional está associada à apresentação de respostas afetivas intensas e prolongadas a vários estímulos, o que, por sua vez, está relacionado com mais probabilidade de experienciar sintomas psicopatológicos. Objetivo: Realizar a tradução e validação da Emotion Reativity Scale (Escala de Reatividade Emocional, ERE) para português, através do estudo das suas qualidades psicométricas, análise fatorial confirmatória, estabilidade temporal, validade convergente e divergente. Métodos: Participaram 402 adultos da população geral, 275 mulheres e 127 homens, com uma idade média de 40,01 anos (DP = 10,30). A amostra de conveniência foi recolhida online e os participantes preencheram questionários de autorresposta. Resultados: Os modelos do autor original da ERE foram testados e a versão com melhor ajustamento estatístico foi a unidimensional com sete itens (RMSEA = 0,08; CFI = 0,97; TLI = 0,95; SRMR = 0,03). O total da ERE apresentou correlações positivas com traços de personalidade borderline, sintomas depressivos, de ansiedade e de stress e correlações negativas com a qualidade de vida, o que sustentou a validade convergente e divergente da medida. Relativamente à consistência interna, a ERE de sete itens demonstrou um alfa de Cronbach de 0,91. A estabilidade temporal da medida foi comprovada pela correlação forte entre o primeiro e o segundo preenchimento da ERE quatro semanas depois. O género feminino obteve pontuações de reatividade emocional mais elevadas do que o masculino e não houve uma relação significativa entre a ERE e a idade. Conclusões: A versão portuguesa da ERE parece ser uma medida válida e fidedigna para a avaliação da reatividade emocional. Isto é relevante tanto a nível clínico como para a investigação, uma vez que esta medida permite identificar de forma precoce a predisposição dos indivíduos para sentirem as emoções de forma mais intensa, o que está associado a maior probabilidade de experienciar sintomas psicopatológicos.
Evair Mendes da Silva Sousa, Mateus Egilson Da Silva Alves, , Igor Eduardo De Lima Bezerra, Maria Fernanda Lima Silva, Gutemberg De Sousa Lima Filho, Jéssica Gomes De Alcântara
Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, Volume 8, pp 1-14; https://doi.org/10.31211/rpics.2022.8.2.243

Abstract:
Objetivo: Este estudo teve como objetivo compreender as representações sociais da velhice LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais) entre adultos vivendo com vírus da imunodeficiência humana (VIH) no Brasil. Método: Participaram do estudo 111 pessoas de 21 Estados brasileiros, com média de idade de 42 anos, a maioria homens (85%), com orientação sexual homossexual (75%), solteiros (85%) e sem religião (34%). Para a coleta de dados foi utilizado um questionário sociodemográfico, também foi utilizada uma entrevista estruturada; ambos os instrumentos foram aplicados online. Resultados: As classes de representações partilhadas pelo grupo investigado se estruturam em três eixos principais: Velhice de pessoas LGBT; Velhice de pessoas que vivem com VIH; Interseccionalidade e pontos em comum entre os grupos. Conclusões: As representações direcionadas às especificidades de cada grupo foram: Idosos LGBT, ligados à solidão e discriminação; Pessoas vivendo com VIH, relacionadas com o uso contínuo de medicamentos. As experiências comuns e intersetoriais para ambos os grupos são as relacionadas com a vivência do estigma e da exclusão social. Assim, a partir das representações apreendidas, percebe-se a necessidade de uma compreensão interseccional acerca dos grupos investigados, tal como, a importância de trabalhar no combate aos estereótipos negativos aos quais esses sujeitos são submetidos.
, , , , Djalma Barbosa, Nathália de Souza Machado dos Reis, Diego Silva Plácido
Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, Volume 8, pp 1-11; https://doi.org/10.31211/rpics.2022.8.2.250

Abstract:
Contexto e Objetivo: Estudos recentes mostram um aumento de ideação e comportamentos suicidas entre jovens, havendo fortes associações com ser pobre, ser mulher, ser LGBT (lésbica, gay, bissexual ou transgénero) e sofrer discriminação na escola e/ou na internet. Embora os determinantes sociais da ideação suicida sejam amplamente debatidos em todo o mundo, há uma lacuna sobre esses temas em relação aos jovens brasileiros, o que o presente estudo pretende contribuir para preencher. Métodos: O estudo transversal utilizou uma amostra de conveniência de 475 alunos do ensino médio (16–17 anos) de nove escolas públicas do estado de São Paulo, Brasil. Resultados: Do total de entrevistados, 224 deles relataram ideação suicida ao longo da vida, uma prevalência inesperadamente alta (47,2%). Na análise múltipla com estimativa da razão de prevalência (RP) ajustada, atração por pessoas do mesmo sexo ou bissexual (RP = 1,87; IC95%: 1,5–2,3), estudar em escolas noturnas (RP = 1,36; IC95%: 1,1–1,6) — indicativo de menor condição econômica — e ser discriminado em escola (RP = 1,22; IC95%: 1,0–1,5) e na internet (RP = 1,48; IC95%: 1,2–1,8) foram associados positivamente à ideação suicida ao longo da vida. Raça/etnia e gênero dos alunos não foram associados. Conclusões: Os resultados apontam para a necessidade de consideração dos determinantes sociais da saúde mental no debate público e nos programas de intervenção voltados à juventude no Brasil e em outros lugares. O aprimoramento da promoção da saúde mental, levando-se em conta os determinantes sociopolíticos da saúde, deve ser uma prioridade estratégica e política. É crucial uma perspectiva interseccional abrangente que reflita sobre as várias formas de dominação e como estas se conectam com o sofrimento mental e suas consequências.
Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, Volume 8, pp 1-18; https://doi.org/10.31211/rpics.2022.8.2.258

Abstract:
Objetivo: O estudo em causa teve como objetivo conhecer as representações sociais de universitários brasileiros sobre as influências na adesão ao distanciamento/isolamento social durante a pandemia pelo novo coronavírus. Métodos: Tratou-se de uma pesquisa qualitativa, orientada pela Teoria das Representações Sociais. Os estudantes foram selecionados por conveniência pelo método de amostragem em “bola de neve” em grupos de redes sociais. Os dados foram recolhidos por meio de um questionário eletrônico, elaborado pelos autores, via formulário digital na plataforma Google Forms. Para análise, utilizou-se a análise de conteúdo com o auxílio do software IraMuTeQ. Resultados: Participaram 798 universitários brasileiros, com média de idade igual a 23,59 anos; 71,7% dos respondentes eram do sexo feminino, 28,1% do sexo masculino e 0,3% eram intersexo. Como resultado, obteve-se quatro classes, organizadas em duas categorias, intituladas “Reproduzir a voz da ciência: o conhecimento científico como determinante de condutas” e “A vida em casa: o risco e o medo no quotidiano”. Conclusões: Depreende-se que os participantes estruturam as suas representações a partir das recomendações científicas e assumem a posição de reprodutores do discurso hegemônico sobre o isolamento/distanciamento social. Contudo, o processo de elaboração simbólica é marcado pelo medo de infetar as pessoas próximas e o desejo de protegê-las.
Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, Volume 8, pp 1–13-1–13; https://doi.org/10.31211/rpics.2022.8.2.272

Abstract:
Objetivo: A assertividade é definida como um comportamento de pensar eficiente e agir respeitosamente consigo e com os outros nas situações interpessoais. O nosso objetivo foi analisar a estrutura fatorial da Escala de Comportamento Interpessoal (ECI). Métodos: Participaram 305 residentes na cidade da Grande João Pessoa do Estado da Paraíba, com idades entre os 18 e os 56 anos (M = 25,29; DP = 7,32), na sua maioria do género feminino (62,0%). Resultados: Os resultados confirmaram a estrutura hierárquica da escala e apresentaram bons índices de ajustamento ao modelo (c²/gl = 1,82; CFI = 0,92; GFI = 0,94; RMSEA = 0,05; SRMR = 0,07; ECVI = 1,97), indicativos de um fator geral que abarcou todas as quatro dimensões (assertividade negativa, expressão e gestão das limitações pessoais, assertividade de iniciativa, assertividade positiva). Além disto, os fatores tiveram uma consistência interna estatisticamente satisfatória, (a de Cronbach e W > 0,60). Conclusões: As dimensões propostas foram adequadas à estrutura hierárquica do modelo, o que contribuiu para fazer as comparações transculturais.
João Pedro Cordeiro, Pedro Cunha,
Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, Volume 8, pp 1-19; https://doi.org/10.31211/rpics.2022.8.2.263

Abstract:
Objetivo: Este estudo teve como objetivo analisar os níveis de empenhamento organizacional e a relação entre o empenhamento e as variáveis sociodemográficas dos profissionais, em contexto de ensino superior. O empenhamento é um aspeto crítico do desempenho individual e um alicerce fundamental do desenvolvimento das organizações. Como é gerido e a interrelação que estabelece com as caraterísticas pessoais tem sido área de desenvolvimento em vários estudos. Métodos: O estudo foi de natureza quantitativa e possuiu um corte transversal, através da aplicação de um inquérito por questionário a 127 trabalhadores não-docentes de uma instituição de ensino superior. O inquérito por questionário foi validado, apresentando boas qualidades psicométricas. Resultados: As hipóteses que sistematizaram as especificações entre as componentes do empenhamento e as variáveis idade, habilitações acadêmicas e categoria profissional foram confirmadas em algumas das suas várias subalíneas, revelando-se determinantes no modo como os indivíduos se encontram empenhados organizacionalmente. As hipóteses que orientaram as especificações entre as componentes do empenhamento e as variáveis gênero e antiguidade não foram confirmadas, não existindo relação entre elas. Conclusões: Os trabalhadores estão empenhados com a instituição, ainda que com níveis diferentes, os quais são ancorados por algumas caraterísticas sociodemográficas. Tratou-se de um estudo pioneiro em contexto nacional entre os diferentes tipos de empenhamento organizacional e as variáveis sociodemográficas, em contexto de ensino superior. Contribuiu para a formulação de estratégias de gestão focadas no empenhamento organizacional, apoiando a formulação de sistemas baseados no comportamento organizacional.
Ana Beatriz Neto Dos Santos, , Mariana Novo, ,
Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, Volume 8, pp 1–17-1–17; https://doi.org/10.31211/rpics.2022.8.1.245

Abstract:
Objetivo: Para fazer face à necessidade de novos instrumentos de avaliação de competências socioemocionais validados para a população portuguesa, o presente estudo teve como objetivo traduzir e validar a escala Social-Emotional Expertise (SEE). Foram analisadas a estrutura fatorial da SEE, fidedignidade, estabilidade temporal e a associação com outras variáveis teoricamente relevantes. Métodos: Duas amostras independentes de participantes (N = 466), entre os 18 e os 64 anos (27,33 ± 11,52) foram utilizadas para validar a SEE. Na Amostra 1 (n = 258) foi analisada a estrutura fatorial da SEE, as propriedades psicométricas e a sua associação com outros construtos. Na Amostra 2 (n = 208) foi testada a plausibilidade do modelo hierárquico da escala representado por uma pontuação global com dois fatores. Os participantes preencheram um protocolo de questionários de autorresposta que avaliaram as competências socioemocionais, a inteligência emocional, a felicidade subjetiva e a ansiedade de interação social. Resultados: A SEE apresentou uma estrutura bifatorial composta pelos fatores Adaptabilidade e Expressividade. A análise fatorial confirmatória do modelo hierárquico de segunda ordem indicou um ajustamento sofrível. A SEE revelou uma boa consistência interna para o total e respetivos fatores e uma adequada fidedignidade teste-reteste. As competências socioemocionais (SEE) revelaram correlações positivas com a inteligência emocional e com a felicidade subjetiva, e associações negativas com a ansiedade de interação social. Não foram encontradas diferenças significativas entre os sexos, e a idade e escolaridade não se mostraram associadas às competências socioemocionais avaliadas pela SEE. Conclusões: A escala Social-Emotional Expertise mostrou ser um instrumento válido e fidedigno para avaliar as competências socioemocionais em adultos na população Portuguesa, sendo de utilidade para a investigação e práticas de intervenção no contexto educativo e clínico.
Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, Volume 8, pp 1–12-1–12; https://doi.org/10.31211/rpics.2022.8.1.228

Abstract:
Contexto e Objetivo: A complexidade associada aos cuidados de saúde exige que os profissionais mobilizem diferentes tipos de competências. Dentro destas, a competência emocional assume-se como um fator de proteção em situações de elevado stress laboral. Adicionalmente, este tipo de competência encontra-se positivamente associada a outras como a empatia, a resiliência, o suporte social, a satisfação laboral e o cuidar, que constituem elementos essenciais no desempenho profissional dos profissionais de saúde. Assim, este estudo procurou compreender a competência emocional e o seu papel na gestão de situações complexas, na adaptação ao contexto de trabalho e no cuidado à pessoa com doença coronária. Método: O estudo seguiu uma abordagem qualitativa, tendo como referencial teórico-metodológico o estudo de caso explicativo. Participaram cinco profissionais de saúde (4 enfermeiros e um médico) de uma unidade de cuidados coronários de um hospital da região norte de Portugal. Para a recolha de dados optou-se pela realização de um focus group, em fevereiro de 2021. Os resultados foram analisados tendo em consideração os pressupostos de análise de dados qualitativos propostos por Bardin. Resultados: As narrativas destes profissionais deixaram transparecer a complexidade da tarefa laboral, as emoções com que preenchem a jornada de trabalho e o seu papel em momentos cruciais de tomada de decisão. Todos os participantes referiram a necessidade de se desenvolverem iniciativas que promovam o desenvolvimento de diferentes tipos de competências. Conclusão: Este estudo possibilitou aceder a vivências dos profissionais de saúde numa época de grandes desafios devido à pandemia. As narrativas partilhadas possibilitaram a identificação de áreas de maior vulnerabilidade e fragilidade que caracterizam o contexto profissional onde estes participantes atuam.
Paulo Gregório Nascimento Nascimento da Silva, Ramnsés Silva e Araújo, Gleyde Raiane De Araújo, Mateus Egilson Da Silva Alves, Paloma Cavalcante Bezerra De Medeiros, ,
Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, Volume 8, pp 1-17; https://doi.org/10.31211/rpics.2022.8.1.246

Abstract:
Objetivo: A presente pesquisa objetivou verificar o poder preditivo dos traços de personalidade, controlando o efeito das variáveis sociodemográficas (gênero e período que está cursando), na explicação da ansiedade cognitiva em avaliações. Métodos: Duzentos estudantes universitários de instituições públicas da cidade de Parnaíba, Piauí, (Midade = 23,97), em maioria mulheres (75%) e cursando Psicologia (52,5%) foram avaliados através da Escala de Ansiedade Cognitiva em provas, o Inventário dos Cinco Grandes Fatores da Personalidade e questões sociodemográficas. Resultados: As análises de correlação de Pearson e de regressão linear múltipla hierárquica mostraram que os traços de personalidade conscienciosidade (β = -0,15; p < 0,01), neuroticismo (β = 0,35; p < 0,01) e o gênero do participante (β = -0,19; p < 0,05) contribuem de maneira significativa para a explicação da ansiedade cognitiva de provas acadêmicas, com o modelo explicando cerca de 20% da sua variância. Os resultados sugeriram ainda que a conscienciosidade pode funcionar como um fator de proteção e o neuroticismo um agente de vulnerabilidade de sintomas ansiosos em contextos avaliativos, principalmente em mulheres, não havendo diferença quanto ao período cursado. Conclusões: Os achados enfatizam a importância de serem realizadas propostas psicoeducativas interventivas, particularmente em mulheres com acentuado nível de neuroticismo. 
Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, Volume 8, pp 1–15-1–15; https://doi.org/10.31211/rpics.2022.8.1.226

Abstract:
Objetivo: A pesquisa objetivou descrever o perfil das adolescentes grávidas atendidas no Centro de Saúde Materno-Infantil da Mineira (Huambo, Angola). Métodos: Tratou-se de um estudo do tipo descritivo, tendo os dados sido submetidos a uma análise univariada. Foram inquiridas, de forma aleatória, 170 adolescentes grávidas, entre os 14 e 19 anos, em um dos maiores centros de atendimento materno-infantil da cidade do Huambo em Angola, durante o período de julho a dezembro de 2019. Resultados: A idade média das adolescentes foi de 17,53 (DP = 1,28) anos de idade, a maioria era solteira (85,0%), havia concluído o primeiro ciclo do ensino primário (59,0%), não trabalhava (92,4%), vivia (50,6%) e cresceu (56,5%) com os pais, tendo o catolicismo como confissão religiosa (47,1%). Os dados obstétricos deram conta de que a maioria das adolescentes era nulípara (84,1%), não tinha tido complicações decorrentes do parto (84,7%), nem aborto anterior (91,2%). A maioria das adolescentes teve a primeira relação sexual entre os 16–19 anos de idade (68,2%), com o namorado (77,1%) e consentida (91,2%). A maior parte dos parceiros tinha entre 20 a 22 anos de idade (47,0%), trabalhava (57,0%) e assumiu a paternidade (89,0%). Conclusão: Os resultados indiciaram a presença de múltiplos fatores que poderão influir na gravidez na adolescência e mostram haver a necessidade de repensar de forma profunda as políticas públicas de saúde sobre a adolescência.
Back to Top Top