Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social

Journal Information
EISSN : 2183-4938
Published by: Instituto Superior Miguel Torga (10.31211)
Total articles ≅ 87
Current Coverage
ESCI
DOAJ
Archived in
SHERPA/ROMEO
Filter:

Latest articles in this journal

Helena Pereira, Maria João Monteiro, José Gomes da Costa
Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, Volume 7, pp 1–13-1–13; https://doi.org/10.31211/rpics.2021.7.1.194

Abstract:
Contexto e Objetivo: Este estudo visa perceber as vivências das mães de recém-nascidos em risco e perigo na perspetiva de uma equipa de enfermagem de saúde materna e obstetrícia. Método: realizou-se uma investigação de caráter qualitativo e desenho transversal, na qual participaram dezanove enfermeiros de saúde materna e obstetrícia. A recolha de dados foi feita através de um questionário sociodemográfico e um guião de entrevista semiestruturado composto por questões abertas. Resultados: Na perspetiva dos enfermeiros entrevistados, o percurso de vida das mães de recém-nascidos em risco e perigo apresenta um acumular de acontecimentos desafiantes, que em alguns casos pode afetar os cuidados maternos e em consequência o desenvolvimento do recém-nascido. Além disso, segundo os enfermeiros entrevistados, as mães lidam com a avaliação das situações de risco e perigo, sobretudo, com receio de separação do recém-nascido. Apesar disso, consideram que, na maioria das vezes, a colaboração para o trabalho profissional é positiva. Conclusões: É necessária uma avaliação e intervenção precoces por parte dos profissionais que acompanham estas mães e famílias, tendo em vista as necessidades dos recém-nascidos para evitar a perpetuação das situações de risco e perigo.
Luiziany Pontes Rios Osterne, Zélia Maria De Sousa Araújo Santos, , , Emanuelly Pontes Rios Osterne, Manoel Pereira De Sousa Filho
Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, Volume 7, pp 52-65; https://doi.org/10.31211/rpics.2021.7.1.208

Abstract:
Contexto e Objetivo: Cuidar de adultos mais velhos dependentes no domicílio é uma realidade cada vez mais frequente na atual sociedade envelhecida, advindo daí a necessidade de dotar os cuidadores com práticas e saberes que, tradicionalmente, não estavam nos domínios das famílias. Esta investigação tem como objetivo analisar a eficácia de uma Tecnologia Educativa na capacitação de familiares cuidadores de adultos mais velhos dependentes em ambiente domiciliar. Métodos: Participaram 12 familiares cuidadores que acompanharam adultos mais velhos internados numa instituição hospitalar de referência em traumas, situada em Fortaleza-Ceará-Brasil, um mês após o retorno ao domicílio. Tratou-se de um estudo qualitativo assente na investigação-ação mediante construção, aplicação e avaliação de uma tecnologia educativa (TE). A TE construída para o efeito, teve por base a Teoria das Necessidades Humanas Básicas de Maslow e os pressupostos da educação para a saúde. Resultados: Oito familiares cuidadores relataram a experiência prévia no cuidado aos adultos mais velhos no domicílio e quatro revelaram um conhecimento superficial sobre o cuidar. A aquisição de conhecimento mediado pela aplicação da TE conduziu à ocorrência de mudanças no atendimento às necessidades humanas básicas de adultos mais velhos no cuidado domiciliar, designadamente, compreensão do processo de envelhecimento, adaptação do ambiente físico, adequação da alimentação, tolerância, resgate da autonomia e envolvimento da família. Conclusões: A aplicação da TE teve impacto na práxis do familiar cuidador, materializado no suprimento das necessidades básicas humanas da pessoa idosa cuidada. Esta ferramenta, desponta como complemento útil para o reforço das competências do cuidador informal do adulto mais velho dependente.
, Hélia Cabral, Flávia Melo
Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, Volume 7, pp 25–40-25–40; https://doi.org/10.31211/rpics.2021.7.1.204

Abstract:
Objetivo: O objetivo do estudo visa avaliar a prevalência de burnout em assistentes sociais a exercer funções em Portugal durante a pandemia do SARS-CoV-2. Métodos: Estudo descritivo, quantitativo e transversal realizado entre o mês de novembro de 2020 e março de 2021, onde 416 assistentes sociais, distribuídos por 20 concelhos de Portugal Continental e Ilhas, responderam a um breve questionário sociodemográfico e ao Inventário de Burnout de Maslach. Resultados: A maioria dos assistentes sociais que participaram no estudo eram mulheres (96,3%). Verificou-se que 54,7% desempenhava a sua atividade em serviço social há mais de 11 anos, e 43,8% eram gestores/responsáveis por mais de 60 processos. No geral, não se verificou burnout nos participantes. Apesar de 82,3% dos participantes apresentar resultados que indicaram Realização Pessoal, é visível que alguns participantes também apresentaram Exaustão Emocional (45,1%). Os participantes que executaram horas extra e os participantes com maior número de processos, apresentaram níveis mais altos de Exaustão emocional e de Despersonalização. Os participantes com menos anos de atividade em serviço social foram os que apresentaram níveis mais altos na dimensão de Realização Pessoal. Conclusões: Os participantes do estudo não evidenciam burnout. No entanto, apesar de grande maioria apresentar revelarem níveis mais altos de Realização Pessoal, uma percentagem considerável revela também níveis mais altos de Exaustão Emocional. Estudos futuros devem avaliar padrões biológicos, tais como níveis de cortisol.
Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, Volume 7, pp 66–83-66–83; https://doi.org/10.31211/rpics.2021.7.1.209

Abstract:
Objetivo: Face à escassez de medidas breves que contemplem as três componentes atitudinais (cognitiva, comportamental e emocional) em relação à população em situação de sem-abrigo, o presente estudo teve como objetivo nuclear o desenvolvimento e estudo da versão exploratória de um questionário de atitudes relativamente a esta população. Métodos: A amostra foi constituída por 361 participantes da população geral. Os participantes responderam online a um conjunto de instrumentos de autorresposta, incluindo o Questionário de Atitudes em Relação à População em Situação de Sem-Abrigo (QARPSSA). Resultados: Após a análise fatorial exploratória do QARPSSA, foram excluídos 15 itens, o que resultou numa versão final de 17 itens. O modelo de análise fatorial confirmatória demonstrou uma boa qualidade de ajustamento: CFI = 0,90; GFI = 0,92; RMSEA = 0,07 e MECVI = 1,02. Apenas o índice de ajustamento do qui-quadrado normalizado apresentou um valor sofrível (X2 /gl = 2,51). A variância extraída média foi de 0,49, valor superior ao quadrado das correlações dos fatores que variou entre 0,002 e 0,25, sendo sugestivo de validade discriminante. A análise da fidedignidade, através do cálculo do alfa de Cronbach, revelou um valor de 0,77 e através do cálculo da fiabilidade compósita de 0,91. Conclusões: Esta versão exploratória do QARPSSA revelou ser válida e fidedigna para a avaliação das atitudes em relação à população em situação de sem-abrigo, podendo ser usada em vários contextos.
Carolina Fonseca, Helena Luz,
Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, Volume 7, pp 14–24-14–24; https://doi.org/10.31211/rpics.2021.7.1.200

Abstract:
Objetivo: Identificar os benefícios e desafios da implementação da Metodologia de Cuidado Humanitude (MCH) na prática dos cuidados em Estrutura Residencial para Idosos. Método: Trata-se de um estudo exploratório e descritivo de natureza qualitativa abrangendo uma amostra de três interlocutores com experiência na formação e implementação da MCH. A recolha de dados foi realizada através de um questionário misto, sendo as questões abertas interpretadas através da técnica da análise de conteúdo. Resultados: Os benefícios da MCH reportam-se às pessoas cuidadas (e.g., aumento da aceitação dos cuidados), aos cuidadores formais/colaboradores (e.g., redução do absentismo), bem como ao sistema organizacional (mudança da cultura dos cuidados). Os desafios colocam-se a nível interno (e.g., apropriação das técnicas, resistência à mudança) e externo (e.g., formação dos profissionais, organização dos cuidados centrados na tarefa). Conclusões: A MCH é uma abordagem centrada na interação com a pessoa cuidada, com benefícios transversais a todo o contexto organizacional. A sua implementação traduz oportunidades para a prática diária do cuidado, abrangendo as pessoas cuidadas e as equipas prestadoras de cuidados, surtindo influência no contexto organizacional. A MCH representa uma mudança no paradigma do cuidado, surgindo, no entanto, vários desafios à sua implementação na prática, pelo que se sugere um maior envolvimento de todos os interlocutores do cuidado, nomeadamente dos líderes formais das instituições e dos agentes das políticas públicas.
Inês Queiroz-Garcia, , Catarina Pires
Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, Volume 7, pp 84-101; https://doi.org/10.31211/rpics.2021.7.1.210

Abstract:
Objective: Psychometric properties of Raven's Standard Progressive Matrices in a Portuguese community sample were investigated. Method: The sample consists of 522 people (250 men and 272 women), aged between 12 and 95 years. All participants completed an informed consent form and a battery of neuropsychological tests, including Raven's Standard Progressive Matrices (RSPM), Rey 15-Item Memory Test, Zung Self-Rating Anxiety Scale, and Rey Complex Figure Test. Results: The average in RSPM was 41.18 (SD = 12.03). The results showed that all sociodemographic variables (age, sex, education, profession, regions, and place of residence) significantly influenced RSPM scores. The reliability and temporal stability of RSPM were adequate. Conclusions: This study suggests that RSPM is an instrument with potential for use among the Portuguese population.
Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, Volume 7, pp 41–51-41–51; https://doi.org/10.31211/rpics.2021.7.1.205

Abstract:
Background and Objective: Disordered eating behaviours are a spectrum of maladaptive eating behaviours that affect a substantial proportion of today's society, having been studied regarding their relationship with different dietary patterns. The present study aimed to better characterise the omnivore, vegan, vegetarian and palaeolithic (paleo) dietary patterns and explore dietary pattern's differences regarding disordered eating indicators, sociodemographic data, the motive of choice of dietary pattern and perception of health value. Method: All data were collected online, comprising a sample of 447 [omnivores (n = 281), vegetarians (n = 61), vegans (n = 50) and paleo (n = 55)] women from the general Portuguese population. Results: Results revealed that the dietary patterns differed regarding motive of choice (omnivores: "Family habit"; vegetarians and vegans: "Ethical/Moral"; paleo: "Weight/Shape control") and on the self-assessed health value of their dietary pattern, with the vegan and paleo diets reporting the highest values. Finally, the groups differed significantly regarding disordered eating, binge eating, and orthorexic behaviours, with the paleo group generally presenting the highest values. Conclusions: This study highlights the importance of exploring the individual's dietary pattern, including motive of choice, in the field of eating psychopathology, with an emphasis on the paleo diet as a risk factor. This means that prevention and intervention clinical guidelines should be developed for individuals with this dietary pattern.
Paula Macedo,
Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, Volume 6, pp 69-81; https://doi.org/10.31211/rpics.2020.6.2.189

Abstract:
Objetivo: O estudo teve como objetivo analisar a articulação entre a saúde e o apoio social informal no âmbito da continuidade de cuidados. Participantes: Participaram 57 doentes referenciados em 2019 por um hospital para a Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados em Portugal. A amostra era maioritariamente do sexo feminino (63,2%; n = 36), com uma média de idades de 80 anos (DP = 9,2), predominantemente de residência rural (64,9%; n = 37), casada (56,1%; n = 32), em que 35,0% vivia só ( n = 20). Método: Estudo descritivo com análise quantitativa univariada e análise categorial do conteúdo dos registos no processo social. Resultados: Dos 57 doentes referenciados para a Rede, registaram-se óbitos e cancelamentos em 32 casos (56,1%). Dos 25 doentes que tiveram alta da Rede, no pós-alta todos necessitavam de apoio informal e/ou formal, enquanto que à data de referenciação hospitalar apenas 20,0% da amostra necessitava de apoio (p < 0,001). Dos que tinham apoio, cerca de um terço tinha apoio da rede social primária, maioritariamente dos filhos e cerca de metade dos doentes tinha filhos emigrantes. No pós-alta 64% (n = 16 dos 25) tinham apoio informal. Verificámos ainda que 8,8% dos doentes eram cuidadores e passaram a necessitar de cuidados. Conclusão: O estudo confirma a importância de assegurar cuidados continuados aos cidadãos que viram a sua vulnerabilidade aumentada por doença com sequelas, assim como a fulcral articulação com o sistema de apoio informal aos doentes.
Patrícia Semião, , Cláudia Ferreira
Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, Volume 6, pp 39-55; https://doi.org/10.31211/rpics.2020.6.2.180

Abstract:
Objetivos: O objetivo do presente estudo foi testar o comportamento ortorético (estilo atitudinal e comportamental que reflete uma preocupação intensa e persistente com o consumo de alimentos saudáveis) enquanto fator de risco para o desenvolvimento de comportamentos alimentares perturbados e comportamentos de ingestão alimentar compulsiva. No Estudo 1 foram testadas diferenças entre níveis moderados/severos e níveis baixos de comportamento ortorético em relação às experiências de vergonha (geral e focada na imagem corporal) e indicadores de comportamento alimentar perturbado (geral e compulsão alimentar). No Estudo 2 foi testado um modelo teórico que hipotetiza a associação entre o comportamento ortorético, vergonha geral e da imagem corporal como fatores de risco do comportamento alimentar perturbado e da compulsão alimentar, em mulheres da população geral. Método: A amostra foi constituída por 307 mulheres da população geral, com idades compreendidas entre 18 e 63 anos (M = 33,62 ± 11,73) que responderam a um protocolo online composto por medidas de autorresposta. Resultados: As participantes com níveis moderados/severos de comportamento ortorético revelaram níveis significativamente superiores de vergonha geral, vergonha da imagem corporal, comportamento alimentar perturbado e compulsão alimentar, comparativamente às participantes com níveis baixos de comportamento ortorético. Os resultados da path analysis indicaram que o comportamento ortorético, a vergonha geral e a vergonha da imagem corporal explicam 51,0% da variância do comportamento alimentar perturbado e 47,0% da variância da compulsão alimentar. Conclusões: O presente estudo sugere o comportamento ortorético como possível fator de risco para o desenvolvimento de Perturbações do Comportamento Alimentar. Os resultados deste estudo são importantes para a prática clínica, mostrando que os comportamentos ortoréticos, apesar de serem muitas vezes considerados como comportamentos socialmente aceitáveis, quando associados a experiências de vergonha geral e da imagem corporal, podem contribuir para maior severidade dos comportamentos alimentares perturbados, tanto do tipo restritivo como de ingestão alimentar compulsiva.
, Luís Loureiro, Maria Antónia Rebelo Botelho
Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, Volume 6, pp 1-11; https://doi.org/10.31211/rpics.2020.2.2.179

Abstract:
Objetivo: Apresentar a tradução e adaptação transcultural de uma vinheta de ansiedade social em adolescentes para o português europeu, para integrar o Questionário de Avaliação da Literacia em Saúde Mental — QuALiSMental. Métodos: Realizou-se um estudo metodológico detradução e adaptação transcultural da vinheta de ansiedade social em adolescentes para o português europeu segundo as etapas: 1) tradução; 2) síntese das traduções; 3) retrotradução; 4) síntese das retrotraduções; 5) painel de peritos, constituído por oito profissionais de diferentes áreas da saúde; 6) cognitive debriefing, integrando seis adolescentes com uma média de idades de 14,33 anos (DP = 0,52); 7) revisão e relatório final. Ao longo deste processo, tivemos em conta as considerações éticas. Resultados: Obteve-se uma vinheta de ansiedade social nos adolescentes “João” e “Joana” no português europeu. Salientamos os resultados relativos às etapas: painel de peritos e cognitive debriefing. Foram obtidos os critérios de consenso, entre os peritos, para a equivalência semântica e idiomática, a equivalência experiencial e cultural e a equivalência conceptual. No cognitive debriefing verificou-se 100% de concordância relativamente à clareza do conteúdo da vinheta no português europeu. Conclusões: Esta vinheta pode ser utilizada na prática clínica, nos diferentes níveis de cuidados, na educação/formação e na investigação. Integrada no QuALiSMental permite a avaliação da literacia em saúde mental sobre a ansiedade em adolescentes em diversos contextos e/ou avaliação da efetividade de intervenções psicoeducacionais nesta área.
Back to Top Top