Revista Brasileira de Agrotecnologia

Journal Information
EISSN : 2317-3114
Published by: Grupo Verde de Agroecologia e Abelhas (10.18378)
Total articles ≅ 188
Filter:

Latest articles in this journal

Erich Dos Reis Duarte, Aline Vanessa Sauer, Eduardo L. Cancellier, Luiz Carlos Reis, Marco Antônio Gandolfo
Revista Brasileira de Agrotecnologia, Volume 11, pp 01-06; https://doi.org/10.18378/rebagro.v11i3.8750

Abstract:
Com o objetivo de avaliar as diferentes formas aplicação dos fertilizantes líquidos e sólidos em cobertura, e comparando antes e depois os níveis de nutrientes no solo ao final dos 7 (sete) cortes no manejo da cultura de alfafa, foi conduzido experimento na fazenda São Carlos no Município de Bandeirantes-Pr localizado entre as coordenadas 50º32’33”W O e 23º15’41”S. Os resultados são referentes a 14 meses e quando a planta apresentava uma idade entre 39 a 51 dias em relação ao corte anterior; puderam ser realizados 7 cortes no período, antes de cada corte, foram medidas as alturas de 20 plantas por parcela na primeira folha abaixo da floração e avaliado o índice de área foliar (IAF) e matéria seca (MS) área total considerada (1m2). O delineamento experimental utilizado foi o Blocos casualizados com 3 repetições, sendo as parcelas de 9 m² (3x3m) e espaçamento de 20 centímetros entre linhas, constituindo 21 tratamentos, totalizando 63 parcelas. Nas análises de solo aumentaram os valores de pH, K, Ca, Mg, após a aplicação dos fertilizantes líquidos e sólidos.
Erich Dos Reis Duarte
Revista Brasileira de Agrotecnologia, Volume 11, pp 07-13; https://doi.org/10.18378/rebagro.v11i3.9126

Abstract:
As variáveis capazes de aumentar a produtividade de uma lavoura, está na qualidade da operação de semeadura. A velocidade de deslocamento dos maquinários, associado à profundidade de deposição das sementes influenciam de forma direta no desenvolvimento e de um estande das plantas de soja. O experimento foi conduzido no Sitio Santa Maria no Município de Bandeirantes-PR localizado entre as coordenadas 23°05'58.6"S 50°25'56.9"W, no ano de 2020 e 2021 e teve por objetivo avaliar a influência das velocidades de deslocamento com facão sendo 5; 6,5; 8; e com disco duplo com 5; 6,5; 8; e 9,5 km h-1 e as profundidades de semeadura de 2,3,4 e 5 cm com sistema de disco duplo na lavoura de Soja. Na abertura do sulco, visando a colocação das sementes e fertilizante, utilizaram-se dois mecanismos: rompedores do tipo facão e disco duplo. A roda compactadora utilizada foi do tipo roda metálica lisa em forma de V. Foram determinados os níveis de pressões aplicadas sobre o solo (12,2, 18,5 e 24,1 e 28,5 kPa) por meio de uma célula de carga, com os sensores de linha ligados e desligados. A profundidade de semeadura influenciou as variáveis estudadas, assim como da velocidade de deslocamento adotada. A maior profundidade ocasionou redução da média de produtividade, assim como também a pressão em kPa aumentada foi benéfica a produtividade da cultura da soja de forma significativa.
Viviane Iglesia
Revista Brasileira de Agrotecnologia, Volume 11, pp 421-427; https://doi.org/10.18378/rebagro.v12i2.8826

Abstract:
Os biscoitos surgiram na época do Egito Antigo e a partir daí surgiram outros tipos de biscoitos, sendo o macarron o primeiro biscoito recheado a ser registrado. Em 2019, o Brasil foi considerado em 4° lugar como maior vendedor de biscoitos em toneladas. Os biscoitos recheados são categorizados como alimentos ultraprocessados e estão associados a uma alimentação não saudável. Desde 2011 o Brasil possui um Plano de Ações Estratégicas no Enfrentamento das Doenças Crônicas Não Transmissíveis que se estenderá e será complementado com outras propostas até o ano de 2030. A dieta brasileira é composta por uma alimentação tradicional combinada a alimentos ultraprocessados. Diante desta realidade o Ministério da Saúde acordou com as indústrias alimentícias um Plano de Redução de Açúcares em 6 categorias de alimentos, onde os biscoitos recheados se enquadram. Portanto, o objetivo deste estudo foi apresentar os resultados obtidos através das análises de rotulagem e dos ensaios para determinação de açúcares totais e carboidratos não redutores avaliados em sacarose. Das 25 amostras analisadas, 28% foram insatisfatórias em relação às denominações de venda, 36% apresentaram declaração dos açúcares na tabela de informação nutricional e 24% tiveram resultados analíticos acima da meta estabelecida pela ABIMAPI. Concluímos que são necessárias ações de educação alimentar e nutricional tanto para as mães responsáveis pela alimentação das crianças quanto para os adolescentes e incentivo à prática de atividades físicas e a continuidade do monitoramento dos biscoitos recheados.
Jideane Menezes Santos, Juliete Pedreira Nogueira, Narendra Narain, Patrícia Beltrão Lessa Constant
Revista Brasileira de Agrotecnologia, Volume 11, pp 1043-1048; https://doi.org/10.18378/rebagro.v12i2.8879

Abstract:
A romã (Punica granatum L.), pertencente à família Punicaceae, é uma fruta bastante apreciada devido ao seu valioso potencial medicinal e teor de compostos fitoquímicos. É originária da Ásia Central, mas está distribuída em todo território global. O óleo obtido da semente da romã é fonte do ácido púnico, um isômero do ácido linolênico e que possui ação benéfica à saúde humana. Diferentes métodos têm sido empregados para extração de óleos entre eles tem-se a prensagem a frio que emprega a pressão para obtenção e não utiliza solventes químicos. Esse estudo teve como objetivo avaliar, por Cromatografia Gasosa/Espectometria de Massas (CG/EM), o perfil de ácidos graxos, em especial o ácido púnico, oriundos de óleos, obtidos por prensagem a frio, de sementes de romã (Punica granatum L.) cultivadas na região Nordeste do Brasil. Foram detectados 8 ácidos graxos em dois lotes do óleo de semente de romã prensados a frio dos quais dois são ácidos graxos poli-insaturados (ácido linoléico e ácido púnico) e um ácido monoinsaturado (ácido oléico). O principal componente, o ácido púnico, apresentou uma faixa de 85,1 a 86,98%, o ácido linoléico 4,07 a 4,28% e o oléico 3,33 a 4,30% do total de ácidos graxos. O teor de ácido púnico, em comparação com outros estudos, foi promissor visto que foi empregada uma extração ecologicamente sustentável, que minimiza os impactos ao meio ambiente. Dessa forma, o óleo de semente de romã prensado a frio foi uma ótima fonte do ácido púnico.
Vânia Pinto, Vandressa Alves, Sandra Amorin, Gustavo Santos, Vinicius Deon
Revista Brasileira de Agrotecnologia, Volume 11, pp 1033-1042; https://doi.org/10.18378/rebagro.v12i2.8844

Abstract:
O emprego de amidos não convencionais em alimentos e embalagens biodegradáveis, bem como modificações físicas, química ou enzimáticas, possibilitam ampliar as aplicações do amido e agregar valor às matérias-primas. Assim, objetivou-se avaliar o efeito da pré-hidrólise com a enzima α-amilase, na produção de amido ácido-tratados ou amidos hidrolisados, avaliando-se a cinética da hidrólise ácida, o rendimento do processo e a estrutura molecular dos amidos de pinhão e feijão carioca. O percentual da pré-hidrólise com α- amilase foi 7% e 3% para o amido de pinhão e feijão, respectivamente. A cinética de hidrólise ácida com H2SO4 foi maior no amido de pinhão que no de feijão e a pré-hidrólise teve leve efeito em ambos os amidos. O modelo linear apresentou 2 etapas na hidrólise ácida, sendo a primeira fase mais rápida e sensível à pré-hidrolise enzimática. O rendimento da hidrólise foi superior no amido de feijão e a pré-hidrólise aumentou o rendimento no amido de pinhão ácido-tratado somente após 5 dias. A pré-hidrólise enzimática promoveu alterações na estrutura molecular dos amidos, porém após a hidrólise ácida, o efeito predominante foi o do ácido sulfúrico. A ordem molecular de curto alcance específico se perdeu e a proporção de 1047/1022 cm-1 e 1022/995 cm−1 reduziram com a hidrólise ácida. O amido de feijão carioca se mostrou promissor para a produção de amido ácido-tratado, principalmente pelo elevado rendimento (>35%), sendo 180% maior do que o verificado na literatura com a mesma metodologia.
Luanna Carneiro de Souza, Mayara Elita Carneiro, Agnes De Paula Scheer, Luana Carolina Bosmuler Züge
Revista Brasileira de Agrotecnologia, Volume 11, pp 1093-1099; https://doi.org/10.18378/rebagro.v12i2.8965

Abstract:
Os óleos essenciais são compostos conhecidos pelas fragrâncias que exalam e suas propriedades funcionais. O manjericão (Ocimum basilicum L.) possui substâncias em sua composição com propriedades antioxidantes e antimicrobianas, como o linalol e o eugenol. O objetivo deste trabalho foi avaliar as propriedades antioxidantes, antimicrobianas e termogravimétricas do óleo essencial de manjericão extraído por hidrodestilação a partir de três amostras diferentes, uma obtida comercialmente já seca, uma seca em estufa e outra liofilizada. Os dados demonstraram que o óleo essencial obtido do manjericão liofilizado apresentou maior atividade antioxidante pelos métodos de captura do radical ABTS•+ e pelo método da inibição da oxidação do complexo β-caroteno/ácido linoleico. Esse óleo também apresentou melhor desempenho de atividade antimicrobiana para diferentes microrganismos. Entretanto, o processo de secagem do manjericão em estufa permitiu um maior rendimento durante a extração. O óleo essencial do manjericão comercial, por sua vez, apresentou baixo rendimento e propriedades antioxidante e antimicrobiana piores que os demais. Na análise termogravimétrica (TG) foi possível perceber que as principais perdas de massa ocorreram em temperaturas entre 105 e 170 °C, com exceção do óleo essencial do manjericão comercial, que apresentou também um pico de degradação a 230°C A partir dos resultados obtidos, pode-se concluir que o óleo essencial proveniente da amostra seca em estufa apresenta maior viabilidade para aplicação comercial, pois teve um maior rendimento e propriedades próximas ao obtido da amostra liofilizada.
Tatiana Da Silva, Vanessa De Oliveira, Maria Ivone Barbosa, Tatiana Saldanha
Revista Brasileira de Agrotecnologia, Volume 11, pp 1070-1076; https://doi.org/10.18378/rebagro.v12i2.8918

Abstract:
O presente estudo avaliou extratos da pimenta rosa preparados em etanol e acetona quanto ao teor de fenólicos totais e a capacidade antioxidante (métodos DPPH e FRAP). Visando a possível aplicação da pimenta rosa como antioxidante natural em alimentos, investigou-se o efeito da adição da pimenta rosa frente à oxidação lipídica em hambúrgueres de tilápia preparados termicamente (grelha, forno convencional, micro-ondas e cozimento em água). Para tal, foi realizada a quantificação de malonaldeído, produto secundário da oxidação lipídica, pela análise de TBARS (substâncias reativas ao ácido tiobarbitúrico). O extrato em etanol apresentou o teor de 137,73 ± 6,63 mg AGE/g, o qual foi superior ao determinado no extrato em acetona (61,01 ± 6,09 mg AGE/g). Ambos extratos apresentaram capacidade antioxidante para os métodos utilizados; entretanto, diferenças significativas foram observadas para os diferentes solventes extratores (p<0,05). A adição de pimenta rosa aos hambúrgueres reduziu a formação de malonaldeido nas amostras grelhadas e nas amostras preparadas em micro-ondas (p<0,05), sugerindo o efeito protetor da pimenta rosa sob a degradação de hidroperóxidos durante os processos oxidativos. Tais resultados destacam a possível aplicação deste fruto como aditivo natural em alimentos, representando uma alternativa para a substituição de antioxidantes sintéticos. Entretanto, estudos futuros são necessários para avaliar parâmetros como a dose-efeito e os aspectos sensoriais para a aplicação industrial. Mediante o potencial tecnológico da pimenta rosa e as perspectivas promissoras para a geração de renda de agricultores familiares, as características do sistema de produção da pimenta rosa também foram discutidas.
Natália Reis Soares, Isadora Sousa Alves, Vinícius Ferreira Santos, Ângela Da Silva Borges, Patrícia Beltrão Lessa Constant
Revista Brasileira de Agrotecnologia, Volume 11, pp 1063-1069; https://doi.org/10.18378/rebagro.v12i2.8871

Abstract:
Com baixo consumo no Brasil, a carne de peru têm se destacado nutricionalmente como um produto de alta qualidade, com maior teor proteico quando comparada as carnes bovina e suína. O objetivo desse trabalho foi desenvolver e avaliar a composição centesimal e as características físicas de hambúrgueres mistos, elaborados com carne de peru e frango, buscando ampliar o consumo da carne de peru. Foram elaboradas duas formulações do hambúrguer misto (F1 e F2), sendo F1 com 20% de carne de peru e F2 com 60% de carne de peru. Foram avaliadas a composição centesimal, pH, CRA, perdas por cocção, encolhimento, parâmetros colorimétricos e o perfil de textura dos produtos. O teor de lipídeos e de proteínas diferiu significativamente (p<0,05) entre as formulações F1 e F2. O Hambúrguer com a maior porcentagem de frango (F1) em sua formulação apresentou o menor teor de lipídeos em sua composição 6,54%, podendo ser explicado pelo corte (peito de frango) empregado no processamento, quando comparado a formulação F2 que continha maior concentração de carne de peru, no qual foi utilizado a carne do animal como um todo e não somente um corte específico. F1 reportou também o maior encolhimento, estando diretamente relacionado à menor CRA apresentada pelo produto. Não houve diferenças entre a coloração e o perfil de textura das amostras. Portanto, a carne de peru pode ser empregada na fabricação de hambúrgueres sem comprometer a composição e os parâmetros tecnológicos desse produto.
Nirvana Cecilia Ribeiro, Fátima De Cássia Oliveira Gomes, Ana Maria De Resende Machado, Anderson Arthur Rabello, Euler Cunha Martins
Revista Brasileira de Agrotecnologia, Volume 11, pp 1087-1092; https://doi.org/10.18378/rebagro.v12i2.8756

Abstract:
A cana-de-açúcar é a base de muitos subprodutos relevantes para a economia brasileira, desde a colonização até os dias atuais. A capacidade de sobrevivência da agricultura familiar depende da produção e do consumo alimentos provenientes de metodologias ecológicas, com razões sociais e relevância ambiental. Em Minas Gerais, na comunidade de Rio Vermelho – Jaboticatubas, ainda se faz presente a produção de derivados da cana, que efetivam a importância da manufatura tradicional e artesanal. Assim, o açúcar oriundo de processos manuais acrescido de componentes do campo, como terra de formigueiro e argila, recebe o nome de açúcar purgado. Neste trabalho, foram realizadas análises físico-químicas e microbiológicas de três amostras de açúcar de purga para avaliar se atendem aos padrões de qualidade, a fim de assegurar a segurança dos alimentos dos consumidores que movimentam o mercado interno. Como a classe de produtos orgânicos rurais normalmente não se enquadra nos padrões legislativos vigentes para alimentos, buscou-se referência na literatura. Avaliando-se os critérios de qualidade microbiológica, observou-se discrepância entre o resultado esperado e o obtido em amostras analisadas, confirmando-se a necessidade de relacionar o processo produtivo com condições higiênico-sanitária favoráveis.
Lívia Oliveira Schmatz, Adriana Masson Parcianello, Fernanda Arnhold Pagnussatt
Revista Brasileira de Agrotecnologia, Volume 11, pp 1024-1028; https://doi.org/10.18378/rebagro.v12i2.8876

Abstract:
Resíduos agroindustriais são fontes de carbono e nitrogênio e atuam como suporte para o crescimento fúngico. Este trabalho teve como objetivo aplicar resíduos agroindustriais no aumento da produção de compostos fenólicos, através de fermentação em estado sólido. Os substratos utilizados foram farelo de arroz, resíduo de chá verde e erva-mate, em diferentes proporções. O microrganismo usado foi o Rhizopus oryzae CCT 7560 e o bioprocesso ocorreu em reatores do tipo bandeja, durante 7 dias. Após esse período, a biomassa foi congelada e os compostos fenólicos totais extraídos. A proporção de substrato mais indicada para ocasionar um aumento da produção de compostos fenólicos foi a 5:5 (farelo de arroz: chá verde), obtendo-se nessas condições, um teor de 22,4 mg.g-1de compostos fenólicos. Dessa forma, a fermentação em estado sólido proporcionou um incremento de 1,5 vezes no teor de compostos fenólicos, quando comparado com o controle, cujo valor inicial encontrado foi de 14,92 mg.g-1.
Back to Top Top