Refine Search

New Search

Results in Journal O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira: 630

(searched for: journal_id:(808203))
Page of 13
Articles per Page
by
Show export options
  Select all
Marcus Vinicius De Freitas
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 52-64; doi:10.17851/2358-9787.29.4.52-64

Abstract:
Resumo: Este artigo analisa as condições históricas da construção da teoria da mimesis, de Luiz Costa Lima, em face do clima intelectual brasileiro nos anos 1970/1980. Estabelecendo uma distância tanto em relação ao desconstrucionismo quanto ao sociologismo, a teoria da mimesis se afirma como produção de diferença. A argumentação do artigo se desenvolve através de uma comparação do percurso teórico sobre a mimesis empreendido por Luiz Costa Lima com o de José Guilherme Merquior sobre o mesmo tema.Palavras-chave: Luiz Costa Lima; José Guilherme Merquior; mimesis; sistema intelectual. This article aims at analysing the historical conditions in which Luiz Costa Lima built his theory of Mimesis troughout the decades of 1970s and 1980s, taking into account the “Brazilian intellectual system”, as the author himself use to call it. Keeping equal distance from the trends of Desconstructionism as well as from the Sociology of Literature, Costa Lima stresses the concept of mimesis as “production of difference”. The argument evolves by a comparison among Costa Limas’s theory and that of José Guilherme Merquior on the same subject of mimesis.Keywords: Luiz Costa Lima; José Guilherme Merquior; mimesis; intellectual system.
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 65-97; doi:10.17851/2358-9787.29.4.65-97

Abstract:
Resumo: Neste artigo, analisamos criticamente o tratamento reservado à teoria do romance na obra do maior nome da teoria da literatura no Brasil, Luiz Costa Lima, mais especificamente a relação por ele estabelecida entre a “afirmação do romance” e o “controle do imaginário”, um tópico central de sua obra desde a década de 1980. Questionando a própria noção de “controle” aí em jogo, desembocamos num retorno à Poética como teoria dos gêneros do discurso, aqui estimulado pelo diálogo possível entre Mikhail Bakhtin e Hans Blumenberg, que Luiz Costa Lima encoraja em sua abordagem da teoria do romance.Palavras-chave: Luiz Costa Lima; teoria do romance; gêneros do discurso; poética. In this article, we critically analyse the treatment to the theory of the novel in the work of the greatest name of literary theory in Brazil, Luiz Costa Lima, more specifically the relation between the “affirmation of the novel” and the “control of the imaginary”, a central topic of his work since the 1980s. Questioning this notion of “control” itself, we reach to a return to Poetics as a theory of genres of discourse, here stimulated by the possible dialogue between Mikhail Bakhtin e Hans Blumenberg, which is encouraged by Luiz Costa Lima in his approach to the theory of the novel.Keywords: Luiz Costa Lima; theory of the novel; genres of discourse; poetics.
Roberto Alexandre Do Carmo Said
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 118-141; doi:10.17851/2358-9787.29.4.118-141

Abstract:
Resumo: Este artigo visa estudar as linhas de força do projeto intelectual de Luiz Costa Lima, a fim de analisar como sua teoria sobre a mímesis se insere no questionamento epistemológico acerca de uma filosofia da literatura, com contribuição decisiva para se examinar os modos e as condições com as quais o discurso literário pode ser pensado na modernidade. Tomo como ponto de partida o diálogo travado pelo crítico brasileiro com o pensamento pós-estruturalista, mais especificamente, os dois ensaios por ele elaborados acerca da filosofia antirrepresentacional de Gilles Deleuze. Parto da hipótese de que, tomada sob a lógica da reivindicação da diferença, entendida seja em um prisma político-cultural, seja em um prisma ontológico, independentes, mas complementares, a antropologia literária de Costa Lima não se revela um projeto isolado no cenário de pesquisas contemporâneo acerca da literatura.Palavras-chave: mímesis; representação; diferença; ficção. This article aims to study the strengths of Luiz Costa Lima’s theoretical project, in order to analyze how the debate on mimesis, created by him, participates in contemporary epistemological questioning, with a decisive contribution to thinking about the modes and conditions with which literary discourse can be enunciated in modernity. The starting point is the dialogue carried out by the Brazilian critic with post-structuralist thinking, more specifically, the two essays he elaborated regarding Gilles Deleuze’s anti-representational philosophy. The hypothesis is that, considered under the logic of claiming difference, understood either in a political-cultural prism or in an ontological prism, independent but complementary, Costa Lima’s literary anthropology does not reveal itself as an isolated project in the contemporary research scene that has literature as its central object.Keywords: mimesis; representation; difference; fiction.
Reinaldo Marques
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 8-10; doi:10.17851/2358-9787.29.4.8-10

Pedro Henrique Alves De Medeiros, Edgar Cézar Nolasco
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 227-243; doi:10.17851/2358-9787.29.3.227-243

Abstract:
Resumo: A partir da fronteira-sul, biolócus geoistórico e sobretudo epistemológico, a qual pensamos e erigimos nossas reflexões crivadas e atravessadas pelos nossos corpos fronteiriços e pelas nossas sensibilidades biográficas/locais de pesquisadores situados em um lócus periférico, buscaremos, assentados em uma teorização de caráter crítico-biográfico fronteiriço (NOLASCO, 2015), e em uma metodologia eminentemente bibliográfica, (des)arquivar o projeto da exterioridade homo-bio-ficcional do intelectual mineiro Silviano Santiago, essencialmente no que convém ao seu romance escrevivente Mil rosas roubadas (2014). Dessa forma, optamos por trabalhar com a impressão do arquivo do mal/da exterioridade (NOLASCO, 2018a) de Silviano na tentativa de abri-lo, (des)arquivá-lo. Ao fazê-lo, (des)arquivamos as nossas próprias histórias e sensibilidades. Subsidiados pelo discurso ensaístico crítico-biográfico fronteiriço, ao escrevermos e teorizarmos acerca desse projeto homo-bio-ficcional (des)arquivando-o, expomo-nos, sofremos de um mal. Nesse prisma, o espaço biográfico o qual nossas reflexões se aquilatam é da ordem dos afetos, das sensibilidades, da sobrevida, contudo, sempre respaldado pela distância, lugar reservado à crítica e à amizade política (NOLASCO, 2010).Palavras-chave: crítica biográfica fronteiriça; arquivo; Silviano Santiago. Our research is based on the South-frontier, biolócus geoistórico and mainly epistemological, where we think and erect our thinking trespassed through our frontier bodies and our biographic/local sensibilities as researches located in a subaltern locus. Our research is based on a biographical-critical theorization (NOLASCO, 2015), and in a bibliographical methodology. As from that, we will (un)archive the homo-bio-ficcional exteriority project of Silviano Santiago, a Brazilian intellectual from Minas Gerais, especially with which is related to his escrevivente novel Mil rosas roubadas (2014). In this way, we willwork with the archive of the evil/of Silviano’s exteriority impression (NOLASCO, 2018a), trying to open it, to (un)archive it. When we do it, our own histories and sensitivities are (un)archived. Based on the essayistic biographical-critical frontier speech while writing and theorizing about this homo-bio-fictional project, (un)archiving it, we expose ourselves, we suffer from the evilness. Therefore, the biographical space in which our reflections are based is of the affection order, of the sensitivities and of the sobrevida, but it is also back up for the distance, place reserved to the critics and the politicized friendship (NOLASCO 2010).Keywords: frontier biographical criticism; archive; Silviano Santiago.
Mario Luis Grangeia, Daniel Moutinho Souza
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 188-206; doi:10.17851/2358-9787.29.3.188-206

Abstract:
Resumo: This article presents a comparative analysis of the novels O cortiço (1890), by the Brazilian writer Aluísio Azevedo, and Emigrantes (1928), by the Portuguese author Ferreira de Castro. The goal is to identify how Portuguese people who emigrated to Brazil were represented in characters of these works. It was found that, in O cortiço, migration appears as degeneration caused by the hostile social and natural environment of Brazil, according to the premises of the naturalist aesthetics. Under the influence of the sun, poverty and the Brazilian human landscape, the Portuguese people either get rich by stealing and exploiting labor, including slavery, or undergo a life of addiction. On the other hand, in Emigrantes, this migratory flow appears as a mirage, because the possibility of enrichment in America fades away in the confrontation with the concrete experience of the characters. In the study, contributions from critics Antonio Cândido, Eduardo Lourenço and Miguel Torga are mobilized, as well as statistics that contextualize Portuguese immigration in Brazil.Palavras-chave: migração portuguesa no Brasil; Aluísio Azevedo; romance naturalista; Ferreira de Castro; Realismo; literatura comparada. This article presents a comparative analysis of the novels O cortiço (1890), by the Brazilian writer Aluísio Azevedo, and Emigrantes (1928), by the Portuguese author Ferreira de Castro. The goal is to identify how Portuguese people who emigrated to Brazil were represented in characters of these works. It was found that, in O cortiço, migration appears as degeneration caused by the hostile social and natural environment of Brazil, according to the premises of the naturalist aesthetics. Under the influence of the sun, poverty and the Brazilian human landscape, the Portuguese people either get rich by stealing and exploiting labor, including slavery, or undergo a life of addiction. On the other hand, in Emigrantes, this migratory flow appears as a mirage, because the possibility of enrichment in America fades away in the confrontation with the concrete experience of the characters. In the study, contributions from critics Antonio Cândido, Eduardo Lourenço and Miguel Torga are mobilized, as well as statistics that contextualize Portuguese immigration in Brazil.Keywords: Portuguese migration in Brazil; Aluísio Azevedo; naturalistic novel; Ferreira de Castro; Realism; comparative literature.
Lilian Maria Barbosa Ferrari, Joelma Santana Siqueira
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 164-187; doi:10.17851/2358-9787.29.3.164-187

Abstract:
Resumo: O artigo tem por objetivo discutir trabalhos de Adolfo Casais Monteiro e Arnaldo Saraiva realizados em prol da literatura brasileira e da manutenção das relações culturais entre Brasil e Portugal. Considerou-se a biografia de ambos tendo em conta suas inserções em contextos sociais e históricos específicos. Buscou-se demonstrar a intervenção desses intelectuais em favor da literatura e cultura brasileiras. Realizou-se também um breve levantamento de textos importantes que trataram da contribuição desses intelectuais portugueses para a cultura local. Adolfo Casais Monteiro foi pioneiro no trabalho comparativo entre o Modernismo Brasileiro e o Modernismo Português, o qual, posteriormente, foi desenvolvido por Arnaldo Saraiva, cujo objetivo era o de demonstrar o diálogo mantido entre os autores modernistas brasileiros e portugueses. Destaca-se, por fim, o empenho desses estudiosos, os quais contribuíram para a história da cultura mesmo em momentos difíceis de autoritarismo e de crise das humanidades.Palavras-chave: literatura brasileira em Portugal; relação Brasil-Portugal; Adolfo Casais Monteiro; Arnaldo Saraiva. The goal of this paper is to discuss the works of Adolfo Casais Monteiro and Arnaldo Saraiva, dealing especially with those done in support of Brazilian literature and of maintenance of cultural relationship between Brazil and Portugal. Their biographies have been taken into account, regarding their specific social and historical contexts, with the objective of demonstrating these intellectuals’ intervention on behalf of Brazilian literature and culture. A brief survey of relevant texts regarding these Portuguese intellectuals’ contribution to the local culture was also conducted. Adolfo Casais Monteiro paved the way for the comparative work concerning Brazilian Modernism and Portuguese Modernism, which was further explored by Arnaldo Saraiva, with the objective of highlighting the dialogue between Brazilian and Portuguese modernist authors. Lastly, we emphasize the effort of these scholars, who have much contributed to the culture’s history, even amidst difficult moments such as authoritarianism and crisis in the humanities’ field.Keywords: Brazilian literature in Portugal; Brazil/Portugal relationship; Adolfo Casais Monteiro; Arnaldo Saraiva.
Karla Renata Mendes
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 138-163; doi:10.17851/2358-9787.29.3.138-163

Abstract:
Resumo: Considerada como um dos principais nomes da poesia brasileira, Cecília Meireles também se manteve presente e atuante no meio literário português, encontrando, em solo lusitano, uma boa receptividade e meios favoráveis à difusão de sua obra. Veículos importantes na promoção de seus textos, foram justamente as revistas literárias – publicações variadas que deram visibilidade à autora entre 1930 e 1960. Um desses periódicos é justamente a Atlântico – Revista Luso-Brasileira, editada entre os anos 1940 e 1950. Surgida em meio ao Estado Novo e tendo como pano de fundo um discurso nacionalista e de estímulo à aproximação entre “nações irmãs”, a revista contou com a participação ativa de escritores dos dois países e instituiu-se como um relevante meio de intercâmbio cultural luso-brasileiro. Prova disso é a presença de Cecília Meireles ao longo de números da publicação que retratam sua obra ou a mencionam em recensões críticas e textos literários. Dessa forma, pode-se dizer que a relação estabelecida entre a autora e a revista Atlântico exemplifica aspectos dessa busca de diálogo entre Brasil e Portugal que, em seu caso, acabou sobrepujando fins ideológicos e políticos ganhando, em última instância, contornos subjetivos e pessoais.Palavras-chave: Cecília Meireles; revista Atlântico; poesia; Brasil; Portugal. Regarded as one of the major names in Brazilian poetry, Cecília Meireles also kept herself present and active in the Portuguese literary environment, where she was well received and had propitious means of disseminating her work. The literary magazines, varied publications that helped her gain notoriety between 1930 and 1960, were important vehicles for the promotion of her texts. One of these magazines is precisely the Atlântico – Revista Luso-Brasileira (Atlantic – Luso-Brazilian Magazine), edited in the 1940s and the 1950s. The magazine, which was created during the Estado Novo (New State) period and had as background a nationalist discourse and an incentive for the approximation of the “sister nations”, received active participation of writers from both countries and came to be a relevant vehicle for Luso-Brazilian cultural exchange. One evidence of this is Meireles’ presence over editions of the magazine that depict her work or mention her in critical reviews or literary texts. Thus, one can say that the relationship established by the author and the Atlântico magazine exemplifies aspects of this pursuit for dialogue between Brazil and Portugal that, concerning her, overcame ideological and political purposes and reached, at last, subjective and personal traits.Keywords: Cecília Meireles; Atlântico magazine; poetry; Brazil; Portugal.
Rodrigo Alexandre De Carvalho Xavier
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 75-110; doi:10.17851/2358-9787.29.3.75-110

Abstract:
Resumo: A recepção de Fernando Pessoa nos jornais brasileiros se deu majoritariamente após a morte do poeta, em 1935. Essa recepção, em especial, raramente apresenta ao público os textos do poeta, caracterizando-se, especialmente, por ensaios críticos que supõem o conhecimento dos leitores sobre a obra do escritor português. Durante sua vida (1888-1935), a ocorrência de publicações de textos de Pessoa em jornais brasileiros é ainda mais escassa, e ainda demanda um esforço concentrado dos investigadores dada a dificuldade de localização dos acervos que não estão disponíveis em meio digital. Apresentamos aqui a redescoberta de três textos do poeta, publicados ainda durante sua vida, nos jornais cariocas: Leitura para todos (1926), O Tico-tico: Jornal das crianças (1931) e Diário de Notícias (1935). Apresenta-se também o “flerte” do crítico e escritor modernista brasileiro, Teixeira Soares, com a obra de Fernando Pessoa.Palavras-chave: Fernando Pessoa; recepção, publicações periódicas brasileiras; “Mar Portuguez”; “O avô e o neto”; “Linda florinha”; “D. Diniz”; “Terceiro”; Teixeira Soares. Fernando Pessoa’s journalistic reception in Brazil took place mostly after the poet’s death in 1935. This reception rarely presents the poet’s texts to the public and is characterized especially by critical essays that assume the Brazilian readers’ knowledge on the work of the Portuguese writer. During his lifetime (1888-1935), publications of Pessoa’s texts in Brazilian newspapers are even scarcer and still demand a concentrated effort from researchers given the difficulty of locating archives not available in digital media. Here we present the rediscovery of three texts by the poet, published during his lifetime, in the Carioca newspapers: Leitura para todos (1926), O Tico-tico: Jornal das crianças (1931), and Diário de Notícias (1935). The “flirting” of the Brazilian modernist critic and writer Teixeira Soares with the work of Fernando Pessoa is briefly presented.Keywords: Fernando Pessoa; reception; Brazilian periodic publications; “Portuguese Sea”; “Grandfather and grandson”; “Pretty flower”; “King Diniz”; “Third one”; Teixeira Soares.
Arnaldo Saraiva
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 9-18; doi:10.17851/2358-9787.29.3.9-18

Abstract:
Resumo: Reflexões sobre a receção da poesia e sobre as relações pessoais e literárias de João Cabral de Melo Neto com Portugal.Palavras-chave: João Cabral; poesia; Portugal. Reflections on the reception of poetry and on João Cabral de Melo Neto’s personal and literary relations with Portugal.Keywords: João Cabral; poetry; Portugal..
Robson Batista Dos Santos Hasmann
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29; doi:10.17851/2358-9787.29.3.261-267

O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 19-35; doi:10.17851/2358-9787.29.3.19-35

Abstract:
Resumo: Cláudio Grugel do Amaral (Rio de Janeiro, c. 1681-Lisboa, 1752) é um poeta luso-brasileiro cuja obra, reunida num volume manuscrito, ficou inédita. De conteúdo globalmente satírico, a sua poesia – cuja edição será apresentada no decurso de 2020 – constitui, pelo menos em parte, uma paródia de uma conhecida obra do quinhentismo português: Sílvia de Lizardo (1597), de Frei Bernardo de Brito (1569-1617). O artigo dá conta do diálogo entre o poeta brasileiro e o polígrafo português, tendo o cuidado de apresentar devidamente a desconhecida obra do primeiro.Palavras-chave: Cláudio Grugel do Amaral; Frei Bernardo de Brito; poesia barroca; paródia. Cláudio Grugel do Amaral (Rio de Janeiro, c. 1681-Lisbon, 1752) is a Luso-Brazilian poet whose work, assembled in a manuscript volume, remained unpublished. His poetry – whose edition will be presented in the course of 2020 – is globally satirical, and at least in part a parody of a well-known Portuguese 16th century book: Sílvia de Lizardo (1597), by Friar Bernardo de Brito (1569-1617). The article gives an account of the dialogue between the Brazilian poet and the Portuguese polygraph, making sure to properly present Cláudio’s unknown work.Keywords: Cláudio Grugel do Amaral; Friar Bernardo de Brito; Baroque poetry; parody.
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 111-137; doi:10.17851/2358-9787.29.3.111-137

Abstract:
Resumo: Tomando como objeto os dois poemas publicados por Carlos Drummond de Andrade na revista luso-brasileira Atlântico (“O voo sobre as igrejas” e “Versos à boca da noite”), o presente artigo visa a apresentar estudo sobre os efeitos de sentido produzidos por tal colaboração, considerando a materialidade do veículo em questão e a ambiência discursiva por ele conferida aos textos. Nesse processo, de início, procura-se recuperar as correspondências inéditas enviadas ao poeta mineiro por José Osório de Oliveira, secretário da publicação e reconhecido homem de letras português dedicado à literatura brasileira. Em seguida, apresentam-se a estrutura, as particularidades e as diretrizes da política editorial do periódico, uma espécie de álbum luxuoso considerado o mais importante elo editorial do intercâmbio literário e intelectual pactuado pelas ditaduras de Salazar e Vargas a partir do Acordo Cultural de 1941. Por fim, examina-se o direcionamento interpretativo de ambos os poemas operado pelo suporte, quer no sentido de valorizar uma figura mítica da dita “civilização lusíada”, algo caro à proposta de recuperação interessada do passado efetuada pela revista, quer de circunscrever e atenuar o lirismo crítico do autor de Sentimento do mundo.Palavras-chave: Carlos Drummond de Andrade; José Osório de Oliveira; Atlântico: Revista Luso-Brasileira; Estado Novo brasileiro e português. Considering two poems published by Carlos Drummond de Andrade in the Portuguese-Brazilian magazine Atlântico (“O voo sobre as igrejas” e “Versos à boca da noite”), this article aims to present the results of an investigation into the effects of meaning produced by such collaboration, considering the materiality of the publication in question and the discursive ambience impacting on those texts. Firstly, we seek to recover the unpublished letters sent to Drummond by José Osório de Oliveira, secretary of the publication and recognized Portuguese intellectual devoted to the Brazilian literature. Then, the structure and guidelines of the journal’s editorial policy are presented. More specifically, Atlântico was a kind of luxurious album which was considered the most important editorial link in the literary and intellectual exchange agreed upon by the Salazar and Vargas dictatorships since the signing of the Cultural Agreement in 1941. Finally, we examine the interpretative framework of both poems operated by the support, which, in the first text, values a mythical figure of the so-called “Portuguese civilization”, something dear to the magazine’s interested proposal to recover the past, and in the second it intends to circumscribe and attenuate the critical lyricism of the author of Sentimento do mundo.Keywords: Carlos Drummond de Andrade; José Osório de Oliveira; Atlântico: Revista Luso-Brasileira; Brazilian and Portuguese Estado Novo.
Caio Gagliardi, Raquel Madanêlo, Silvana Pessôa De Oliveira
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 6-8; doi:10.17851/2358-9787.29.3.6-8

Anco Márcio Tenório Vieira
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 36-55; doi:10.17851/2358-9787.29.3.36-55

Abstract:
Resumo: Este trabalho aborda o modo como Gilberto Freyre, a partir do seu olhar expressionista, emulou Luís de Camões. Rompendo as fronteiras entre o homem Luís de Camões e a sua obra, Freyre diluiu os limites que separam o autor do narrador, rompendo também as fronteiras entre o sujeito e o seu objeto de estudo. Desse modo, Freyre inscreve Camões e a sua obra em sua gramática sociológica e antropológica e, principalmente, o eleva ao panteão de um dos percussores do Lusotropicalismo.Palavras-chave: Gilberto Freyre; Luís de Camões; Lusotropicalismo; emulação. This work discusses the way Gilberto Freyre, from his expressionist gaze, emulated Luís de Camões. Breaking the boundaries between Luís de Camões as a man and his work, Freyre diluted the boundaries that separate the narrator from the author, also breaking the boundaries between the subject and his object of study. Thereby, Freyre inscribes Camões and his work in his sociological and anthropological grammar and, mainly, elevates him to the pantheon of one of the Lusotropicalism pioneers.Keywords: Gilberto Freyre; Luís de Camões; Lusotropicalism; emulation.
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 56-74; doi:10.17851/2358-9787.29.3.56-74

Abstract:
Resumo: O objetivo desta reflexão é comparar as práticas de escrita de duas poetas, a saber, Sophia de Mello Breyner Andresen e Cecília Meireles, com as traduções que fizeram, respectivamente, de Hamlet, Shakespeare, em 1987, e Orlando, Virgínia Woolf, em 1948. A partir da análise dessas traduções, comparadas a alguns poemas de ambas as poetas, pretende-se desenvolver a afirmação de Giorgio Agamben (2007) de que o poeta moderno elabora sua subjetividade sem deixar que esta fique marcada por um “lugar” ao qual ela devesse “retornar” em nome de uma originalidade primordial de sua palavra lírica. O sujeito decorrente desse processo está livre para viver esse momento presente no qual ele se encontra com sua incompletude e compreende que é feito de uma angústia analisável. Contemplar a linguagem é o modo de produzir subjetividades não essenciais. A tradução é um dos modos mais eficientes de se pensar a palavra. Sendo operada por deslocamentos incessantes, a prática da tradução é um interrogar-se sem cessar – e angustiadamente – pelo sentido da materialidade mesma da estrutura da palavra sem alcançar o sentido pleno do que é traduzido. A tradução faz surgir de um ato objetivo uma potência subjetiva, pois de seu vazio de conteúdo pode ser dito algo de novo.Palavras-chave: Sophia de Mello Breyner Andresen; Cecília Meireles; poesia brasileira; poesia portuguesa; tradução. The purpose of this reflection is to compare the writing practices of the two poets, Sophia de Mello Breyner Andresen and Cecília Meireles, with the translations they made of Hamlet, Shakespeare, Breyner in 1987, and Orlando, Virginia Woolf, by Meireles in 1948. From the analysis of these translations, compared to some poems of both poets, it is intended to develop Giorgio Agamben’s (2007) claim that the modern poets elaborate their subjectivity without allowing it to be marked by a “place” to which they owe “return” in the name of a primordial originality of their lyrical word. The subject resulting from this process is free to live in this present moment in which they find themselves with their incompleteness and understand that they are made of an analyzable anguish. Contemplating language is the way to produce non-essential subjectivities. Translation is one of the most efficient ways of thinking about the word. Being operated by incessant displacements, translating is to constantly interrogate and distress oneself for the meaning of the very materiality of the word structure without reaching the full meaning of what is translated. Translation gives rise to subjective power from an objective act, because something new can be said of its content void.Keywords: Sophia de Mello Breyner Andresen; Cecília Meireles; Brazilian poetry; Portuguese poetry; translation.
Leidiana Da Silva Lima Freitas, Maria Suely De Oliveira Lopes
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 244-259; doi:10.17851/2358-9787.29.3.244-259

Abstract:
Resumo: A presença do negro no cenário literário brasileiro vem se tornando mais visível nas últimas décadas. Embora no passado esse protagonismo tenha sido mais tímido, principalmente quando se trata da mulher negra, essa presença hoje é bastante expressiva. Carolina Maria de Jesus, apesar do preconceito e da discriminação, é uma das muitas escritoras afrodescendentes que conseguiu destaque no meio literário. Através de sua escrita, mostrou a situação de pobreza, de miséria e de exclusão que sofreu durante sua vida. Dessa forma, o presente artigo objetiva analisar a obra Diário de Bitita (1986), enfocando aspectos como a negritude e o pertencimento. De forma específica, buscou-se entender como a questão racial e a ideia de pertencimento são abordadas na referida obra, além de discutir como Carolina de Jesus lidava com essas questões na sua infância e adolescência. Para tanto, buscou-se como auxílio os aportes teóricos de Cixous (2017), Fanon (2008), Hall (2005), entre outros. Observou-se, através desta análise, que a escrita de Carolina Maria de Jesus é um instrumento utilizado pela escritora para denunciar a situação dos pobres e, principalmente dos negros, diante de uma sociedade dominada por uma concepção eurocêntrica que privilegia os brancos em detrimento dos negros. Diante do preconceito, da discriminação e da exclusão vivenciados por Bitita, muitas vezes ela desejava ter a pele branca para assim poder usufruir dos mesmos direitos de que dispunham os brancos.Palavras-chave: escrita; negritude; pertencimento; Diário de Bitita. The presence of blacks in the Brazilian literary scene has become more visible in recent decades. Although in the past this main role was more timid, especially when it comes to black women, this presence today is quite expressive. Carolina Maria de Jesus, despite of prejudice and discrimination, is one of the many Afro-descendant writers who had achieved prominence in the literary medium. Through her writing, she showed the situation of poverty, misery and exclusion she suffered during her life. Thus, this article aims to analyze the work Diário de Bitita (Bitita’s Diary, 1986), focusing on aspects such as blackness and belonging. More specifically, we sought to understand how the racial issue and the idea of belonging are addressed in the referred work, in addition to discussing how the author dealt with these issues in her childhood and adolescence. Therefore, support was sought in the theoretical contributions of Cixous (2017), Fanon (2008), Hall (2005), among others. It was observed that Carolina Maria de Jesus uses her writing as an instrument to denounce the situation of poor and, especially of black people, in the face of a society dominated by an Eurocentric conception that privileges whites over blacks. Facing the prejudice, discrimination and exclusion experienced by Bitita, she often wished to have white skin to enjoy the same rights as white people.Keywords: writing; blackness; belonging; Diário de Bitita.
Karine Mathias Döll
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 208-226; doi:10.17851/2358-9787.29.3.208-226

Abstract:
Resumo: O presente artigo tem como objetivo propor uma leitura do romance Desesterro (2015), escrito pela autora paulista Sheyla Smanioto, a partir de textos teóricos sobre literatura marginal, identidades marginais e subalternidade. Esta leitura parte da compreensão de que o texto de Smanioto incorpora processos de subjetivação das personagens que não são comumente tratados em textos literários e que vão além da questão da fome, da violência e da miséria em contextos de vulnerabilidade e exclusão social, ainda que passem também por tais questões. Desse modo, a fim de melhor refletir sobre a problemática apresentada, serão mobilizados os trabalhos de Spivak (2010), Dalcastagnè (2012) e Nascimento (2009) para pensar as implicações da subalternidade e identidades marginais, bem como as discussões de bell hooks (2015) e Michel Foucault (2004, 2008) sobre a produção de identidades e os processos de subjetivação e objetificação.Palavras-chave: literatura marginal; modos de subjetivação; literatura brasileira; Sheyla Smanioto. This article aims to propose a reading of the novel Desesterro (2015), written by Sheyla Smanioto, born in São Paulo. Supported by theoretical texts about marginal literature, marginal identities and subalternity, the reading starts from the understanding that Smanioto’s text incorporates subjectivation processes. Those processes deal with characters differently from most literary texts, since they go beyond the issue of hunger, violence and misery in contexts of social exclusion, even if such issues are also discussed. Thus, to better reflect on the problem presented, the works of Spivak (2010), Dalcastagnè (2012) and Nascimento (2009) are mobilized to think about the implications of subalternity and marginal identities, as well as the discussions of Michel Foucault (2004, 2008) and bell hooks (2015) about the production of identities and the processes of subjectivation and objectification.Keywords: marginal literature; modes of subjectivation; Brazilian literature; Sheyla Smanioto.
Fábio Figueiredo Camargo
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 235-251; doi:10.17851/2358-9787.29.2.235-251

Abstract:
Resumo: O presente artigo analisa o romance Mundos mortos, de Octávio de Faria, publicado em 1937, rotulado pela crítica como literatura intimista, abordando personagens adolescentes e seus dilemas sobre sexualidade em torno de um local de homossociabilidade, o colégio de padres católicos. O que chama atenção na produção desse autor, e está expresso nos textos ficcionais, nos dilemas de seus personagens, em seu diário e em suas correspondências, é o conflito constante entre o fato deste ser católico fervoroso e, ao mesmo tempo, haver a presença marcante de um homoerotismo, o qual está diretamente ligado à produção dos corpos dos personagens. Esses corpos dóceis, ou rebeldes, estranhos, diferentes colocam-se em posições negativas com relação ao padrão heteronormativo de seu tempo, deparando-se com os sentimentos de culpa e vergonha constantes, instituídos pelo catolicismo. Analisa-se de que modo o escritor representou o corpo diante dos dogmas católicos, a representação da homossexualidade e como isso transparece em seu romance, lançando mão de teóricos como Eve Kosofski Sedgwick, Michel Foucault e Judith Butler.Palavras-chave: literatura brasileira; Octávio de Faria; corpo; homoerotismo; catolicismo. This article analyzes Octávio de Faria’s novel Mundos mortos, published in 1937, critically labeled as intimate literature, about adolescent characters and their dilemmas around sexuality at a homosocial place, the college of Catholic priests. What draws attention in this author’s production, and is expressed in the fictional texts, the dilemmas of his characters, his diary and his correspondences, is the constant conflict between him being a fervent Catholic and, at the same time, having the presence striking feature of homoerotism, which is directly linked to the production of the bodies of the characters. These docile, or rebellious, strange, different bodies put themselves in negative positions with respect to the heteronormative pattern of their time, encountering the constant feelings of guilt and shame instituted by Catholicism. Analyzes how the writer represented the body in the face of Catholic dogma, the representation of homosexuality, and how this shows in his novel, using theorists such as Eve Kosofski Sedgwick, Michel Foucault and Judith Butler.Keywords: Brazilian literature; Octávio de Faria; body; homoeroticism; catholicism.
Cristiano De Sales, Jordana Silva Matos
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 183-209; doi:10.17851/2358-9787.29.2.183-209

Abstract:
Resumo: O texto propõe uma leitura do poema “A máquina do mundo”, de Carlos Drummond de Andrade, que demonstra como o homem moderno só pode fazer diferença no mundo se assumir o devir (que entendemos a partir de Nietzsche) e ocupar os instantes de incertezas que o confrontam na estrada pedregosa que é, a rigor, a vida. E, como obra de arte que é, a experiência estética que o poema provoca conduz o leitor não apenas à compreensão do que seja um niilismo moderno, mas, antes, esgarça as hesitações e os limites da própria filosofia que se julga capaz de explicar as contradições do mundo.Palavras-chave: Carlos Drummond de Andrade; A máquina do mundo; incerteza; niilismo; moderno. This text proposes a close reading of the poem “A máquina do mundo”, by Carlos Drummond de Andrade, showing that the modern man can only makes a difference in the world, if he takes over the devir (according Nietzsche) and occupies the moments of uncertainties, which he face on the stony road that is, strictly speaking, life. And, as a work of art on its own, the aesthetic experience that the poem produces leads the reader to the comprehension of modern nihilism, as well as pulls on the hesitations and the limitations of philosophy itself, considering capability of explaining the contradiction of the world.Keywords: Carlos Drummond de Andrade; A máquina do mundo; uncertainties, nihilism; modern.
Ana Porrúa, Gusavo Silveira Ribeiro, Marcos Siscar
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 6-7; doi:10.17851/2358-9787.29.2.6-7

O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 116-138; doi:10.17851/2358-9787.29.2.116-138

Abstract:
Resumo: Em 1950, João Cabral de Melo Neto e o poeta português Alberto Serpa publicaram a revista de poesia O cavalo de todas as cores, que teve um único número. O interesse por essa revista parecia residir, sobretudo, em ter sido ela um empreendimento editorial envolvendo um dos maiores poetas brasileiros de todos os tempos. Entretanto, a correspondência trocada entre os dois editores, tratando centralmente da organização da revista, talvez redimensione a importância dessa publicação, sobretudo, no conjunto da obra de Cabral. Propõe-se acompanhar, a partir dessa correspondência, o processo de organização de O cavalo de todas as cores, contemplando as escolhas dos editores e o que elas revelam sobre o modo como cada um lidou com sua contemporaneidade política.Palavras-chave: João Cabral de Melo Neto; Alberto de Serpa; correspondência; revista O cavalo de todas as cores. In 1950, João Cabral de Melo Neto and the Portuguese poet Alberto Serpa, published the poetry magazine O cavalo de todas as cores, which had only a single edition. The interest in this magazine seemed to reside, above all, in being an editorial enterprise involving one of the greatest Brazilian poets of all time. However, the correspondence exchanged between the two editors, treating centrally of the organization of the magazine, can maybe re-dimension the importance of this publication, above all in Cabral’s body of work. We propose to follow, from that correspondence, the process of organization of O cavalo de todas as cores, contemplating the editors’ choices and what they reveal about the way each of them dealt with their political contemporaneity.Keywords: João Cabral de Melo Neto; Alberto de Serpa; correspondence; magazine O cavalo de todas as cores.
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 210-234; doi:10.17851/2358-9787.29.2.210-234

Abstract:
Resumo: Tencionamos, neste artigo, demonstrar que o afeto nostálgico é basilar na composição da forma/conteúdo de Angústia (2011), de Graciliano Ramos. A fim de examinarmos a edificação de tal sentimento no romance em questão, investigamos como a forma/conteúdo de Angústia constrói tensões ontológicas provenientes dos afetos da profunda tristeza. Para isso, fazemos uso tanto de textos críticos sobre essa narrativa, como os de Luís Bueno (2015), Rui Mourão (1971), Lúcia Helena Carvalho (1983) etc, quanto de estudos que embasam historicamente a construção do afeto nostálgico, e suas relações com a melancolia, por meio, especialmente, d’A tinta da melancolia (2015), de Jean Starobinki, A política da nostalgia, de Marcos Piason Natali (2006) e “A potência estética da nostalgia”, de André Antônio Barbosa (2019). A nossa exegese mostrou que a figuração da inadaptabilidade de Luís da Silva, erigida, entre outros recursos, pelo incessante vai-e-vem temporal do discurso, não é fruto tão somente de conflitos históricos; ela deriva, também, da representação dos conflitos psicológicos, altamente subjetivos, alimentados pelo grave sentimento nostálgico, alicerçando o trágico mal-estar do protagonista.Palavras-chave: Angústia; Graciliano Ramos; narrativa; nostalgia; inadaptabilidade. We aim, in this article, to demonstrate that the nostalgic affect is fundamental on the form/content construction of Graciliano Ramos’ novel called Anguish. In order to examine the edification of this feeling on this book, we have investigated how the form/content of Anguish constructs ontological tensions originated from the affects of deep sadness. In order to achieve this objective, we have used critical essays about this narrative, such as the ones written by Luís Bueno (2015), Rui Mourão (1971), Lúcia Helena Carvalho (1983) etc, and studies that lay the historical foundation on the nostalgic affect, and its relations with the melancholy, via, especially, A tinta da melancholia (2015), by Jean Starobinski, A política da nostalgia, by Marcos Piason Natali (2006) and “A potência estética da nostalgia”, by André Antônio Barbosa (2019). Our exegesis has showed that the figuration Luís da Silva’s sense of unbelonging, constructed through an incessant temporal movement of the speech, is not only the outcome of historical conflicts; it also derives from the representation of psychological conflicts, highly subjectives, powered by a major nostalgic feeling, building the tragical malaise of the protagonist.Keywords: Anguish; Graciliano Ramos; narrative; nostalgia; unbelonging.
José Roberto Araujo De Godoy
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 59-77; doi:10.17851/2358-9787.29.2.59-77

Abstract:
Resumo: O presente artigo pretende investigar a influência do poeta e engenheiro calculista Joaquim Cardozo na obra de João Cabral de Melo Neto, reconstituindo o percurso dessa relação iniciada no Recife, no final dos anos 1930, e seus desdobramentos ao longo de mais de quatro décadas na produção cabralina. Espelhamentos e antagonismos serão ainda cotejados a partir da análise de poemas de ambos os poetas, em especial o modo como Cabral passa a articular elementos memorialísticos, representações do Recife e referências a Joaquim Cardozo em sua poética a partir de O engenheiro (1945).Palavras-chave: João Cabral de Melo Neto; Joaquim Cardozo; Recife; Poesia Brasileira. This article searches to investigate the influence of the poet and engineer Joaquim Cardozo on João Cabral de Melo Neto’s work, rebuilding the course of this relationship that had begun in Recife, in the late 1930s, outspread along more than four decades in Cabral’s career. Correspondences and differences will be present in the analysis of poems of both writers, especially in the way that Cabral articulates memories, representations of Recife and references to Joaquim Cardozo in his poetics since O engenheiro (1945).Keywords: João Cabral de Melo Neto; Joaquim Cardozo; Recife; Brazilian poetry.
Maurício Ayer, Eduardo Dimitrov
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 94-115; doi:10.17851/2358-9787.29.2.94-115

Abstract:
Resumo: A cachaça está presente ao longo de toda a obra poética de João Cabral de Melo Neto, desde O engenheiro até Sevilha andando. Embora não chegue a constituir uma tópica, ao dirigir nossa atenção para o motivo da cachaça é possível descobrir elementos reveladores de uma clivagem específica na poesia cabralina, proporcionando novas leituras de obras importantes, em particular, Morte e Vida Severina. A presença da cachaça, pelo campo conotativo que mobiliza a cada momento, traz ênfase para um viés da personalidade poética de João Cabral que está a contrapelo de sua marca dominante, como poeta racionalista, antilírico, impessoal. Ao contrário disso, a cachaça parece estar geralmente associada a um relaxamento do controle intelectual do fazer poético e uma maior permissividade para que os elementos biográficos e afetivos se introduzam em seus versos. Neste contexto, haverá interesse em revisitar o ensaio de Benedito Nunes (1974), onde o elemento da destilação ganha destaque. Finalmente, veremos que a afetividade dá relevo a uma amizade de especial importância para João Cabral.Palavras-chave: cachaça na literatura brasileira; afetividade; cultura em Pernambuco; João Cabral de Melo Neto. Cachaça (a Brazilian sugarcane brandy) is present throughout João Cabral de Melo Neto’s poetic work, from one of his first books, O Engenheiro, to one of the last ones, Sevilha Andando. The motif of the cachaça enables us to highlight elements that reveal a specific cleavage in João Cabral’s poetry, providing new readings of important works, particularly the drama Morte e Vida Severina. In João Cabral’s work, cachaça mobilizes a specific connotative field, which emphasizes a bias of his poetic personality that is opposed to his dominant mark, as a rationalist, non-lyric, impersonal poet. On the contrary, cachaça seems to be generally associated with a relaxation of the intellectual control of the poetic writing and a greater permissiveness for the biographical and affective elements to be introduced into the verses. In this context, it is interesting to revisit Benedito Nunes’ essay on João Cabral’s work (1974), in which the distillation element plays an important role. Finally, we will see that the presence of affection is related to a friend of a great importance in João Cabral’s trajectory.Keywords: cachaça in Brazilian literature; affectivity; culture in Pernambuco; João Cabral de Melo Neto.
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 37-58; doi:10.17851/2358-9787.29.2.37-58

Abstract:
Resumo: João Cabral de Melo Neto tematizou a morte em muitos de seus poemas, além do conhecido Morte e vida severina. É notória a presença de poemas sobre a morte individual de artistas e toureiros; a morte coletiva fortemente ligada à exploração do indivíduo na sociedade latifundiária do nordeste brasileiro; a morte conceitual, de veio metapoético, encontrada na seção “A indesejada das gentes”, da obra Agrestes. No âmbito dos muitos poemas que tematizam a morte, encontram-se aqueles que apresentam a imagem do cemitério como espaço significativo para a compreensão dos discursos sobre a recorrente indigência nordestina. Este trabalho pretende compreender o modo de problematização da imagem cemiterial do nordeste do Brasil e as estratégias poéticas empregadas para dar a ver os cemitérios e seus alicerces sustentados em fortes desigualdades sociais. Para isso, propõe-se o estudo de um mecanismo de composição poética baseado na “discussão de imagens”, conforme o próprio Cabral o nomeou, e entendido por Benedito Nunes (1971, p. 109) como “textura prismática da composição”. De acordo com este procedimento, o ato compositivo de João Cabral envolveria seleção e desdobramento de uma imagem em várias outras formas e imagens, objetivando acréscimo de perspectivas, maior clareza, concreção e profundidade significativa da linguagem. Espera-se, após estudo da imagem dos cemitérios nordestinos, fundamentar a hipótese de que Cabral, na prática de retomadas de temas e imagens, apresenta um projeto poético de denúncia das formas de fortalecimento da indústria da seca no nordeste do Brasil.Palavras-chave: poesia brasileira; João Cabral de Melo Neto; cemitérios; discussão de imagem. João Cabral de Melo Neto thematized death in many of his poems, besides the very well-known one Death and life of Severino. It is notorious the presence of poems about the individual death of artists and bullfighters; the collective death strongly connected to the individual’s exploitation on the landowning society on Brazilian northeast; the conceptual death, metapoetical based, is found on the “A indesejada das gentes” section, in the book Agrestes. Within the context of many poems that thematize death, it is found the ones that present the cemetery image as a significant space in order to comprehend the speeches concerning the recurrent northeastern neediness. This paper intends to understand the way in which the Brazilian northeast cemiterial image is problematized and the poetical strategies employed to exhibit the cemetery and its foundation sustained on an intense social inequality. For this purpose, it is proposed to study a poetical composition mechanism based on the “discussion of images”, as João Cabral named himself and Benedito Nunes understood as a “prismatic texture of composition”. According to this procedure, João Cabral’s compositive act would involve the selection and the unfolding of an image on several other forms and images, objecting an addition of perspectives, more clarity, significant concretion and depth of the language. It is hoped, after the study of the northeast cemeteries image, to base the hypothesis in which Cabral, retaking themes and images, presents a denunciative poetical project regarding the strengthening forms of the draught industry on the Brazilian northeast.Keywords: Brazilian poetry; João Cabral de Melo Neto; cemeteries; discussion of images.
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 9-36; doi:10.17851/2358-9787.29.2.9-36

Abstract:
Resumo: Este artigo aborda a meditação sobre o tempo implicada no projeto poético de João Cabral de Melo Neto. Partindo de algumas considerações teóricas do próprio poeta, propõe-se uma análise de sua obra, enfatizando as mudanças na formulação do embate entre o anseio de permanência de sua poética mineral e os efeitos transformadores da passagem do tempo. Se é verdade que, em poemas como “Pequena ode mineral”, a racionalidade construtiva aspira a uma forma absolutamente estável que se daria “fora do tempo”, este artigo pretende demonstrar que, em outros momentos, a poesia de Cabral parece problematizar internamente essa estabilidade, colocando à prova seus próprios pressupostos estéticos.Palavras-chave: João Cabral de Melo Neto; poesia moderna; tempo. This article discusses the reflection on time involved in João Cabral de Melo Neto’s poetic project. Considering some of author’s theorical ideas, the article proposes an analysis of his work, emphasizing changes in the struggle between the mineral immobility of his poetics and the transformative effects of the passage of time. While it is true that constructive rationality aspires to an absolutely stable form in which would be fora do tempo [“out of time”] in poems as “Pequena ode mineral”, this article pretends prove that, in other instances, Cabral’s poetry seems enquire internally this stability, testing its own aesthetical postulates.Keywords: João Cabral de Melo Neto; modern poetry; time.
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 252-273; doi:10.17851/2358-9787.29.2.252-273

Abstract:
Resumo: Este artigo analisa o livro O sol na cabeça, de Geovani Martins, a partir da renovada perspectiva temática sobre o morro – a favela – efetuada pelo escritor ao abandonar a visão estereotipada do favelado que por muito tempo esteve presente na literatura brasileira. Em seu projeto de escrita, Martins se apropria da oralidade dos moradores do morro para desconstruir e descentrar a palavra literária, inserindo-a em uma nova sintaxe, única e inaugural, que, consequentemente, exige do leitor um novo pacto de leitura, mais agressivo e participativo. Com base nesse pacto de leitura, este artigo será dividido em três momentos: o estudo do descentramento da palavra literária, a diferença entre sociedade e comunidade e, por último, a questão do outro enquanto diferença, e não semelhança.Palavras-chave: literatura do morro; sociedade periférica; Geovani Martins. This paper analyzes Geovani Martins’s work The sun on my head, from a renewed thematic perspective on the slum – the so called favela – performed by the writer when leaving aside a stereotyped view of the slum-dweller that for a long time has been part of Brazilian literature. On his writing project, Martins takes possession of the slum-dweller’s speech in order to break down and decentralize the literary word, inserting it in a new syntax, unique and inaugural, that, consequently, demands a new reading pact from the reader. A more aggressive and participative pact. Based on this reading pact, the paper is divided into three moments: the study of the literary word decentralization, the difference between society and community and, at last, the issue of the other as difference, not as similarity.Keywords: slum’s literature; peripheral society; Geovani Martins.
Edneia Rodrigues Ribeiro
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 159-181; doi:10.17851/2358-9787.29.2.159-181

Abstract:
Resumo: O décimo quarto livro de João Cabral é apresentado no seu primeiro poema – “O museu de tudo” – como algo propenso à ambiguidade. De modo irônico, o sujeito poético o situa em duas pontas contrárias: tanto pode ser um caixão de lixo quanto um arquivo. O aspecto ambíguo desse “poema-apresentação” perpassa o conjunto de 80 poemas que integram Museu de tudo (1975), livro a que tanto o seu autor quanto a crítica especializada definem como mais propenso ao circunstancial, embora também o relacionem ao exercício da poesia crítica. A partir da dualidade sugerida pela metáfora do Museu cabralino como um espaço onde se guardam preciosismos estéticos e rejeitos de menor valia, ao mesmo tempo, este trabalho pretende apontar como princípios poéticos aparentemente díspares – poesia crítica e poemas de circunstâncias – configuram-se como aspectos basilares de Museu de tudo.Palavras-chave: Poéticas da modernidade; João Cabral de Melo Neto; Museu de tudo; poesia de circunstância; poesia crítica. The first poem of João Cabral de Melo Neto’s fourteenth book – “The museum of everything” (O museu de tudo, in the original) – presents itself as something prone to ambiguity. Ironically, the poetic persona places it on two opposite ends: it can be either a box of trash or an archive. The ambiguous aspect of this “presentation poem” permeates the set of 80 poems that integrates Museu de tudo (1975), a book that both its author and the specialized critic define as more prone to circumstantial poetry, although they also relate it to the exercise of critical poetry. Based on the tension suggested by the metaphor of De Melo Neto’s Museum as a space where aesthetic treasures and less valuable waste are kept, at the same time, this work aims at demonstrating how apparently disparate poetic principles – critical poetry and poems of circumstances – are assembled as the cornerstones of the Museu de tudo.Keywords: Poetics of modernity; João Cabral de Melo Neto; Museum of everything; occasional verse; critical poetry.
Laíse Ribas Bastos, Maria Lucia De Barros Camargo
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 78-93; doi:10.17851/2358-9787.29.2.78-93

Abstract:
Resumo: O objetivo deste trabalho é apresentar um conjunto de cartas (inéditas) enviadas pelo poeta João Cabral de Melo Neto ao também poeta e editor Domingos Carvalho da Silva, procurando identificar e investigar as nuances e singularidades da perspectiva crítica em relação à então conhecida “Geração de 45”. A partir da conversa estabelecida entre os poetas nas cartas, e tendo em vista, portanto, a leitura e análise da correspondência passiva de Domingos Carvalho da Silva, em um período que abrange o final da década de 1940 até a década de 1960, é possível verificar a configuração de uma história paralela à já conhecida em torno dos “poetas de 45”, e perpassar todo esse período, ressignificá-lo na perspectiva de um pensamento que se faz, também, com a poesia.Palavras-chave: Poesia brasileira; geração de 45; correspondência; João Cabral de Melo Neto; Domingos Carvalho da Silva. The aim of this paper is to present a set of unpublished letters sent by the poet João Cabral de Melo Neto to the poet, editor and critic Domingos Carvalho da Silva, seeking to identify and investigate the nuances and singularities of the critical perspective in relation to the then-known “Generation of 1945”. Based on the conversation established between the poets in the letters, and in view, therefore, of the reading and analysis of the passive correspondence of Domingos Carvalho da Silva, in a period that covers the late 1940s until the 1960s, it is possible to verify the configuration of a parallel story to that already known around the “poets of 45”, and to go through this whole period, to re-signify it from the perspective of a thought that is also made with poetry.Keywords: Brazilian poetry; generation of 1945; correspondence; João Cabral de Melo Neto; Domingos Carvalho da Silva.
Éverton Barbosa Correia
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 139-158; doi:10.17851/2358-9787.29.2.139-158

Abstract:
Resumo: Em 1987, quando foi publicada a coleção de poemas de João Cabral de Melo Neto intitulada Crime na Calle Relator, “A sevilhana que não se sabia” era o segundo na ordem de exposição, logo após o poema homônimo ao livro. Aquele poema foi reproduzido como o primeiro da coleção seguinte do autor, intitulada Sevilha andando (1989), ao passo que deixou de figurar nas reedições do livro em que constara de início. Assim, o poema que era de um livro passou a compor outro, exclusivamente, por iniciativa do próprio autor, para quem importava a constituição do artefato estético que o livro vem a ser. Este traço diferencial na trajetória do autor incide retrospectivamente sobre toda sua obra, a partir desse evento marcante que interfere na compreensão do que constitui um livro, seja sua publicação ou a reunião de poemas que demanda uma apreciação particularizada, de caso a caso, dos poemas entrelaçados entre si. Acompanhando a repercussão do poema no contexto da obra poética em pauta, será feito um cotejo entre as edições disponíveis dos volumes implicados para se chegar a uma compreensão mais palpável do poema, perspectivado ao longo daquela produção poética.Palavras-chave: poesia brasileira moderna; João Cabral de Melo Neto; estilo; editoração. In 1987, when the João Cabral de Melo Neto’s collection of poems was published under the title of Crime in Calle Relator (1987), “A sevilhana que não se sabia” was the second in the order of exhibition, shortly after the poem of the same name to the book. That poem was reproduced as the first of the author’s next collection, titled Sevilha andando (1989), while it ceased to appear in the reissues of the book in which it was initially listed. Thus, the poem that was from one book began to compose another, exclusively, at the initiative of the author himself, for whom it mattered the constitution of the aesthetic artifact that the book comes to be. This differential trait in the author’s trajectory focuses retrospectively on all his work, from this remarkable event that interferes with the understanding of what constitutes a book, be it its publication or the meeting of poems that demands an appreciation particularized, on a case-by-case basis, of the poems intertwined with each other. Following the repercussion of the poem in the context of the poetic work, it will be made a comparison between the available editions of the volumes involved, to reach a more palpable understanding of the poem, perspectived throughout that poetic production.Keywords: modern Brazilian poetry; João Cabral de Melo Neto; style; publishing.
Viviane Aparecida Pandolfo Debortolli , Gérson Luís Werlang
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 255-274; doi:10.17851/2358-9787.29.1.255-274

Abstract:
Resumo: Este artigo se propõe a verificar os elementos constitutivos da paisagem sonora do conto “O poncho”, de Charles Kiefer. A presença da música, dos ventos, de sons naturais e não naturais se alinham ao clima da narrativa e compõe o cerne em que se desenvolve a narrativa. Neste conto, a paisagem sonora tem papel determinante no desenvolver do enredo, visto que influencia as ações do personagem. Levando-se em consideração as diferentes possibilidades de eixos de análise que o texto literário permite, pretende-se evidenciar a paisagem sonora como um elemento da narrativa por meio da presença dos sons na obra selecionada, e, através disso, demonstrar de que forma eles são relevantes na construção do enredo.Palavras-chave: paisagem sonora; clima; narrativa. This paper aims to verifying the constitutive elements of the soundscape of Charles Kiefer’s short story “O poncho”. The presence of music, winds, natural and unnatural sounds align to the state of affairs and form the essence in which the narrative is developed. In this tale, the soundscape plays a decisive role in the development of the plot, since it influences the actions of the main character. Considering the different possibilities of analysis that the literary text allows, we intend to highlight the soundscape as an element of the narrative through the presence of the sounds in the selected work, and consequently to demonstrate the way they are relevant in the construction of the plot.Keywords: soundscape; state of affairs; narrative.
Nelson Eliezer Ferreira Júnior
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 86-102; doi:10.17851/2358-9787.29.1.86-102

Abstract:
Resumo: Esse artigo tem como objetivo o estudo das marcas da virilidade nos contos “Fevereiro ou março”, “A força humana” e “O desempenho”, de Rubem Fonseca, publicados nos três primeiros livros de contos do autor, na década de 1960. Na análise dessa trilogia, recorreu-se a teóricos sobre masculinidade e virilidade, tais como Bourdieu (1999), Machado (2004) e Courtine (2013), para investigar como esses aspectos estão presentes nas narrativas. Constatou-se que, nos contos, os signos de virilidade estão atrelados a processos de identificação, estilização e crenças, estando todos impregnados por marcas de ironia constituídas pelo paradoxo potência/impotência, especialmente no âmbito do protagonista. Ao final, conclui-se que a abordagem de obra de Rubem Fonseca sob essa perspectiva tem se mostrado promissora e que a discussão acadêmica da virilidade é uma necessidade política na atualidade.Palavras-chave: Rubem Fonseca; conto; virilidade; fragilidade. This article aims to study the signals of virility in Rubem Fonseca’s short stories “A revista ou a força”, “A força humana” and “O desempenho”, published in the first three short story books of the author, in the 1960s. For the analysis of this trilogy, theorists on masculinity and virility, such as Bourdieu (1999), Machado (2004) and Courtine (2013), were used to investigate how these aspects are present in the narratives. It was observed that, in the short stories, the signs of virility are linked to processes of identification, stylization and beliefs, all of them being impregnated by ironic marks constituted by the potency/ impotence paradox, especially in the scope of the protagonist. In the end, it was concluded that the approach of Rubem Fonseca’s work from this perspective has been promising and that the academic discussion of virility is a political necessity at the present time.Keywords: Rubem Fonseca; short story; virility; fragility.
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 199-217; doi:10.17851/2358-9787.29.1.199-217

Abstract:
Resumo: O artigo analisa de modo comparativo o romance Vidas secas, de Graciliano Ramos, e o ensaio de interpretação social Os sertões, de Euclides da Cunha. Através da comparação das estratégias compositivas e narrativas presentes nos dois livros, como o “narrador sincero” de Os sertões e o uso do indireto livre em Vidas secas, o artigo mostra aproximações e diferenças entre os dois clássicos brasileiros. Também são comparadas as perspectivas intelectuais que orientam o romance e o ensaio, no cientificismo de Euclides da Cunha e na perspectiva sociologicamente crítica adotada por Graciliano Ramos. O artigo ressalta as diferenças também na perspectiva social dos autores, através da análise da representação da violência institucional do Estado nas duas obras. As análises foram realizadas com o apoio de discussões presentes em Willi Bolle, Luís Bueno, Antonio Candido, Miriam Gárate e Luiz Costa Lima, entre outros.Palavras-chave: Vidas secas; Os sertões; ensaio de interpretação social; narrador sincero; indireto livre. The article compares Graciliano Ramos’ novel Vidas secas and Euclides da Cunha’s essay on social interpretation Os sertões. By comparing the compositional strategies and the narratives present in both books, such as “the sincere narrator” in Os sertões and the use of free indirect speech in Vidas secas, the article shows approximations and differences between the two Brazilian classic works. The intellectual perspectives that guide the novel and the essay are also compared, analysing Euclides da Cunha’s scientificism and in the sociologically critical perspective adopted by Graciliano Ramos. The article also highlights the differences in the social perspective of the authors, analysing the representation of the institutional violence performed by the State in both works. The present analysis took as theoretical background the works by Willi Bolle, Luis Bueno, Antonio Candido, Miriam Gárate and Luiz Costa Lima.Keywords: Vidas secas; Os sertões; social interpretation essay; sincere narrator; free indirect speech.
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 7-32; doi:10.17851/2358-9787.29.1.7-32

Abstract:
Resumo: Trata-se de apresentar a questão ético-política que o problema da alteridade animal coloca através de uma articulação entre filosofia e literatura. Para tanto, primeiramente exponho uma leitura parcial sobre as diversas conferências dadas por Jacques Derrida em torno do assunto. Conferências essas reunidas sobre o título “O animal que logo sou”, verdadeiro ensaio para uma filosofia futura capaz de (re)escrever a animalidade a partir da tradição filosófica. Nesta releitura, proponho que o principal resultado do texto derridiano é uma recolocação da questão ética da violência sobre o outro, assim como uma reflexão política sobre o caráter antropocêntrico da modernidade. Feito isso, passo para uma análise de um conto de Clarice Lispector intitulado “O crime do professor de matemática”. Conto que compõe a coletânea Laços de Família e que consiste em um agudo relato sobre a relação entre o homem e o animal. Mais do que um simples exercício de exemplificação, trata-se de pensar com a literatura um tema que, historicamente, fora enclausurado pelo discurso filosófico no dualismo próprio ao que Derrida chama de “tradição do cogito”.Palavras-chaves: Derrida; Lispector; animal studies; humanismo; desconstrução. It is a matter of presenting, through an articulation between philosophy and literature, the ethical-political question that the problem of animal alterity poses. For this, I first present a partial reading on the various lectures given by Jacques Derrida on the subject. Conferences that have been assembled on the title “The Animal that therefore I am “, a true essay for a future philosophy capable of (re) writing animality from its own tradition. In this rereading, I propose that the main result of the Derridian text is a replacement of the ethical question of violence over the other, as well as a political reflection on the anthropocentric character of modernity. Having done that, I turn to an analysis of a short story by Clarice Lispector entitled “O crime do professor de matemática”. Short story which consists of an acute report on the relationship between man and animal. More than a simple exercise of exemplification, it is a matter of thinking with literature a theme that has historically been cloistered by philosophical discourse in the binarism proper to what Derrida calls the “cogito tradition.”Keywords: Derrida; Lispector; animal studies; humanism; desconstruction.
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 117-130; doi:10.17851/2358-9787.29.1.117-130

Abstract:
Resumo: O artigo indaga a literatura de João Gilberto Noll a partir de uma dinâmica entre as figuras do vazio e da evasão, que permeiam alguns dos principais debates em torno da literatura do autor desde os anos 1980, de Silviano Santiago a Reinaldo Laddaga, mas que se procura reinterpretar a partir de um diálogo com o pensamento de Jacques Rancière e Georges Didi-Huberman, assim como da leitura que Deleuze e Guattari realizam da obra de Kafka. Nesse sentido, analisa-se a maneira como três das principais chaves de leitura da obra de Noll – corpo, voz e território – se articulam e desarticulam por meio de um sintoma específico, o de orfandade, que expõe seus primeiros sinais, não por acaso, no conto inaugural do autor, “Alguma coisa urgentemente”.Palavras-chave: evasão; letra órfã; animalidade; abandono; João Gilberto Noll. The article investigates João Gilberto Noll’s literature from an identified dynamics between the figures of emptiness and evasion, which permeate some of the main debates around the author’s works since the 1980s, from Silviano Santiago to Reinaldo Laddaga. This article however seeks to propose a reinterpretation of this issue in a dialogue with Jacques Rancière and Georges Didi-Huberman, as well as Deleuze and Guattari’s reading of Kafka’s work. The paper then analyzes the way in which three of the main keys to Noll’s work - body, voice and territory - are articulated and disarticulated through a specific symptom: the orphanage, which exposes its early traces in the author’s opening tale, “Something urgently”.Keywords: evasion; orphan letter; animality; abandonment; João Gilberto Noll.
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 131-154; doi:10.17851/2358-9787.29.1.131-154

Abstract:
Resumo: O presente artigo procura destacar a contribuição de Amar, verbo intransitivo para o projeto de compreensão da realidade brasileira de Mário de Andrade. Numa ótica que vai além da intentio específica da obra, a reflexão sugere se adoperar das Considerações Intempestivas de Nietzsche como chave hermenêutica para compreender uma faceta da sátira que se dirige à burguesia paulistana da época. O cotejamento de dois textos tão distantes ressalta o caráter medíocre da protagonista alemã, criando um paradoxo com a atitude reverencial que as demais personagens lhe tributam. Sob esse enfoque, o idílio se aproxima dos temas mais explorados pelo autor através da apresentação de um imaginário partilhado pela burguesia, onde domina a devoção acrítica às formas culturais estrangeiras em detrimento das brasileiras. Ressalta, assim, a imagem tragicômica de uma classe dirigente ridícula, mas consciente de seu poder.Palavras-chave: Mário de Andrade; Amar, verbo intransitivo; Nietzsche; modernismo; burguesia. This article aims to stress the contribution of Amar, verbo intransitivo to Mário de Andrades’s comprehension of Brazilian culture. Beyond the specific intention of the novel, the suggestion is to use Nietzsche’s Unfashionable Observations as a hermeneutic tool to highlight the satire against the Brazilian bourgeoisie. The mediocre feature of the German protagonist revealed by the approximation of the two texts suggests a paradox with the other characters’ reverential attitude towards her, thus unveiling a controversial universe of values and paradigms and contributing to understand the novel’s significance in Andrade’s whole production. This uncritical devotion towards foreign cultural patterns gives a tragicomic image of a ridiculous but powerful middle class.Keywords: Mário de Andrade; Amar, verbo intransitivo; Nietzsche; modernism; middle class.
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 33-48; doi:10.17851/2358-9787.29.1.33-48

Abstract:
Resumo: O objetivo do presente artigo consiste na constituição de uma fortuna crítica da Revista Moderna, propriedade de Martinho Arruda Botelho, publicada em Paris para circulação no Brasil, entre os anos de 1897 e 1899. Trata-se de uma revista literária e de variedades, um magazine ilustrado produzido em papel couché, com aproximadamente 36 páginas, que possibilitou a circulação e difusão de textos de diversos autores, antes mesmo de terem sido impressos em livros, como no caso do conto “José Matias”, de Eça de Queirós. Para tanto, foram realizadas pesquisas nas fontes primárias que circularam no mesmo período em que a Moderna, além da busca por monografias, dissertações, teses, artigos e outros materiais que fizeram uso da referida revista como objeto de estudo ou fonte de dado. Com essas informações, foi construído um banco de dados valioso, o qual permitirá aos interessados em pesquisas com fontes primárias uma visão geral do que foi e continua sendo dito sobre a Revista Moderna.Palavras-chave: século XIX; Revista Moderna; fortuna crítica. The purpose of this article is to constitute a critical fortune of Revista Moderna, owned by Martinho Arruda Botelho, published in Paris for circulation in Brazil between the years 1897 and 1899. It is a literary and variety magazine, an illustrated magazine produced on paper couché, with approximately 36 pages, that allowed the circulation and diffusion of texts of several authors, even before they were printed in books, was the case of the short story “José Matias”, from Eça de Queirós. For this purpose, researches were carried out on the primary sources that circulated in the same period as Moderna, besides the search for monographs, dissertations, theses, articles and other materials that made use of the journal as an object of study or data source. With this information, a valuable database was built, which will enable those interested in primary source research to have an overview of what has been and is being said about Revista Moderna.Keywords: 19th century; Revista Moderna; critical fortune.
Alessandra Greyce Gaia Pamplona
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 49-65; doi:10.17851/2358-9787.29.1.49-65

Abstract:
Resumo: Este artigo objetiva apresentar a constituição intelectual de José Veríssimo Dias de Matos (1857-1916) a partir de um conjunto de textos publicados, mas que foram desconsiderados por ele e pela historiografia literária. Considera-se a bibliografia formada pela fortuna crítica e pelos próprios textos do escritor na análise, a qual demonstra que uma variedade de fatores interferiu para o apagamento de um perfil que, se não representava o ideal de crítica, foi decisivo para a entrada do autor no mundo das Letras oitocentistas. Esses documentos indicam que se o crítico foi canonizado pelo livro, foi na imprensa cotidiana que ele se consagrou.Palavras-chave: José Veríssimo; constituição intelectual; cânone. This article aims to present the intellectual constitution of José Veríssimo Dias de Matos (1857-1916) from a set of published texts scarcely known or deliberately suppressed by him and by the literary historiography. It is taken into account the bibliography constituted by the critical fortune and by the writer’s own texts to the analysis, which indicates that a variety of factors was the cause for the obliteration of a profile that did not represent the ideal of criticism. These documents indicate that if the critic was canonized by the book, it was in the daily press that he consecrated himself.Keywords: José Veríssimo; intellectual constitution; canon.
Flávia Amparo , Monica Gomes Da Silva
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 155-180; doi:10.17851/2358-9787.29.1.155-180

Abstract:
Resumo: Este artigo objetiva identificar e refletir sobre as estratégias discursivas utilizadas nos prefácios de obras que participam da consolidação do sistema literário brasileiro no século XIX: Primeiros cantos, Lira dos vinte anos, A moreninha e Ressurreição. Busca-se estudar as imagens construídas acerca do Leitor, do Autor e da Obra nos textos introdutórios de Gonçalves Dias, Álvares de Azevedo, Joaquim Manuel de Macedo e Machado de Assis. Parte-se da concepção de paratexto desenvolvida por Gérard Genette (2009) que destaca, especialmente, o aspecto intersticial do prefácio, além do cotejo com dois grandes modelos de prefácio para o Romantismo brasileiro: o Prólogo da Primeira Parte de O engenhoso fidalgo Dom Quixote de La Mancha, de Miguel de Cervantes, e Prefácio ao Cromwell, de Victor Hugo. Ao reafirmar a condição de antessala da obra literária, o prefácio é entendido como um limiar entre realidade e ficção que, para além da função circunstancial e pragmática de apresentação do texto, possibilita a criação de uma verdadeira mise-en-scène discursiva. Nesse sentido, aprecia-se como os autores brasileiros, num contexto literário julgado incipiente, constroem os princípios de um “como e por que ler” indispensáveis à formação de um público-leitor.Palavras-chave: paratexto; prefácio; Romantismo. This article seeks to identify and provoke reflections about the discursive strategies used in the prefaces of works that are part of the consolidation process of XIX century Brazilian literature: Primeiros cantos, Lira dos vinte anos, A moreninha and Ressurreição. The aim here is to study the images around the Reader, the Author and the Work within the forewords from Gonçalves Dias, Álvares de Azevedo, Joaquim Manuel de Macedo and Machado de Assis. The article parts from the concept of paratext developed by Gérard Genette (2009), which highlights the interstitial aspect of the preface, besides the comparison between two great preface models for the Brazilian Romanticism: the Prologue from the First Part of The Ingenious Knight Dom Quixote de La Mancha, by Miguel de Cervantes, and Preface to Cromwell, by Victor Hugo. While reaffirming a prelude status in the literary work, the preface is understood as a threshold between reality and fiction and enables the creation of a true discursive mise-en-scène, apart from working as circumstantial and pragmatic tool to present the text. In this regard, the way that Brazilian authors weave the principles of a “way and a reason to read” in a literary context considered incipient is very much appreciated and indispensable for the formation of a readership.Keywords: paratext; preface; Romanticism.
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 66-85; doi:10.17851/2358-9787.29.1.66-85

Abstract:
Resumo: O presente ensaio de filosofia pretende analisar o poema “Ser”, de Carlos Drummond de Andrade, à luz de algumas reflexões de ordem ontológica. Não partiremos da análise literária, mas tentaremos chegar a ela pelo impulso da própria reflexão filosófica, que se inicia na primeira parte com uma indagação muito próxima do estilo do segundo Heidegger, porém sem a preocupação de manter-se na ortodoxia heideggeriana; e que só se completa com a meditação sobre Drummond, cujo poema oferece não só oportunidade para pensar a questão do ser no limiar de certa concepção de temporalidade, como também se dá ele mesmo como uma forma possível desse pensamento do limite entre ser e tempo. Para tanto, mais que uma simples referência à noção freudiana de pulsão de morte parece surgir como uma exigência de primeira necessidade.Palavras-chave: acontecimento ontológico; forma esquizofrênica; poesia; Drummond. This philosophical essay intends to analyze the poem “Being”, by Carlos Drummond de Andrade, in the light of some ontological reflections. We will not start from the literary analysis, but we will try to arrive at it by the stream of the philosophical reflection itself, which begins in the first part with a question very close to the style of the second Heidegger, but without the concern of keeping in the Heideggerian orthodoxy; and which is only complete with meditation on Drummond, whose poem offers not only opportunity to think about the question of being on the threshold of a certain conception of temporality, but also gives itself as a possible form of that thought of the limit between being and time. For this, more than a simple reference to the Freudian notion of death drive seems to appear as a strong necessity.Keywords: ontological event; schizophrenic form; poetry; Drummond.
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 218-236; doi:10.17851/2358-9787.29.1.218-236

Abstract:
Resumo: Este artigo analisa textos e paratextos da literatura brasileira da década de 1920 a fim de caracterizá-la como um momento de transformações determinantes para a história do livro brasileiro. Observa-se no período um processo de nacionalização da produção livreira, em consonância com uma progressiva nacionalização da linguagem e dos temas. Com o crescimento significativo do número de editores brasileiros atuando na publicação de literatura, tornaram-se mais estreitos os vínculos entre diferentes agentes do processo de produção, venda e recepção de livros, propiciando, como consequência, formas novas de profissionalização dos intelectuais. Casos como o dos escritores-editores Benjamin Costallat e Monteiro Lobato são apresentados e analisados, de forma a tornar mais compreensíveis algumas das ações colocadas em prática por eles. Para que tal análise seja possível, é necessário atentar para elementos paratextuais (prefácios, epígrafes, capas) presentes em edições antigas dos livros estudados, além de documentos pessoais. Dentre os livros mencionados, estão Urupês (1918), de Lobato; Histórias e sonhos (1920), de Lima Barreto; Fim (1921), de Medeiros e Albuquerque; Mademoiselle Cinema (1923), de Costallat; e Amar, Verbo intransitivo (1927), de Mário de Andrade. A atividade editorial é aqui compreendida como uma ação essencialmente plural, que envolve diversos agentes, dentre os quais os próprios escritores, que estão incluídos entre os responsáveis não apenas pelo texto, mas também por aspectos da materialidade dos livros. O sistema literário brasileiro conquistava sua independência e maturidade, ao passo que, por meio de dispositivos textuais e editoriais, formava-se um novo tipo de leitor.Palavras-chave: história do livro; modernismo; editores. This article analyzes texts and paratexts of the Brazilian literature of the 1920s, in order to characterize it as a moment of decisive transformations in the history of the Brazilian book. In the period, one observes a process of nationalization of book production, in line with a progressive nationalization of language and themes. With the significant increase in the number of Brazilian publishers working in the publication of literature, the links between different agents of the process of production, sale and reception of books have become closer, consequently providing new forms of professionalization of intellectuals. Cases such as the ones of Benjamin Costallat and Monteiro Lobato are presented and analyzed in order to make more understandable their actions as writers-publishers. For such an analysis to be possible, it is necessary to pay attention to paratextual elements (prefaces, epigraphs, covers) present in old editions of the studied books, as well as personal documents. Among the books mentioned are Urupês (1918), by Lobato; Histórias e Sonhos (1920), by Lima Barreto; Fim (1921), by Medeiros and Albuquerque; Mademoiselle Cinema (1923), by Benjamin Costallat; and Amar verbo intransitivo (1927), by Mário de Andrade. Publishing activity is understood as an essentially plural action, involving several agents responsible not only for texts, but also for aspects of the materiality of the books. The Brazilian literary system gained its independence and maturity, whereas, through textual and editorial devices, a new type of reader was formed.Keywords: book history; modernism; publishers.
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 181-198; doi:10.17851/2358-9787.29.1.181-198

Abstract:
Resumo: Este artigo objetiva investigar o livro-objeto Poemóbiles, de Augusto de Campos e Julio Plaza, dando enfoque ao seu modo de produção – enquanto criação – e seus produtos de transcriação ou tradução criativa. Por meio do conceito de transcriação de Haroldo de Campos e desdobramentos das teorias de tradução de Jakobson na teoria de transposição semiótica de Julio Plaza, sugeriu-se a leitura dos poemas VIVAVAIA e REVEЯ e demonstrou-se como eles materializam-se em diversas mídias e propostas de tradução, seja pelo próprio Augusto de Campos ou por outros artistas. Conclui-se que a tradução criativa atualiza o objeto poético de forma verbivocovisual e proporciona uma maior mobilização dos sentidos na apreensão das obras.Palavras-chave: Poemóbiles; Augusto de Campos; transcriação. This article aims to investigate the book object Poemóbiles, by Augusto de Campos and Julio Plaza, focusing on its mode of production - as creation - and its products of transcreation or creative translation. Analyzing Haroldo de Campos’s concept of transcreation and Jakobson’s translation theories in Julio Plaza’s semiotic transposition theory, the reading of the poems VIVAVAIA and REVEЯ was suggested and it was demonstrated how they materialize in various media and translation proposals, by Augusto de Campos himself or by other artists. It is concluded that the creative translation updates the poetic object verbivocovisually and provides a greater mobilization of the senses in the apprehension of the works pieces.Keywords: Poemóbiles; Augusto de Campos; transcreation.
Marcos Vinícius Teixeira
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 103-116; doi:10.17851/2358-9787.29.1.103-116

Abstract:
Resumo: Apesar de se tratar de um texto não aproveitado na versão final do romance João Ternura, “O homem e seu capote”, de Aníbal Machado, pode ser lido e estudado de forma independente como um conto. O episódio protagonizado por João Ternura se assemelha a determinadas cenas que o major Cardoso vive na novela coletiva O capote do guarda, da qual participou o próprio Aníbal Machado no início dos anos 1920. No entanto, esta novela permaneceu inacessível aos leitores durante muito tempo, tendo sido reeditada somente nos anos de 2005 e 2006. É possível supor que esta obra tenha sido uma fonte motivadora para a realização de “O homem e seu capote”, o que ainda não foi investigado pela crítica literária. Nessa perspectiva, o objetivo deste artigo é estudar este conto em relação à referida novela, considerando-se o capote e as ocorrências ligadas a esse elemento nas duas narrativas. Espera-se contribuir para uma melhor compreensão do universo literário do escritor, especialmente em relação ao período que antecede a publicação de seu primeiro livro.Palavras-chave: Modernismo brasileiro; Aníbal Machado; Major Cardoso; João Ternura. Despite being an unused text in the final version of the novel João Ternura, “O homem e seu capote”, from Aníbal Machado may be independently read - and studied - as a short story. The episode’s protagonist is João Ternura and the text is similar to certain scenes Major Cardoso lives in the collective novella O capote do guarda, with which Aníbal Machado himself contributed to in early 1920’s. However, this novella remained inaccessible to readers for a long time, being reedited only in 2005 and 2006. It is possible that this work was a source of motivation for writing “O homem e seu capote”, which still was not investigated by the literary critique. In this perspective, this article aims to study this short story in its relation to the novella mentioned above, considering the Capote (or the Overcoat) and the instances related to this element in both narratives, in the hope to contribute to better understanding the literary universe of this writer, particularly regarding the period before the publication of his first book.Keywords: Brazilian modernism; Aníbal Machado; Major Cardoso; João Ternura.
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 275-304; doi:10.17851/2358-9787.29.1.275-304

Abstract:
Resumo: Este artigo intenta analisar, por meio de contrapontos, os sacerdotes católicos da novela Roque Santeiro, adaptação televisiva da peça O berço do herói, de Dias Gomes (1922-1999). A fim de subtrair-se à censura reinante no regime militar, o texto mencionado passou por modificações e situações outras que provocaram o surgimento de uma obra de autoria coletiva. Os presbíteros passaram a integrar uma nova trama, em que duas maneiras de ser Igreja se contrapõem: o viés tradicionalista e a visão baseada nos pressupostos da Teologia da Libertação. Padre Hipólito representa o catolicismo tradicionalista, já Padre Albano é partidário de uma Igreja mais engajada socialmente, por isso é chamado de “padre vermelho”. Por meio dessas personagens, a novela abordou, de forma geral, essas duas maneiras de vivenciar a fé católica.Palavras-chave: O berço do herói; telenovela Roque Santeiro; adaptação televisiva; Igreja Católica; Teologia da Libertação. This article analyzes, through counterpoints, the Catholic priests of the soap opera Roque Santeiro, a television adaptation of the play O berço do herói, by Dias Gomes (1922-1999). In order to preserve itself from the prevailing censorship in the military regime, the aforementioned text went through changes and other situations that caused the emergence collective authorship piece of work. The priests started to integrate a new plot, where two ways of being Church are opposed: the traditionalist bias and the view based on the assumptions of Liberation Theology. Father Hipólito represents traditional Catholicism, while Father Albano is in favor of a more socially engaged Church, which results in Albano being called “red priest”. Through these characters, the soap opera covered, in general, these two ways of experiencing the Catholic faith.Keywords: O berço do herói; the soap opera Roque Santeiro; television adaptation; Catholic Church; Liberation Theology.
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 305-319; doi:10.17851/2358-9787.29.1.305-319

Abstract:
Resumo: A partir da leitura de cartas pessoais publicadas em Desgracida (2010), propõe-se refletir sobre quem é o leitor Dalton Trevisan, revelado em suas manifestações críticas sobre obras de variados autores. Parte-se da constatação de que elementos autobiográficos são raros na obra ficcional do “vampiro de Curitiba”, tido como escritor indevassável. Procura-se mostrar que, em linguagem permeada pelo mesmo erotismo (BATAILLE, 2017) constituinte de sua obra ficcional, Trevisan aponta suas preferências literárias por autores com quem sua obra mantém profundas conexões, bem como identifica o que considera má literatura. A leitura das cartas dialoga com parte da fortuna crítica sobre a obra de Trevisan (WALDMAN, 2014; SANCHES NETO, 2012) e aproveita contribuições das teorias da leitura (JOUVE, 2002) e da autoria (LEJEUNE, 2008).Palavras-chave: Dalton Trevisan; crítica literária; leitura. From the reading of the personal letters published in Desgracida (2010), we proposed to reflection on who is the reader Dalton Trevisan is, revealed in his critical manifestations on works by various authors. It starts from the proposition that autobiographical elements are rare in the fictional work of the “vampire of Curitiba”, regarded as an indescribable writer. It is intended to show that, in language permeated by the same eroticism (BATAILLE, 2017) that constitutes his fictional work, Trevisan points out his literary preferences among authors with whom his work has deep connections, as well as identifies what he considers poor quality literature. The reading of the letters dialogues is related to parts of the critical fortune about the work of Trevisan (WALDMAN, 2014; SANCHES NETO, 2017) and takes advantage of contributions from the theories of reading (JOUVE, 2002) and authorship (LEJEUNE, 2008).Keywords: Dalton Trevisan; literary criticism; reading.
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 29, pp 237-254; doi:10.17851/2358-9787.29.1.237-254

Abstract:
Resumo: O conto “O menino”, de Lygia Fagundes Telles, publicado inicialmente em O cacto vermelho, de 1949, narra a história de um menino que enfrenta um processo de amadurecimento durante um passeio que realiza com a mãe ao cinema. O conto “Oval com pontas”, de Adriana Lisboa, publicado originalmente em Contos que contam, de 2005, aproxima-se do conto de Telles ao também narrar o passeio de uma mãe com um filho, ambos inominados. Apesar da semelhança no enredo das narrativas, a prosa das duas escritoras apresenta divergências sobre a configuração das relações familiares e sobre o papel social da arte. Como considera José Paulo Paes (1998), a obra de Telles é marcada pelo desencontro nas mais diversas relações afetivas apresentadas nas tramas, o que, segundo o crítico, assinala certa desilusão dos escritores que viveram os traumas da Segunda Guerra Mundial. Em contrapartida, a obra de Lisboa frequentemente aposta na superação dos traumas das personagens retratadas, além de se contrapor ao esvaziamento do papel da arte na contemporaneidade. Tendo em vista esses apontamentos, este artigo tem como objetivo analisar o papel da arte e das relações humanas nos referidos contos. Para fundamentar criticamente a discussão, elegemos as contribuições de Coelho (1971), Lopes (2007), Paes (1998), entre outros.Palavras-chave: conto brasileiro; encontros; desencontros; Lygia Fagundes Telles; Adriana Lisboa. The tale “O menino”, by Lygia Fagundes Telles, initially published in O cacto vermelho, in 1949, narrates the story of a boy who faces a coming-of-age process when he takes a trip to the movie theater with his mother. The tale “Oval com pontas”, by Adriana Lisboa, originally published in Contos que contam, in 2005, resembles the tale written by Telles in the sense that it also narrates a mother’s trip with her son, both unnamed. Despite the similarities between the plot of both narratives, the prose of both writers presents divergences on the configuration of familiar relationships and on the social role of art. As argued by José Paulo Paes (1998), Telles’ work is marked by mismatches in several affective relationships presented in the plots, which, according to the critic, signals a certain disillusionment of the writers who lived the traumas of the Second World War. On the other hand, Lisboa’s work frequently bets on the overcoming of the traumas of the portrayed characters, in addition to counterpointing the emptying of the role of art in contemporaneity. With this in mind, this article aims to analyze how art and human relationships are configured in these tales. In order to critically ground this discussion, we elected the contributions of Coelho (1971), Lopes (2007), Paes (1998), and others.Keywords: Brazilian short story; matches; mismatches; Lygia Fagundes Telles; Adriana Lisboa.Resumen: El cuento “O menino”, de Lygia Fagundes Telles, publicado primeramente en O cacto vermelho, de 1949, narra la historia de un chico que enfrenta un proceso de maduración durante un paseo al cine que realiza con su madre. El cuento “Oval com pontas”, de Adriana Lisboa, publicado originalmente en Contos que contam, de 2005, se aproxima del cuento de Telles al hacer, también, la narración de un paseo de una madre y su hijo, ambos sin nombre. Pese la similitud en el enredo de las narrativas, la prosa de las dos escritoras presenta distinciones sobre la configuración de las relaciones familiares y sobre el papel social del arte. Como considera José Paulo Paes (1998), la obra de Telles está marcada por el desencuentro en las más distintas relaciones de afecto presentadas en las obras, lo que, según el crítico señala una desilusión de los escritores tras los traumas vivenciados en la segunda Guerra Mundial. Contrariamente, la obra de Lisboa, a menudo, apuesta en la superación de los traumas de los personajes retratados, además de contraponerse al vacío del papel del arte en la contemporaneidad. Considerando esos aspectos, este artículo tiene el objetivo de analizar el papel del arte y de las relaciones humanas en los dos cuentos. Como fundamentación, para la discusión crítica, nos basaremos en las contribuciones de Coelho (1971), Lopes (2007), Paes (1998), entre otros.Palabras-clave: cuento brasileño; encuentros; desencuentros; Lygia Fagundes Telles; Adriana Lisboa.
Marcio Roberto Pereira
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 28, pp 275-289; doi:10.17851/2358-9787.28.4.275-289

Abstract:
Resumo: Lançada em 1916 e escrita na maior parte da vida literária de José Veríssimo, a História da literatura brasileira: de Bento Teixeira (1602) a Machado de Assis (1908) reúne as diversas atividades do crítico paraense como um intelectual atuante. Com o objetivo de fazer uma reflexão sobre as facetas do crítico e historiador literário, esse artigo analisa seu trabalho de interpretação da nação brasileira por meio da aproximação entre os diversos discursos que compõem a História, em destaque literatura e educação. Ao propor a definição dessas perspectivas, nota-se que a obra final de José Veríssimo possui uma organicidade e um apuramento de seus critérios de análise.Palavras-chave: José Veríssimo; História da literatura brasileira; crítica literária; educação. Published in 1916 and written in most of the literary life of José Veríssimo, the History of Brazilian Literature: from Bento Teixeira (1602) to Machado de Assis (1908) gathers the several activities of the critic from Pará as an active intellectual. With the objective of making a reflection on the facets of the critic and literary historian, this essay analyzes his work of interpretation of the Brazilian nation, through the approximation between the various discourses that make up History, especially literature and education. In proposing the definition of these perspectives, it is noted that the final work of José Veríssimo has an organicity and a refinement of his analysis criteria.Keywords: José Veríssimo; History of Brazilian Literature; literary criticism; education.
Danielle Fardin Fernandes
O Eixo e a Roda: Revista de Literatura Brasileira, Volume 28, pp 291-314; doi:10.17851/2358-9787.28.4.291-314

Abstract:
Resumo: Este artigo trata do riso unido ao distanciamento, correlações com o conto “Jacinto (recordações de Vila Rica)”, de Alphonsus de Guimaraens e o livro Cândido, ou o otimismo, de Voltaire, e também busca traçar um perfil humorista do poeta com base nos arquivos do Museu Casa Alphonsus Guimaraens. Ambos os autores, embora vivessem em países e épocas diferentes, de certo modo, acabaram se aproximando em suas escritas. Um, filósofo, dramaturgo e historiador, outro, poeta simbolista, se renderam aos artifícios da comicidade e produziram trabalhos que pertencem ao campo humorístico. No caso de Alphonsus, autor destacado neste trabalho, há uma personalidade que necessita ser delineada nesse sentido, uma vez que há uma grande quantidade de criações relacionadas ao riso nos manuscritos e outros documentos do Museu Casa Alphonsus Guimaraens, e todos, normalmente o conheciam como um poeta taciturno, o “solitário de Mariana”. No geral este estudo busca investigar como Voltaire, em Cândido, ou o otimismo, e Alphonsus no conto “Jacinto (recordações de Vila Rica)”, usam a ironia para provocar o riso, algo que, numa avaliação mais profunda, traduz uma decepção com o social e com a realidade existencial, gerando uma espécie de distanciamento. Pretende, por fim, com base em pesquisas em documentos históricos, encontrar uma lembrança dessa outra faceta de Alphonsus. O livro O riso e o risível: na história do pensamento, de Verena Alberti e o capítulo “Rabelais e a história do riso” em Cultura popular na idade média e no renascimento, de Mikhail Bakhtin, completam a investigação.Palavras-chave: Alphonsus Guimaraens; museu; Voltaire; riso; Jacinto (recordações de Vila Rica; Cândido, ou o otimismo. This article deals with the laughter coupled with distancing, interconnections with the short story “Jacinto (recordações de Vila Rica)” by Alphonsus de Guimaraens and the book Candide: or optimism by Voltaire, also seeks to draw a humorous profile of the poet Alphonsus based on the archives of the Casa Alphonsus Guimaraens Museum. The two authors lived at different time but ended up approaching their writings. One was a philosopher, playwright and historian and the other was a symbolist poet and both surrendered to the comic and created works that are situated in the humorous field. There is an existence that needs to be delineated in this sense in the case of Alphonsus, the author highlighted in this work, since there is a great amount of creations related to laughter in the manuscripts and other documents of the Casa Alphonsus de Guimaraens Museum, and most of people knew him as a taciturn poet, the “solitary of Mariana”. In general, this study seeks to investigate how Voltaire in Candide: or optimism and Alphonsus in “Jacinto (recordações de Vila Rica)” use an irony to provoke laughter, something that with a deeper evaluation translates a disappointment with social and existential reality generating a kind of detachment. Finally based on research in historical documents it seeks to find a memory of this other facet of Alphonsus. The book O riso e o risível: na história do pensamento, of Verena Alberti and the chapter “Rabelais and the history of laughter” in, Rabelais and his world of Mikhail Bakhtin, complete the investigation.Keywords: Alphonsus Guimaraens; museum; Voltaire; laughter; Jacinto (recordações de Vila Rica; Cândido, ou o otimismo.
Page of 13
Articles per Page
by
Show export options
  Select all
Back to Top Top