Refine Search

New Search

Results in Journal Linguagens, Educação e Sociedade: 251

(searched for: journal_id:(2025584))
Page of 6
Articles per Page
by
Show export options
  Select all
Jonas De Oliveira Bertucci
Linguagens, Educação e Sociedade; https://doi.org/10.26694/rles.v25i49.2779

Abstract:
O presente trabalho teve como objetivo analisar aspectos da filosofia e da prática das Escolas Democráticas, também conhecidas como Escolas Livres. Inicialmente é traçado um breve histórico do paradigma educacional atual, no qual se baseiam os sistemas educacionais tradicionais, com um enfoque particular sobre o contexto brasileiro. Em seguida, aborda-se a fundamentação histórica e filosófica da Educação Democrática, assim como algumas de suas práticas pedagógicas. São apresentados exemplos de escolas e suas principais diferenças e características. Ao final, discute-se em que medida a experiência dessas escolas pode contribuir para o processo de revisão dos paradigmas educacionais atuais.
, Cleison Capuzzo Siscati, Luzia Beatriz Bonato Fernandes
Linguagens, Educação e Sociedade; https://doi.org/10.26694/rles.v25i49.2778

Abstract:
Informar, desmistificar conceitos, quebrar tabus e combater preconceitos, são práticas de responsabilidade social de toda uma sociedade, mas sobretudo da escola, que por sua característica acolhedora, influenciadora e reflexiva, inegavelmente promove encontros e discussões dos mais variados núcleos e caracterizações humanas. Em seu contexto cotidiano regular, a escola abrange em seu dia a dia, aspectos sócio comportamentais, emocionais, étnicos-raciais, econômicos, de gênero e de sexualidade e, portanto, a adoção de posturas de combate ao preconceito e de valorização da inclusão da diversidade em suas variadas dimensões, mostram-se cada vez mais relevantes e urgentes, indo ao encontro de demandas pela busca por direitos de igualdade e oportunidades, anseios esses, tão buscados em nossa sociedade atual. Pensando em contribuir, identificar e reconhecer condutas pedagógicas que promovam a ampliação e a conscientização da diversidade sexual e de gênero, buscamos demonstrar, por meio da pesquisa bibliográfica, que a escola pode ser um local promovedor ao enfrentamento de preconceitos e do bullying, capaz de romper barreiras sócio comportamentais historicamente construídas.
Eliza Adir Coppi Leonetti, Júlia Scholz Karl
Linguagens, Educação e Sociedade, Volume 26, pp 184-210; https://doi.org/10.26694/rles.v26i50.2900

Abstract:
Os cursos jurídicos foram criados no Brasil em 1827 e, desde então, as normas que regem o ensino do Direito têm sofrido alterações com o intuito de melhor adequá-lo ao cenário político, econômico e social. O acesso ao ensino superior, em especial ao Direito, nem sempre foi democrático, tendo de início se prestado apenas às elites. Foi somente com a Constituição de 1988 que as políticas públicas de universalização do acesso à educação receberam destaque. Desse modo, o problema ao qual se dedicou a presente pesquisa foi compreender qual a possível relação existente entre o ensino do direito no Brasil, a partir da compreensão de seus marcos normativos desde o Império até o século XXI, com a economia de mercado. O objetivo geral consistiu em relacionar o ensino do direito com a economia de mercado. Para o desenvolvimento das etapas de pesquisa foram estabelecidos três objetivos específicos: identificar as principais alterações normativas que impactaram no ensino jurídico no Brasil; estabelecer uma análise crítica das mudanças legislativas e de seus impactos no ensino do Direito; e, por fim, refletir sobre os impactos da regulamentação do curso de Direito para a economia de mercado. A hipótese sugerida é de que a economia de mercado pode influenciar no ensino do Direito no que concerne ao direcionamento profissional, à oferta de cursos e à expansão do acesso ao ensino. A metodologia utilizada para o desenvolvimento da pesquisa foi o método indutivo e, para o desenvolvimento de cada etapa, optou-se pelo histórico e pelo monográfico.
Karen Kauffmann DA Silva,
Linguagens, Educação e Sociedade; https://doi.org/10.26694/rles.v25i49.2771

Abstract:
Este artigo tem como objetivo conhecer alguns dos conceitos, classificações e apontamentos relacionados às abordagens pedagógicas de Libâneo (1985) e Mizukami (1986) e sua implicação na relação professor aluno no ensino superior. Para tanto foi realizada pesquisa bibliográfica de natureza exploratória. Que de acordo com Trivinos (1967) tem o objetivo de delimitar e proporcionar um manejo seguro de determinada teoria. Parte-se de uma hipótese e se aprofunda o estudo no limite de uma realidade específica, buscando maior conhecimento a partir de uma revisão de literatura. A vantagem do caráter exploratório, segundo Lakatos e Marconi (2010), está no número de informações coletadas e na facilidade de análise por parte de outros pesquisadores. O resultado evidencia que a relação entre professor e aluno é definida a partir de uma abordagem pedagógica constituída por sua visão de mundo. Nela está incluída a forma como aprendeu e vivenciou o seu próprio processo educativo, seu o contexto histórico, cultural e político. Em cada situação que vive, o professor se aproxima ou se afasta de determinada tendência, podendo utilizá-las inclusive de forma conjunta, mesmo que, muitas vezes, sem um conhecimento prévio ou aprofundado dos estudos das abordagens pedagógicas.
Juliana Da Silva Lopes Kaloczi,
Linguagens, Educação e Sociedade; https://doi.org/10.26694/rles.v25i49.2774

Abstract:
Neste artigo analisa-se o lugar do educador no contexto da pedagogia rousseauniana e tem-se como objeto de investigação a obra Emílio ou Da Educação (1762). Os objetivos propostos são a caracterização da pedagogia natural e a caracterização do papel do educador governante no processo de formação moral e política do indivíduo. Adotou-se, como método de pesquisa, a hermenêutica aplicada aos estudos bibliográficos, que além da obra supracitada, amparou-se também em livros de comentadores do filósofo Rousseau. Como resultados da discussão, observou-se que o pensador genebrino propôs uma pedagogia inovadora para seu tempo, na medida em que revoluciona a relação entre educador e educando e entre educação e sociedade, vínculos estes que são evidenciados em nossas análises. Inaugurador da chamada pedagogia natural, o filósofo alvitra uma reaproximação entre a educação e a condição natural de liberdade do educando e a formação moral e política para vida na sociedade democrática, mediada pelo educador governante.
Bruno Lima dos Santos, Jonisario Littig,
Linguagens, Educação e Sociedade, Volume 26, pp 158-183; https://doi.org/10.26694/rles.v26i50.2878

Abstract:
O presente artigo objetiva identificar e socializar a potencialidade e impacto social dos cursinhos populares na democratização do acesso ao ensino universitário e, também, na concretização do projeto de vida de jovens periféricos. Para tanto buscou-se compreender o processo de formação na educação básica, a projeção do projeto de vida e o ingresso no ensino superior. A pesquisa assume caráter qualitativo ao se propor analisar as relações a partir dos contextos sociais explicitados nas narrativas e nas perspectivas dos colaboradores. Participaram da pesquisa nove sujeitos que passaram por cursinhos populares e se dispuseram contribuir com nossas reflexões. As narrativas desvelam que os cursinhospopulares impactam na vida desses sujeitos através da horizontalidade do ensino e da construção de identidades socioculturais. A pesquisa sinaliza que os cursinhos populares ao contribuírem para mitigar as deficiências da educação básica pública, apresentam potencial de contribuir efetivamente com estudantes, cujo projeto de vida é ingressar no ensino superior. No entanto, denuncia, também, a urgência da necessidade do aperfeiçoamento de políticas públicas na educação básica, buscando um aprimoramento da educação pública, no intuito de formar sujeitos capazes de fazerem escolhas e de ingressar no ensino superior sem depender dos cursinhos populares.
, Sônia Fortes Maciel
Linguagens, Educação e Sociedade, Volume 26, pp 211-237; https://doi.org/10.26694/rles.v26i50.2990

Abstract:
Em nossa prática pedagógica, a ação de avaliar as produções de textos dos alunos sempre nos fez refletir acerca de como poderíamos contribuir para o desenvolvimento da escrita dos mesmos. Associada às nossas reflexões estava à necessidade de trabalharmos com os gêneros discursivos/textuais. Nesse sentido, o objetivo do presente artigo é compreender como o processo avaliativo pode contribuir para o desenvolvimento da escrita, a partir do uso do bilhete textual-interativo. Para tanto, partimos do trabalho com o gênero discursivo/textual relato pessoal, pautado pela sequência didática descrita por Lopes-Rossi (2011), em uma turma de 8º ano do Ensino Fundamental. Para compreendermos como as práticas avaliativas podem estar a serviço da aprendizagem, recorremos à Villas Boas (2008), Hadji (2001), Hoffmann (2001) e Luckesi (2005); para viabilizarmos o trabalho acerca do gênero adotado e o desenvolvimento da escrita dos estudantes, fundamentamo-nos em Bakhtin (2011), Marcuschi (2008), Koch e Elias (2007; 2012), Antunes (2003), Geraldi (2011), Ruiz (2013), Serafini (1998) e alguns documentos oficiais. A metodologia privilegiou a abordagem qualitativa de natureza intervencionista, por meio da pesquisa participante. Utilizamos como instrumentos de geração de dados a sequência didática descrita por Lopes-Rossi (2011) associada à observação participante e rodas de conversa. A partir dos resultados obtidos, afirmarmos que o processo avaliativo, realizado pelo professor de Língua Portuguesa, a partir do uso do bilhete textual interativo contribuiu, consideravelmente, para o desenvolvimento da habilidade de escrita dos alunos.
Núbia Ketyllen Zeferino
Linguagens, Educação e Sociedade, Volume 26, pp 79-104; https://doi.org/10.26694/rles.v26i50.2874

Abstract:
Este artigo tem o propósito de discutir os conceitos de cultura, linguagem e multiletramentos. A partir dessa discussão busca-se expandir o conhecimento acerca da linguagem digital para problematizar a questão concernente à linguagem apropriada para atender aos objetivos educacionais que visem a um ensino crítico e a uma aprendizagem autônoma. A análise conceitual discutida, tem como foco a formação de atores escolares conscientes, frente à tecnologia digital. À luz de teóricos como Benjamin, Marx, Vieira Pinto, Freire e Santaella, espera-se que as reflexões teóricas levantadas atendam ao objetivo e à indagação deste artigo. Almeja-se ainda, que a partir das considerações finais acerca da linguagem apropriada para atender aos objetivos educacionais nesta cultura digital, sejam suscitados outros debates teóricos.
Diego Fonseca Dantas
Linguagens, Educação e Sociedade, Volume 26, pp 07-36; https://doi.org/10.26694/rles.v26i50.2873

Abstract:
O tema deste ensaio é a relação ideologia e educação, e, como objeto concreto de suporte a essa relação, faz-se uma revisão crítica sobre o Movimento Escola Sem Partido (MESP). Criado em 2004 pelo advogado Miguel Urbano Nagib, o MESP é um movimento que foi criado na contracorrente da conjuntura política do país, quando um partido de centro-esquerda havia chegado ao poder executivo. O presente artigo desenvolve a ideia de que, apesar de a liderança tabaréu do MESP despontar como o principal difusor do irracionalismo anti-intelectualista no país, no plano político-ideológico hegemônico sua presença equivale às ações pautadas pelo moralismo cínico dos teólogos-empresários, jornalistas orgânicos e astrólogos-gurus a apresentar, como verdades absolutas, disparates anticientíficos, como o criacionismo e o terraplanismo, nas redes sociais e nas mídias tradicionais. Considera que a influência e penetração ideológica na sociedade de ambos são menores do que a dos conglomerados educacionais financeiros-rentistas como Lemann, Ayrton Senna, Abril, Pitágoras/Kroton/Cogma, dentre outros. Dado todo este quadro, o artigo conclui que, sem condições de promover um avanço civilizatório, tempo que se perdeu em meados dos anos 60, parte significativa do Brasil se entregou à intensificação da precarização em todos os níveis, sendo o MESP uma das gambiarras morais da atualidade contra o que se contrapõe à sua barbárie ética.
Linguagens, Educação e Sociedade; https://doi.org/10.26694/rles.v25i49.2769

Abstract:
Atualmente, no Brasil, a formação inicial do professor de Português ocorre em um contexto sócio-histórico complexo. Vivencia-se a “era” do produtivismo acadêmico, cuja ênfase recai nos projetos individuais que visam a fomentar os currículos em detrimento de projetos coletivos que busquem fortalecer as práticas de formação docente. Ademais, há um conjunto de demandas para o professor universitário, que, conforme os documentos reguladores, precisa formar professores críticos, reflexivos, preparados para lidar com as exigências da contemporaneidade. Considerando tal contexto, objetivamos neste artigo discutir os principais problemas que circundam a formação inicial do professor de Português, com vistas a apontar alguns encaminhamentos. Para desenvolver a discussão aqui proposta, realizamos um estudo exploratório ancorado em dados construídos via pesquisa documental. Foram lidos projetos pedagógicos de instituições de ensino do RN que atuam na formação do professor de Português e respectivas literaturas: PPP-UFRN e PPC-UERN. A análise desses documentos se concentrou em três grandes desafios para a formação inicial de professores de Português: a) formar professores para os desafios da contemporaneidade, como as novas tecnologias; b) formar professores para atender aos novos grupos sociais que passaram a fazer parte da escola; e c) correlacionar teoria e prática . A razão que justifica a escolha dessas três linhas de discussão decorre do fato de entendermos de serem os principais eixos orientados pelos documentos oficiais que regulam a formação inicial de professores. Ante os desafios que se nos apresentam, faz-se necessário, portanto, um processo constante de discussão nas instituições formativas para buscarem melhorias no processo formativo.
Pedro Melo, Luis Carlos Sales
Linguagens, Educação e Sociedade, Volume 26, pp 135-157; https://doi.org/10.26694/rles.v26i50.2966

Abstract:
A presente pesquisa é resultado de uma dissertação de mestrado em educação da Universidade Federal do Piauí, que analisou o processo de municipalização da educação infantil pública de Teresina, que ocorreu paralelamente ao entendimento dessa etapa da educação básica como vertente educacional entre os anos de 1998 e 2007. Para isso, utilizou-se o método histórico, a partir de fontes hemerográficas, documentais, fontes orais, censos escolares (através do Statistical Package for the Social Sciences - SPSS), correlacionando com a historiografia do período. Pode-se constatar que mesmo com a promulgação da constituição brasileira de 1988, que garantiu o direito educacional das crianças a creches e pré-escolas e com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 1996, que a colocou como integrante da educação básica, a posição da Secretaria Municipal de Educação de Teresina (SEMEC) de institucionalizar o atendimento à infância para sua alçada se deu somente em 2007, pela decisão política do então secretário municipal de educação Washington Bonfim, consequência do surgimento do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (FUNDEB/2006), por uma questão financeira, ocasionando o processo de municipalização.
Laurilene Cardoso Da Silva Lopes,
Linguagens, Educação e Sociedade; https://doi.org/10.26694/rles.v25i49.2819

Abstract:
O presente artigo objetiva refletir sobre a formação continuada de professores tendo a escola como lugar de aprendizagem e locús de formação continuada dos professores que ensinam matemática nos anos iniciais do ensino fundamental. Para tanto, partimos do seguinte problema: Como a escola pode se constituir um espaço de aprendizagem e formação? Na organização do artigo utilizamos como contribuições teóricas os estudos realizados por diversos autores dos quais destacamos, Nóvoa (2009), Campos (2003), Tardif (2012), Candau (1996), Formosinho (2009), Resende (2006) dentre outros, que discorrem sobre o tema. Os resultados se encaminham no sentido de que existe uma tedência para que a formação continuada dos professores possa acontecer também na escola, tendo em vista que a mesma se constitui em uma comunidade de aprendizagem que articula saberes e promove a construção de conhecimentos. Nesse sentido, a escola como lócus de formação assume uma tendência cada vez mais fortalecida diante das necessidades que emanam da sala de aula, favorecendo a unidade teoria-prática.
Tatiana Santos Arruda
Linguagens, Educação e Sociedade, Volume 26, pp 281-314; https://doi.org/10.26694/rles.v26i50.2911

Abstract:
O objetivo deste artigo é analisar como o curso Tempo de Aprender aborda o processo de aprendizagem inicial da língua escrita, na educação infantil. Partimos da compreensão de que esta etapa possui uma especificidade pedagógica voltada ao desenvolvimento integral das crianças e sua formação cultural e que a aprendizagem inicial da língua escrita envolve os processos de alfabetização e letramento. A construção das informações ocorreu segundo a análise de conteúdo, seguindo com a análise documental dos módulos presentes no curso. Nas considerações finais concluímos que: a) o curso não considera a função social da educação infantil e sua relação com o processo de aprendizagem inicial da língua escrita; b) as concepções de criança e infância remetem a sujeitos passivos no processo de aprendizagem; c) há uma desarticulação entre os processos educativos e as experiências das crianças, o que abrange a ausência das diferentes funções sociais da escrita.
Isadora Fonseca de Souza,
Linguagens, Educação e Sociedade, Volume 26, pp 238-280; https://doi.org/10.26694/rles.v26i50.2896

Abstract:
O presente artigo tem como principal objetivo propor e analisar o impacto do uso do gênero textual causo, no processo de alfabetização e letramento na Educação de Jovens e Adultos. Trata-se de pesquisa qualitativa, do tipo pesquisa-ação. Esse trabalho foi realizado no ano de 2017, com uma turma de 16 alunos, da classe de alfabetização da EJA, em uma escola municipal do interior do estado de São Paulo. Foram realizados 9 encontros, de 2 horas cada um. Essa experiência permitiu conhecer a subjetividade do aluno jovem, adulto e idoso, e constatar que, embora alfabetização e letramento possuam conceitos diferentes, ambos devem caminhar simultaneamente para atender às exigências do aprendizado. Concluiu-se que o uso de causos facilita o processo de alfabetização na perspectiva do letramento, devido à familiaridade dos alunos com o gênero.
Laudelino Henrique de Oliveira Vicente,
Linguagens, Educação e Sociedade, Volume 26, pp 37-61; https://doi.org/10.26694/rles.v26i50.2898

Abstract:
Esta pesquisa teve o objetivo de investigar as práticas de manejo dos comportamentos agressivos em crianças na educação infantil. Participaram 15 profissionais, com diferentes níveis de formação e experiência. A coleta de dados foi realizada por meio de entrevistas semiestruturadas, com 40 a 80 minutos de duração, de maneira remota, pela plataforma Google Meet. Os dados foram organizados e analisados segundo a metodologia de análise temática, proposta por Braun e Clarke. Os resultados apontam para a importância não somente das práticas de manejo propriamente ditas, mas também da manutenção do clima afetivo-emocional da relação professor-aluno, facilitado por uma atitude de respeito e acolhimento dos profissionais nos momentos de intervenção sobre os comportamentos agressivos. Também foram ressaltados o desgaste emocional gerado pelas situações de agressão das crianças, bem como o papel da instituição escolar nas estratégias de manejo. Entende-se que há uma complexidade no manejo destas situações na educação infantil e, por conseguinte, a necessidade do envolvimento de vários setores para um manejo adequado.
Thiago Bergler Bitencourt, Fernanda Natali Demichelli
Linguagens, Educação e Sociedade, Volume 26, pp 62-78; https://doi.org/10.26694/rles.v26i50.2916

Abstract:
A educação de surdos no Brasil refere-se a um capítulo recente na história da educação, e até mesmo da educação inclusiva. Muitas lutas foram travadas pela comunidade surda, até a aprovação da Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS como língua oficial em 2002. Marco importante nesse processo educacional, que passou do oralismo, comunicação total, atingindo seu ápice com o bilinguismo. A partir daí, intensificaram-se as discussões e os processos para a inclusão dos estudantes surdos em todos os níveis educacionais. No decorrer dessa trajetória, o processo de inclusão e educação de surdos, ocasionou a demanda pela ampliação do vocabulário da Libras, fomentando importantes estudos e pesquisas na área da linguística das línguas de sinais brasileiras. Nesse sentido, o presente estudo teve como objetivo contribuir com o processo de ampliação de sinais em Libras na área de Ciências, utilizando a metodologia das práticas de letramento, por grupo composto de estudantes surdos e professores bilíngues. Após realizar levantamento dos termos que não possuíam sinais, os conteúdos foram apresentados aos estudantes surdos por professor bilíngue da área de Ciências, seguindo a metodologia das práticas de letramento, e após o entendimento do significado de cada conceito, o grupo elaborou, de forma coletiva, o sinal em Libras que melhor representava determinado conceito. Ao final do trabalho, o grupo elaborou 33 sinais para conceitos da área de Ciências que ainda não contavam com sinais estabelecidos.
Dalia Argüello,
Linguagens, Educação e Sociedade; https://doi.org/10.26694/rles.v25i49.2750

Abstract:
Se presenta aquí un estudio comparativo de los usos del pensamiento crítico en los currículos del área de ciencias sociales de bachillerato obligatorio en América Latina. A partir de la oposición entre perspectiva analítica y perspectiva deconstructiva del pensamiento crítico y su relación con cuatro tipos curriculares de la enseñanza de las ciencias sociales: canónico, neoliberal, critico funcional y contranarrativo, se exponen las semejanzas y las diferencias a lo largo de la región, sobre la función educativa que se le otorga al pensamiento crítico dentro de los contenidos curriculares destinados al conocimiento social. Se resalta, asimismo, su papel en la formación ciudadana y la educación política que subyace en el uso curricular de pensamiento crítico. Es un comparativo, cualitativo y de carácter interpretativo basado en primera instancia en un proceso de codificación de la teoría fundamentada y en un segundo momento en el análisis político del discurso curricular.
André Luiz Ferreira de Carvalho Melo, Ana Valéria Borges De Carvalho Melo
Linguagens, Educação e Sociedade; https://doi.org/10.26694/rles.v25i49.2773

Abstract:
Um dos grandes desafios da investigação em educação é o fato de pesquisar sobre as múltiplas relações entre o uso de tecnologias e a sala de aula. Ao levarmos em consideração o atual contexto de pandemia, percebemos que a busca por respostas às inquietações relativas à implementação das Atividades Remotas ganha ainda mais importância na comunidade científica. Tendo o que foi mencionado anteriormente, este trabalho apresenta como Objetivo Geral: Compreender os dilemas e desafios na implementação das Atividades Remotas de Ensino Aprendizagem no IFPI, Campus Floriano. Para tanto, o estudo consistiu de uma pesquisa qualitativa, documental, cuja forma de abordagem foi a Etnometodologia, tendo como procedimentos a Observação Participante, a Entrevista Narrativa e o Ciclo de Políticas, tendo como lócus o Instituto Federal do Piauí – IFPI, Campus Floriano e como interlocutores, três acadêmicos do curso de Licenciatura em Matemática. O trabalho evidenciou que o IFPI, embora tenha trabalhado para regulamentar as atividades não-presenciais e para buscar a diminuição das desigualdades apresentadas no acesso às atividades remotas o IFPI, por meio de instrumentos como o “auxílio conecitividade”, na prática, vivenciou o surgimento de muitos dilemas de cunho pessoal, social e pedagógico por parte dos alunos, bem como desafios didáticos por parte dos professores.
Maria Cristina Mesquita Silva, Airton Rodrigues Gonçalves DE Paiva,
Linguagens, Educação e Sociedade; https://doi.org/10.26694/rles.v25i49.2772

Abstract:
Neste trabalho investigou-se o atual cenário da formação docente para Educação de Jovens e Adultos (EJA) no Brasil. Na primeira parte apresentamos uma análise descritiva da atual legislação sobre a EJA e sobre a formação inicial e continuada de professores, contextualizando a modalidade como de estratégica relevância para a Educação Básica, Em seguida, discutimos a importância e atualidade de pautar a formação de professores para a EJA, à luz das mais recentes normatizações instituídas e a partir das concepções e perspectivas teóricas de referência, como Arroyo (2006, 2017), Di Pierro (2006) e Freire (1996). A partir do desenvolvimento e análise de investigação empírica, verificamos os contextos e perspectivas de professores atuantes na EJA, de uma escola do Ensino Fundamental e Médio de um município do estado de Goiás. Por fim, o texto encaminha-se para, a partir das análises e concepções investigadas, refletir sobre possíveis caminhos para o desenvolvimento da EJA no país e o alcance dos objetivos esperados de tal modalidade.
José Umbelino Gonçalves Neto, Thiago Trévia Menezes Queiroz, Raimundo Ribeiro Machado, Francisco das Chagas Souza de Aguiar Junior, Jéssica Aguiar Silva Ribeiro
Linguagens, Educação e Sociedade, Volume 26, pp 105-134; https://doi.org/10.26694/rles.v26i50.2899

Abstract:
Este trabalho teve como objetivo analisar a qualidade de vida dos formandos de psicologia de uma Instituição de Ensino Superior particular de Sobral/CE durante o período pandêmico de COVID-19 (2020-2021). Não só analisar sua qualidade de vida, como também explorar as formas que eles utilizaram ou não utilizaram para cuidar de si próprios durante esse período, e averiguar a relação desses alunos com a própria instituição de ensino deles. Para tal, foram usados um questionário sociodemográfico e uma entrevista construída a partir da escala de qualidade de vida WHOQOLBREF da Organização Mundial de Saúde. Os dados foram analisados a partir da metodologia de análise temática dialógica, de modo que a qualidade de vida e seus respectivos domínios (físico, psicológico, social e ambiental) serviram de tema e subtemas sendo analisados a partir dos materiais teóricos coletados. Obtivemos então o resultado de que os participantes foram afetados em qualidade de vida no que diz respeito a qualidade de sono, alimentação e também tiveram uma fragilização em algumas relações sociais. Porém também percebemos a espiritualidade, e as próprias relações sociais como fatores protetivos durante o período da pandemia. Logo conclui-se que a qualidade de vida é um tema amplo, e que foi afetado de distintas formas durante o período da pandemia, tanto de forma negativa como positiva, o que destaca a importância de mais estudos na área.
Polyana Raquel Pedroso,
Linguagens, Educação e Sociedade; https://doi.org/10.26694/rles.v25i49.2775

Abstract:
O presente artigo tem como tema de investigação os direitos humanos das mulheres com ênfase nos direitos das mulheres brasileiras. Os direitos humanos são resultado de uma construção histórica e já são significativos os avanços em termos da legislação relacionada às questões de gênero, o que motivou o interesse na pesquisa. O estudo tem como objetivo analisar os direitos das mulheres em documentos nacionais e internacionais e para tanto foi realizada uma pesquisa com abordagem qualitativa, mediante análise de: declarações, convenções, conferências, planos, estatutos, leis e políticas públicas. O estudo se apoia nos argumentos teóricos de Michel Foucault (1988), com base nos estudos de gênero de Judith Butler (2015), e das contribuições de Simone de Beauvoir (1980). A partir do estudo, foram encontrados 33 documentos, datados entre o período de 1789 a 2015, os quais evidenciam que a luta pelos direitos das mulheres foi intensa no aparato legal. No entanto, há muito para ser conquistado em termos de respeito à dignidade da pessoa humana, diante da complexidade interseccional, considerando a raça, a nacionalidade, a etnia, o gênero, a classe social, a região, a cultura, a religião, a orientação sexual, a identidade de gênero, a geração e a deficiência. Questiona-se a não materialidade de muitas políticas de direitos humanos, evidenciando a necessidade de superação do estigma, das violências, das discriminações, das desigualdades, das condições de exclusão social e de vulnerabilidades que marcam o cotidiano de milhares de mulheres brasileiras.
Tatiana Pereira Sodré, ,
Linguagens, Educação e Sociedade; https://doi.org/10.26694/rles.v25i49.2777

Abstract:
O objetivo desta pesquisa foi analisar a percepção sobre o contexto do trabalho e os fatores estressores dos docentes dos campi agrícolas do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Roraima (IFRR). A pesquisa foi desenvolvida a partir de abordagem quantitativa e qualitativa, tendo como sujeitos 24 docentes da instituição. O tratamento e análise dos dados seguiram as técnicas de análise exploratória e análise de conteúdo. Através da aplicação de questionário aos participantes, constatou-se que os docentes dos campi agrícolas estão expostos aos riscos comuns da categoria profissional, tais como, estresse, fadiga, problemas de voz, garganta e ossos motores, hipertensão arterial, ansiedade, insônia, rinite alérgica e hérnia de disco; e aos específicos dos trabalhadores rurais, tais como, exposição demasiada ao sol e à mudança brusca do clima, manipulação de reagentes químicos/agrotóxicos, acidentes com animais peçonhentos e contato com dejetos animais. Os docentes desenvolvem ações preventivas, todavia somente 16,7% afirmaram conhecer legislações que amparam os direitos à saúde dos trabalhadores. Em relação às medidas institucionais, existem iniciativas no IFRR de ações de saúde e segurança do trabalho, porém a conjuntura sociopolítica do país dificulta a implementação dessas ações.
Linguagens, Educação e Sociedade pp 215-240; https://doi.org/10.26694/les.v0i44.7595

Abstract:
O propósito deste texto é apresentar o relato de uma experiência vivenciada em uma escola pública de Ensino Fundamental no município de Teresina (PI), envolvendo a apresentação de uma quadrilha junina de roda, por estudantes graduandos do curso de Licenciatura em Pedagogia. A ilustração dessas reminiscências encontra, teoricamente, base nas leituras de Bakhtin (2013), Brandão (1978), Campos (2007), DaMatta (1990), Lopes (2006), Melo (2010), Nunes (2005), Ribeiro Junior (1982), Rosa (2007), entre outros, que ajudam a tecer uma reflexão sobre a relevância das festividades escolares como elemento de tradição cultural, identitário e educativo; e também, Bourdieu (1999), Cortella (1998), Miranda (2000), entre outros, que ajudam a pensar sobre as possíveis críticas e reflexões ao movimento de mudança – ou de ressignificação – que essa prática tem tomado nos adventos da contemporaneidade. Um olhar histórico-social sobre as festas juninas no cenário nacional, e especialmente no Piauí, permite identificá-las como elemento que se articula ao universo escolar, como instituição responsável pela circulação, apropriação, manutenção e reinvenção do saber humano, conforme os modos históricos, culturais, artísticos e religiosos vigentes. Na escola acontecem aproximações didáticas com o valor literário, estético, lúdico e prazeroso das festividades. Assim, a vivência aqui relatada, favoreceu à aprendizagem e à interação entre: a) os acadêmicos em formação; b) os professores da escola, no exercício da docência; e c) os alunos, principais sujeitos da ação educativa. Foi um momento de reconstrução simbólica da memória coletiva, servindo como fio para a construção da cidadania e democracia em uma sociedade livre de preconceitos e enraizada no pensar crítico.
Cláudia Avellar Freitas, Thais Moreira Antônio, Wallace Victor Sales Tolentino
Linguagens, Educação e Sociedade pp 63-95; https://doi.org/10.26694/les.v0i46.10385

Abstract:
O texto apresenta parte de uma pesquisa em que buscamos compreender o que aprendem e como aprendem os bolsistas de iniciação à docência, ao participarem de um subprojeto interdisciplinar do Pibid/Capes. Através da observação participante, registrada em caderno de campo, e de entrevistas semiestruturadas, gravadas em áudio, traçamos questionamentos e análises sobre os saberes práticos desenvolvidos. Apoiados na perspectiva etnográfica de investigação, nas ideias de Tardif sobre os saberes docentes e na vertente bakhtiniana de análise do discurso, os resultados evidenciaram uma variada gama de saberes aprendidos pelos bolsistas, sobre os quais elaboramos categorias e as caracterizamos. Esses saberes se originam das necessidades roporcionadas pelo trabalho nas ações na universidade, pelo trabalho docente na escola básica e foram produzidos em diversos contextos, demandando processos reflexivos e dialógicos para serem constituídos. O projeto Pibid investigado proporcionou os contextos, entendidos como espaço físico, tempo contínuo e organização interdisciplinar entre os participantes, para interações e trocas de saberes. Como resultado dessas trocas destacamos as vivências dos saberes profissionais, pelos estudantes, inerentes às responsabilidades e ao labor docentes, antes do término da graduação.
Wirla Risany Lima Carvalho, Maria Carolina Junqueira Dória
Linguagens, Educação e Sociedade pp 28-48; https://doi.org/10.26694/les.v0i44.9172

Abstract:
Este trabalho partiu da indagação: A escola pública pode colocar em ação as temáticas do currículo oculto, utilizando-se de práticas pedagógicas e docentes diferenciadas? Para tanto, o objetivo foi apresentar uma experiência exitosa de práticas pedagógicas e docentes diferenciadas que desenvolvem o currículo oculto na escola pública. O campo teórico do estudo foi desenvolvido a partir dos conhecimentos sobre currículo e as práticas pedagógicas e docentes. Assim como foi apresentado sob um olhar de pesquisa com abordagem qualitativa na forma descritiva. Este estudo resultou na confecção de uma revista idealizada por professores e alunos do 2º ano do Ensino Fundamental de uma escola pública municipal. O projeto desenvolveu de forma singular a proposta curricular da escola, a fim de minimizar as situações vivenciais de vulnerabilidades a que estavam submetidas aquelas crianças. Formou melhores cidadãos, desenvolvendo com eles uma visão crítica de si, do outro, do meio e do mundo que os cercava, não só intencionando instruí-los para uma competência leitora. Abordou temáticas de valores humanos e alguns aspectos de cuidado biopsicossocial e espiritual com as crianças em sala de aula. Assim, a revista gerou resultados promissores como: motivação pela aprendizagem, formação de vínculos, afetividade, autoestima, identidade, valores humanos, além do desenvolvimento de habilidades e competências específicas para o nível de ensino em particular.
Mercedes Molina Galarza
Linguagens, Educação e Sociedade pp 34-58; https://doi.org/10.26694/les.v0i47.12855

Abstract:
El trabajo se inscribe en el campo de estudios referidos a la educación de personas jóvenes y adultas. Se propone analizar las representaciones y prácticas de un grupo de docentes en torno a la educación secundaria como derecho, en Mendoza, Argentina. En términos metodológicos, se trata de un estudio cualitativo basado en un grupo focal, del que participaron docentes del área de las ciencias sociales de la modalidad de jóvenes y adultos. Entre los principales hallazgos, se destaca una serie de categorías emergentes del grupo focal que dan cuenta de la educación secundaria como derecho: la asistencia de estudiantes a la escuela como desafío pedagógico-político; la necesidad de brindar conocimientos que sirvan para la vida; la existencia de una “distancia social” entre docentes y estudiantes como marco para la construcción de proyectos de vida; la necesidad de estar “preparados para que las cosas no salgan” por parte de las y los docentes; la generación de condiciones para enseñar y aprender; finalmente, la cuestión de la integración de la comunidad educativa. Los resultados se inscriben en una investigación mayor, en la que se indagan las experiencias escolares del estudiantado; las representaciones del profesorado y la existencia de tradiciones político pedagógicas críticas en la educación mendocina.
Raquel Sousa Valois, Rosa Maria Feiteiro Cavalari
Linguagens, Educação e Sociedade pp 05-24; https://doi.org/10.26694/les.v0i32.8623

Abstract:
Esse trabalho de natureza qualitativa, parte integrante de uma dissertação de mestrado, tem como objetivo apresentar uma análise do contexto no qual surgiu a política pública de educação ambiental – COM-VIDA, bem como apresentar os princípios teóricos e aspectos metodológicos que a regem e, para atingirmos tal objetivo, buscamos fazer análise das duas versões da publicação oficial, uma de 2004 e outra de 2007. A partir do estudo podemos afirmar que a COM-VIDA, criada em 2003, emergiu durante a implementação de uma política nacional que propunha uma educação básica envolvendo os estados e municípios e a sociedade civil. Os seus princípios teóricos estão embasados em propostas de Freire e Freinet e os aspectos metodológicos podem incentivar o protagonismo juvenil. O texto oficial que apresenta a política é formado por partes prescritivas, mas também oferecem aos sujeitos a possibilidade de desenvolverem ações de acordo com a sua realidade.
Maria Djanira Vieira Vascocelos, Solange Alves De Oliveira Mendes,
Published: 29 November 2019
Linguagens, Educação e Sociedade pp 242-264; https://doi.org/10.26694/les.v0i43.9664

Abstract:
Esse estudo busca analisar a influência do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa – PNAIC no processo de didatização do ensino de língua portuguesa nos anos iniciais do Ensino Fundamental. Está ancorado nos campos da formação docente e da alfabetização. O corpus teórico conta com contribuições de autores, tais como: Morais (2019; 2012), Soares (2017), Chartier (2007), Garcia (1999), Pereira (2012), entre outros. Trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa (ANDRÉ, 2003) que recorreu, como técnica de investigação, à observação participante (LÜDKE; ANDRÉ, 1986). A produção dos dados teve início no primeiro semestre de 2019, em três turmas do Bloco Inicial de Alfabetização (1º, 2º e 3º anos). Três das doze observações previstas compuseram o escopo de análise. Os dados preliminares indicam, a partir de um dos eixos priorizados nos cadernos do PNAIC, o sistema de escrita alfabética, que, como previsto, houve predominância da exploração de leitura das unidades: letra, sílaba e palavra por parte das turmas de primeiro e segundo anos. Já em relação a sentenças/frase, a turma de terceiro ano também investiu nesse encaminhamento. A unidade linguística escrita de palavras foi priorizada nas três turmas acompanhadas. Embora o estudo tenha comprovado uma atenção dada à comparação de palavras quanto ao número de sílabas e letras, inexistiu uma prática com rimas entre os três grupos-classe. Alinhando-se às proposições do PNAIC, as professoras vinham empreendendo esforços em articular os campos da alfabetização e do letramento.
Bethania Bittencour,
Linguagens, Educação e Sociedade pp 159-185; https://doi.org/10.26694/les.v0i44.10159

Abstract:
O presente artigo aborda a atuação dos orientadores pedagógicos da rede municipal de Queimados (RJ), na Baixada Fluminense. A partir da análise documental e aplicação de questionários em 2018, buscamos analisar a política acerca da atuação do orientador pedagógico e as percepções destes atores escolares sobre a gestão democrática da escola pública e das suas práticas pedagógicas. O conselho escolar e o projeto político pedagógico são indicados como principais mecanismos de gestão democrática. Por outro lado, apontam um descrédito neste colegiado devido às práticas procedimentalistas e as ações de elaboração e avaliação do projeto político pedagógico sem participação da comunidade escolar. Indicam uma demanda de atividades burocráticas, uma vez que o que acontece na escola torna-se pedagógico e, por isso, de atribuição do orientador pedagógico, o que leva a um afastamento do trabalho pedagógico cotidiano.
Juliana De Abreu Werner
Linguagens, Educação e Sociedade pp 127-148; https://doi.org/10.26694/les.v0i30.8715

Abstract:
Buenos Aires. Metade do século dezenove. Uma política de fomento à imigração europeia traz às terras portenhas mais de seis milhões de imigrantes. Ao contrário do que o governo argentino esperava, as que compunham esse cenário não eram pessoas requintadas, conhecedoras de arte e ciência, muito menos mão de obra qualificada. Os imigrantes de pouca instrução e de poucos meios que passaram a fazer parte da população residente nos arrabais portenhos, assolados pela saudade de suas terras, buscando no ambiente prostibulário por uma natural comunhão, dão origem ao tango nas últimas décadas do século dezenove. Por volta da mesma época, os irmãos Lumière produzem o invento que chamariam de cinematógrafo, palavra de raiz grega que significa “registro do movimento”. Portanto, percebo o tango e o cinema como expressões contemporâneas. Esse artigo propõe analisar de que maneira a linguagem cinematográfica, bem como as escolhas estéticas do cineasta atuam como agente narrador de história e memória em Tango de Carlos Saura. Usando o aporte teórico dos Estudos Culturais e entendendo as produções cinematográficas como artefatos pedagógicos, busco perceber quais são os sentidos produzidos sobre o tango argentino na narrativa construída por Saura. Inicio meu exercício analítico a partir de um olhar atento sobre os elementos técnicos de cenário, iluminação e figurino empregados na construção da obra. Somado a isso, a linguagem cinematográfica utilizada por Saura, perceptível por meio dos planos, ângulos e movimentação de câmera, também são aspectos importantes que compreendem a análise.
Fernanda Josirene De Melo Ferreira, Cleide Jane De Sá Araújo Costa,
Published: 29 November 2019
Linguagens, Educação e Sociedade pp 472-490; https://doi.org/10.26694/les.v0i43.9343

Abstract:
O artigo aborda um problema referente à resistência dos alunos do ensino superior, que se envolvem em atividades que promovam a sua autoria. Apesar da adesão dos usuários em produzir conteúdo por meio de aplicativos (recursos digitais) que viabiliza a autoria, quando se trata do contexto educacional, nem sempre as interfaces presentes nos recursos digitais conseguem angariar a participação de discentes, principalmente se ainda não estão inseridos na Cultura Digital. Essa deficiência no envolvimento do discente pode estar relacionada ao desenvolvimento de uma produção textual, em razão da falta de aperfeiçoamento da escrita acadêmica dissertativa. Dessa forma, a exigência do uso da linguagem formal associada ao frágil domínio da modalidade culta da língua, pode provocar a inibição e a insegurança na participação, não viabilizando assim sua autoria digital. Nesse sentido, a questão da pesquisa é: como os recursos digitais, que vão além da linguagem textual, podem contribuir para a autoria discente? Para essa questão, objetiva-se identificar as possibilidades de autoria discente na produção de mapa conceitual e vídeo curto. Dessa forma, realizou-se um estudo teórico, no qual refletiu-se se os elementos da autoria (identidade e autonomia) podem ser identificados nos recursos digitais sugeridos. O artigo conclui que utilizar recursos que dispõem de interfaces no qual é viabilizada a construção de mapa conceitual e vídeo curto, como alternativas à produção de conteúdo textual, podem contemplar diferentes estilos de prendizagem.
Thyara Antonielle Demarchi, Rita Buzzi Rausch
Linguagens, Educação e Sociedade pp 267-287; https://doi.org/10.26694/les.v0i32.8635

Abstract:
Este texto é parte de uma pesquisa mais ampliada que resultará na dissertação de mestrado do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Regional de Blumenau e aborda a análise das compreensões de professores de duas universidades finlandesas acerca dos conceitos de “professor reflexivo e pesquisador” que permeiam suas práticas e conhecimentos. A questão central da investigação foi: “Quais as compreensões de professores de duas universidades finlandesas sobre professor reflexivo e pesquisador?” O objetivo foi “analisar as compreensões de professores de duas universidades finlandesas sobre professor reflexivo e pesquisador” a partir de entrevistas semiestruturadas com oito professores sendo quatro de cada universidade. As entrevistas aconteceram nos meses de janeiro a março de 2014 na Finlândia. Na análise dos dados apoiamonos nas ideias centrais de Nóvoa (2001); Schön (1987); Gomez (1992); Dewey (1985), Sadalla (2006) e Sá-Chaves (2002) acerca de professor reflexivo, em relação ao professor pesquisador, tivemos como suporte as ideias de André (2001, 2006); Lüdke (2001, 2005), Rausch (2008, 2010) e Imbernón (2012). Os resultados da análise apontaram que em algumas falas, é possível verificar certa disparidade nos significados dos conceitos, entretanto, sinalizamos pontos como a presença da pesquisa dentro da formação de professores, a preocupação no auxílio aos estudantes em desenvolver-se como professores que refletem sua prática, articulando a teoria e os questionamentos constantes dentro do contexto universitário e escolar, de forma autônoma e cooperativa.
Jucélia Oliveira Santos, Rosineide Pereira Mubarack Garcia
Linguagens, Educação e Sociedade pp 264-295; https://doi.org/10.26694/les.v0i46.9982

Abstract:
O artigo analisa o processo de implementação dos cursos de Licenciatura em Educação do Campo (LEDOC) na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), com destaque para os seus desafios e potencialidades. A pesquisa é de cunho qualitativo e resulta de levantamento bibliográfico, análise de documentos oficiais, aplicação de questionários com docentes e estudantes e de entrevistas com os gestores dos colegiados dos cursos analisados. A fundamentação teórica foi constituída a partir de trabalhos de autores como Molina (2015; 2017), Hage, Silva e Brito (2016), Secchi (2017) e Bicalho (2018). Como resultados, a investigação evidenciou alguns desafios, sendo os principais deles relacionados à falta de recursos físicos e financeiros, que acaba comprometendo a realização das atividades planejadas, notadamente, as referentes ao tempo comunidade. Entretanto, a formação de educadores nas LEDOCs oferece elementos que contribuem para uma formação diferenciada, crítica, reflexiva, política e emancipatória, capacitando os sujeitos para desenvolverem práticas pedagógicas que viabilizam uma educação contextualizada que abarca não só a escola do campo, mas também a comunidade e demais espaços formativos em seu entorno.
Valdete Côco, Silvana Ventorim, Kallyne Kafuri Alves
Linguagens, Educação e Sociedade pp 75-98; https://doi.org/10.26694/les.v0i32.8626

Abstract:
Este estudo, integrante de uma pesquisa mais ampla sobre a configuração da Educação Infantil (EI), tematiza a formação continuada (FC) voltada aos docentes atuantes neste campo educacional, observando-se principalmente as iniciativas empreendidas nas políticas públicas. Com um referencial teórico-metodológico bakhtiniano, sintetiza um quadro de referências pautadas para o desenvolvimento de políticas públicas de FC. Dialogando estas premissas com a constituição do campo da EI, analisa iniciativas de FC desenvolvidas no Espírito Santo, em articulação com os dados nacionais sobre as funções docentes na EI. No bojo da luta pela qualificação da EI, evidencia a necessidade de observar uma dialogia da FC com a formação inicial, a constituição dos quadros funcionais e a especificidade do trabalho educativo com as crianças pequenas. As iniciativas mais próprias à FC dialogam com as políticas de reconhecimento e valorização dos profissionais, informando que os investimentos no empoderamento dos docentes estão implicados com fortalecimento da EI. Assim, a aposta na FC na EI não se efetiva de modo isolado, pois precisa associar-se a outras apostas de modo a compor um conjunto de investimentos que, articuladamente, mobilizem melhores condições para a configuração da primeira etapa da Educação Básica.
Roberta Cavalcante DE França, Kamila Regina Souza, Ademilde Silveira Sartori
Linguagens, Educação e Sociedade pp 221-243; https://doi.org/10.26694/les.v0i32.8633

Abstract:
Este artigo propõe refletir sobre Educomunicação e Educação Popular a partir de práticas pedagógicas educomunicativas desenvolvidas por educadores(as) populares do Ceará. Trazemos aqui o resultado do exercício reflexivo de pesquisa em andamento sobre a importância de articular a educação popular ao contexto da educação escolar. Para isso, recorremos às visões de autores que pensam Educomunicação e Educação Popular solidificando-os em práticas e teorias. Para subsidiar nossas reflexões, utilizamos como objeto de análise a experiência de doze educadores(as) populares que ministraram oficinas de comunicação no projeto chamado Laboratórios de Comunicação Escolar/Projeto Entrelace, em sete escolas públicas de Fortaleza e Região Metropolitana. A partir de fragmentos do conteúdo das entrevistas, apresentamos e refletimos sobre o que eles(as) entendem sobre Educomunicação e Educação Popular e também como compreendem sua prática pedagógica nas oficinas de comunicação que ministraram no referido projeto. Os(as) educadores(as) destacam a importância de suas práticas estarem envolvidas com temas que problematizem o mundo, a sociedade e as questões levadas pelos(as) educandos(as) para ambientes de aprendizagem, como a escola pública.
Rosane Carneiro Sarturi, Naila Cohen Pomnitz, Fernanda Cristofari Machado, Eliziane Tainá Lunardi Ribeiro
Linguagens, Educação e Sociedade pp 47-74; https://doi.org/10.26694/les.v0i32.8625

Abstract:
O presente trabalho tem como objetivo analisar o contexto das políticas públicas inerentes a formação de professores na modalidade a distância, considerando as competências e habilidades necessárias a formação inicial, observando o projeto pedagógico de um curso de Pedagogia a distancia de uma instituição federal de ensino superior (IFES) do Rio Grande do Sul (RS). Para tanto, realizou-se um estudo documental e bibliográfico como forma de inferir conceitos relacionados à formação de professores e a Educação a Distância (EaD), bem como pesquisa na base de dados disponibilizados pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) no que concerne aos dados do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES) do ano de 2011. A base teórica constituiu-se de documentos legais do Governo Federal, bem como de autores como Arroyo (2000), Freire (1995, 1996), Perrenoud (2000, 2002), Imbernón (2009, 2010), entre outros. A metodologia proposta contempla uma abordagem quantiqualitativa (TRIVINÕS, 2008), através da análise documental das políticas públicas educacionais atuais para a formação de professores e dos dados coletados através da plataforma do INEP. Para compreender os dados utilizou-se a análise de conteúdo de Bardin (2011) como forma de ler criticamente os objetos que constituem o escopo desta pesquisa. Por meio das análises realizadas observou-se que, os avanços tecnológicos no sistema educacional têm incentivado a criação e o desenvolvimento de políticas públicas voltadas para programas de educação a distância, pois as tecnologias proporcionam novas condições de produção e construção de conhecimentos.
Dinamara Garcia Feldens, Mary Barreto Dória, José Laerton DA Silva
Linguagens, Educação e Sociedade pp 99-116; https://doi.org/10.26694/les.v0i32.8627

Abstract:
Este artigo nasce como fruto da pesquisa “Entre experiências e compreensões: cartografias da formação de professores”, pesquisa financiada pelo CNPq, realizada nos períodos de julho de 2012 a julho de 2013. Pretende-se aqui, refletir e dissertar sobre a formação de professores a partir da filosofia da diferença, mais especificamente à partir da filosofia produzida pelo filósofo francês Gilles Deleuze (1925-1995). Busca-se assim, pensar a formação de professores e os processos educativos a partir de outros olhares, na tentativa de propor outros caminhos para a trajetória da educação. Não objetiva-se aqui, instituir verdades, mas, sobretudo, objetiva-se ampliar o olhar para as infinitas possibilidades do real.
José Pedro Guimarães DA Silva,
Linguagens, Educação e Sociedade pp 90-109; https://doi.org/10.26694/les.v0i44.8464

Abstract:
Este texto versa sobre a articulação dos três momentos pedagógicos da ação didática, na área de ensino de ciências, como atividade instrumentalizadora da práxis pedagógica. As inquietações que motivaram sua escrita partiram de reflexões constituídas no percurso da disciplina teorias e abordagens investigativas sobre formação, didática e trabalho docente, inserida no currículo do Doutorado Acadêmico em Educação e na prática profissional dos autores como formadores de professores na graduação. Tais inquietações decorrem da percepção das dificuldades de compreensão da categoria práxis pelos graduandos. Assim, o objetivo geral desta pesquisa consiste em caracterizar as estratégias de articulação dos três momentos pedagógicos da ação didática como instrumentos para efetivação da práxis pedagógica na sala de aula. O desenvolvimento do estudo compreende uma sucinta discussão das categorias práxis, intersubjetividade, reflexibilidade e dialogicidade, tendo como autores basilares, respectivamente, Adolfo Sanches Vázquez, Jacques Therrien, José Gimeno Sacristán e Paulo Freire. Por fim, apresentam-se as estratégias de articulação dos três momentos da ação didática e suas relações com as categorias discutidas. Metodologicamente esta pesquisa se orienta pela abordagem qualitativa, do tipo bibliográfica. Os resultados apontam que as categorias discutidas no quadro teórico dialogam entre si, colaborando, através da perspectiva epistemológica, política e pedagógica que as sustentam, com a formação e o trabalho docente, que aponta para a necessária articulação entre teoria e prática nos processos de ensino-aprendizagem, numa perspectiva de favorecimento da práxis pedagógica.
Cecilia Rosa Lacerda,
Linguagens, Educação e Sociedade pp 109-129; https://doi.org/10.26694/les.v0i47.11236

Abstract:
Este artigo é resultado de uma pesquisa que teve como objetivo analisar os desdobramentos da Base Nacional Comum Curricular – BNCC na autonomia do trabalho docente, os objetivos específicos incidiram a contextualizar a BNCC na Educação Básica e identificar as estratégias de preservação da autonomia através da narrativa das Professoras. A metodologia da investigação baseou-se na abordagem qualitativa, com a realização de entrevistas semiestruturadas com os professores efetivos dos anos iniciais do ensino fundamental, de três escolas do município de Quixadá, no Sertão Central cearense. Os resultados apontaram que, mesmo diante das desigualdades sociais, há possibilidades pontuais de incitar a autonomia coletiva, como estratégias de ensino que permitem a ampliação de conhecimentos críticos da realidade. Concluímos, portanto, com a certeza de ser, o trabalho docente, essencial para promover mudanças no ensino e aprendizagem.
Monique Vieira Amorim Bandeira,
Linguagens, Educação e Sociedade pp 130-156; https://doi.org/10.26694/les.v0i47.11726

Abstract:
O presente artigo discorre sobre uma pesquisa qualitativa realizada com quatro estudantes do terceiro ano do Ensino Fundamental, de uma escola pública do Distrito Federal. O objetivo foi o de utilizar jogos didáticos para avaliação diagnóstica dos níveis e habilidades de consciência fonológica. Abordamos a consciência fonológica como uma importante dimensão metalinguística para o processo de compreensão do Sistema de Escrita alfabética a partir dos postulados teóricos de Morais (2012) e Soares (2017). Apresentamos, também, a relevância dos jogos pedagógicos como estratégias, tanto como recurso para o desenvolvimento de habilidades específicas, como para avaliação diagnóstica, de acordo com Brandão et al. (2009) e Brasil (2011). Os participantes da pesquisa demonstraram possuir, em níveis distintos, consciência fonológica referente à consciência silábica, sobretudo de rimas e aliterações. O estudante que se encontrava no nível pré-silábico da psicogênese, apresentou uma percepção incipiente das sílabas finais das palavras orais e destas na formação de outras palavras enquanto os que estavam no silábico de qualidade, reconheceram as sílabas orais iniciais e finais de algumas palavras. O que se encontrava no nível silábico-alfabético evidenciou estar em um processo mais avançado de compreensão do Sistema de Escrita alfabética apresentando melhor desempenho na segmentação oral das palavras usando como tática o registro escrito para superar os desafios.
Francisco Alencar DE Vasconcelos Neto, Francisco Mesquita DE Oliveira
Published: 17 November 2020
Linguagens, Educação e Sociedade pp 237-266; https://doi.org/10.26694/les.v0i45.8391

Abstract:
Este trabalho analisa a gestão educacional do ensino fundamental de Teresina-PI, na regional administrativa Centro-Norte, no que tange ao acesso à informação e à transparência de dados públicos enquanto mecanismo de formação cidadã no ambiente escolar. O texto é parte de uma pesquisa de mestrado concluída. Os objetivos da pesquisa estão centrados na observância e aplicação da Lei de Acesso à Informação; na indicação dos meios de comunicação que compõem o atual processo informacional e na análise da participação popular nos redutos escolares. A pesquisa optou por uma abordagem metodológica qualitativa, com a seleção de cinco escolas para análise amostral em que os sujeitos foram os integrantes dos conselhos escolares, totalizando dezoito participantes na amostra intencional. Os dados foram coletados por meio de análise documental e entrevistas semiestruturadas. A pesquisa identificou como achados um processo informacional incompleto, com pouca participação da comunidade escolar em prol da administração, insuficiente controle das finanças públicas por meio dos conselhos e concentração da atividade gestora na figura do diretor, fatores que interferem nos resultados de eleições para diretor, na demanda de informação e na necessidade da digitalização e uso de tecnologias para o serviço informacional escolar.
Laura Maria Silva Araújo Alves, Jacqueline Tatiana DA Silva Guimarães
Linguagens, Educação e Sociedade pp 21-39; https://doi.org/10.26694/les.v0i30.8709

Abstract:
Este artigo surgiu da leitura detalhada das obras de Gilberto Freyre Casa-Grande & Senzala e Vida Social no Brasil nos Meados do Século XIX, na qual percebemos que a criança se apresentava como protagonista da narrativa. Falar sobre a infância parecia ser um grande desejo de Gilberto Freyre. Em 1921, ele confidenciou em seu diário que desejaria escrever sobre a infância brasileira. Embora não tenha materializado esse desejo, nos anos 20 do século passado, Gilberto Freyre timidamente escreveu quatro artigos para o Diário de Pernambuco falando das crianças, seus livros e brinquedos. Da leitura das duas obras destacamos cinco categorias de análise: (1) mortalidade e abandono de crianças; (2) práticas culturais e os cuidados com a criança; (3) superstições na proteção da criança; (4) rituais nos funerais e sepultamentos de crianças; (5) castigos corporais e disciplinamento da criança. Para resgatar a infância no Brasil, Freyre buscou dados em vários documentos. Os discursos narrativos sobre a infância foram construídos a partir de relatos de viajantes, narrativas de romances e contos, poemas, narrativas de historiadores, anúncios de Jornais, teses de medicina, pareceres médicos, congressos médicos etc. A narrativa de Gilberto Freyre é repleto de uma polifonia discursiva que retratam a infância do Império a República. Nas duas obras verificamos que a cultura indígena, portuguesa e negra impregnou pensamentos, comportamentos e hábitos que até hoje estão nas práticas culturas e educacionais de nossas crianças.
, Marilia Costa Morosini
Linguagens, Educação e Sociedade pp 83-108; https://doi.org/10.26694/les.v0i47.10193

Abstract:
Esse artigo traz uma discussão sobre as aproximações conceituais de internacionalização at home e interculturalidade, a partir de uma pesquisa bibliográfica qualitativa. Como principais resultados, temse a proposta de repensar a internacionalização at home como um meio de se desenvolver aspectos da interculturalidade no espaço da educação superior, além de um olhar para forças que minam e impulsionam esses construtos. As principais aproximações e distanciamentos identificados foram a incorporação das discussões de temas como a colonialidade e a interculturalidade crítica; a necessidade se expandir pesquisas na área, ainda incipientes quando se trata do ponto de vista de competências interculturais e a necessidade de se incluir a perspectiva histórica do contexto. Para os distanciamentos, entende-se que interculturalidade at home é muito mais abrangente do que a internacionalização at home, sendo esse último, um meio e não o fim para as discussões conceituais.
Maria Josélia Zanlorense
Linguagens, Educação e Sociedade pp 52-71; https://doi.org/10.26694/les.v0i30.8711

Abstract:
Trata-se no presente estudo, de forma específica, sobre a criação e instalação da Escola de Aprendizes Artífices no Estado do Paraná no início do século XX. O estudo parte de um contexto mais amplo e apresenta as transformações sociais, políticas, econômicas e culturais ocorridas no início do Brasil republicano, alterações que determinaram a valorização da educação para atender a formação da população brasileira diante das novas demandas da economia capitalista que se instaurava no país. Apresenta as mudanças socioeconômicas no Estado do Paraná, a exemplo da chegada dos imigrantes, o desenvolvimento da indústria, do comércio e o aumento da população urbana na cidade de Curitiba, capital do Estado. Buscou-se averiguar a formação que esta instituição ofereceu no período de sua instalação e ainda evidenciar a que necessidades essa instituição veio atender. As respostas que se evidenciaram com o decorrer da pesquisa mostrou uma conjuntura de interesses do Estado em atender a demanda do capital.
Leticia Arruda,
Linguagens, Educação e Sociedade pp 07-27; https://doi.org/10.26694/les.v0i44.9998

Abstract:
A formação continuada de professoras alfabetizadoras tem sido, nos últimos anos, foco de políticas públicas, com o intuito de diminuir os índices de analfabetismo em nosso país. Este trabalho busca identificar os efeitos dessa formação na concepção das professoras sobre a alfabetização na perspectiva do letramento. Consistiu em ampliar os conhecimentos sobre a alfabetização e o letramento, levando em consideração as especificidades inerentes a essa etapa da Educação Básica e aprofundar aspectos relacionados aos processos formativos. Com abordagem qualitativa, os dados foram coletados por meio de questionário junto a trinta professoras efetivas com experiência em turmas de 1º e/ou 2°ano da rede municipal de educação de Lages/SC. Na segunda etapa da pesquisa empírica, foram selecionadas dez professoras, de acordo com os critérios de inclusão, para a realização da entrevista semiestruturada. Após a pesquisa, foi possível verificar, de acordo com a percepção das professoras, que as turmas de 1º e 2º ano necessitam de um enfoque diferenciado, levando em consideração a importância da alfabetização e letramento para os estudantes. Entendem que a formação continuada é uma das maneiras de auxílio, mas reconhecem que ainda lhes faltam subsídios para tratar das dificuldades de aprendizagem. Desse modo, torna-se imprescindível que a formação continuada de alfabetizadoras oportunize às professoras aprofundarem questões inerentes a esse processo e que leve em consideração as práticas e exigências educacionais, no desenvolvimento dos conteúdos curriculares da Educação Básica.
Published: 29 November 2019
Linguagens, Educação e Sociedade pp 170-192; https://doi.org/10.26694/les.v0i43.9689

Abstract:
Este artigo analisa três documentos curriculares recentes – os Cadernos de Formação do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (BRASIL, 2012), a Base Nacional Comum Curricular (BRASIL, 2018) e o Caderno da Política Nacional de Alfabetização (BRASIL, 2019) – para compreender de que modo o dispositivo de antecipação da alfabetização opera nesses textos para produzir a criança alfabetizada. Com base em uma perspectiva foucaultiana, considero que um dispositivo se constitui de elementos diversos e tem como objetivo eliminar determinados riscos e governar dadas populações. O dispositivo de antecipação da alfabetização pretende governar crianças e docentes a fim de produzir uma criança que se alfabetize o quanto antes, eliminando os riscos que uma população analfabeta pode representar. Argumento que para justificar a antecipação da alfabetização como estratégia fundamental para a diminuição dos riscos que envolvem a população infantil, os três documentos curriculares utilizam a expertise e a argumentação em torno da ciência como técnica importante. Embora se utilizem de técnicas semelhantes, as definições de quem são os experts e qual ciência é a verdadeira variam nos documentos, gerando tensões e conflitos em torno de que conhecimentos e saberes são válidos no processo de alfabetização. Com base na análise de discurso de inspiração foucaultiana, mostro as condições de emergência para que essas verdades sejam afirmadas, bem como os conflitos que se estabelecem na demanda pelas posições de sujeito criança alfabetizada e boa professora alfabetizadora.
Rosana Carla DE Oliveira,
Linguagens, Educação e Sociedade pp 165-193; https://doi.org/10.26694/les.v0i46.11253

Abstract:
A Comunidade Infantil é a primeira creche universitária federal, pertencente à Universidade Federal de São Paulo- Unifesp. Foi criada em 1971, para atendimento dos filhos de duas funcionárias da Escola Paulista de Enfermagem (EPE). Este artigo tem como objetivo apresentar a representação das práticas pedagógicas de um tempo vivido na instituição. A delimitação temporal compreende de 1971 ano da criação até 1979, período em que a Comunidade Infantil funcionou no prédio da EPE. Como fontes foram utilizadas memórias, iconografias e um manual. A categoria principal de análise é a de instituição educativa, com empréstimos do referencial teórico de Justino Magalhães, que aponta para a importância da materialidade, representação e apropriação; como ategorias decorrentes foram empregadas as memórias, sob as perspectivas de Halbwachs e Bosi; e lugar com os estudos de Michel de Certeau. Notase como resultado dessa investigação que as práticas pedagógicas dessa Instituição Educativa seguiram o projeto institucional elaborado. As análises permitiram concluir que as intenções e interesses dos responsáveis se materializaram no cotidiano, que as questões pedagógicas, associadas as da saúde fizeram parte das ações. Ainda, que algumas dessas práticas tenham sido transformadas ao longo da história da instituição.
Fernanda Miquelotti Pereira Serrador,
Linguagens, Educação e Sociedade pp 110-139; https://doi.org/10.26694/les.v0i44.9691

Abstract:
Esse artigo parte da seguinte questão: como graduandos de curso a distância interiorizam e exteriorizam a ideia do esforço acadêmico, considerando a sua posição social no campo da graduação na educação superior pública? Além de analisar tal questão, o artigo também identifica a trajetória familiar e escolar dos graduandos, suas práticas culturais e de lazer e as particularidades da EaD, tendo como eixo a reflexão sobre o esforço acadêmico. Bourdieu é tomado como referencial teórico de análise. A discussão também se relaciona a aspectos da literatura sobre o contexto de acesso, permanência e vivência acadêmica na educação superior (ALMEIDA, 2006; SETTON, 2005; ZAGO, 2006); sobre a EaD (PIMENTA; LOPES, 2014; SILVA; TAVIRA, 2013); sobre o perfil dos estudantes (LOPES, LISNIOWSKI e JESUS, 2012; REIS, 2014; SILVA, 2015); em relação ao esforço acadêmico (ALMEIDA, 2006; NETTO, 2011) e aquisição de um capital cultural não herdado (NOGUEIRA, 1997). O resultado das seis entrevistas semiestruturadas com graduandos, na faixa etária aproximada dos 30 anos a 46 anos de idade, no enfoque metodológico da reflexividade reflexa de Bourdieu (2012), concluiu que os trabalhadores-estudantes abdicam ou tornam menos intensas certas necessidades, a exemplo do sono (necessidade biológica), do tempo de convívio com a família (socioafetivas), sendo que esses elementos vão constituindo parte das virtudes morais desses estudantes pelo sentido prático de dar exemplo para os demais membros da família (ser esforçado é “não ter preguiça”, naturalizando o conceito de esforço), em relação à expectativa de distinção social pela conquista do diploma de uma instituição pública.
Cristina Dallastra Soares,
Linguagens, Educação e Sociedade pp 243-263; https://doi.org/10.26694/les.v0i46.11610

Abstract:
O artigo discute a necessária relação entre alfabetização, letramento e ludicidade na prática pedagógica e em políticas de formação continuada para professores alfabetizadores. Trata-se de uma pesquisa qualitativa que objetivou analisar as relações e contradições entre os fundamentos teórico-metodológicos que embasam a formação continuada na Rede Municipal de Curitiba e as repercussões para a prática pedagógica de professores alfabetizadores, do primeiro ano do Ensino Fundamental. O trabalho de campo constou de entrevistas com profissionais do sistema municipal de ensino, responsáveis pela formação continuada e com professores alfabetizadores, sendo a análise de conteúdo das entrevistas realizada com base no método de Bardin (1977). Ressalta-se que as ações formativas seguem diretrizes e documentos da mantenedora que, orientam como fundamento da prática pedagógica a concepção sociointeracionista de aprendizagem e propõem o trabalho associado entre alfabetização e letramento. No entanto, constataram-se contradições em relação à sua efetividade, que para as professoras alfabetizadoras, enfatizam o repasse de práticas para ensino do sistema alfabético. Esta perspectiva fragiliza a formação dos alfabetizadores, que demanda consistente base teórica para compreensão e materialização de práticas integradas de alfabetização e letramento, contemplando suas múltiplas facetas e, entre elas, o direito à aprendizagem lúdica na infância.
, Hanilton Ribeiro DE Souza, Nanci Rodrigues Orrico, Rita DE Cássia Magalhães DE Oliveira
Published: 29 November 2019
Linguagens, Educação e Sociedade pp 447-471; https://doi.org/10.26694/les.v0i43.9404

Abstract:
O texto discute questões relacionadas aos ritos de passagem de estudantes de escolas rurais para escolas na cidade, com o objetivo de entender como a transição entre o território rural e urbano produz (des)encontros e (re)configurações nos alunos de escolas rurais, à medida que suas identidades são desvalorizadas, modificadas e até anuladas pelo projeto de sociedade da escola urbana. Metodologicamente, nos apoiamos em princípios da abordagem (auto)biográfica com a utilização de entrevistas narrativas como dispositivos de pesquisa. Os resultados indicam a necessidade de maior atenção aos alunos que ingressam no espaço escolar, sobretudo aqueles oriundos dos territórios rurais, desdobrando-se em modos próprios de acompanhamentos dos seus processos de inserção escolar e de aprendizagens. A escola precisa respeitar e valorizar as especificidades de cada estudante, notadamente, no que se refere a sua origem, suas expectativas e maneiras de ser e viver, sem qualquer discriminação e assegurando sua permanência como um direito social.
Page of 6
Articles per Page
by
Show export options
  Select all
Back to Top Top