New Search

Export article

MEDEIA. DA AFIRMAÇÃO DO HUMANO À NEGAÇÃO DO DIVINO

Thais Luz Resende Gonçalves

Abstract: A pesquisa que comunicamos apresenta uma possibilidade de leitura da peça trágica Medeia, escrita pelo poeta Eurípides em 431 a.C., considerando a possibilidade que encontramos de leitura de múltiplas faces da personagem Medeia, marcadas por tensões que culminam na realização da peripécia – conceito extraído da Poética de Aristóteles. A peripécia, por sua vez, é interpretada dialeticamente, de modo a mostrar a originalidade de Eurípides. O prólogo do texto funciona como uma grande didascálica apresentando, portanto, essas faces de Medeia previamente anunciadas. Diante das faces que Medeia assume constituem-se figuras que identificamos como uma tríplice ambiguidade, quais sejam: Medeia transitando entre a passionalidade e a racionalidade, entre mulher bárbara e grega e a maior e mais importante ambiguidade, Medeia entre a figura humana e a figura divina. Sob essa perspectiva propomos que a construção da personagem Medeia é um expediente dialético.
Keywords: leitura / Medeia / Ambiguidade / POR / entre / figura / como / Possibilidade / PERIPÉCIA

Scifeed alert for new publications

Never miss any articles matching your research from any publisher
  • Get alerts for new papers matching your research
  • Find out the new papers from selected authors
  • Updated daily for 49'000+ journals and 6000+ publishers
  • Define your Scifeed now

Share this article

Click here to see the statistics on "Sapere Aude" .
Back to Top Top